Fitch melhora projeções para economia brasileira até 2018

Para este ano, agência estima retração de 3,3%, e não mais de 3,8%; em 2017 e 2018, crescimento deve ser maior que o esperado anteriormente

A agência de classificação de risco Fitch revisou para cima sua estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil de 2016, 2017 e 2018. Os números aparecem em relatório sobre as perspectivas para economia global divulgado nesta quarta-feira.

Para este ano, a Fitch ainda espera forte retração, mas não mais de 3,8%, e sim de 3,3%. Para 2017, a agência projeta crescimento de 0,7% – a previsão anterior era de 0,5%. A projeção para 2018 passou de 1,7% para 2% para o avanço da economia brasileira.

A agência afirma que o recuo ainda forte em 2016 é um reflexo do “colapso na demanda doméstica, que foi ofuscado em parte pela contribuição positiva das exportações”. “Nós esperamos que a recuperação em 2017 seja reduzida, uma vez que os consumidores continuaram a enfrentar fracos rendimentos no trabalho e crescimento moderado do crédito”, avalia.

O relatório ainda diz que um aumento nos investimentos vai depender da recuperação da confiança das empresas, que será influenciada pelo progresso do governo interino em sua capacidade de aprovar medidas para melhorar a perspectiva das finanças públicas e reduzir a inflação.

Leia mais:
Brasil fecha mais de 500 mil vagas no semestre
Desembolsos do BNDES caem 42% no primeiro semestre

A agência argumenta ainda que alterou suas estimativas de maio após a contração mais suave que o esperado no primeiro trimestre (0,3%) e ressalta que os indicadores de confiança também começaram a melhorar desde que o presidente interino, Michel Temer, assumiu a Presidência.

Na visão da Fitch, a “equipe econômica amigável aos negócios inspirou a confiança do mercado – como refletido no rali sustentado de ativos financeiros, incluindo o real”, mas pondera que caso as autoridades falhem em aprovar medidas consolidadas no Congresso, a confiança pode se deteriorar novamente.

Em relação à política monetária, a Fitch espera que o Banco Central mantenha a taxa Selic em 14,25% neste ano e reduza os juros em 2017.

(Com Estadão Conteúdo)