Manchester: polícia identifica autor de ataque terrorista

Salman Abedi, de 22 anos, nasceu em Manchester e tem família de origem líbia

O responsável pelo atentado em Manchester que deixou 22 mortos e 59 feridos foi identificado pela polícia na tarde desta terça-feira como Salman Abedi, de 22 anos. O terrorista morreu no ataque, ao detonar um explosivo nos arredores da Manchester Arena, logo após o final de um show da cantora americana Ariana Grande, na noite de ontem.

Em comunicado à imprensa, o chefe da polícia de Manchester, Ian Hopkins, disse que não confirmará mais informações sobre o homem, pois ainda não passou por todos os procedimentos formais de identificação. No início do dia, o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria do ataque e afirmou que foi conduzido por um “soldado do califado”. A terminologia e a falta de outros detalhes indicam que o atentado não foi organizado pelo grupo, mas sim por um jihadista inspirado por sua ideologia.

Abedi nasceu em Manchester e tem origem líbia, de acordo jornal The Telegraph. Ele é o segundo mais novo de quatro irmãos e seus pais fugiram para a Inglaterra para escapar do regime de Muamar Kadafi. O terrorista já morou em diversos endereços da região, onde a família vive há no mínimo 10 anos.

As autoridades agora concentram suas atenções em identificar as vítimas e descobrir se Abedi agiu por conta própria, como “lobo solitário”, ou se teve apoio de uma rede de contatos. Na manhã de hoje, as forças de segurança prenderam um homem de 23 anos no sul de Manchester por conexão com o ataque e realizaram dois mandados de busca na região.

Três vítimas do atentado foram identificadas até o momento: as meninas Saffie Rose Roussos, de 8 anos, e Georgina Bethany Callander, 18, além de um homem de 28 anos, John Atkinson, todos ingleses.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Osmar Serrragem

    Quem será que o ensinou a odiar tao profundamente a terra onde nasceu? E a desprezar amigos de infancia e vizinhos? Sera agum Iman das redondezas?

    Curtir

  2. Carlos Aurélio

    Dora, ai, ai, se dependêssemos de CPIs para delatar e prender bandidos. E depois tem gente que reclama dizendo que a Justiça tem passado dos limites em alguns casos. Ora, a Justiça tem se esforçado, e bastante, e corajosamente (como é o caso de Moro e sua esposa), numa tentativa de varrer e limpar o país dessa roubalheira e sem-vergonhice tremenda que vêm aumentando o desgaste a que estamos sendo submetidos diariamente por força da falta de caráter daqueles que se querem “administradores ou políticos” – e na verdade não vão além de formadores de quadrilhas. Pois veja a situação do Brasil: faltou políticos verdadeiros e pessoas honestas pra administrar o país, já que nós mesmos, o “povo brasileiro”, temos sido excessivamente mansos na hora de cobrarmos nossos direitos.

    Curtir

  3. Jorge Luís dos Santos

    Sugestão ao governo britânico: elaboração de código penal para imigrantes e seus descendentes. O principal seria, além da punição, em seguida a consequente extradição para o buraco de sua origem. Com isso, ou o imigrante e seus descendentes se adaptariam ao novo país ou, se cometesse delitos, depois que pagasse a pena, VOLTARIA AO BURACO ISLÂMICO DE SUA ORIGEM. Nada mais do justo àqueles que não prezam pelo país que os recebera.

    Curtir