Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

FMI escolherá seu novo diretor-gerente até março

Christine Lagarde encerra seu mandato neste ano, mas já disse estar disposta a concorrer mais uma vez ao posto

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou nesta quarta-feira que designará seu próximo diretor-gerente até o início de março, um cargo ao qual a atual diretora, a francesa Christine Lagarde, volta a aspirar. As candidaturas têm que se ser apresentadas entre esta quinta-feira e o dia 10 de fevereiro. O conselho de administração do Fundo, que representa seus 188 Estados membros, prevê tomar uma decisão até 3 de março, indica a instituição em um comunicado.

Nomeada em julho de 2011 para um mandato de cinco anos, Lagarde disse em várias ocasiões que está aberta à ideia de voltar a se candidatar. “Estou disposta a servir”, disse em outubro a dirigente, que substituiu o também francês Dominique Strauss-Kahn.

A atual diretora-gerente viu-se envolvida em um caso judicial sobre uma multimilionária arbitragem que favoreceu o empresário Bernard Tapie em 2008, quando ela era ministra das Finanças. Apesar disso, continua tendo o apoio do FMI.

A instituição quer um processo de designação “aberto, baseado no mérito e transparente”, indicou o comunicado. O ministro britânico das Finanças, George Osborne, já deu seu apoio a Lagarde, “uma dirigente excepcional”, disse em uma mensagem no Twitter. A Alemanha também apoiou sua candidatura, e o ministro das Finanças do país, Wolfgang Schauble, afirmou que é “uma gestora de crise circunspecta e coroada de êxitos num momento difícil após a crise financeira.”

Segundo uma regra não escrita, os países europeus designam o diretor-gerente do FMI, enquanto os Estados Unidos se reservam a presidência do Banco Mundial. No entanto, em 2011, Lagarde precisou enfrentar a candidatura do presidente do Banco Central do México, Agustín Carstens.

Segundo a edição desta quarta-feira da revista francesa Le Canard Enchainé, diante dos problemas judiciais de Lagarde, a França estaria estudando apoiar a candidatura do franco-marfinense Tidjane Thiam, presidente do Credit Suisse.

No entanto, o interessado desmentiu a informação em uma entrevista à rede americana CNBC em Davos e disse estar muito concentrado em seu trabalho na Credit Suisse. “Só tenho uma estratégia na minha carreira, a de fazer bem meu trabalho”, disse.

Leia mais:

Diretora-gerente do FMI será julgada na França; pena inclui até prisão

Brasil vai encolher 3,5% em 2016 e não vai crescer em 2017, diz FMI

(Com AFP)