Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Medvedev e três candidatos votam nas presidenciais russas

Moscou, 4 mar (EFE).- O presidente russo, Dmitri Medvedev, e três dos cinco candidatos que aspiram à Presidência russa, Vladimir Yirinovksi, Gennady Ziuganov e Mikhail Prokhorov, votaram neste domingo nas eleições presidenciais que se realizam no país e nas quais o primeiro-ministro, Vladimir Putin, é claro favorito.

Jirinovski, candidato pelo Partido Liberal Democrático da Rússia (PLDR), criticou as cabines de votação nas quais os eleitores recheiam suas cédulas, segundo a agência ‘Interfax’.

‘Não são cabines, mas uma profanação. Posso ver o que faz uma pessoa nessa cabine. Não é uma cabine para uma votação secreta’, disse Jirinovski na saída do colégio eleitoral de Moscou no qual depositou seu voto.

O candidato do PLDR manifestou que espera que o pleito seja limpo e honesto: ‘Eu gostaria que amanhã todos estejamos de bom humor. Se estivermos de mau humor é porque as eleições terão sido incorretas’.

O primeiro candidato à Presidência a votar foi o multimilionário e candidato independente Mikhail Prokhorov, que ao contrário dos rivais votou em seu estado ou região de origem, a siberiana Krasnoyarsk, a mais de 4.000 quilômetros da capital russa.

O empresário ressaltou que foi o primeiro candidato a votar e que o fez ‘no centro geográfico da Rússia’.

O candidato comunista, Gennady Ziuganov, após votar em um colégio eleitoral de Moscou, não quis dizer aos jornalistas se confia na realização de um segundo turno, mas indicou ‘quanto mais alta for a participação maior será a concorrência’.

Com mais da metade da jornada eleitoral esgotada, visto que a votação no Extremo Oriente russo começou à meia-noite de Moscou (17h de Brasília), o Ministério do Interior assinala que ‘o processo transcorre com normalidade, sem incidentes relevantes’.

No entanto, até agora votaram as regiões mais despovoadas da Rússia e por volta das 11h de Moscou (3h de Brasília) a participação alcançava 15,3% do censo, segundo a Comissão Eleitoral Central (CEC) russa. EFE