Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Senadores analisam ordem de votação de reforma; assista

O Planalto tentou minimizar a derrota ontem na Comissão de Assuntos Sociais e disse que o texto governista será aprovado do plenário

 

Começou a sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado que analisaria a proposta de reforma trabalhista. Pelo cronograma governista, o relatório do senador Romero Jucá (PMDB-RR), presidente do colegiado, será lido hoje e colocado em votação na quarta-feira que vem (28).

O texto do relator não altera o texto aprovado na Câmara. O objetivo da base governista é aprovar logo a reforma trabalhista. Se o texto for alterado, precisa voltar para a Câmara.

O líder do PT, Lindbergh Farias (RJ), propôs que hoje só seja feita a leitura do relatório do senador Romero Jucá e seja concedida vista coletiva. Ele quer fazer uma audiência pública na próxima terça-feira e votar na quarta.

Segundo a senadora Lídice da Mata (PSB-BA), é preciso tempo para analisar o relatório de Jucá.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse que se passou por cima do regimento para fechar um acordo que previa a apresentação do relatório hoje, mas que não se discutiu se a leitura dos votos em separado seria feita hoje. Segundo ela, o acordo prevê que a leitura dos votos em separado será feita no dia 28.

Ontem, o relatório governista do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) foi rejeitado por 10 votos a 9 na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

O Planalto tentou minimizar a derrota e disse que o texto governista será aprovado do plenário. Para o governo, é importante aprovar rapidamente a reforma trabalhista para sinalizar que o governo Michel Temer tem força para votar a da Previdência, considerada a mais importante para os mercados.

(Com Agência Senado)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Não entendo porquê a reforma da previdência é considerada a mais importante para os mercados. É importante para o governo isso sim, pois vai jogar nas costas do trabalhador toda a conta da roubalheira dos últimos três governos, incluindo este.

    Curtir