STF em transe – Genro de Ayres Britto tenta negociar com Roriz a não-participação do sogro na sessão que definiria sorte do ex-candidato

A história e cabeludíssima e envolve um figura cuja ficha é, para dizer pouco, polêmica. Mas não dá para fazer de conta que o que está no vídeo não está no vídeo e que as personagens não são quem são. Leiam o que vai na Folha Online. Volto em seguida: Roriz negociou contratação de genro […]

A história e cabeludíssima e envolve um figura cuja ficha é, para dizer pouco, polêmica. Mas não dá para fazer de conta que o que está no vídeo não está no vídeo e que as personagens não são quem são. Leiam o que vai na Folha Online. Volto em seguida:

Roriz negociou contratação de genro de ministro do STF

Por Matheus Leitão, Felipe Seligman e Fernanda Odilla:
O ex-governador Joaquim Roriz (PSC-DF) negociou com o genro de Carlos Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal, um contrato que, na prática, impediria o ministro de julgar o caso da Lei da Ficha Limpa. O genro de Ayres Britto é o advogado Adriano Borges – ele mora sem união formal com a filha do ministro, Adriele, e eles têm um filho.

Se a negociação tivesse prosperado, Ayres Britto teria de se declarar impedido de julgar Roriz porque não poderia analisar um caso em que seu genro atua. Seu voto foi a favor da aplicação da Lei da Ficha Limpa contra Roriz, em julgamento apertado e que dividiu o tribunal na semana passada. O resultado foi um empate em 5 a 5 que fez Roriz desistir de sua candidatura e indicar sua mulher como substituta na chapa.

Em um vídeo ao qual a Folha teve acesso, gravado em 3 de setembro, Roriz e Borges discutem o impedimento de Ayres Britto. Oficialmente, o advogado fez parte da defesa de Roriz de 2 a 4 de setembro, e saiu justamente depois da discussão gravada. Borges afirma que é vítima de chantagem, e Roriz alega que foi extorquido.

À Folha, Ayres Britto afirmou que “não tem nada com isso” e que o genro deveria responder pelo caso. O vídeo tem uma 1 hora e 11 minutos de duração. Durante 37 minutos, a câmera registra uma sala com as luzes apagadas, na casa de Roriz. Em seguida, o ex-governador e Borges, naquele momento já seu advogado na causa, entram na sala e iniciam a conversa.

Seis minutos depois, Roriz pergunta: “Eu gostaria da sinceridade sobre o voto do seu sogro?”. Depois de balbuciar palavras desconexas, Borges responde: “Com isso aí ele não vai participar. Tá impedido”. Roriz continua: “Então é o êxito.” E o advogado responde: “É um êxito de certa forma”. O ex-governador sentencia: “Com isso, eu ganho folgado”.

Durante a conversa gravada, Borges tenta negociar os honorários e diz que já havia contratado uma equipe para trabalhar no processo. A Folha apurou que foram mobilizados cinco advogados. Roriz diz que não precisava de mais ninguém, somente da presença do genro do ministro.

Na gravação, como parâmetro para o valor cobrado pelos serviços, o advogado cita outra causa semelhante a de Roriz, na qual cobrou R$ 1,5 milhão de “pró-labore” e mais R$ 3 milhões “no êxito”. ” O ex-governador afirma não ter dinheiro e ainda diz que “antecipadamente não há a menor possibilidade” de pagar o que o advogado queria.

No final da conversa, Roriz oferece R$ 1 milhão para que Borges apenas conste na lista dos defensores. Não houve acordo porque o genro de Ayres Britto insistiu para ser o principal advogado da ação. Estando na lista ou assinando como defensor principal, a sua atuação levaria Ayres Britto a se declarar impedido. Em um caso anterior semelhante com o genro no STF, ele havia procedido desta forma.

Aqui um trecho do vídeo. Comento depois

Comento
Como Roriz sabe que está gravando a conversa, ele vai dando corda para o outro se enforcar, o que Borges faz gostosamente. Há mais no vídeo do que o simples oferecimento de mão-de-obra especializada. O que se está negociando ali é o impedimento de Ayres Britto. A resposta dos ministro (ver abaixo) é, por enquanto, bastante insuficiente. A um ministro do Supremo, nesse caso, pede-se mais do que a expressão da decepção com o genro, a declaração da consciência limpa e o “não tenho nada com isso”. O quê? Pois é…

Dada a seqüência, não há como ignorar que resta a hipótese — e não estou acusando Ayres Britto de absolutamente nada; estou, reitero, expondo a lógica da coisa — de que Britto só participou do julgamento, com seu voto contrário a Roriz, porque o ex-candidato não aceitou pagar o valor pedido pelo genro. Tivesse aceitado, ainda que Britto ignorasse a atuação do tal Borges, não dependeria do ministro participar ou não: impedido estaria.

O resumo da ópera é que Borges pediu R$ 4,5 milhões pelo impedimento de Britto, e Roriz só topou pagar R$ 1 milhão. É claro que se abre outra janela perversa aí: ainda que à revelia do sogro, o genro transformaria a sua presença ou não no tribunal num ativo e tanto. No vídeo, ele fala em “outros casos” e pede “sigilo” para “outros políticos não ficarem sabendo”. Do que  está falando? A coisa é muito grave.

Dúvida
No fim do segundo vídeo, Roriz inventa um verbo: “coisar”. Ele diz que “jamais coisaria” porque “não faço isso, não”. Que diabos será “coisar” na estranha língua dessa gente?

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s