Blog Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

sobre

Reinaldo Azevedo, jornalista, escreve este blog desde 2006. É autor dos livros “Contra o Consenso” (Barracuda), “O País dos Petralhas I e II”, “Máximas de Um País Mínimo — os três pela Editora Record — e “Objeções de um Rottweiler Amoroso” (Três Estrelas).

Por que jamais votaria em Marina Silva — nem que ela viesse a disputar o segundo turno com Dilma. Ou: Voo cego de um avião sem dono

Por: Reinaldo Azevedo

Jamais votaria em Marina Silva. Já expus aqui alguns dos meus motivos. E também na minha coluna de sexta na Folha. Vou avançar. Desde que me ocupo da política, como jornalista, meu esforço é para tirá-la do terreno da mitologia e trazê-la para o da razão — inclusive o da razão prática. “Poderia votar em Dilma contra Marina, Reinaldo?” Também é impossível. Os petistas me incluíram numa lista negra de jornalistas. Eles querem a minha cabeça e, se pudessem, pediriam a meus patrões que me botassem na rua. Desconfio até que já tenham pedido — não sei. Mas não levaram. Não sou suicida. Não me ofereço àqueles que se pretendem meus feitores. Mas, reitero, nem tudo o que não é PT me serve — e Marina não me serve. Mais: acho que alguns de seus ditos “conselheiros” estão perdendo o juízo e querendo se comportar como os Catões da República. Já chego lá.

Os cardeais da papisa
Marina Silva não é candidata a presidente da República, mas a papisa de uma seita herética — e suas heresias são praticadas contra a democracia representativa. Ela não concede entrevistas. Seus cardeais falam por ela. À Folha, quem garantiu a independência do Banco Central foi Maria Alice Setubal. Já expliquei e insisto: se o sócio de um grande banco viesse a fazer tal promessa como porta-voz do tucano Aécio Neves ou da petista Dilma Rousseff, nós, da imprensa, não perdoaríamos o deslize. Como se trata de Marina, parece evidência de sabedoria. Tenham paciência! Banqueiros não podem fazer política? Podem e devem. Mas convém não misturar carne com leite nessas coisas. E ponto.

Na Folha desta segunda, mais um cardeal do “marinismo”, Eduardo Giannetti, fala em nome de Marina. Também ele acena para os mercados com a independência do Banco Central, mas o centro de sua entrevista é outro: quer a conciliação política “dos bons”, entendem? Marina, diz ele, pretende governar com o apoio de Lula e de FHC. Ninguém lhe perguntou — e não sei se vão perguntar — por que não se fez antes se é tão fácil. A rigor, em todos os conflitos do mundo, dos mais amenos aos mais sangrentos, sempre se poderia fazer esta indagação: “Por que não, então, juntar os opostos, juntar os litigantes?”.

Giannetti teve uma ideia que poderia, enfim, ter evitado todas as guerras, até a de Troia, como num poema de Mário Faustino: “Estava lá Aquiles, que abraçava/ Enfim Heitor, secreto personagem/ Do sonho que na tenda o torturava”. No seu mundo, como no do poema, Saul não briga com Davi, os seteiros não matam Sebastião, e o “Deus crucificado” beija uma segunda vez o enforcado (Judas). Pode ser literatura. Pode ser religião. Uma coisa é certa: política não é.

Há mais: Giannetti resolveu, em sua entrevista, todas as dificuldades e só ficou com as facilidades. Imaginar que PT e PSDB possam estar juntos num governo implica ignorar, logo de cara, o fato de que esses partidos têm vocações e fundamentos que são inconciliáveis. Se o ideário, hoje, dos tucanos é um tanto nebuloso aqui e ali — especialmente na área de valores —, os do PT são muito claros. Ora, ora, ora… Então Marina Silva, a Puríssima, não aceita nem mesmo subir no palanque com Geraldo Alckmin ou com Beto Richa — acordos feitos por Eduardo Campos —, mas aquele que se candidata a ser seu orientador intelectual (já que diz não querer cargo caso ela se eleja) sonha com um governo que possa unir… Aquiles e Heitor. Giannetti é uma pessoa lida, que tem experiência com as palavras. Uma tolice dita por ele parece de qualidade superior à dita por um petista tosco qualquer. Mas é apenas isto: uma tolice dita com charme.

O PMDB
E o homem vai adiante. O sonho de Giannetti — que não me parece muito distante, mutatis mutandis, de todos aqueles que sonharam com um Rei Filósofo, com um Déspota Filósofo… — é juntar os bons de um lado para isolar os maus de outro. Ele pega carona na fácil demonização do PMDB. Dá a entender que essa é a força que tem de ficar do outro lado da trincheira. Marina, então, seria eleita pelo PSB, com o apoio de FHC e Lula e outras almas superiores do Congresso, uma conspiração dos éticos se formaria e pronto! Tudo estaria resolvido. Tão fácil que a gente lamenta que tantos estúpidos não tenham pensado nisso antes, né?

É mesmo? Será que o PMDB, ao longo da história, tem sido só um problema? Então vamos ver. Marina Silva apoia o Decreto 8.243, aquele que nem é exatamente de Dilma, mas de Gilberto Carvalho. No horizonte da turma que defende esse lixo autoritário, está, inclusive, o controle da imprensa, sim, senhores!, por conselhos populares. Marina não vê mal nenhum nisso porque, afinal, já deixou claro, não dá bola para partidos ou para instâncias formais de representação. O PMDB pode não ser exatamente um convento de freiras dos pés descalços, mas lembro que o partido, em seu congresso, apoiou uma das mais claras e fortes resoluções contra qualquer forma de censura à imprensa. Sugerir que o PMDB atrapalha a democracia ou a torna ingovernável é mais do que um erro; é uma mentira.

O avião
Hoje é dia 25 de agosto. Eduardo Campos morreu no dia 13. Até agora, ninguém sabe a quem pertence o avião. Marina, que voou muitas vezes naquele jatinho e que herda, pois, os instrumentos aos quais recorreu o PSB para fazer campanha, se nega a falar do assunto, como se ele não lhe dissesse respeito. Diz, sim!

Quem se pronunciou foi Beto Albuquerque, candidato a vice. Curiosamente, cobra explicações da Polícia Federal. Como? Aquele que era um dos homens mais próximos do presidenciável morto está exigindo respostas em vez de dá-las? O PSB, vejam vocês, inventou o avião sem dono.

Marina, a mais ética entre os éticos, não aceita doação, no caixa um — o oficial e registrado — de empresas disso e daquilo, mas faz ares de santa da floresta quando se questiona a quem pertencia um jatinho que custava alguns milhões. É essa a “nova política” de que tanto se fala? Vamos ver o que vem por aí: candidaturas e mandatos já foram cassados por muito menos. Que se apure tudo, mas há um cheiro fortíssimo de caixa dois na campanha, não é mesmo?

Messianismo
Marina carrega nas tintas de uma espécie de messianismo pós-moderno, assim, meio holístico-maluco-beleza. A VEJA desta semana a traz na capa. A reportagem, qualquer um pode constatar, não lhe é nada hostil. A figura desenhada nas páginas chega a ser simpática. Um trecho, no entanto, chamou especialmente a minha atenção.

No dia 18, 30 membros da Rede se reuniram em São Paulo para discutir a morte de Campos. Debate político? Claro que não! Isso é coisa superada. Era um papo de outra natureza. Depois de cada um dizer o que sentia, eles se dividiram em trios para escrever palavras para confortar… Marina!!! É, gente… Na Rede — que Giannetti quer ver no governo com o apoio de Lula e FHC —, não existem vitoriosos e derrotados quando se debate uma ideia. Há um troço chamado “consenso progressivo”. A exemplo do Cassino do Chacrinha, a reunião “só acaba quando termina” — e todos ganham. Em maio, para definir os dois porta-vozes da Rede, eles ficaram reunidos por 18 horas. Tinha de ser um homem e uma mulher para contemplar as diferenças de gênero… Tenham paciência!

Conheço gente que já frequentou esse círculo de iniciados. A coisa parece ser mesmo do balacobaco. Marina é o Pablo Capilé da floresta, e sua Rede lembra, em muitos aspectos, o tal grupo Fora do Eixo. As pessoas lhe dedicam um silêncio reverente e estão certas de que ela mantém mesmo certa comunicação com entes que não estão exatamente entre nós.

Estou fora
Não caio nessa, sob pretexto nenhum — nem mesmo “para tirar o PT de lá”. Na democracia, voto útil é voto inútil. Se Deus me submetesse à provação — espero que não aconteça — de ter de escolher entre Dilma e Marina, escolheria gloriosamente “nenhuma”! Se a turma do coquetel Molotov estava sem candidata e agora encontrou a sua, eu, que sou um partidário da democracia representativa e das instituições democráticas, deixarei claro, nessa hipótese, que estarei sem candidato no segundo turno. Mas torço e até rezo para que o Brasil seja poupado.

De resto, vou insistir numa questão: Marina Silva é governo no Acre há 16 anos. Seu marido deixou um cargo no secretariado de Tião Viana na semana passada. Mas a sua turma está lá, aboletada na gestão petista. Digam-me cá: quando Viana, seu aliado, começou a despachar haitianos para São Paulo, de uma maneira indigna, escandalosa, Marina disse exatamente o quê, além de nada? Qualquer bagre teria merecido dela mais atenção! Pareceu-me uma reação muito pouco caridosa a sua.

E não tenho como esquecer o fato de que, há menos de dois anos, Marina estava lutando por um Código Florestal que iria reduzir a área plantada no país. Como alternativa para seu desatino, ela tirava das dobras de seus numerosos xales certo “ganho de produtividade” que compensaria a perda. Propunha isso, com o desassombro e a retórica caudalosa de sempre, como se o Brasil não tivesse hoje uma agricultura e uma pecuária entre as mais produtivas do mundo. Do mesmo modo, incentivou a crítica verdolengo-obscurantista a Belo Monte, num país que enfrenta escassez de energia.

Marina Silva? Não! Muito obrigado! Não quero! “Ah, mas ela pode ser eleita e fazer um grande governo…” É, tudo pode acontecer. Não tenho bola de cristal. Quando voto, levo em conta o passado dos candidatos, suas utopias, suas prefigurações, sua visão de mundo, o apreço que têm pela democracia, a factibilidade de suas propostas.

Se eu tivesse alguma dúvida — já não tinha —, ela teria se dissipado com a entrevista concedida por Giannetti nesta segunda: Marina quer governar com o apoio de FHC e Lula… Então tá! É até possível que os dois, por elegância ou sei lá o quê, venham a dizer que, se isso acontecer, tudo bem. Ocorre que o Brasil não é um país comandado por aqueles líderes de clãs do Afeganistão. O Brasil sofreu um bocado para ter uma democracia gerida por partidos e por instituições. Ainda não chegou a hora de sermos um Brasilstão, governado por uma santa rodeada de conselheiros de fino trato. Isso nada tem a ver com democracia. Isso é só mais um delírio de intelectuais, ainda e sempre os mais suscetíveis às tentações autoritárias.

Os idiotas que acham que sou antipetista a ponto de votar até num sapo se o PT estiver do outro lado nunca entenderam direito o que penso. Em dilemas que são de natureza moral, não havendo o ótimo, a obrigação é escolher o caminho menos danoso. Na democracia, felizmente, temos a possibilidade de recusar o ruim e o pior.

De todo modo, espero que a onda passe e que o destino do país não seja definido pelo cadáver de alguém que não havia se explicado o suficiente em vida. É isso.

#prontofalei

Texto publicado originalmente às 4h30
Voltar para a home
TAGs:

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

764 comentários
  1. Marco Celio

    Sempre disse o que foi confirmado: O que D. Marina chama de seus eleitores, de seu patrimônio eleitoral e coloca isto no bolso do colete são os votos de protesto que no Brasil atual gira em torno de 20 milhões. Na eleição anterior e nesta (2014) não passou disto. Disse também, que quem aceitasse os votantes em Marina mediante suas exigências, perderia a eleição. Posso não ser profeta, mas imaturo como Aécio que se submeteu aos caprichos dela e depois aceitou a gritaria de ser tratado por Você pela então candidata oficial..Hei que amadurecerse pero si.

  2. vera

    só sei que nada sei perante tanta barbaridade ! ACORDA BRASIL !!!

  3. Sangyon

    Obviamente não sou dono dA verdade, mas algumas poucas das minhas opiniões, as formadas depois de marretas incontáveis das minhas ideias, só podem ser encaradas por mim como verdade sublime. E quando vejo alguém concordar com estas digo, sem vergonha de ser prepotente: “Alcanças-te a iluminação.”
    E “a iluminação” a que me refiro no momento é: “Uma das piores características da cultura política popular brasileira é o amplo uso da ideia do voto útil.”
    Me perece que isso é pior até que o hábito de vender o voto por um saco de cimento ou por um mês de sub-emprego, balançando bandeirinhas.
    Vivas, que não estou sozinho a execrar o “voto útil”!
    Quanto à Marina… e aos outros… para entenderem o que penso, basta minha declaração que meu voto útil será o velho, bom e criminosamente deturpado, voto nulo.

  4. wagnerrgt

    Realmente nao tem um que mostra confiança…..

  5. Jane

    Pior que está, pode ficar sim!!!
    Nem Marina e nem Dilma! Só por Deus! Ô mato sem cachorro!
    Aécio, não sei ……

    Estou mais para o Nulo!!

  6. Maria Célia Navarro Exel

    A história está complicando mais e mais. Também não sou favorável a ela, mas as mentiras que o PT anda espalhando entre os desinformados, estão aumentando seu número de eleitores. Perigosíssimo isso.

  7. dorgival santos

    Dorgival ! 10/09/2014
    Até agora , não entendi o que a Senadora Marina Silva quer, hora fala em política nova e ao mesmo tempo fala em governar com todos os partidos. o que quer dizer isso ? alguém pode min responder ? pode ser a própria, ou até mesmo, seus assessores.
    Já votei na senadora em outras oportunidades e hoje vejo como a pior dos candidatos, pois nem partidos tem , pula de galho em galho e não merece governar um país tão diversificado como é o Brasil.
    Há! tem mais, as divergências da candidatas que não são poucas, tem como sua aliada a Deputada Luíza Erondina e outros que fazem mal para o nosso país . Dorgival Santos /contador

  8. dorgival santos

    Dorgival ! 10/09/2014
    Até agora , não entendi o que a Senadora Marina Silva quer, hora fala em política nova e ao mesmo tempo fala em governar com todos os partidos. o que quer dizer isso ? alguém pode min responder ? pode sera própria, ou até mesmo, seus assessores.
    Já votei na senadora em outras oportunidades e hoje vejo como a pior dos candidatos, pois nem partidos tem , pula de galho em galho e não merece governar um país tão diversificado como é o Brasil.
    Há! tem mais, as divergências da candidatas que não são poucas, tem como sua aliada a Deputada Luíza Erondina e outros que fazem mal para o nosso país . Dorgival Santos /contador

  9. maria de lourdes

    Deus nos ajude a não ter de escolher entre Dilma e Marina pois seria o mesmo que escolher uma moeda de $1,00 ou 2 de $0,50 MUITO TRISTE O Brasil não merece isso

  10. maria de lourdes

    O eleitor brasileiro tem que ter em mente que temos que mudar poder .E Marina É uma caixa fechada que não sabemos o que tem dentro ,fala,fala e não assumi compromissos vai governar com todos os partidos mas não vai dividir o brasil como ela vai conseguir fazer essa mágica são partidos com ideais e interesses muito diferentes .Ela hoje parece o lulinha paz e amor da primeira eleição virou nosso pesadelo.

  11. Waléria Machado Paschoal

    Concordo com você Reinaldo – nem Dilma, nem Marina!
    Infelizmente o Brasil está indo para um buraco sem fim…

  12. REPTIL

    Reinaldo sendo seu leitor ha anos e admirador de suas posturas, sobre o assunto em pauta eu lhe aconselharia uma reflexão. Vamos relembrara o maior estadista da Terra no secXX, “Sir” Winston Churchil; em maio de 1941, a Iglaterra sózinha resistia a maquina de guerra nazista, quando Hitler invadiu a URSS,ate então sua aliada; ato continuo Churchil propos apoio e aliança a URSS`o que deixou muita gente desnorteada,pois ele era um conservador e ferrenho anticomunista. aos jornalistas perplexos que o assediavam na coletiva ele disse apenas:” Se Hitler invadir o inferno eu faço aliança com o Demonio”!!!! Naquele momento não havia outra opção a não ser derrotar o Nazismo para salvar a Inglaterra e a Historia mostrou que ele tinha razão!!!!! No Brasil atual só temos essa opção: derrotar o mal absoluto que se manifesta atraves do Klepto-Komuno-Petismo, essa é a prioridade; eu votarei em Aecio, caso ele não va para o segundo turno eu afirmo que não anularei voto e não votarei em Dilma!!!! Alias votar nulo é tudo que a petralhada quer que façamos!!!!! ACORDA BRASIL!!! RECUPERA A MEMORIA E RACIOCINA BRASIL!!!

  13. Semcorrupcao

    Marina=PT=Comunismo=Retrocesso! Cuidado!

  14. João Batista

    Não sou eleitor do PT e jamais votaria em Marina Silva. Para mudar acredito que o candidato Aércio Neves é o melhor.

  15. ROSA SAID

    O texto vale a leitura, pela oportunidade dos argumentos. Mas o último paragrafo é soberbo!

  16. JJudith Mércia de Lima Soares e Silva

    O Sr. Reinaldo é simplesmente um homem culto, inteligente e quer o melhor para o nosso país.

  17. David Rogerio Fiori

    Boa noite a todos…! Caro Reinaldo brilhante texto….Gostaria de seu apoio para uma causa nobre! Eu sou medico e nestas eleições voto PSDB puro sangue! Nao visualizo outra alternativa minima de governabilidade neste projeto drastico chamado Marina e considero o PT uma carta fora do baralho, apos outubro PT volta para oposição para nunca mais sentir o gosto do poder executivo!!!! Mas estou com certa dificuldades de alimentar os pombos (Lobão) que me rodeiam….! O argumento que ainda prevalece e acerca da privataria tucana e o liberalismo economico com um pensamento de estado minimo…! Sera que a titulo de rever os dados historicos e economicos teremos contra-argumentos plausiveis para substanciar nossos argumentos frente a tanta intransigência neste ponto especifico? Nos ajude….!

  18. Durval Carvalhal

    É gratificante ler o grande Reinaldo Azevedo. Com ele, aprendem-se palavras, frases, argumentos.
    Mas nenhum discurso é inocente, diz a linguística. Dessa forma, fica patente e claro que o texto, malgrado bem escrito, espelha uma preferência pessoal nítida, o que é normal e democrático.
    Marina é ética, elegante, democrática, ficha limpa, eficiente, conhecedora dos problemas nacionais e tem, o que é relevante, espírito público.

  19. Antonio de P.Oliveira

    O sr. Reinaldo acertou em cheio. Votarei no Aécio no primeiro turno e nulo, caso a infelicidade nos coloque frente essas duas: uma incognata a outra protetora de roubos e o diabo a quatro.

  20. Soraya Stefani

    VOTO NO AÉCIO ATÉ O FIM,MAS SE FOR O CASO DE SER DILMA X MARINA NO SEGUNDO TURNO,PREFIRO ESCOLHER DILMA,QUE TODOS NÓS JÁ CONHECEMOS E TEM CHANCE DE MUDAR COM A NOSSA PRESSÃO POPULAR.

  21. Ricardo Vieira

    Compartilho seu pensamento: o “voto útil” já elegeu Collor, Erundina, Tiririca, Marta Suplicy entre outros. Útil para quem? Para mim é que não é. Se der Dilma x Marina, vou eleger o Nulo.

  22. Wilson Luiz Costa

    Não tenho duvidas. Marina esta cercada de caranguejos que se perderam do saco de Fernando Color de Melo. Lembro-me muito bem: bloqueou meu capital de giro e lopo perdi meu emprego.

    Danger!!!

  23. sonia faria

    Deus nos livre e nos guarde, se no 2. turno der DILMA/MARINA, ESTOU FORA DESSA ELEIÇÃO, NÃO CHEGO NEM PERTO DA URNA…………..NUNCA VOTEI NO pt E NUNCA VOTAREI !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  24. Marian Henschel

    Aécio é o candidato

  25. Marian Henschel

    Sinceramente,… sem comentários, agora só por DEUS mesmo. Que ele proteja o povo brasileiro pois de um jeito ou de outro estamos mal.

  26. ELIANE FUZARI BARONE

    COMPARTILHADO,AS PESSOAS ESTÃO VENDO A SALVAÇÃO DA PÁTRIA,EM MAIS UMA COMUNISTA,LULISTA,TERRORISTA,DISFARÇADA DE OVELHA!

  27. Joana d'Arc Cavalcante da Silva

    Sou lúcida o suficiente para saber que o melhor candidato é Aécio Neves! Marina Silva é uma continuação do governo PT! A mim não convence sua pregação em busca do poder! Precisa mudar o uso das pesquisas para alavancas candidatura! E os idiotas acreditam plenamente no voto útil! Depois as consequências recaem sobre todos os brasileiros, que pagarão caro a irresponsabilidade do votar pela emoção, aqui o que deve se impor é a razão!

  28. Paul Silva

    Perfeito! Pior que está pode ficar sim! Sempre pode piorar.

  29. sergio silva

    Pior que está, não pode ficar: Esquisito por esquisito, vote no…: -Este, infelizmente, é o nível de nossos Doutos candidatos. Se não fizermos alguma coisa, com urgência, se o povo brasileiro continuar, docilmente, dormindo em Berço Esplendido, certamente sentiremos, na carne, os dissabores e as mazelas dos tempos do feudalismo, com a possibilidade de sermos, ainda, acariciados por um fundamentalismo retrogrado e barato, lá do funda da floresta.

  30. Maria dos Anjos

    Gostei, bastante esclarecedor, portanto compartilho

  31. Ana Paula Chiminacio

    Tem lobo com pele de carneiro ai…para mim a Marina santa só é um disfarce de uma politica totalitarista e comunista.

  32. Cida Rocha

    Consideraçoes a serem consideradas!

  33. Ale Rocha

    ReinaldoXXXXXXXXX na cascuda!

  34. claudio leonardo

    Imaginemos um governo sem eixo, com uma oposição desembestada do PT…Cruz credo, Deus nos livre e guarde!!!

  35. Luiz

    A união partidária “proposta” pela Marina é para arrecadar adeptos para a “mudança”, jamais irá acontecer. Mas isso não é motivo para não apostar nela, o Lula queria unir israelenses e palestinos, o que é mais sem noção que isso????

    Em um possível 2 turno, melhor votar desconfiando na Marina e sua política indefinida, do que permanecer com o corja do PT que TODOS(ensino fundamental em diante e + de 1 neurônio) sabemos aonde vamos parar.

  36. Ricardo zarzur

    ReinaldoXXXXXXX na cascuda!

  37. Luiz Gonzaga Moreira

    Opinião firme e segura a sua, Reinaldo Azevedo. Tolices ditas por pessoas consideradas inteligentes, parecem filosofia de alta qualidade. Mas você preferiu não dizer em quem votaria se as duas madames se enfrentassem no segundo turno. Tornaria a análise mais impactante.

  38. sergio

    Nao vou votar na marina, é melhor ficar o pt , já pensou os comunistas voltarem, isso é uma loucura

  39. Wilson M da Penha Jr.

    se votar na Marina é voo cego em avião sem dono, votar na Dilma é voar em avião sem piloto, carregando somente os cegos que votaram dela dentro.

  40. Nori

    Também não gosto dela, mas quando ela viu o que o PT era ela saiu do partido, o mesmo não fizeram a Dilma nem o Lula, com tanta corrupção dentro do partido. Agora, você acha que ela (a Marina) vai falar o quê? Sendo de um partido fraco e coligação fraca, como ela iria governar? Então tem que falar isso mesmo, agora deveria falar que estes que vão ajudá-la deveriam seguir o exemplo dela e deixar PT, PSDB ou o raio que os parta, você acha que ela é boba?

  41. Dagoberto de Oliveira Campos

    Reinaldo, espanta-me esta sua lucidez quanto ao nosso contexto político. Por isto é que você está na alça de mira dos petistas.

  42. Maia

    Nunca li palavras tão certas como estas. Cabeça maravilhosa deste jornalista.

  43. Nidia

    Não consigo confiar nem um pouco nessa Marina!

  44. Delano Calixto

    De onde menos se espera é que não sai nada mesmo.

  45. Rosali Raia

    Eu também não voto em Marina. Não cometerei este desatino. Nem Marina e nem Dilma.

  46. Felipe

    Isto sem falar que não seria improvável que o aparentemente súbito descontentamento de Eduardo Campos com o governo PT e sua subsequente candidatura à presidência não fossem apenas uma candidatura de mentirinha com o objetivo de apenas tirar votos de Aécio Neves. E que para calar Marina Silva, deram-lhe o prêmio de consoloção de concorrer a vice. Ninguém está mais triste e desolado com a morte de Campos do que o próprio PT.

  47. Bruno Silva

    Como cidadão de apenas 21 anos, estou procurando entender mais sobre política. Antes tarde do que nunca! Infelizmente, de onde venho, não existe educação política que preste, tenho que buscar por mim mesmo, saber. E nem sempre, quando busco apoio de professores, fico sem resposta. Sou sim um analfabeto político, entendo muito pouco, mas não quero que continue assim.

    PS.: Não li a matéria (ainda), decidi comentar antes, pois me identifiquei com o comentário do Luiz [27/08/2014 às 9:04 pm].

  48. Jornalista Crítica

    ReinaldoXXXXXXX na cascuda!

  49. Luiz

    PS.: já vimos esse filme antes, podemos chamar de “Collor II: o retorno da Globo”.

  50. Luiz

    Reinaldo, não se preocupe. Enquanto vivermos num país onde 99% dos eleitores, além de serem analfabetos funcionais, forem também analfabetos políticos, que sequer imaginam o que significa direita ou esquerda, continuaremos tendo Collors, Lullas, Dillmas e Marinas na presidência.