Funcionários da Volkswagen entram em greve após 800 demissões

Trabalhadores de São Bernardo do Campo (SP) decidiram paralisar atividades por tempo indeterminado em protesto contra desligamentos

Trabalhadores da fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo (SP) decidiram entrar em greve por tempo indeterminado na manhã desta terça-feira, após a montadora demitir 800 funcionários. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a greve foi aprovada em assembleia, que contou com cerca de 7.000 trabalhadores, quase a totalidade dos funcionários do turno da manhã.

De acordo com a Volkswagen, o desligamento dos trabalhadores tem como objetivo o estabelecimento de “condições para um futuro sólido e sustentável para a Unidade Anchieta, tendo como base o cenário de mercado e os desafios de competitividade”.

O sindicato confirma que estava em negociação com a empresa desde julho, mas que rejeitou a proposta feita pela montadora e optou por manter o acordo trabalhista de 2012 que tem validade até 2016. Após a aprovação da greve, nesta manhã, ainda não foi realizada nenhuma reunião com a diretoria da Volkswagen.

A fábrica Anchieta, como é conhecida a mais antiga unidade da Volkswagen no Brasil, emprega cerca de 13.000 trabalhadores. Segundo a companhia informou em nota, as demissões ocorrerão após um período de licença remunerada de trinta dias. A empresa alega ainda que, em razão do cenário complexo do setor automotivo, diversas medidas de flexibilização da produção foram aplicadas desde 2013, como, por exemplo férias coletivas, suspensão temporária dos contratos de trabalho (lay-off), entre outras. No entanto, todos os esforços foram insuficientes.

Leia mais:

Venda de veículos recua 7,15% em 2014, diz Fenabrave

Volkswagen planeja demitir 800 pessoas no ABC paulista

Mercedes – O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC também informou que 244 funcionários foram demitidos na Mercedes-Benz. Eles faziam parte de um grupo de pouco mais de 1.100 trabalhadores que estavam em lay-off desde o ano passado, mas não tiveram essa condição prorrogada, como aconteceu com o restante. Segundo o sindicato, a companhia alega baixo desempenho de alguns desses demitidos. Além disso, uma parte pequena teria aderido a um Programa de Demissão Voluntária (PDV).

Leia também:

Para ‘desovar’ estoques, montadoras prolongam férias

Montadoras anunciam nova onda de demissões e férias coletivas

Crise – O setor automotivo, importante fonte empregadora no país, foi beneficiado por reduções tributárias após a crise global de 2008, o que ajudou a manter as vendas de veículos no país em alta até 2012, quando o governo federal estendeu benefícios do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido desde que as montadoras não demitissem. Em 2013 e 2014, porém, as vendas de veículos no país amargaram queda e a expectativa é de nova redução neste ano.

Segundo dados de dezembro de 2014 divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), de janeiro a novembro de 2014 as montadoras eliminaram 10.800 postos de trabalho e empregavam, até aquela data, 146.200 pessoas.

Setor – Alarico Assumpção Júnior, novo presidente da Federação Nacional da Distribuidores de Veículos Automotores (Fenabrave), disse nesta terça que as demissões nas montadoras de veículos brasileiras poderão impactar nos empregos nas concessionárias. “Se você produz menos, você vende menos”, afirmou, ponderando que o impacto vai depender de cada grupo empresarial.

Mesmo assim, ele acredita que a piora não deve ser grande, pois o setor já vem se “adequando” ao novo cenário econômico nos últimos dois anos. Questionado, ele não soube precisar quantos empregos foram cortados nas redes nesse período, informando apenas que o setor tem atualmente 409.000 trabalhadores nas redes de distribuição.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)