A ‘história alternativa’ na novela Novo Mundo

Novo folhetim das 6 testa os limites da mistura de história com fantasia abilolada

Reportagem publicada nesta semana em VEJA analisa a forma como a história do Brasil é abordada em Novo Mundo, atual novela das 6 da Globo. Com sua combinação de figurões reais do passado, capricho visual e invenciones extravagantes, o folhetim engrossa um filão que já é popular na TV americana: a teledramaturgia devotada à exploração da chamada “história alternativa”. Já na sequência que abriu seu primeiro capítulo, Novo Mundo deu uma amostra do que isso significa. A vinda da princesa Leopoldina ao Brasil, em 1817, é recriada com luxo, desde a festa em um palácio com distribuição de barras de ouro à bandejada para os convivas até o embarque dos personagens em uma réplica bem feitinha de caravela portuguesa do início do século XIX. Tudo impecável, exceto por um detalhe capcioso: quase nada do que se vê na cena consta dos livros de história.

A reportagem ouviu estudiosos especializados naquele período para comparar situações mostradas na novela da Globo com o que aconteceu no passado de verdade e, assim, ajudar o espectador a separar os fatos históricos das puras lorotas. As liberdades de Novo Mundo vão do modo como se aborda as relações de Dom Pedro (Caio Castro) com a esposa, Leopoldina (Leticia Colin), e a amante, a Marquesa de Santos (Agatha Moreira), até questões como o suposto engajamento do herdeiro do trono português na causa dos índios brasileiros. E a lista de dúvidas nesse terreno movediço entre a ficação e o passado real é imensa. Faz sentido mostrar um personagem de óculos escuros naquela época? Ou um celular ser mostrado em cena? A conclusão é que há licenças poéticas aceitáveis e outras que não dá para engolir (e nem se fala aqui da balbúdia dadaísta de sotaques lusitano, carioca e alemão). Saiba mais sobre o que é verídico e o que baboseira na novela das 6 na edição de VEJA já nas bancas e tablets.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Não foi lindo ver o Imperador tomando chá com um jovem índio, ao lado de duas belas moças? Quase dava pra ouvir a conversa: “então, e aquele crush da última festa, comeu?”
    Vou parar por aqui, pois excesso de licença poética fez meu almoço voltar…

    Curtir

  2. Antonio Junior De Araujo Alexandre

    Minha gente, pelo amor de Deus

    Curtir

  3. Antonio Junior De Araujo Alexandre

    Tanta coisa séria acontecendo no Brasil

    Curtir

  4. Osmar Serrragem

    Não é ‘licença poética’, é ignorância mesmo…

    Curtir