Blogs e Colunistas

19/10/2013

às 6:37

Você aí! Antes de babar no Facebook e no Twitter em defesa dos bandidos que invadiram o laboratório, quero lhe falar dos bichos que sua saúde já matou

Aquelas pessoas que invadiram o Instituto Royal, depredaram o laboratório, destruíram pesquisa e roubaram os animais são criminosas. Apenas isso. A imprensa, mais uma vez, está fazendo outro-ladismo, como se, nesse caso, houvesse duas verdades, o bom senso no meio, equidistante das posições extremas. Trata-se de uma mentira, de uma falácia. Há apenas um lado sensato nisso tudo.

Houvesse evidências de maus-tratos dos animais, vá lá; houvesse indícios de que estavam sendo submetidos a procedimentos injustificados e injustificáveis, daria para compreender a mobilização — jamais a invasão e a depredação; isso é crime em qualquer hipótese. Mas não há nada disso. Ao contrário. O que se sabe até agora aponta que lá trabalham pessoas sérias, que fazem um serviço que é do interesse de todos nós, inclusive daqueles imbecis que protagonizaram a pantomima violenta, com a participação de uma subcelebridade, que se tornou notória, quando tinha um programa de televisão, pela parvoíce. Não conseguiu ficar nem na Rede TV… Se ninguém ainda tentou contratá-la, eis a hora.

Que tempos estes, em que os covardes permitem que prosperem os idiotas. O sujeito que eventualmente está lendo este texto pronto a verter a baba hidrófoba, responda para si mesmo, não para mim: a) vai abrir mão de tomar remédios quando ficar doente?; b) vai abrir mão de vacinar os filhos que tem ou que um dia terá; c) se e quando um ente querido cair vítima de algum mal, vai tentar convencê-lo a recusar o tratamento que lhe for dispensado?

Você aí, que está pronto a dizer cretinices no Facebook e no Twitter. Sim, você, moça saudável, com todos os dentes. Você, rapagão cheio de saúde, que logo mais vai pra balada. Sabem quantas drogas foram testadas em beagles, macacos, ratos, gatos, coelhos, porquinhos-da-índia e outras fofuras para que vocês pudessem exibir tanta saúde? Para que a mamãe de vocês — a mãe hipotética, a mãe simbólica — não morresse de câncer de mama ou de útero; para que o papai não morresse precocemente de câncer na próstata; para que a vovó pudesse chegar com saúde aos 80 anos?

Não sabem? Então parem de perder seu tempo e vão estudar! Essa ferramenta que você têm aí na mão não serve apenas para que expressem seus sentimentos, seus rá, rá, rá, seus kkkkk e outras glossolalias. Também serve ao estudo, à pesquisa, à reflexão. Há uma enorme diferença entre torturar os bichinhos e usá-los para testar medicamentos. Não há um só país do mundo que não recorra a esse expediente.

Vi ontem uma senhora na TV. Parece ser uma das organizadoras do ato criminoso. Com a convicção de que só os ignorantes são capazes, dizia que já há maneiras de testar medicamentos sem recorrer aos animais. É mesmo? Quais? A lei que temos, que protege os bichos, já beira o temerário. Criminaliza o uso dos bichos nos testes científicos caso exista um meio alternativo. A questão é saber quem define isso. O militante? O delegado de polícia? O promotor? Por que diabos, afinal, cientistas, professores, profissionais gabaritados submeteriam os bichos a eventuais sofrimentos inúteis. Seria porque eles são pessoas más, à diferença dos invasores do laboratório, que seriam, então, pessoas boas?

E o Ministério Público?

Não é possível que profissionais sérios e que empresas que fazem um trabalho honesto vivam sob o signo da suspeição porque alguns malucos decidiram que não aceitam mais que animais sejam usados pela ciência. O promotor Wilson Velasco Júnior, atenção!, abriu inquérito em dezembro de 2012 — há quase um ano — para apurar as denúncias de maus-tratos no Instituto Royal. Até agora, ele não chegou a nenhuma conclusão? O MP tem competência legal e recursos para recorrer a especialistas, que podem tirar as dúvidas dos promotores. Uma perícia no laboratório teria bastado para demonstrar que tudo estava nos conformes. Mas quê…

Coisas assim acabam acontecendo porque, enquanto dura um procedimento como esse, é evidente que a empresa fica sob suspeição e se transforma em alvo potencial de trogloditas. Agora diz o doutor que eventuais provas foram danificadas pelos terroristas. É patético! Anos de pesquisa podem ter se perdido ali. Se alguma droga foi ministrada aos cães para testar reação, sem o cuidado dos especialistas para minimizar eventuais efeitos adversos, podem é ficar doentes. Vale dizer: esses caras não prestam nem para proteger gente nem para proteger cachorro.

A condescendência de vários setores ditos formadores de opinião com o baguncismo que chegou às ruas em junho está dando nisso aí. Ninguém mais quer conversa. Se acha que está certo, vai e invade, ocupa, quebra, põe fogo. Em junho, havia gente com tocha acesa na mão, a sapatear no teto do Congresso. Outros depredavam o Itamaraty. Jornalistas de TV chamavam aquilo de “manifestação pacífica”, embora perturbada por alguns “infiltrados”. Sei…

Os canalhas que hoje partem para o pau, para a ação direta, para a depredação têm a certeza absoluta — e não sem razão — de que encontrarão pela frente uma imprensa compreensiva, cordata, amiga, que se pela de medo das redes sociais. Vai que alguém fale mal da emissora no Facebook e no Twitter… Boa parte do jornalismo se tornou refém de delinquentes. 

Com o laboratório destruído, com anos de pesquisa jogados no lixo, tendo de enfrentar trogloditas reacionários, fascistoides, apesar de tudo isso, os representantes do laboratório é que estavam, de algum modo, na defensiva.

Mais uma vez, os bandidos foram transformados em heróis, e as vítimas é que tiveram de se explicar. Isso está virando uma rotina. Podem apostar: não vai acontecer nada com eles. Ninguém será condenado nem preso. Estamos indo de uma barbárie a outra sem passar pelo estágio da civilização.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

1.073 Comentários

  • Raquel

    -

    31/10/2013 às 5:35 pm

    ESTOU IMPRESSIONADA COM ESSE ARTIGO…..

  • Adriano

    -

    31/10/2013 às 9:01 am

    Muito bom, Reinaldo Azevedo.
    Infelizmente estão surgindo modismos e a massa tola, desgovernada e sem consciência, tem provocado prejuízos ao invés de avançar com consciência rumo ao desenvolvimento.
    É lamentável, porque através destas e outras atitudes vale de termômetro para notarmos o baixo nível mental dessa massa tola.
    Grande abraço.

  • Monique

    -

    28/10/2013 às 9:30 pm

    Sim, eu já usei e, infelizmente, ainda uso produtos que são testados em animais. Sim, eu tomo remédio, já fui anestesiada, já tomei vacinas que foram testadas em animais! Pedimos alternativas para que essa prática abominável um dia seja interrompida. As opiniões contrárias também são extremistas – devemos usar os animais e ponto! Pois é a maneira mais segura para garantia dos produtos. Mas qual o mal em se desejar a busca por outras alternativas? Em se desejar, ao menos, por ora, que os testes sejam acompanhamentos por uma comissão de ética animal, garantindo o não sofrimento dos mesmos durante os procedimentos, uma vez que a legislação ainda permite tal prática – infelizmente!. Até hoje não foi encontrado a cura para o câncer, a AIDS e outras doenças; por isso deve-se interromper as buscas? Dizer que não tem cura e ponto!?
    Para aqueles que estão criticando, sugerindo que os apoiadores da causa não utilizem mais medicamentos; entendam primeiro o contesto daquilo que é protestado, pois são tão extremistas quanto àqueles que julgam.

  • Fábio

    -

    26/10/2013 às 5:11 pm

    “Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador”.

  • ricardo

    -

    26/10/2013 às 2:21 pm

    concordo, hoje vivemos na “era dos ofendidos” que acabam militando em causa própria sem argumentar de forma coerente sua insatisfação. estamos em um momento extremo, a meu ver o brasileiró é esquizofrênico, ou age como um apático ou como um psicopata, não há meio termo e todo mundo tem razão e a “opressão” nunca tem razão, agindo como monstros sem sentido cheirando sangue fresco. o que muitos querem é pura e simplesmente a baderna. a causa em favor dos animais é válida, mas o mesmo pessoal que supostamente está salvando um beagle é o mesmo que ignora um mendigo, são em sua grande maioria hipócritas travestidos de bom samaritanos que se enganam e enganam aos outros. lutemos por melhores causas, não por causas da moda, mas aquelas que realmente trazem beneficio aos que estão a nossa volta.

  • Simba

    -

    26/10/2013 às 2:03 pm

    Concordo com tudo o que foi escrito. Essa gente não tem cérebro. Uma história de energia totalmente mal direcionada. Deveriam canalizá-la para mudar o Brasil para melhor, não para fazer asnices. Me admiro que não foram ainda presos. Aliás, não me admiro. Paisinho.

  • Alvarenga

    -

    25/10/2013 às 6:23 pm

    Esse pessoal ativista tem muita energia mas pouco cérebro. Imagine se alguns dos animais “salvos” estivesse incubando algum vírus ou bactéria nociva !!!! Teriam brindado a sociedade com um grande problema. E se atrapalharam pesquisas serias ? etc….etc….

  • Andreh

    -

    25/10/2013 às 4:04 pm

    Tá, a explicação tem sentido. Mas nada muda o fato de que é algo que abala qualquer mente sã e de boa fé. Vamos imaginar que em um mundo paralelo existissem seres mais evoluídos que nós, e que esses seres praticassem então conosco as mesmas experiências que fazemos com os animais. Tá certo isso ? Sobrevivência do mais forte a qualquer custo ? Os indígenas, os verdadeiros ”colonizadores” desse nosso Brasil, já tinham conhecimento dos analgésicos muitos antes de serem transformados em pílulas industrializadas. A própria indústria de medicamentos já fez muito uso do conhecimento indígena. E agora alguém afirma que os indios faziam teste nos animais ???

  • Pamela

    -

    25/10/2013 às 1:57 pm


    Parem de comer carne bovina… vocês sabem se os pobres bois querem virar churrasco? oh por favor!!! Os invasores do instituto Royal não se privam de um bom churrasco no final de semana, menos ainda se importam com o transporte dos frangos que almoçam todos os dias. Conveniente não?
    Estão vendendo os animais no mercado livre… por R$ 2700,00.

  • JACKSON

    -

    24/10/2013 às 10:49 pm

    A melhor resposta pra esses radicais é a cadeia.Só assim vão poder medir melhor os seus atos.

  • Luiz Henrique Cardone

    -

    24/10/2013 às 10:22 pm

    Isso, me lembra uma escola de SP que a mídia noticiou, julgou,condenou e ela “acabou”. Inclusive o dono já faleceu.
    E os laboratórios em que o MST invadiu e DESTRUIU. Ninguém foi condenado e anos de pesquisa foram jogadas no lixo. E vamos que vamos.

  • Patrícia

    -

    24/10/2013 às 8:30 pm

    Reinaldo abordou em uma questão séria, que não é nova, e está cada vez mais evidente: a submissão da mídia, principalmente os noticiários televisivos,como dito, a manifestos de ordem popular.É deplorável ver os jornalistas apelarem aos senso popular em detrimento dos seus pontos de vista.

  • Raquel

    -

    24/10/2013 às 3:35 pm

    Médicos mercenários, professores violentos, pesquisadores desalmados. Quais serão os próximos inimigos públicos?

  • Muito Drama

    -

    24/10/2013 às 3:24 pm

    Ai….
    Ainda perdi tempo lendo os comentários da Carla. Ela acha que as razões expostas invalidam o uso de cobaias em testes…
    É muito complicado falar com pessoas que não entendem nada de ciência e pior ainda, acham que entendem.
    Daria até para contrapor cada um dos argumentos abaixo, mas perder tempo apenas para esclarecer tolices é algo insano. Além do mais, este tipo de pessoa não está preparada para ouvir argumentos e refletir coerentemente. O que pregam é a verdade límpida e cristalina de seus cérebros corroídos pela hipocrisia e inteligência mediana.
    Quanta informação na Internet, quanta possibilidade de crescimento desperdiçada. Felizmente é uma minoria que se julga no direito de invadir, retirar cães por acusação de maus tratos e depois abandoná-los nas ruas.
    Abaixo vemos 25 razões para desconfiar da capacidade de quem de fato acredita que esta opinião invalida a ciência que salva vidas.
    Ela e os outros manifestantes que ofereçam-se para serem cobaias de laboratório que aí então terão o reconhecimento que almejam.

  • Marcelo Pereira

    -

    24/10/2013 às 2:27 pm

    Concordo com o Reinaldo em gênero, número e grau! Mesmo com a investigação do MP não ter encontrado evidências de maus-tratos naqueles animais, estes pseudo-protetores invadiram o laboratório, depredaram os equipamentos e, ainda por cima, não levaram os ratos! Acho que os animais são divididos por categorias, onde os cães são intocáveis e todos os demais condenáveis…

  • Carla

    -

    24/10/2013 às 1:49 pm

    25 Razões por que testes em animais são inúteis e cruéis

    1- Menos de 2% das doenças humanas são observadas em animais.

    2- Testes em animais e os resultados nos humanos concordam somente de 5 a 25% das vezes.

    3- 95% das drogas homologadas por testes em animais são imediatamente descartadas como desnecessárias ou perigosas ao humanos.

    4- Pelo menos 50 drogas no mercado causam câncer em animais de laboratório. Mas elas são permitidas porque é admitido que teste em animais não são relevantes.

    5- A P&G usou um almíscar artificial apesar de ter causado câncer em ratos. Eles alegaram que os resultados nos testes dos animais eram “de pouca relevância para os humanos”.

    6- Mais de 90% dos resultados dos testes em animais são descartados por serem inaplicáveis aos homens.

    7- Testes em ratos são apenas 37% eficazes na identificação da causa de câncer em humanos. Jogar uma moeda para o alto (cara ou coroa) tem mais acerto.

    8- Roedores são animais quase sempre utilizados na pesquisa do câncer. Eles nunca pegam carcinomas, a forma humana de câncer, que afeta as membranas (por exemplo, câncer de pulmão). Seus sarcomas afetam ossos e tecidos conjuntivos: os dois não podem ser comparados.
    9- Quando perguntados se concordam que experimentos em animais podem ser enganosos “por conta das diferenças anatômicas e fisiológicas entre os animais e os humanos”, 88% dos médicos concordaram.

    10- Diferença de sexo entre animais de laboratório pode causar resultados contraditórios. Isso não corresponde com os seres humanos.
    11- 9% dos animais anestesiados, que deveriam recobrar consciência, morrem.

    12- Estimativa de 83% de substâncias são metabolizadas por ratos de forma diferente do que é nos humanos.

    13- De acordo com testes em animais, o suco de limão é um veneno mortal, mas arsênio, cicuta e toxina botulínica são seguros.

    14- 88% dos fetos natimortos são causados por medicamentos que são considerados seguros através dos testes em animais.

    15- Um em cada seis pacientes hospitalizados estão lá por causa de um tratamento que tenham feito.

    16- Nos EUA, 100 mil mortes por ano são atribuídas a tratamentos médicos. Em um ano, 1,5 milhão de pessoas foram hospitalizadas devido a tratamentos médicos.

    17- 40% dos pacientes sofrem de efeitos colaterais como resultado de prescrição médica.

    18- Mais de 200 mil medicamentos já foram lançados. A maioria deles já foi retirado do mercado. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), apenas 240 são “essenciais”.

    19- Um congresso de medicina na Alemanha concluiu que 6% das doenças fatais e 25% das doenças orgânicas são causadas por medicamentos. Todos foram testados em animais.

    20- A operação de salvamento da gravidez ectópica (gravidez anormal que ocorre fora do útero) foi atrasada 40 anos devido a vivisecção.
    21- Aspirina falhou em testes com animais assim como cardioglicosideos (remédio para o coração), tratamentos de câncer, insulina, penicilina e outros medicamentos seguros. Eles teriam sido banidos se fossem baseados nos teste com animais.

    22- Trinta e três animais morrem em laboratórios pelo mundo a cada segundo.

    23 – Crueldade: Para testar drogas e insumos para a indústria, bilhões de animais – principalmente roedores, cães, gatos e primatas – são trancados em laboratórios anualmente e submetidos a práticas dolorosas. Inserção de substâncias tóxicas em seus olhos, inalação forçada de fumaça e implantação de eletrodos em seu cérebro são apenas algumas destas práticas. Via de regra, são utilizados animais de pequeno porte e dóceis, para facilitar o manejo dentro dos institutos de pesquisa. Neste cenário, a raça Beagle, infelizmente, se encaixa perfeitamente e são eles os preferidos dos vivisseccionistas

    24 – Atraso no desenvolvimento da ciência: O médico norte-americano Ray Greek – um dos entusiastas de que a vivisecção é um atraso ao desenvolvimento da ciência – disse, em 2010, à Revista Veja: “As drogas deveriam ser testadas em computadores, depois em tecido humano e daí sim, em seres humanos. Empresas farmacêuticas já admitiram que essa será a forma de testar remédios no futuro.” Ray afirma que os testes são uma falácia e que atrasam a ciência. Ele é voluntário para testes em humanos, desde que observados todos os pré-requisitos de segurança.

    25 – Ineficiência dos testes: O médico Ray Greek, ainda em entrevista à Revista Veja, em 2010, afirmou: “A indústria farmacêutica já divulgou que os remédios normalmente funcionam em 50% da população. É uma média. Algumas drogas funcionam em 10% da população, outras 80%. Mas isso tem a ver com a diferença entre os seres humanos. Então, nesse momento, não temos milhares de remédios que funcionam em todas as pessoas e são seguros. Na verdade, você tem remédios que não funcionam para algumas pessoas e ao mesmo tempo não são seguros para outras. A grande maioria dos remédios que existe no mercado são cópias de drogas que já existem, por isso já sabemos os efeitos sem precisar testar em animais. Outras drogas que foram descobertas na natureza e já são usadas por muitos anos foram testadas em animais apenas como um adendo. Além disso, muitos remédios que temos hoje foram testados em animais, falharam nos testes, mas as empresas decidiram comercializar assim mesmo e o remédio foi um sucesso. Então, a noção de que os remédios funcionam por causa de testes com animais é uma falácia.”

    http://www.portaldomeioambiente.org.br/editorias/ambiente/animais/7026-25-razoes-por-que-testes-em-animais-sao-inuteis-e-crueis

  • MAT

    -

    24/10/2013 às 10:44 am

    Vou deixar de lado o mérito da questão para colocar uma dúvida que insiste em me assombrar e que não pode ser descartada antes de ser investigada.
    O instituto Royal recebia VERBAS PÚBLICAS para suas pesquisas. Com a invasão foram perdidos 10 anos de trabalho. Será que a invasão não foi fomentada para que agora se tenha uma desculpa para gastar dinheiro NOSSO e poder dizer com tranquilidade que NÃO É POSSÏVEL dar nenhum retorno ???
    Não havia backup de dados tão cruciais ???
    Estranho !!!

    Pode ser que o ativismo não envolva apenas a defesa dos direitos de cachorros, coelhos e ratos e sim da espécie “Mamandus in Governun Tetus”.

  • Walterley Neves

    -

    24/10/2013 às 10:26 am

    Um laboratório gaúcho, que desenvolve vacinas, teve aprovada ontem nos EUA, uma vacina contra câncer de próstata extremamente eficiente, superando até as vacinas Norte Americanas.

    Levará ainda 3 anos de pesquisas até estar disponível para uso em humanos…

    Que esta cambada de ignorantes não descubra o nome do laboratório, pois serão capaz de invadi-lo para impedir este progresso.

  • Otacilio de Paula Junior

    -

    24/10/2013 às 9:15 am

    Tudo o que foi dito ai nesta mensagem, é a pura verdade. Realmente não dá para discutir com esses elementos, sobre ciência. Como dizia um certo astro da música brasileira, eles são como jogar xadrez com pombos. Chutam as pedras, cagam no tabuleiro e saem cantando vitória.

  • Luis Gustavo

    -

    24/10/2013 às 8:20 am

    Excelente texto! Disse toda a verdade com a sensatez necessária ao caso.

  • ana maria

    -

    24/10/2013 às 5:34 am

    materia da Veja – Projeto de Philip Low QUE É CONTRA TESTE EM ANIMAIS E PROVOU CLARAMENTE O SOFRIMENTOS DOS ANIMAIS. http://veja.abril.com.br/
    O laboratório segue a lei Brasileira da vivissecção, mas está na hora de discutir o assunto sim. Se eu tiver a opção de escolher entre um remedio que foi testado as custas do sofrimento de outro ser vivo e um remedio que foi testado de outra maneira, com certeza escolheria a segunda opção. pode ter sido correto no passado, mas temos o livre arbitrio e o raciocinio para mudarmos nossa realidade.

  • Bruna

    -

    24/10/2013 às 1:25 am

    Ideias fantásticas, realistas, humanistas e fruto de reflexões profundas que se destacam nos comentários dos defensores do vandalismo e apoiam o “resgate” dos beagles:
    1. Pesquisadores são sádicos e todos eles trabalham nessa área porque gostam de maltratar animais.
    2. Vamos proibir as pesquisas de desenvolvimento de medicamentos até daqui a uns 100 anos, quando finalmente existam formas de evitar por completo a experimentação animal (e não como é agora, de minimizar ao máximo o sofrimento enquanto buscamos novas formas de evitá-lo e continuamos criando conhecimento científico).
    3. Quantos ratos e cachorros precisam ser mortos pra que possamos usufruir dos medicamentos? Melhor é testar os medicamentos em ladrões, estupradores… ah, eles são pessoas, mas esses aí podem morrer mesmo.

  • Reginaldo Pereira

    -

    23/10/2013 às 11:44 pm

    É importante também falar sobre quantas pessoas já foram mortas pelo nosso desejo de conforto! Quanta gente pensando que a indústria farmacêutica se preocupa com a saúde de nosso corpo! Estão deixando-nos cada vez mais doentes e fazendo-nos pensar sermos cada vez mais dependentes desse mercado!

  • Ivan Hauptman

    -

    23/10/2013 às 11:44 pm

    Concordo com você, mas existe outro lado da história ou seja muitos dos laboratórios são financiados por grandes empresas farmacológicas que não tem o minimo interesse em descobrir um remédio para curar e sim apenas um paliativo apenas para faturar. Veja se existe a não ser poucos e sem recursos, profissionais preocupados com um simples filme que protege a stafilococcus aureus contra antibióticos em próteses? Ninguém pois vai ter que tomar antibióticos o resto da vida e isto é lucro.

  • Anónimo

    -

    23/10/2013 às 11:39 pm

    Quanta gente tansa pensando que a indústria farmaceutica se preocupa com com a saude do nosso corpo. Estão cada vez nos tornando mais doentes para sentirmos necessidade dela. É certo que pra defender os animais da forma como estes ativistas fazem deveriam antes privar-se da carne industrializada, do uso de cosmético e de medicamentos. Fica a dica!

  • Germano

    -

    23/10/2013 às 11:25 pm

    Essas pessoas que “pegaram” os cachorros do laboratório parece que se esqueceram dos ratos.
    Uma questão que me ocorre: vão alimentar eles com ração feita de que?

  • Sua Mãe

    -

    23/10/2013 às 8:16 pm

    Aquelas pessoas que invadiram o Instituto Royal, depredaram o laboratório, destruíram pesquisa e roubaram os animais são criminosas, só que não.

  • adriano

    -

    23/10/2013 às 7:05 pm

    bota estes ladroes na cadeia e vamos passar a testar os medicamentos neles se eles estão tão preocupados assim
    um dia que eles tiverem um filho doente dependendo de pesquisas e testes tenho certeza que mudarão de ideia.

  • filipe

    -

    23/10/2013 às 5:34 pm

    Eles erraram e ponto. Por terem invadido o lugar, por terem estragado os laboratórios e documentos, por terem se apossado dos bens da empresa.

    Erraram desde o começo pois garanto que vários deles comeram um saboroso bife antes de proteger os beagles. Boi pode matar, cachorro não? Erraram por usar sapatos de couro, por comerem gelatina, por mascarem chicletes e por usarem perfumes.

    Maus tratos? Pergunte a algum manifestante se eles já viram um matadouro, ou se já chegaram perto de alguma ordenhadora elétrica, ou ainda se já viram criações de peixes?

    concordo contigo sobre a inversão de papéis e sobre o péssimo papel da mídia.

    Eu como carne, conheço muito bem o processo de produção de alimentos com base animal e sinto que não é uma prática correta comer carne, sim, me sinto culpado por isso.

    Agora, não tiro a razão deles quando dizem que houve maus tratos, claro que houve. Houve tanto quanto houve com o bife que eles comeram.

  • Luis

    -

    23/10/2013 às 5:20 pm

    Reinaldo é mesmo genial:
    “Aquelas pessoas … são criminosas … como se… houvesse duas verdades, o bom senso no meio, equidistante das posições extremas. Trata-se de uma mentira, de uma falácia. Há apenas um lado sensato nisso tudo.” … “Com a convicção de que só os ignorantes são capazes”
    Perfeito!

  • Astolfo

    -

    23/10/2013 às 4:30 pm

    Sempre que ocorre algo desse gênero.
    Fica a dúvida? Será que esta ato, não fora patrocinado por um laboratório concorrente em busca de mais informações sobre as medicinas desenvolvidas no local.

  • Luciana

    -

    23/10/2013 às 4:22 pm

    Ah, e lendo os comentários, um leitor foi bem pertinente ao lembrar que a subcelebridade implantou silicones nos seios em 2005. Isso me lembrou que, nesta semana mesmo, a subcelebridade apareceu num canal de tv com as madeixas bem loiras e maquiada. Será que a dita cuja fornece aos maquiadores a sua própria maquiagem ou será que ela usa o que o maquiador tiver? Será que neste último caso, ela pergunta ao maquiador as marcas e checa na listinha dela se maquiagem X, Y, Z foram testadas em animais?
    Ah, me poupe! Essa mulher merece ter-a-pia!

  • Luciana

    -

    23/10/2013 às 4:12 pm

    Reinaldo,
    a Exma. senhora subcelebridade conhecida pela parvoíce fica no Facebook e Twitter replicando o seu texto com as abobrinhas dela e conclamando o forjamento de álibi para si mesma, seus comparsas e os receptadores de material furtado do Instituto Royal. Mais PCC, impossivel. Sem contar a ameaça de morte a um sitiante de S. Roque que, por infelicidade, é criador de Beagles…
    Quando essa gente sofrer um sequestro relâmpago, tiver a casa invadida por bandidos do PCC, a quem eles devem chamar, o tal grupo de molequinhos vândalos mascarados – pq eles quebram e incendeiam carros da Polícia Militar -? Quando essa gente ficar doente e precisar de remédios, eles vão se negar a tomar remédios alopáticos que foram testados em animais?
    Vc disse tudo: a mediocridade impera!

  • Guilherme

    -

    23/10/2013 às 3:06 pm

    A República Federativa do Brasil é uma país que não ensina a seus filhos o conceito de UNIÃO e livre expressão de pensamento.
    Logo, a “UNIÃO” cai nas mãos de cretinos, como a “legião” dos AnonymousBrasil (Quando eles saem as ruas os restos mortais de Renato Russo se contorcem no caixão). Esse “grupinho” anonimo fere a Constituição da República Federativa do Brasil e incita desordem à “união”
    Ta certo…INFELIZMENTE animais tem que ser maltratados mas…TODOS procuramos uma melhor qualidade de vida.
    Querem combater a injustiça? São 3 passos nesse caso
    1º PAREM DE TRATAR SEU ANIMAL DE ESTIMAÇÃO COMO GENTE, COMPRE MANTIMENTOS E BRINQUEDOS MAIS BARATOS E DOEM A DIFERENÇA
    2º QUANDO SE SENTIREM DOENTES, LIGUEM PARA OS AVÓS E PERGUNTEM QUAL CHÁ TOMAR.
    3º NÃO PERCAM TANTO TEMPO EM FRENTE AO ESPELHO DANDO UMA DE DEUS GREGO NARCISO…

  • Lilian

    -

    23/10/2013 às 2:33 pm

    O dia que um Beagle falar e disser que QUER ser cobaia de pesquisa, eu concordo com isso.

  • Isabela

    -

    23/10/2013 às 12:52 pm

    E os inteligentes de plantão ainda tem a capacidade de buscar um caso de mais de 50 anos atrás (talidomida) pra dizer que os testes em cobaias não dão certo!
    Gente tenham dó, estamos falando de mais de meio século de avanços na ciência e nos protocolos de pesquisa.
    E a talidomida só foi testada em ratos antes da comercializaçao, que infelizmente nao reagiram da mesma forma que o ser humano, mas testes posteriores em primatas chegaram aos mesmos resultados que os observados nos humanos. Ou seja, se tivessem usado macacos para os testes teriam evitado o sofrimento de muitas pessoas.

  • Isabela

    -

    23/10/2013 às 12:47 pm

    Me digam quantos desses mauricinhos e patys que correram pra salvar os pobres beagles indefesos seria capaz de acolher um animal de rua, desses feinhos que tem aos milhares em abrigos pelo Brasil afora??
    Engraçado que desses animais jogados em centros de zoonose, abrigos precários e afins vcs nao tem muita dó, nao é mesmo??
    Com tantos defensores apaixonados que eu vejo se manifestando na internet já era pra não termos mais nenhum cachorro abandonado no Brasil !
    Ah mas um vira lata nao tem o mesmo apelo que um lindo caozinho de raça, certo?
    Bando de hipócritas !!!

  • Questao

    -

    23/10/2013 às 11:43 am

    Sem pesquisa em animais, como vamos pesquisar doencas que acomentem animais?

  • ricardo

    -

    23/10/2013 às 10:36 am

    Perfeito… sem nada pra acrescentar.

  • fabio

    -

    23/10/2013 às 10:31 am

    tem uma “pá” de cachorro precisando de cuidado nas ruas,mas vai ver se o “bacanão” leva pro ap dele pra cuidar.Isso são os 15 minutos de fama que esse povo quer pra não preciar trabalhar.

  • Caio

    -

    23/10/2013 às 9:52 am

    Com este mesmo pensamento, nos séculos passados o homem teve grande progesso e evolução, passando por cima de tudo e de todos, deste mesmo pensamento, onde busca-se o bem de um segmento, ocorre a guerra.
    Só questiono uma coisa, o que da o direito ao ser humano de subjugar outras espécies para proveito próprio. Onde está correto aumentarmos nossa expectativa de vida, com remédios se pra isso matamos animais indefesos, e pior de tudo, as vezes até na industria de cosméticos. Então além de jornalista o senhor também é biólogo? Pois se coloca em cheque o fato de uma pessoa dizer que já existam outros meios, é que sabe com certeza que não tem.
    Muitos podem argumentar que os animais subjugam uns aos outros, que o leão mata a gazela e etc, mas a diferença é que isso é instintivo, para se alimentar e não é premeditado, não é racional.

  • Eduardo

    -

    23/10/2013 às 9:26 am

    Para Flávia – 22/10/2013 às 20:17:
    Mostre as evidências do dito beagle, uma foto, um vídeo… Ah não tem? Somente ouviu dizer? Que pena…

  • ROGER PADILHA

    -

    23/10/2013 às 8:56 am

    O irreal tomou conta, seres perscrutam suas vidas vazias sem nada encontrar e acabam por banalizar ciência, pesquisa, política, enfim a existência. O que se espera de seres como estes, nada. Simplesmente nada.

  • ELCIO

    -

    23/10/2013 às 8:43 am

    Devemos tomar uma posição, não devemos ser radicais , seja pro ou contra, temos que ser ético, e usar um espirito de justiça. Que é necessário as pesquisas com animais, que devemos ver o que é realmente necessário, e aumentar as pesquisas em formas alternativas de obter os mesmos resultados.(já existem programas que simulam análises laboratoriais confiáveis). que diminuiria os testes em animais, e ver realmente que testes são realmente necessários, e por fim trocar alguns animais por essas pessoas, que tem um discurso hipócrita, só para aparecer ou por puro desconhecimento do que esta falando.

  • Jeane Florence Duarte Pinto

    -

    23/10/2013 às 8:05 am

    Texto brilhante, Reinaldo Azevedo! Concordo plenamente!!!

  • Vagner Coimbra

    -

    23/10/2013 às 4:09 am

    Nenhuma vida se paga com outra vida, independente de qual seja ela!

  • joão

    -

    23/10/2013 às 3:31 am

    P.S. E duvido que o Instituto esteja fazendo alguma pesquisa revolucionária visto que aqui no Brasil pobre não tem nem acesso a remédios e as vacinas que as pessoas ricas pagam em clinicas particulares.

  • Marcus

    -

    23/10/2013 às 1:05 am

    Porque não usar esses delinquentes nos testes? Sou contra os maus tratos de animais em qualquer espécies mas, hipocrisia a parte, esses animais são de extrema importância para a saúde de todos nós e desses mesmos seres que depredaram o instituto. Que com essa tecnologia em franca expansão, descubram outros meios de fazer esses testes. E não concordei com o que foi dito no fim da reportagem que fala dos manifestantes serem baderneiros e não terem razão. A julgar pelo fato de que se misturou dois momentos para tirar ou mudar a razão de um, foi erroneamente empregado. Bagunças e badernas já foram um ponto de esperança em muitos lugares inclusive no Brasil, sem citar trechos históricos. É o problema de oportunistas, que veem num momento propício, que é o momento de protestos, fazerem uma calhordice dessas. Não vamos confundir, é cadeia nos que depredaram o instituto e apoio aos protestos, com finalidades específicas, para que um dia o país possa realmente ver o poder que o povo tem em reivindicar seus direitos.

  • Hugo Cavalcanti-Rio-RJ

    -

    23/10/2013 às 12:44 am

    Para Reinaldo… sem que não é a regra de postar links. Minha intenção aqui é apenas me comunicar com você.
    Neste final de semana montei a imagem em anexo e fiz o texto. Antes de publicar, compartilhei com algumas pessoas e ouvi criticas e sugestões. Uma dela até se desassociou do facebook… :) … sei que o tom que uso é agressivo e acaba mostrando claramente uma posição a este respeito e, infelizmente, muitas pessoas não são abertas as diferenças e acabam radicalizando.
    Posso falar que um dos fatos que me fez superar este receio são suas colocações, não importando se estão certas ou erradas, mas sua posição de assumir uma opinião e arcar com as consequencias, atitude esta que admiro muito nas pessoas.
    Segue o link para você, saúde e sucesso:
    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=632380786826134&set=a.632380753492804.1073741828.244056638991886&type=1&theater

  • Hugo Cavalcanti-Rio-RJ

    -

    23/10/2013 às 12:08 am

    Oi… alguém pode avisar a Luisa Mell que, segundo o que vi na internet, colocou 170ml de silicone nos seios em 2005…
    “A primeira cobaia para o implante de silicone foi uma cadela chamada Esmeralda, e o princípio básico por trás do protótipo era simples. (…) “Eu fiquei encarregado da cadela. O implante foi colocado embaixo da pele e deixado ali por duas semanas, até ela mastigar os pontos e a prótese teve que ser removida”, relembra.”
    (site da bbc brasil)

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados