Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Israel expulsou 240.000 palestinos em 27 anos

Número corresponde a expulsões de Gaza e Cisjordânia de 1967 até 1993

Israel obrigou 240.000 palestinos a se retirarem de Gaza e da Cisjordânia desde que ocupou estes territórios em 1967 até a assinatura dos acordos de paz de Oslo (1993). As informações, até então secretas, foram divulgadas pelo Ministério da Defesa de Israel, que foi obrigado a passá-las a uma ONG após uma determinação judicial.

Leia também:

Sobre judeus e árabes: boas cercas fazem bons vizinhos?

‘Não queremos nosso povo morto’, afirma Defesa de Israel

Israel x Palestina: dos dois lados do muro

“Cerca de 140.000 moradores da Cisjordânia e 108.000 da Faixa de Gaza perderam suas permissões de residência, por motivos burocráticos e administrativos. É uma violação clara da lei internacional e que pode ser considerado uma forma de deportação, absolutamente ilegal”, disse Ido Blum, um dos diretores da ONG israelense Hamoked: Centro para a Defesa do Indivíduo.

A estes números é preciso somar mais 14.000 palestinos residentes em Jerusalém Oriental que perderam suas permissões de residência israelenses desde que se iniciou a ocupação. “Estes números foram secretos durante muito tempo”, explicou Blum, acrescentando que sua organização obteve a informação após reivindicar este direito na justiça com base em leis de liberdade de informação.

Motivos – Em Gaza, as autoridades militares israelenses retiraram a permissão de residência de cerca de 45.000 palestinos por estarem fora do território durante mais de sete anos, de outros 55.000 por não estarem presentes durante o censo de 1981 e a mais de 7.000 por não participarem desta mesma sondagem, sete anos mais tarde.

Na Cisjordânia, moradores que permaneceram ausentes por mais de três anos perderam o direito de residência, o que prejudicou estudantes e trabalhadores que viajaram ao exterior. “Em 1994, após Oslo, foi estabelecido um comitê misto palestino-israelense para tratar a devolução das permissões de residência, mas não se fez nada”, afirmou Blum.

“São um quarto de milhão de pessoas em menos de três décadas, é um ritmo muito alto. Representa a revogação das permissões de pelo menos 15% da população palestina, que não tem agora nenhuma forma de recuperar suas permissões e voltar para sua terra”, disse Blum.

(Com agência EFE)