Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Meirelles: impacto da decisão sobre impostos está superestimado

Segundo ministro da Fazenda, perdas na arrecadação devem ser menores que os R$ 250 bilhões que constam no Orçamento

O impacto na arrecadação federal da decisão de quarta-feira do Supremo Tribunal Federal (STF), que retirou o ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, foi superestimado, na avaliação do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Documento da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) projeta perdas de 250 bilhões de reais. “Não temos estimativa precisa, mas o número será sensivelmente menor”, afirmou a jornalistas após participar de seminário em Frankfurt, na Alemanha.

Especialistas chegaram a dizer que, se o governo perdesse o caso, não teria outra saída se não aumentar mais impostos. Mas para Meirelles, o impacto de 250 bilhões considera um quadro em que “todos os contribuintes do país tivessem entrado com uma ação em 2008, o que não aconteceu”.

A Fazenda comunicou que vai recorrer da decisão do Supremo, pedindo que o novo entendimento seja aplicado a partir de 2018. “A União ingressará com o recurso de embargos de declaração, a serem opostos quando da publicação do acórdão, a fim de que o seu pedido de modulação de efeitos seja apreciado pela Corte”, disse o órgão em nota.

Preços

Para o tributarista Sergio Villanova Vasconcelos, é possível que a decisão tenha impacto nos preços de mercadorias e serviços, embora não seja possível estimar o impacto para o consumidor. “A tendência é que o preço possa diminuir, mas é só uma tendência, porque os preços são regulados pelo mercado”, explica. O advogado considera que a decisão dificilmente será revertida, e que é possível que tribunais inferiores ao STF já comecem a usar o novo entendimento mesmo antes da publicação do acórdão do STF.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jose Eugenio Bevilaqua

    Esse ‘cabeça de ovo oco’ tem certeza disso? Duvido! rsrsrs

    Curtir

  2. César Augusto

    Imposto sobre imposto… Só nesse país vagabundo de quinto mundo mesmo.

    Curtir