Amazônia: novas usinas atingirão 3 áreas de conservação

Hidrelétricas de Tapajós e Jamanxim terão processo mais árduo que Belo Monte

Próxima grande aposta do governo para ampliar a geração de energia no país, as hidrelétricas dos Rios Tapajós e Jamanxim, no Pará, enfrentarão um processo bem mais complicado que o licenciamento da usina de Belo Monte. É o que sinalizam negociações em curso no governo. Como vão ocupar áreas de unidades de conservação ambiental na Amazônia, as obras dependerão de autorização prévia do Congresso Nacional.

Três unidades de conservação, pelo menos, deverão ser atingidas, estima o presidente do Instituto Chico Mendes, Rômulo Mello. Por serem áreas protegidas, essas unidades de conservação terão de ter seus limites alterados, o que exigirá a aprovação de um projeto de lei ou de uma medida provisória (MP).

Nessa fase da negociação, os Ministérios de Minas e Energia e do Meio Ambiente avaliam os impactos das obras e qual deverá ser a compensação pelo uso da área. “Deve haver compensação em criação de novas áreas, não obrigatoriamente contíguas às unidades atingidas”, adiantou Rômulo Mello.

As hidrelétricas do Rio Tapajós são responsáveis pela maior parcela de aumento de oferta de geração de energia no país na próxima década. Juntas, as cinco usinas do Complexo Tapajós teriam uma potência de 10.500 megawatts (MW), número próximo do potencial de Belo Monte, estimado em 11.200 MW.

(Com Agência Estado)