Blogs e Colunistas

28/08/2012

às 5:49

Um bom momento de Carmen Lúcia. Ou: Sobre a verdade factual e a verdade processual

No seu extensíiiisssssssiiiiiimo voto em defesa de João Paulo, o ministro Ricardo Lewandowski discorreu sobre a verdade processual — aquela dos autos —, dando de barato que ela pode não ser a verdade factual.

No dia 24 de agosto, escrevi aqui:
Quando o voto de Lewandowski for publicado, vocês lerão que, num dado momento, ele fala na “verdade processual”. E chama a atenção para a expressão, como a dizer: “Eu não estou falando necessariamente da verdade dos fatos, mas da verdade que está no processo”. O tema é bom. Rende muito.
O ministro, de fato, está lidando com uma máxima de que inexiste o que não está nos autos. Bem, de todo modo, as lambanças de João Paulo com a agência de Valério estão, sim, nos autos, devidamente documentadas. Sua observação é ociosa. Mas não me furtarei a fazer alguns comentários a respeito.
O conceito de verdade processual deve valer como um instrumento de segurança, não de impunidade. Uma “verdade processual” que se choca frontalmente com a “verdade dos fatos” verdade não é, nem mesmo processual. Pode ser apenas um farsa ardilosa daqueles que escaparão impunes e daqueles que lhes garantirão a impunidade. Dou um exemplo dentro do próprio processo, querem ver?

Ontem, ao condenar João Paulo, afirmou a ministra Carmen Lúcia:
“O Judiciário brasileiro está fazendo o possível, dentro das dificuldades que a ministra Rosa [Weber] apontou tão bem em seu voto de se colherem provas. Porque, aqui, não se tem um corpo de delito, como num homicídio. Aqui se tem uma dificuldade enorme exatamente de se saber qual é a verdade real e a verdade processual”.

Voltei
Parabéns, ministra! Que siga nessa linha! A verdade processual, reitero, é uma garantia, não uma janela ou uma porta para a impunidade. No caso de João Paulo Cunha, que prova a acusação deveria ter produzido? Um memorando assinado por ele, em três vias, mandando praticar alguma ilegalidade? Todas as suas ações, tão bem relatadas no voto de Joaquim Barbosa, com fatos, não bastam? Ou não é fato que João Paulo recebeu dinheiro vivo de uma agência que ele mesmo havia contratado na Câmara, agência essa paga com dinheiro público?

Se, como quer Lewandowski, ele usou aqueles R$ 50 mil para pagar uma pesquisa de opinião, que diferença isso faz? Poderia ter doado para o lar dos velhinhos desamparados. Dava na mesma!

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

44 Comentários

  • ANÔNIMO

    -

    29/8/2012 às 7:16 am

    Rei, diante do julgamento do mensalão, não há necessidade de criticar os maus, basta enaltecer o trabalho dos bons. Ministros Fux, Barbosa, Carmem e Rosa, ministros que merecem o reconhecimento de todos que lutam por um país mais justo e digno.

  • Gilberto

    -

    29/8/2012 às 7:10 am

    Todos os elogios para os ministros Fux e Carmem Lúcia ainda são poucos diante da firmeza e dignidade que apresentaram quando convocados para dar o tão esperado voto. Ao ministro Barbosa, impecável como relator, também merece todo o reconhecimento pelo seu trabalho.

  • Ronaldo

    -

    28/8/2012 às 10:50 pm

    “O que não está nos autos do processo, não está no mundo”. Há que se saber se as provas são suficientes para demonstrar de maneira inequívoca a culpabilidade dos acusados. Essa é a questão de fundo.

  • Michele Prado

    -

    28/8/2012 às 10:06 pm

    Eu fui bisbilhotar o mural de Luis Costa Pinto, mês passado, e vi esta conversa. “Printei” e compartilhei no Facebook. . Após o voto de Tofolli, recordei dela e de outras coisas. Segue o link para acessarem a foto deste senhor sério que “prestou serviço” à Câmara de João Paulo Cunha.
    https://www.facebook.com/MichelePradoA/posts/234039270051799?ref=notif&notif_t=like
    Depois do escândalo do mensalão, a empresa subcontratada pela Câmara de deputados sob comando de João Paulo Cunha, emitiu 3 notas fiscais para ( tentar) comprovar a prestação de serviço. as notas, num períodos de 4 meses, eram sequenciais.
    Ou a empresa só tinha um cliente por mês, ou petista acha que o povo brasileiro é burro ou estavam certos da impunidade ( já que aparelharam todo o Estado e os parlamentares estavam devidamente comprados), ou todas as alternativas acima.

    Luis Costa Pinto é este senhor que diz ( em sua página) que agora mudou de ramo. Virou empreiteiro. Segundo as palavras dele: ” rende mais!”
    Toma vergonha na cara, Brasil!

    “A emissão de notas fiscais falsas servia “para justificar pagamentos de serviços sem a devida contraprestação, além de outras práticas ilícitas destinadas a justificar o recebimento de vultosas quantias, posteriormente repassadas ao esquema operacionalizado pelo núcleo Marcos Valério”.

    Várias páginas do relatório são dedicadas à promíscua relação entre Valério e o ex-presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT-SP). Aqui, destaca-se o “desvio” de R$ 252 mil do contrato entre a SMPB Comunicação e a Câmara, “em proveito próprio” de Cunha. O montante foi usado para pagar uma subcontratada, a IFT (Ideias, Fatos e Texto), do jornalista Luis Costa Pinto, assessor do deputado. Em troca, a empresa se comprometeu a elaborar boletins mensais, mas jamais teria entregado nada. A denúncia:

    “Na verdade, a subcontratação foi uma armação para que o Luis Costa Pinto fosse bem remunerado (R$ 20 mil por mês) para prestar assessoria direta a João Paulo Cunha.”

    Para Antonio Fernando de Souza, a SMPB foi remunerada, sem prestar serviços, à medida que subcontratou “99,9%” do objeto licitado com a Câmara dos Deputados, contrato cujo valor alcançava R$ 10,7 milhões.

    “A SMPB, do núcleo Marcos Valério, participou do contrato apenas para intermediar subcontratações, recebendo honorários de 5% por isso. Referida situação caracteriza grave lesão ao erário, além do crime de peculato.”

    Para o procurador, a prática das subcontratações permitiu que Cunha desviasse R$ 536 mil do contrato mantido entre a Câmara e a SMPB. Tudo “em proveito do núcleo Marcos Valério da organização criminosa”.
    Cansei de ser pobre.
    Vou virar empreiteira. E petista.

    #RepúblicaFederativaDasEmpreiteiras

    ” Luís Antônio Aguiar da Costa Pinto, conhecido como Lula (Recife, 25 de agosto de 1968 é um jornalista brasileiro.

    No ano de 1992, a partir de duas reportagens de Luís Costa Pinto publicadas em Veja – “Os Tentáculos de PC Farias” e “Pedro Collor Conta Tudo” – desencadeou-se o processo de impeachment contra o então presidente da República do Brasil, Fernando Collor de Mello.

    Coordenou, entre janeiro e fevereiro de 2003, a campanha de João Paulo Cunha (PT) à presidência da Câmara dos Deputados. A partir de então, passou a se dedicar à atividade de consultoria privada de comunicação.

    Em 2010 Luís Costa Pinto coordenou a comunicação e a formulação de estratégia da campanha de Agnelo Queiroz (PT) ao governo do Distrito Federal. Agnelo venceu a eleição com 68% dos votos válidos.”

    Fonte so : Wickpédia.

    Mas já conheço de muitas e muitas notícias. Muitas.

  • JucaPato

    -

    28/8/2012 às 8:18 pm

    Ministro TOFOLI tenha dignidade e se coloque como impedido!!! É uma VERGONHA o papel que está fazendo!!!

  • ana

    -

    28/8/2012 às 4:35 pm

    Não tenho conhecimento jurídico e nem intelectual. Sou uma simples dona de casa mas acompanho esta coluna diariamente e tb.o processo do mensalão. Mas entendo bastante da vida. Me atrevo a escrever pois não posso deixar de registrar o meu orgulho ao ver que ainda existe nos poderes honestidade e moral.Parabéns para as duas ministras e ao ministro Luiz Fux que falou uma frase muito simples e de muita sabedoria que seria mais ou menos isto “se meu filho diz eu não fiz devo acreditar nele mas se ele disser não tem provas contra mim devo investigar”. Este simples pensamento deveria pautar o nosso senso de moral.Parabéns à estes ministros que votaram a favor da moral e dos bons costumes

  • Ana Lúcia

    -

    28/8/2012 às 4:24 pm

    Parabéns Ministra Carmen Lúcia! O Brasil precisa ser passado a limpo enquanto ainda há tempo.

  • Raissa pedra

    -

    28/8/2012 às 2:34 pm

    Reinaldo, em 20 minutos a ministra Cármen Lúcia mostrou com competência, coragem e ética que o Brasil não é
    o “Pais do Faz de Contas criado por Lula, que ainda se pode ter esperança de que a corrupção pode ser punida.
    Para os mineiros que seguem a trajetória dela no campo Jurídico, o voto condenatório não foi surpresa, face o seu passado de competência, coerência, independência e coragem. Agradecemos o resgate da nossa dignidade e vergonha, pois o mensalão teve sua origem através de um mineiro.

  • roberto

    -

    28/8/2012 às 2:15 pm

    O Brasil é mesmo um pais único, já tivemos 2 partidos comunistas quando eles pregavam o partido único, agora temos juiz do supremo nomeado para se juiz de defesa no caso do mensalão, e o povo pagandoa conta.

  • Heitor

    -

    28/8/2012 às 2:05 pm

    Fux também mostrou que existe um Direito moderno que anda escondido por algum motivo.

  • Heitor

    -

    28/8/2012 às 1:54 pm

    Eu não estudei direito e escrevi isto, não importa para que foi usado o dinheiro. Caixa 2 é corrupção. fico feliz que apenas usando a lógica supero os dois: Toffoli e Lewandowski, embora seja um orgulho relativo, superar dois cretinos.

  • anônima-RJ

    -

    28/8/2012 às 1:30 pm

    A ministra Carmen Lúcia provou que, num português inteligível, é possível fazer uma síntese clara e abrangendo os pontos mais importantes.
    Destaco também a provocação que fez ao se referir à manifestação de Ayres Britto e Gilmar Mendes que não viram nada de errado no momento do recebimento da acusação pelo STF sobre os R$ 50000,00, posição que tomaram pelos dados que tinham naquele momento e que, Lewandowski, de má fé usou no seu voto.

  • Affonso Sampaio

    -

    28/8/2012 às 1:16 pm

    Já dei um exemplo aqui de “fatos”.Se à minha frente ou na frente de muitas pessoas está uma pedra,todos naturalmente-a não ser que sejam cegos-dirão:-ali está uma pedra…Poderão quando muito discutir se é b rnca ou qualquer outra cor, mas restará o fato iniludível que “aquilo’ é uma pedra!Essa “é a verdade dos fatos!Não há de se sofismar!

  • Ricardo Wildberger Lisboa

    -

    28/8/2012 às 1:15 pm

    Nesse sentido o ministro Luiz Fux teve um grande momento ontem, quando falou da pessoa que incorre no crime de “inside trader”, aquele que usa informação privilegiada para negócios em bolsa, coisa que em países sérios é crime grave e dá cadeia. Como chegar à conclusão de que alguém cometeu tal crime? É uma coisa sutil, delicada. Certamente não é pelos “atos de ofício” deixados, mas por vias indiretas, por todos os indícios (que envolve com quem falou, com quem esteve), pela lógica, pelo domínio dos fatos. Achei um grande momento do ministro, que esclarece porque João Paulo Cunha é culpado.

  • Livre

    -

    28/8/2012 às 1:11 pm

    Não vi na íntegra os votos do relator e do revisor. Dentre os votos “curtos” de ontem, certamente o voto da ministra Carmen Lúcia foi o mais bonito. Firme, serena, incisiva e elegante.

  • O Locutor

    -

    28/8/2012 às 12:50 pm

    Não adianta crucificar o Lewando, e outro ministro aspone do Dirceu, eles sabem que são a vergonha do STF.

  • Chaco

    -

    28/8/2012 às 12:46 pm

    É pena que nenhum dos Ministros atuais seja penalista. Como fundamento para afastar o argumento do Lewandobolada bastava conhecer um pouco mais sobre exaurimento e crime de mera conduta.

  • Teresa Q

    -

    28/8/2012 às 12:22 pm

    Ministra Carmem Lúcia, guerreira do povo brasileiro! Muito nos alegra os eu voto.
    Reinaldo, agora também passei a fazer elogios na página do STF aos votos dos MINISTROS e reclamações aos votos dos dois advogados do PT que tomaram assento no STF, onde deveriam estar somente MINISTROS! Não sei que destino eles dão aos nossos comentários no STF, mas alguém deve ler, e como bem conheço o servidor público, a “radiocorredor”, a divulgação interna é certa…

  • edvaldo cavalcante

    -

    28/8/2012 às 11:59 am

    Parabéns nobre Ministra Carmém Lucia, é uma honra ter V.S no STF.

  • esther correa

    -

    28/8/2012 às 11:32 am

    Tio
    Carmem Lúcia, a BREVE, realizou o nosso sonho:- “VOTO COM O RELATOR”. Que maravilha. Ela foi sintética e inteligente em seus votos. Tomara todos fossem assim. Adorei!!!!!!!!

  • MIsabel

    -

    28/8/2012 às 11:27 am

    Parabéns Ministra Carmem Lúcia, muito justa!

  • jose catunda

    -

    28/8/2012 às 11:26 am

    Esses cincoentinhas não tinham sido para pagar TV a Cabo?Não foram p/pagar dívidas de campanha?Não foram para,para,para.Pára aí Zé.E o recibos não foram mostrados pelos Advogados de defesa não?É uma embrulhada que só petista explica.

  • Mairalur

    -

    28/8/2012 às 11:24 am

    A ministra Cármen lembra, na sisudez e na argumentação enxuta, a ministra Ellen Gracie. Diz, e não apenas fala. Prova, e não apenas encena. Tomara que ela continue nessa (boa) trilha, mesmo quando chegar a vez do pescoço dos petistas mais graudões.

  • Jacinto

    -

    28/8/2012 às 11:20 am

    Eu sempre achei que usar dinheiro desviado para fins políticos agrava a conduta em vez de atenuá-la. É que o uso de dinheiro público desviado em campanhas políticas implica em diferença de condições entre o candidato honesto e o candidato mensaleiro que obtém, ilicitamente, enorme vantagem sobre o candidato honesto. E diferença de condições originadas de dinheiro ilícito e a mais grave forma de deturpação da democracia que pode existir.

  • xLuiz

    -

    28/8/2012 às 11:18 am

    Mestre Rei
    Que ensaboada o Lewando está levando! Espero que exista água suficiente para o ministro, se é que me entendem…

  • Lia

    -

    28/8/2012 às 11:14 am

    Parabéns relator MINISTRO Joaquim Barbosa. Parabéns ministra Carmem Lúcia.

  • bartolomeu

    -

    28/8/2012 às 10:54 am

    Reinaldo: essa pesquisa alegada pelo … João Paulo Cunha é falsa! A Ministra Rosa Weber exibiu, ontem, as três notas fiscais que “comprovariam” o pagamento dela. São notas seriadas ( números finais 125, 126 e 127) e foram emitidas em setembro, novembro e dezembro de 2003. Ou seja, essa porcaria de instituto SÓ TEVE UM CLIENTE EM QUATRO MESES: o malfeitor João Paulo! Notas falsas, frias, nas quais só quem acredita são Levandovski ( o menino predileto de Dona Marisa) e Toffoli, apenas por demonstração de gratidão ao “boss”, Lulalibabá…!

  • Leandro

    -

    28/8/2012 às 10:53 am

    Achei fantástico as falas no voto da Ministra Carmem Lúcia, parabéns Ministra.

  • JAS.Bordeira

    -

    28/8/2012 às 10:21 am

    Prezado Reinaldo
    Permito-me reunir neste comentário, por julgar o registro imperdível, três magistrais passagens nos votos dos Ministros Rosa Weber, Luiz Fux e Cármem Lúcia,como se segue: em razão das dificuldades de comprovação do crime de corrupção disse Rosa Weber: “… quem vivencia o ilícito procura a sombra e o silêncio. O pagamento não se faz diante de holofotes. Ninguém vai receber dinheiro para corromper-se sem o cuidado de resguardar-se.” Ao lembrar da dignidade da vítima “sociedade brasileira” disse Fux; “… a cada desvio de dinheiro público, mais uma criança passa fome, mais uma localidade fica sem saneamento, mais um hospital, sem leitos. Estamos falando de dinheiro público, destinado à segurança,saúde e educação.” A respeito da certeza da impunidade disse Cármem Lúcia: “Me pareceu que isso (o fato de o Dep. João Paulo solicitar a sua mulher para ir receber o dinheiro) se deve a uma singeleza extremamente melancólica para nós brasileiros, que é uma certa certeza de impunidade, de poder comparecer que não vai acontecer nada.”
    Então meu caro Reinaldo, encerro estabelecendo um vínculo estreito dessas passagens lapidares ao seu oportuno e esclarecedor comentário, acima, sobre a “verdade processual e a “verdade dos fatos”.

  • LUIZTAVARES

    -

    28/8/2012 às 10:20 am

    verdade real ou processual…………
    A VERDADE PROCESSUAL DITA PELOS ADVS E RATIFICADAS REITERADAS VEZES PELO LEVAND… É, DATA MAXIMA VENIA , UMA GRANDE INVERDADE POIS , DMV, FORAM MONTADAS E FORJADAS PARA CONTRADITAR AS DENÚNCIAS, SENÃO VEJAMOS:
    O LEVANDO… ESTÁ DANDO VALOR AOS DEPOIMENTOS DO JOSÉ EDUARDO CARDOZO E DO DELÚBIO EM RELAÇÃO AO RÉU JOÃO PAULO CUNHA…DMV…( E OUTRAS TESTEMUNHAS TENDENCIOSAS );
    - QUEM É MONTOU A ESTORINHA DO RECEBIMENTO DO DINHEIRO PELO PIZZOLATO…??? CERTAMENTE NÃO FOI ELE-FOI…??? QUEM O INSTRUIU EM ASSIM AGIR…???
    - A ORA DOUTA MINISTRA ROSA WEBER CHAMOU A ATENÇÃO PARA UM SINGELO FATO PORÉM MUITO SIGNIFICATIVO QUANTO AS NUMERAÇÕES SEQUENCIAIS DAS NOTAS FISCAIS EMITIDAS PARA PROVAR AS PESQUISAS DO JPC , DANDO CONTA DE QUE FORAM “ARTIFICIAIS” ;
    - O JPC CADA HORA DAVA UMA VERSÃO PARA O FATO DO RECEBIMENTO DOS 50 MIL…;

    ISTO POSTO, E QUE MAIS DOS AUTOS CONSTAM É DE FÁCIL ILAÇÃO DE QUE MUITAS PROVAS PRODUZIDAS PELAS “”"DEFESAS-PROCESSUAIS”"” FORAM FRAUDADAS / ASSIM SENDO , NOS QUESTIONAMOS SOBRE O QUE É VERDADE PROCESSUAL…( FATO ESTE REITERADO PELO AFILHADO DA MARISA POIS, DTM , ATÉ ELE SABE QUE DEPOIMENTOS TESTEMUNHAS DIVERSOS FORAM PARCIAIS-MONTADOS-INSTRUÍDOS-TELEGUIADOS-MANIPULADOS…ETC

    …O Q É VERDADE PROCESSUAL…???
    - O DEPOIMENTO DO DELÚBIO?
    - DO ZÉ DUDU CARDOZÃO?
    - DA IDELI SALVATTI?
    - DO LULA?
    ( ORA POIS, DTA MAXIMA VENIA DOS ADVS E DO RICARDO …

  • maria soares

    -

    28/8/2012 às 10:00 am

    As mulheres estão brilhando no STF. Parabéns ministras Rosa Weber e Carmen Lúcia. E também aos ministros Luiz Fux e Joaquim Barbosa.
    Espero que continuem votando assim… é um resgate da dignidade nesse País.

  • gilmar

    -

    28/8/2012 às 9:59 am

    Pois é vi o Marco Aurélio falar bem no começo em uma entrevistas algo parecido. se estavam esperando uma declaração de culpa dos acusados com firma reconhecida estavam querendo muito, quem sabe não seja um pensamento comum entre a maioria do colegiado? sonhar ainda é de graça.

  • Antonio Carlos

    -

    28/8/2012 às 9:59 am

    Como já se esperava, não devemos perder tempo em analisar as “decisões” de Toffoli – este sim caixa 2 do PT -. Incompetente por formação escolar – vide seu “cv” -. Devedor de obrigações morais ao partido. Desequilibrado quando agride com palavras absurdas ditas em público a Noblat, o que por si só já o desqualifica como pessoa equilibrada que “deveria ser” pelo cargo que ocupa. Nossa Justiça é isso aí com juízes comprados a soldos morais. Esse país continuará a ser um terceiro mundo enquanto esse estado de coisas continuarem a prevalecer. Dias Toffoli, esqueçam desse sujeito que se diz juiz. Não vale a pena e nem um tostão furado como dizia meu avô.

  • Anderson

    -

    28/8/2012 às 9:58 am

    Tio Rei,
    O processo penal brasileiro norteia-se pela busca da verdade real e não formal. Tanto que se houver conflito entre a verdade formal (aquela que se deriva dos atos de um processo) e a real, dá se preferência à segunda.
    Assim eu sempre aprendi.
    As provas, testemunhos, etc. servem como meio para buscar essa verdade. Portanto, quem alega deve provar sua alegação através dessas evidências e não apenas no grito.

  • Orwell

    -

    28/8/2012 às 9:43 am

    Lewandovisky; Toffoli. São praticamente advogados. Não vi nenhum cara pintada saindo às ruas! O Collor foi absolvido depois que a turba ignara saiu sacudindo os traseiros sociais. O PT conseguiu ser condenado (ja foi) com dois defensores escancarados que violentam a lógica mais elementar (até agora 2) dentro do STF. Silencio………….

  • Geninho Clementi

    -

    28/8/2012 às 9:27 am

    Sou Juiz de Direito criminal há 22 anos e Mestre em Direito Penal. O Código de Processo Penal diz no artigo 156 que a prova de uma alegação incumbe a quem a fizer. Não me admira o fato do Ministro ter sido reprovado por duas vezer em concurso para a Magistratura Estadual…

  • SILVIO

    -

    28/8/2012 às 9:05 am

    ONTEM VC FOI OUVIDO NO STF: O MIN JOAQUIM BARBOSA DECLAROU PARA TODOS OUVIREM AS DUAS PERGUNTAS DA TAL PESQUISA DO J PAULO CUNHA…..

  • Um@mais

    -

    28/8/2012 às 8:41 am

    A ministra Carmem Lúcia deu um show de competência sem precisar se utilizar daquela falação toda. Aquele poço de vaidade, que é comum a alguns, é para confundir as pessoas. Simples, porém objetiva e firme, foi a m. Carmem Lúcia. Parabéns ministra Carmem. Já era esperada essa postura elegante.

  • márcio

    -

    28/8/2012 às 8:08 am

    Azar de Lewandowski ter sido o revisor (que não revisou coisa alguma) – tinha uma posição estratégica para exercer certa “influência” e levar ao “vício” os demais ministros – contudo, a cada discurso, vai sendo desmoralizado. Vai acabar arrumando um motivo, como já andou procurando, para faltar às demais sessões! CADEIA NELES!

  • Nelson Cunha

    -

    28/8/2012 às 8:00 am

    Reinaldo, não esconda no se comentário que a argumentação do Levandowski completa-se ao acreditar que o deputado desconhecia a origem criminosa dos 50 mil. É claro que o ministro obediente não quis considerar que dinheiro lícito caminha eletronicamente entre contas, dispensando usar a esposa como courier.

  • Kidu

    -

    28/8/2012 às 7:39 am

    Bravo MINISTRA CARMEN LUCIA! O País decente agradece a condenação desses bandidos arrebanhados por lullllllalau para se perpetuar no poder a troco de recursos públicos.

  • Eleitor comunizado pelo PT

    -

    28/8/2012 às 6:53 am

    O JULGAMENTO dos MENSALEIROS por desvio de dinheiro público como NUNCANTESNESTEPAIZ poderia despertar na sociedade uma iniciativa de criar uma LEI proibindo a doação para campanhas políticas por pessoas jurídicas. Todos os grandes escândalos envolvem empresas e seus dirigentes(DELTA, BANESTADO, REDE13,BB-VISANET,SANGUESSUGAS, ALOPRADOS do lula, GAUTAMADUTO, DUDADUTO,VALERIODUTO e, bote etc nisso), contaminando o Legislativo e corrompendo autoridades como na farra em PARIS com a dança exótica dos guardanapeiros embriagados com champanhe francesa legítima, domesticados pelo dono da DELTA em troca de obras bilionárias. O americano costuma dizer que não existe almoço grátis entre políticos e empresários, lá nos EUA é proibida a doação por pessoas jurídicas, o Brasil poderia copiar a maior democracia do planeta, atraindo políticos mais honestos sem suborno de empresários.Junto com as doações por empresas vem toda sorte de crimes, desde sonegação de impostos até assassinatos, como a morte de CELSO DANIEL, onde o Brasil conheceu o sinistro SOMBRA do PT, o responsável de punir aqueles que não aceitam pagar o mensalão. A história, repetida insistentemente, pelos advogados dos réus do mensalão no STF é a CAIXA 2 para pagar dívidas de campanha: ora bolas, é tudo CAIXA 3 propina para políticos enriquecerem, não existe comprovação documentada de pagamento por serviços contratados de campanha política, ou, estamos diante de uma SONEGAÇÃO DE IMPOSTOS tutelada por autoridades da república contra os cofres públicos destepaiz!

  • Santos Silva

    -

    28/8/2012 às 6:46 am

    Excelente as colocações da Ministra C. Lúcia. Brilhante sob todos os aspectos. Ela abre as portas, junto com FUX, para um Brasil menos indigno.

  • Anónimo

    -

    28/8/2012 às 6:21 am

    Esse é o Tio Rei e sua máquina de moer Lewandowski.
    Curioso mesmo é a cara de pau do tipo ao distorcer os fatos com questões processuais, bem ao gosto dos comunistas que não perder oportunidade de fazer zombaria com o nosso sistema jurídico.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados