Greve de motoristas deixa 200 mil passageiros sem ônibus

Funcionários pedem pagamento de salário do mês de outubro, que venceu no dia 7

A greve de motoristas e cobradores da Viação Itaquera Brasil, a antiga Novo Horizonte, deixa 200 000 passageiros sem transporte na manhã desta sexta-feira, nos bairros de São Mateus, Itaquera, Cidade Tiradentes e Tatuapé, na Zona Leste da capital paulista. Os 220 ônibus da empresa que estão parados são responsáveis pelo transporte de passageiros de 24 linhas da região.

Segundo os funcionários da concessionária, a greve acontece por causa do atraso no pagamento dos salários de outubro. Às 4h, a São Paulo Transportes (SPTrans) acionou 119 veículos do Plano de Atendimento entre Empresas em Situação de Emergência (Paese) para atender as doze linhas. As outras doze não estão sendo atendidas.

Leia também:

Em greve há 6 dias, viação Oak Tree vai à falência em SP

O eterno desafio de São Paulo: fazer andar a “cidade que nunca para”

SP instalará 200 radares em faixas de ônibus

Até as 9h, o trânsito da capital ultrapassava o índice de congestionamento médio para o horário, com 95 quilômetros de lentidão nas vias monitoradas pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A via mais movimentada foi a Marginal Pinheiros, com volume de 12,2 quilômetros no sentido Interlagos. No sentido Castelo Branco, a via registrou 7,5 quilômetros de trânsito na altura do Morumbi e da Avenida Padre José Maria.

Às 9h30 o trânsito entrou na média para o horário, com 90 quilômetros de lentidão, segundo a CET. A Zona Sul é a região mais complicada, com 34 quilômetros de congestionamento, seguida pela Zona Oeste, com 28 quilômetros.

(Com Estadão Conteúdo)