Venezuela desvaloriza moeda em mais de 30%

Mudança na taxa de câmbio visa melhorar contas do governo, que, de acordo com analistas, fechou o ano passado com um déficit fiscal de 16% do PIB

A Venezuela anunciou nesta sexta-feira um ajuste de sua moeda frente ao dólar de 4,3 para 6,3 bolívares, o que implica em uma desvalorização de 32%.

A mudança na taxa de câmbio permitirá melhorar as contas do governo, que, de acordo com analistas, fechou o ano passado com um déficit fiscal de 16% do PIB, segundo publicou o jornal venezuelano El Universal. O anúncio foi feito pelo ministro do Planejamento da Venezuela, Jorge Giordani. O jornal acrescentou que a ação ainda poderá aliviar o alto endividamento da estatal de petróleo PDVSA.

A necessidade da desvalorização da moeda do país, o bolívar, já havia sido alertada pelo economista venezuelano Pedro Palma, em entrevista ao site de Veja, no início de janeiro. No entanto, para evitar um baque recessivo e um aumento na inflação – que deve chegar a 30% neste ano – a cotação deveria estar muito acima da atual, segundo ele. Palma citou que um dólar é negociado a 18 bolívares no mercado negro, valor que estaria mais próximo da realidade do país.

A cotação definida nesta sexta-feira passará a ser a única, já que as autoridades anunciaram ainda a eliminação do chamado câmbio secundário, de 5,3 bolívares por dólar, administrado pelo Banco Central do país.

O ministro Giordani também nunciou a criação do Órgão Superior para a Otimização do Sistema Cambial, mas não detalhou como será o funcionamento desse novo organismo.

O presidente Hugo Chávez determinou a política de câmbio fixo a partir de 2003, que vale para todas as importações de bens, compra de dólares para viagens ao exterior e aquisição de dívida soberana e da estatal petrolífera PDVSA. Com essa última modificação, o bolívar registra cinco alterações cambiais desde então.

(Com Reuters)