Família é retirada de voo por se recusar a ceder poltrona

Pais também foram ameaçados de prisão e por se negarem a ceder poltrona do filho para outro passageiro após overbooking

Mesmo após a polêmica retirada à força de um passageiro do voo da United Airlines, as companhias aéreas não aprenderam a lição.

Dessa vez, uma família que viajava do Havaí para Los Angeles, nos EUA, foi retirada de um avião da Delta Airlines, após os pais se negarem a ceder o assento de um dos filhos para outro passageiro. Eles ainda foram ameaçados de prisão e de serem separados dos filhos.

Em um vídeo divulgado pela internet, o homem diz que comprou a passagem para um filho de 18 anos, mas decidiu colocá-lo em outro voo mais cedo. Por isso, ele queria usar o assento para que o outro filho, de apenas dois anos, pudesse ficar mais confortável.

O próprio site da empresa aconselha que os pais comprem assentos separados para os pequenos e usem cadeirinhas especiais, segundo a People.

Os funcionários da companhia, porém, afirmaram que isso não seria possível, já que a empresa havia vendido mais passagens que assentos (o chamado overbooking) e precisariam do banco para acomodar outro passageiro.

Segundo a People, a funcionária da Delta afirmou que, caso os pais não cedessem o lugar, “o homem e sua esposa iriam para a cadeia e os separariam de seus filhos”. De acordo com a publicação, os pais acabaram cedendo e pagando cerca de US$ 2 mil para outro voo no dia seguinte.

A Delta pediu desculpas em nota pelo ocorrido e afirmou ainda que a companhia iria apurar o caso com os envolvidos para “entender melhor o que aconteceu”.