Presidente da França insinua que jogadores de futebol são burros

“Deveriam fazer musculação no cérebro”, atacou François Hollande, em trecho de livro que será lançado na França

Será lançado nesta semana, na França, o livro Un Président Ne Devrait Pas Dire Ça (Um Presidente Não Deveria Dizer Isso, em tradução livre), no qual os jornalistas Gérard Davet e Fabrice Lhomme compilam frases controversas atribuídas ao chefe de Estado François Hollande. Uma delas é um ataque direto à “inteligência” dos jogadores de futebol.

“Em vez de a federação ceder treinamentos aos atletas, deveria dar aulas. Aulas de musculação para o cérebro”, afirmou Hollande em uma passagem do livro revelada antes mesmo do lançamento. “Eles [os jogadores de futebol] passam de crianças sem uma boa educação a estrelas cheias de dinheiro sem preparação. Eles não são preparados psicologicamente para saber o que é certo e o que é errado”, completou.

O ex-jogador Emmanuel Petit, autor do terceiro gol da campeã França na final da Copa de 1998 diante do Brasil, rebateu impiedosamente o comentário de Hollande. “Suas palavras me decepcionam, mas não me surpreendem. Nós atletas por muito tempo fomos menosprezados por nossos ‘queridos’ governantes”, afirmou à emissora RMC Sport.

Petit foi ainda mais duto ao criticar a “honestidade” dos políticos. “Eu daria aulas de como treinar o cérebro aos jogadores, e ainda ensinaria política a eles. Especialmente honestidade. (…) Nós jogadores geramos nossa própria riqueza. Ao contrário dos políticos, que vivem às custas do dinheiro dos cidadãos. É isto que nos diferencia de vocês: nós não roubamos dinheiro do povo”, completou Petit.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Micky Oliver

    Burro sou eu que tenho que ralar a semana toda pra um salário de m*!

    Curtir

  2. Cesar8002UTB

    Bom, não precisam ser inteligentes não é? Se derem sorte acabam ganhando dinheiro fácil para jogar um jogo de crianças e aparecer em capa de revista. Até o louco do Adriano tem tanto dinheiro que ainda não parou na miséria.

    Curtir