Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sem avisar, Acre envia quase mil haitianos a São Paulo

Governo Tião Viana (PT) volta a tomar atitude irresponsável de despachar, em ônibus pagos pelo governo federal, imigrantes que chegam ao país pelo Estado

O governo do Acre deve enviar a São Paulo, nos próximos dias, quase 1.000 haitianos que entraram no país pelo Estado. Mais uma vez, a decisão do governo Tião Viana (PT) foi tomada sem avisar previamente a prefeitura da capital paulista, segundo o jornal Folha de S. Paulo. No ano passado, a chegada de surpresa de milhares de haitianos a São Paulo em ônibus enviados pelo governo do Acre causou atrito entre a gestão Tião Viana, o governo paulista e prefeitura paulistana. A falta de coordenação expõe a precariedade da decisão do governo Dilma Rousseff de conceder vistos humanitários em massa sem ter estrutura para receber os imigrantes.

A gestão Fernando Haddad (PT) disse que a medida gerou “grande desconforto” e alegou que foi “surpreendida” com a notícia. De acordo com a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Acre, serão realizadas duas viagens por dia, durante 22 dias, para transportar os 968 imigrantes haitianos. Na última quinta-feira, o primeiro ônibus, com capacidade para 44 passageiros, saiu de Rio Branco (AC) com previsão para chegar a São Paulo na segunda-feira. O transporte será financiado pelo Ministério da Justiça e terá custo de 1 milhão de reais.

Em nota, a Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo informou que “sem notificação e prazo para planejamento e mobilização, nem por parte do governo do Acre nem por parte do governo federal, nossa cidade terá dificuldades para receber em sua rede assistencial essa quantidade de pessoas”.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos do Acre, Nilson Mourão, disse não ver necessidade de informar o envio dos imigrantes à prefeitura paulistana ou ao governo Geraldo Alckmin (PSDB), segundo o jornal. “Nosso papel é fazer os imigrantes chegarem ao destino final. Isso [ir a São Paulo] é uma opção deles. Eles não vêm para ficar no Acre, mas para [ir a] outros centros. Muitos também não ficarão em São Paulo, seguirão para outras cidades onde estão seus parentes”, disse.

Sem vaga em abrigo da prefeitura, haitianos lotam salão de igreja

Emissão de vistos humanitários explode no Brasil. Mas o país não está pronto para receber imigrantes

(Da redação)