Blogs e Colunistas

08/06/2011

às 6:17

Palocci já era! Sabem o que vai acontecer agora com o governo? Nada! Eis o problema

Antonio Palocci, o todo-poderoso — o preferido do empresariado, dos mercados, de amplos setores da imprensa e, como todos sabemos, da oposição —, caiu! E sabem o que vai acontecer hoje? Nada! Palocci já era um mito velho, que estava vivendo a fase da engorda, pessoal e de patrimônio. Não encarnava mais a garantia de coisa nenhuma — de competência muito menos, é bom que se destaque. Consta que pretende viajar com a família e fazer dieta. Não lhe faltam recursos para a primeira decisão, e a segunda, nota-se, é uma escolha sábia. Daqui a pouquinho, as mesas começam a operar. Um e outro, para usar a imagem de um amigo do mercado financeiro, vão chacoalhar a macieira com especulação para pegar alguns frutos. Mas vai voltar tudo ao normal.

Se, no primeiro governo Lula, Palocci era a garantia de que o PT não viraria a mesa — muita gente levava o “PT socialista a sério” (eu nunca; acho o partido autoritário; “socialista”, no sentido que nos ensina a história, não) —, no governo Dilma, era a encarnação da racionalidade e da experiência — já que ninguém apostava muito no traquejo político dela. E  com razão. Mas não mais do que isso.

“Virar a mesa” hoje ninguém vai. Até porque os petistas têm sólidos interesses enraizados também no mercado financeiro, por intermédio dos bilionários fundos de pensão das estatais. Ninguém precisa de um “garantidor”. E que se note: o “Palocci amigo da economia de mercado” derivou para um ser teratológico esquisito, de sorte que ele havia se tornado um “ministro de mercado”, o que é coisa bem distinta e, obviamente, condenável. Um chefe da Casa Civil que não pode divulgar sua “lista de clientes” em razão da “cláusula de confidencialidade” está no lugar errado, certo? Não por acaso, com malícia, o vice-presidente da República, o peemedebista Michel Temer, destacou a  fidelidade do petista… aos clientes! No primeiro mandato de Lula, os que temiam o PT radical apreciavam muito no ministro o que era tido, de fato, como convicção — era mesmo alguém convertido às virtudes da economia de mercado. Com o tempo, o ministro passou a ser visto como um facilitador de negócios.

A economia não precisa mais daquela garantia que ele representava no passado. Na Casa Civil, além da coordenação política, exercia o tal papel do “gerenciamento” dos programas do governo — este que Gleisi Hoffmann diz que fará de modo exclusivo. Eis, então, o problema: o governo não parou por causa do escândalo que atropelou Palocci; já estava parado. Até março, a imprensa, com editorais e tudo, não se cansava de elogiar os silêncios de Dilma, coisa que ironizo aqui desde janeiro. Tinha-se a impressão de que ela se sagraria a primeira governante notável por tudo o que não dizia. Seu mutismo era eloqüente. Parecia música aos ouvidos. É que ninguém agüentava mais o ogro buliçoso, o Shrek animadão, a falar sempre pelos cotovelos, cantando as próprias glórias, violando a lógica, o bom senso, o decoro e o bom gosto.

Ali por abril a ficha começou a cair. Não existia ainda um governo Dilma, e não havia indícios de que pudesse haver. A crise que envolve Palocci tem três semanas, mas o não-governo Dilma já conta com quase seis meses. É claro que não dá para fazer um balanço das obras realizadas, mas já dá para saber se as coisas vão andar. E começa a se formar um consenso de que viveremos numa mediocridade pastosa. A marquetagem continua a todo vapor, mas falta a figura do animador das massas. Dilma não tem esse perfil.

Palocci passou a significar um peso imenso depois que se descobriu a sua incrível desenvoltura no mundo da consultoria. Era mais fama do que proveito no Planalto. Querem um exemplo? Perguntem a empresários ligados à área de infra-estrutura o que pensam da decisão de privatizar aeroportos. Fez-se um anúncio no joelho, sem planejamento, sem estratégia, sem nada. A sensação, que corresponde à realidade, desses seis primeiros meses e que o governo não sabe o que quer e para onde vai. O que se teve de mais vistoso — e, ainda assim, mitigado pela crise — foi o tal programa “Brasil Sem Miséria”, nada além de uma vitaminada no Bolsa Família velho de guerra… eleitoral.

Não se viu nem sombra daquele Brasil eficiente e organizado, de que Palocci, o garantidor, tomaria conta, enquanto a Soberana continuaria encastelada, pensando no bem-estar de seus súditos. O Código Florestal, lembre-se, foi exemplo notável de um Palocci incompetente: permitiu que um deputado da base, Aldo Rebelo (PC do B-SP), que tem o apreço de seus pares — já foi presidente da Câmara —, que é reconhecido como um homem honrado, acabasse hostilizado pelo governo e pelo próprio PT porque fez um relatório que concilia a preservação do meio ambiente com a produção. O então ministro quedou-se refém dos delírios de Marina Silva e das ONGs. O que se viu na Câmara foi um exemplo etupendo de desarticulação.

Assim, nesta quarta-feira, não vai acontecer absolutamente nada de novo. E isso está longe de ser uma solução. É um problema.

Agora Gleisi
Chamei Gleisi de a figura mais bonita do plantel de João Santana. É claro que se trata de uma ironia para destacar o fato de que Dilma investiu mais no marketing do que na experiência da escolhida. Sua biografia não a autoriza, do ponto de vista técnico, a ser aquela que vai cobrar dos demais ministros a execução dos projetos. Foi secretária de gestão do Mato Grosso do Sul, no governo de Zeca do PT, e depois da Prefeitura de Londrina. Não há um só tuiuiú que tenha saudade do tal Zeca. Não parece que Londrina tenha sido um caso particularmente virtuoso, segundo andei lendo.

Então Gleisi por quê? Para surpreender o mundo político — e foram os petistas a ficar mais evidentemente com o queixo caído — com um nome fora do mainstream petista. Nestes meses de Senado, Gleisi tem sido “fiel” a Dilma no limite da incompetência. Por falta de tato e de experiência, ela e Marta Suplicy, numa espécie de “conspiração da louras”, conseguiram de tal sorte tumultuar uma sessão do Senado, presidida por Marta, que a base governista, mesmo com maioria esmagadora, viu cair duas Medidas Provisórias. Seu estilo, em tão curto período, rendeu-lhe o apelido de “pit bull”, que não é exatamente uma metáfora para elogiar a sua habilidade. No dia 20 de abril, demonstrei aqui que ela não sabia exatamente quais eram as funções de um Parlamento.

Mas Gleisi já deixou claro que seu negócio vai ser gestão! A coordenação política ficará, supõe-se, com o ministro das Relações Institucionais, pasta atualmente desocupada por Luiz Sérgio, com quem ninguém quer falar: políticos, imprensa e, consta, a presidente da República. Luiz Sérgio, aliás, é uma evidência e tanto de que a inexperiência produz frutos…

Gleisi, no entanto, está sendo saudada aqui e ai mais ou menos assim:
“Agora vai!”
“Agora começa o governo Dilma!”
“Finalmente, Dilma se livra de Lula!”
“Demorou, mas presidente demonstrou independência!”

Entendo! Seis meses depois, há uma certa ânsia para inaugurar o governo Dilma! Será Gleisi  realizar esse prodígio?

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

178 Comentários

  • ana clara

    -

    16/6/2011 às 4:02 pm

    NÃO ENTENDI NADA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • angelo junior

    -

    10/6/2011 às 12:22 am

    Nesta semana,assistimos o fim da carreira de dois fenômenos:Ronaldo, o verdadeiro fenõmeno, o rei da grande área e ele, Palocci, outro fenõnemo, genio das finanças , dos milhoês que não se explica, da jogada genial do PT, dito partido dos trabalhadores, que piada, que vergonha. E a cereja do bolo semanal, pra não dizer fecal, o STF lambendo as botas sujas de lama do Sr. Lula, passando por cima de um acordo de extradição com a Itália e nos brindando com mais um criminoso, e da pior espécie. Meu Deus o que está acontecendo com nosso País na mão desses cachorros magros que estão no poder. Acorda meu povo, oposicão cade vc com um cacife de 40 milhões de votos, que não se apresenta, vamos desmistificar o Palanqueiro bajulador de ditadores e sua invenção que nos governa, governa?

  • Pedro Couto

    -

    9/6/2011 às 9:39 am

    Pelo que estou observando, esta questão de substituição do Ex-Ministro Antonio Palocci, não vai dar eem nada. Trocaram 6 por meia duzia. Quanto a saudação à nova Ministra, podemos dizer, agora que a vaca vai pro brejo com tudo o que tem direito. Agora começa o Governo da Dilma! e muito mal.A Presidenta se livrou de um cancer, mas do Lula vai ser difícil. Demorou, mas a Presidenta continua a mesma ou pior. Tenho saudades do Regime Militar, pelo menos não havia esta pouca vergonha que estamos presenciando sob o comando do PT. Lula, Dilma & Cia.

  • Arthur Moura

    -

    8/6/2011 às 6:06 pm

    Notícia do Conjur:

    Palocci salva muambeiro de ir para cadeia Palocci ainda estava ministro da Casa Civil, quando foi invocado como a principal alegação de um sacoleiro em processo por crime de descaminho, numa audiência na 7ª Vara Federal Criminal de São Paulo, na manhã desta terça-feira (7/6).

    O réu era duramente denunciado pelo representante do Ministério Público pela irregular importação de muambas no valor de pouco mais de R$ 12 mil. Eis senão quando, ao ser interrogado, o muambeiro reclama que está sendo injustiçado: “Pois o Palocci fez coisas bem pior e teve suas vultosas consultorias arquivadas pelo procurador-geral da República”, lamenta.

    Pairou na sala de audiências um pesado e constrangedor silêncio até que o ilustre representante do Ministério Público Federal, com um misto de ironia e vergonha, informou que na rede interna do parquet todos exclamavam que “o Gurgel ‘brindeirou’ geral” (para os mais jovens vale esclarecer que a neologismo é uma referência a Geraldo Brindeiro, o procurador-geral da República no governo Fernando Henrique Cardoso que entrou para a história com o singelo epíteto de “engavetador geral”).

    E continuou o nobre procurador a dizer que depois da “brindeiragem” de Gurgel cresceu na comunidade a torcida para que a candidata Ella Wiecko venha a ocupar a cadeira de procurador-geral em substituição ao próprio, que está em fim de mandato. Gurgel é candidatíssimo a ficar no posto — a lei permite a recondução —, daí sua intenção de agradar quem nomeia o procurador-geral com sua atuação no caso Palloci. Mas segundo a interpretação do procurador, o tiro do Gurgel saiu pela culatra.

    Depois desse forrobodó nos debates orais, o membro do MPF pediu a absolvição do muambeiro, no que foi prontamente atendido pelo juiz.

  • Margarete Flores

    -

    8/6/2011 às 5:50 pm

    Caro Reinaldo,

    Feliz do Palocci que vive no Brasil ” Um País de Poucos”, se fosse no Japão, certamente já teria se suicidado em frente as câmeras de televisão com um tiro na boca!

    Mas como vivemos no Brasil, ele continuará com suas nebulosas consultorias e certamente de JUN a DEZ, tem ainda 6 meses pra suar a camisa, e botar no mínimo mais uns 30 MILHÕES no seu cofrinho…

    Tadinho dele né gente?

    abraço
    Margarete

  • Igor Pires

    -

    8/6/2011 às 5:41 pm

    É impressão minha ou a Dilma praticou ato de nepotismo com a nomeação da Gleisi (que grafia linda de nome, pqp!) Hoffman para um de seus Ministérios, casada com o já Ministro das Comunicações Paulo Bernardo, haja vista que todo agente político se enquadra na categoria de servidor lato sensu ou, ainda que assim não o fosse, tal seria a clara intenção da súmula?

    Súmula Vinculante 13 – STF

    A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
    Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal.

  • Leopoldo Dogher

    -

    8/6/2011 às 5:33 pm

    É verdade: no Mato Grosso do Sul, não há um só tuiuiú que tenha saudade do tal Zeca.Mesmo assim, o Zeca está com saudade e quer voltar. É o fim da picada!
    Sobre as Barbies,sou mais a Marta.É loura há mais tempo, tem preferência.

  • sam57

    -

    8/6/2011 às 5:12 pm

    Quantas assinaturas precisam para uma petição pública cassar o mandato deste ladravaz?

  • josé

    -

    8/6/2011 às 5:01 pm

    Perguntar não ofende.O dinheiro que o infeliz do paloci gatunou, vai ficar como? seus bens serão todos confiscados pelas autoridades competentes? Na minha opinião eu acho que não vai dar em nada, nesta REPUBLIQUETA DE BANANAS. Se fosse no Japão a conversa era outra, porque lá as leis são respeitadas. porque quem tem (ÚC), tem medo.

  • Emilio

    -

    8/6/2011 às 4:30 pm

    O que vai acontecer agora com a saída de palloffi? Vamos analisar. A rainha dona mudinha primeira continuará muda. Os “intelequituais” insistirão na tecla de que “a realidade é falsa”. O reizinho falastrão primeiro prosseguirá com o deboche “nunca antes nestepaíz”. O Congresso, Judiciário e Executivo continuarão se lixando para a opinião pública. O pobre continuará sendo enganado; o contribuinte, lesado. Vigaristas disfarçados de jornalistas, sindicalistas, estudantes e movimentos sociais que não representam povo algum continuarão comprados. E o que muda, afinal de contas, nesta história? Os bolsos, meu filho! Os bolsos do palloffi estão mais cheios, assim como ficaram os bolsos do zé dirceu, da erenice, do sarney… E assim prosseguem de braços dados a delinqüência e a impunidade, conforme foi o desejo daquele povo mostrado no último mapa eleitoral, em vermelho e rosa…

  • Felipe

    -

    8/6/2011 às 3:43 pm

    Obrigado pelo link de abril. EU lembrava de ter visto ela falar bobagem, mas não lembrava bem o que era, agora lembrei o dia dessa interrupção vexatória q ela fez no senador Alvaro Dias.
    Essa mulher é uma vergonha alheia ambulante.

  • Fábio Bessa

    -

    8/6/2011 às 3:42 pm

    Dilma está seguindo o mesmo raciocínio do seu inventor. Palocci caiu, Lula chamou alguém politicamente nulo com o pretexto do tal perfil gerencial: a própria Dilma. Esta só está seguindo o mesmo script. Ela não conseguiu se impor a Palocci, nem conseguiria se impor a qualquer outro medalhão petista, então resolveu escolher uma pit bull que lhe seria obediente.

  • Rodrigo

    -

    8/6/2011 às 3:41 pm

    Gleisi Hoffmann. Do colo de Aníbal Curi para a Casa Civil. Que trajetória, não? A esposa do Jorge Samek, presidente de Itaipu, deve estar feliz da vida com essa escolha. Alpinista política, Gleisi emagreceu, mudou o nariz e tacou um amarelo na cabeça para conquistar corações e votos alheios. O que ela tem que Dilma tanto gosta? Não sei, melhor perguntar para o Zeca do PT…

  • sam57

    -

    8/6/2011 às 3:30 pm

    Puxa pessoal, o cara é só mais um elorápio da corrente. Os honestorrincos estão em extinção.

  • Ulei

    -

    8/6/2011 às 3:28 pm

    Vi a moça dando a entrevista padrão após nomeação e vi também outro filme antes do serviço de reforma facial.
    Era uma corôa e agora é uma garotona.
    Vai dar m. !!!!!!

  • Fortes Filho

    -

    8/6/2011 às 3:22 pm

    Bom, muito bom, artigo, coloca, no meu entender, os fatos de forma clara e sem subterfugios.

  • Anónimo

    -

    8/6/2011 às 3:20 pm

    Seja como for, a Governanta Dilma mostrou que sabe escolher. A mulher é linda, linda! Te cuida, Paulo Bernardo!

  • zilda

    -

    8/6/2011 às 3:05 pm

    Caríssimo,

    Moro em Londrina e se quiser alguma informação…

  • Moises santos

    -

    8/6/2011 às 2:38 pm

    OS COMENTARIOS SAO INJUSTOS COM O PALOCCI, UM CIDADAO QUE NAO QUERIA TROCAR SOB NENHUMA FORMA, UMA RECEITA DE R$20.000.000,00 , POR UM SALARIO DE R$20.000,00, MERECE UMA CONDECORACAO E TODAS AS DEMAIS HOMENAGENS POSSIVEIS. TUDO PELO BRASILSILSILSIL, CARA DE PAU, TINHA QUE LEVAR UMA SURRA DIARIA DE CIPÓ TRUIRA. (cipó repleto de quinas ). ESSE BANDIDO ENGRAVATADO DEVERIA TER NASCIDO LA PARA AS BANDAS DOS OSAMAS DA VIDA.

  • Carlos Pontes

    -

    8/6/2011 às 2:35 pm

    As mudanças já vem acontecendo, desde que o PMDB conseguiu a vice-presidência. No jogo político, o PMDB tem história e experiência suficiente para garantir as regras e o resultado que desejar.

  • A OUTRA MARI

    -

    8/6/2011 às 2:30 pm

    É Tio REY. Como naquela piada:
    - Então segue o enterro!!!
    O Brasil passa da miséria à gorjeta ostensiva com o Programa da Dilma o tal “Brasil Sem Miséria”! e agora com a gestão da cumpanheira,pode-se dizer: Porca Miséria!!!

  • Maria

    -

    8/6/2011 às 2:26 pm

    Andando de lado – Muito antes de ser sacramentada, a demissão de Antonio Palocci Filho era tratada pelo núcleo duro do governo de Dilma Rousseff como uma alternativa para melhorar as relações do Palácio do Planalto com o PMDB. Tudo porque o agora demitido Palocci fez ameaças ao PMDB através do vice-presidente da República, Michel Temer. O teor da conversa entre Temer e o então chefe da Casa Civil acabou vazando, o que irritou a neopetista Dilma.

    Com Antonio Palocci fora do governo, engana-se que as relações com o PMDB tendem a melhorar. Em primeiro lugar porque o PMDB sonhava em indicar alguém da cúpula do partido para ocupar a vaga deixada pelo consultor Palocci Filho. A segunda razão para as relações entre o Planalto e o PMDB continue no conhecido azedume passa obrigatoriamente pelas eleições de 2012 e 2014.

    Para o próximo ano, quando acontecem as eleições municipais em todo o País, o PMDB já se movimenta para lançar o deputado federal Gabriel Chalita (ex-PSB) como candidato à prefeitura de São Paulo. O PT também sonha com o trono paulistano, mas com Marta Suplicy ou Aloizio Mercadante como candidatos é uma tremenda ousadia sonhar com a vitória. A única saída para o PT voltar à prefeitura da capital dos paulistas seria lançar o ex-presidente Luiz Inácio da Silva como candidato, assunto que vem ganhando força nos bastidores da política da maior cidade brasileira. Do contrário, o PT terá de apoiar o candidato do PMDB, que também tem o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, de olho na vaga.

    Mas o problema maior entre o PT palaciano e o PMDB ainda está por vir. A nova ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que foi convidada para substituir Palocci como retribuição ao palanque eleitoral que garantiu a Dilma Rousseff no Paraná, na recente corrida presidencial, é candidata natural do PT ao Palácio Iguaçu, sede do Executivo paranaense, em 2014. Acontece que o senador Roberto Requião, também do PMDB, que não morre de amores pelos petistas do Planalto, também quer voltar a governar o seu estado.

    Em outras palavras, é uma enorme irresponsabilidade afirmar que é de ternura o clima entre o PT e o PMDB. Se Dilma Rousseff não resolver imediatamente a questão da articulação política do seu governo, que por enquanto está sob a responsabilidade do deputado federal licenciado Luiz Sérgio (PT-RJ), o relacionamento do governo com o Congresso Nacional deve piorar de forma considerável.

  • Licínio Miranda

    -

    8/6/2011 às 2:23 pm

    “Cavalheiros, o despotismo nunca se apresenta sem prometer grandes benefícios; caso introduzisse imediatamente um chicote, não alcançaria os seus fins…” – Justiniano José da Rocha, jornalista brasileiro do século XIX ligado ao Partido Conservador. Não importa o que irá ocorrer a partir de agora, caro Reinaldo. O que importa é que o “projeto de poder” do PT continua seguindo em frente. No Brasil de hoje, um bandido não só se torna ministro duas vezes, como quando é flagrado cometendo um delito tem o direito a retirar-se sem sofrer maiores consequências.

    Palocci deveria ser investigado, julgado e muito provavelmente condenado a cadeia. No Brasil do PT, contudo, pedir demissão do cargo de ministro é considerado por TODOS a punição necessária.

    O culpado de tudo que ocorreu é o Lula, que continua sendo protegido não pelo só pelo próprio partido, mas como pela imprensa e pelo povo brasileiro. Os malditos passaportes continuam nas mãos dos familiares dele e ninguém se preocupou em perguntar diretamente a ele a respeito, muito menos em processá-lo.

    Em nosso país, existem três tipos de inimputáveis: os doentes mentais, os menores de idade… e os petistas.

  • IvoHM

    -

    8/6/2011 às 2:22 pm

    É a gerenta da presidenta.

  • Luigi Agnoli

    -

    8/6/2011 às 2:16 pm

    O Brasil não merece toda essa balbúrdia. A máscara dilmesca da eleição caiu bem mais rápido que se supunham. Essa mulher é fraca demais. Não comanda nada. O PMDB com seus abutres vai tomar conta, com o aval de Lulla e pavimentando o retorno messiânico do apedeuta.

  • Ixe

    -

    8/6/2011 às 2:14 pm

    A cena é banal. Geralmente em reuniões,festas, em mesas de restaurantes ou nos bares.
    - ” ai, amiga, vamos ao toalete ?” E saem as duas juntas em direção à casinha.

    É mais ou menos essa a impressão que me causou a escolha marqueteira da nova ministra pela presidente. Mas, sinceramente torço para que a nova ministra surpreenda. Difícil será conter a voracidade lulopetista e a sanha do pmdb.

  • UNK

    -

    8/6/2011 às 2:12 pm

    Reinaldo e amigos,

    o que me impressiona nisto tudo é a falta de coragem e culhão da imprensa e da oposição em RELACIONAR A GRANA DO CASO PALOCCI COM A ELEIÇÃO DE DILMA O LULLA E O PT!!
    ISTO TUDO TEM QUE RESPINGAR NO TEFLON FURADO DA DILMA!!

    parafraseando o próprio Reinaldo Azevedo no programa RODA VIVA na entrevista com o Álvaro Dias:
    –Senador , do que o Sr.e as oposições tem medo? da esquerda do PT de quem?–
    Pergunto, Reinaldo: de quem voce tem medo de analisar as relações incestuosas do PALOCCI coordenador da campanha com a DILMA com o LUlla. Está mais do que óbvio que o dinheiro tinha endereço certo para a Dilma ganhar ilegitmamente esta eleição.
    Ora , como foi feito com o Palocci , chegou a vez da Dilma ser interpelada pela procuradoria Geral sobre os FORTES INDÍCIOS de que o dinheiro foi para a campanha da Dilma a mando do Lulla!!.Não foi isso que ocorreu com o Palocci?
    É claro que o onus da prova é de quem acusa. Mas o ESTADO tem instrumentos para levantar provas. A obrigação da Imprensa e da Oposição é LEVANTAR ESTA LEBRE!!
    O que foi acertado com a Dilma e Lulla é que o Palocci saia mas não caia. Vamos ficar a deriva com esta OMERTÀ?
    ==========================================================
    VAMOS INICIAR A CAMPANHA:
    J’ACUSE!(O MP E A PF QUE ENCONTRE AS PROVAS)
    ==========================================================
    Há algo de podre e muito podre no reino da Dilmadearak!
    ==========================================================
    o feitiço virou contra o feiticeiro: Dilma e Gleise a Bela e a Fera , não necessáriamente nesta mesma ordem!
    ==========================================================
    FORA DILMA ……IMPEACHMENT JÁ!!
    =========================================================
    POR MUITO MENOS O COLLOR FOI IMPEACHEADO!!
    =========================================================

  • ana raio

    -

    8/6/2011 às 2:11 pm

    Perfeito! Perfeito! Perfeito!

  • Carlos

    -

    8/6/2011 às 2:06 pm

    UMA PERGUNTINHA: AGORA QUE PALOCCI CAIU , ELE AINDA VAI CONTINUAR SENDO CONSELHEIRO DA PETROBRAS???

  • Alexandre

    -

    8/6/2011 às 2:00 pm

    Caro Reinaldo , o Sr. esta corretissimo em relacao ao desagrado do estado do mato grosso do sul sobre o Zeca do PT. Moro nele e infelizmente acabou com o nosso estado…

  • jandira gomes

    -

    8/6/2011 às 1:58 pm

    Eles continuarão mais perdidos do que cego em tiroteio, dançando polca, twiste, quadrilha (especialidade da casa)e aos trancos e barrancos, vão levando, de enganação em enganação, e o povão acreditando.

  • Cactus

    -

    8/6/2011 às 1:53 pm

    A idiotização continua disseminando nos diversos veículos de imprensa.
    Hoje na rádio Jovem Pan ouvi a mocinha da meteorologia dizer que a temperatura que era de 11º e a sensação térmica de 6º. Sei que muitas vezes temos a sensação de estar mais frio ou mais quente do que o temômetro marca, e que a tempreratura é uma coisa e a sensação térmica é outra bem diferente, entretanto esta é impossível de se calcular, embora existem certas tabelas com esse cáculo baseado na velocidade do vento (há até sites com estas tabelas bizarras). Só que a velocidade do vento é variável o tempo todo, e a sensação do vento depende do local e da roupa que se utiliza. Em lugares descampados sente-se obviamente mais frio, menos roupas também. Ah, mas aí vão dizer que é a do rosto, do rosto com barba ou sem barba? De homem ou de mulher? De criança? De quem é essa sensação térmica? A mocinha da meteorologia podia nos dizer se é a dela. Calcular a sensação térmica de uma pessoa é análogo a calcular a sensação de dor, cada um tem a sua, repito: impossível de ser calculado. O que essas mulheres que são colocadas para dizerem essas asneiras fazem, é não raciocinar sobre o que dizem e falam o que mandam apenas, são usadas. Vejo o mesmo tipo de informação nos telejornais da manhã da Rede Globo e no rádio Band News. O que eles querem é preparar a massa de manobra para que recebam só a informação da sensação térmica, mais ou menos assim: “Hoje o dia está frio, a sua sensação térmica é de 7 graus, agasalhe-se ao sair, para que não tenha resfriado.”.

  • Anônimo

    -

    8/6/2011 às 1:42 pm

    Tem absoluta razão, nobre Reinaldo, não vai acontecer nada. A única preocupação deles é com os índices de popularidade. Enfim, passemos para o próximo esqueleto que a Dirma do Chef vai enfiar no armário. Ao que tudo indica, parece que vai ser protagonizado também pela titular da Casa Civil que aprovou um aumento escandaloso da energia paga ao Paraguai em franca atuação contra os interesses nacionais. Isso é que é uma caso de impedimento de um parlamentar. Na verdade, Reinaldo, essa gente não enxerga o Brasil que, para eles, não passa de um município da república sindicalista deles, ou algo pior.

  • Rafael

    -

    8/6/2011 às 1:37 pm

    Seria a Gleisi a ” Sarah Palin tupiniquim”?

  • Monge

    -

    8/6/2011 às 1:37 pm

    Não basta cair. Tem que ser investigado. Se culpado, condenado com os rigores da Lei. Se inocente nada mais que obrigação.

  • Rafael

    -

    8/6/2011 às 1:37 pm

    Reinaldo?

    Seria a Gleisi a ” Sarah Palin pupiniquim”?

  • Hugo Conrado

    -

    8/6/2011 às 1:35 pm

    Ave Reinaldo,
    Isso parece aquelas re-inaugurações de lojas ou restaurantes que beiram a falência, daí fazem uma grande faixa com os dizeres: “Estamos funcionando, agora sob nova direção”!!!
    Gleisi realmente é muito bonita (talvez só perca o posto para a esposa do vice Temer) mas por traz dessa carinha bonitinha tem-se uma PTralha, nada de novo!!!
    “País sem miséria é país sem PTralhas”

  • Esperança

    -

    8/6/2011 às 1:34 pm

    A decisão do procurador-geral da República, “engavetador” Roberto Gurgel, de não encontrar culpa no cartório para o ministro Palocci, o novo ricaço do pedaço da noite para o dia, não alivia a situação nem debela a crise. Na verdade, da forma como foi rechaçada pela sociedade injetou mais combustível na oposição, que ontem mesmo anunciou um novo pacote para ejetá-lo da cadeira na Casa Civil. Mas, nem precisou, porque Palocci jogou a toalha.

    Entre as medidas, uma nova ação na PGR, representação no Ministério Público do Distrito Federal e a uma nova tentativa de aprovação da sua convocação em comissões temáticas da Câmara, caso seja anulada a sua ida à Comissão de Agricultura, aprovada na semana passada.

    Na equivocada estratégia de passar à opinião pública de que o caso é uma forçada de barra da oposição, o governo Dilma cometeu um equívoco atrás do outro. Ficou claro – e só o nobre procurador-geral da República não enxergou porque é caolho – que o chefe da Casa Civil confundiu o seu dinheiro com o público e se lambuzou. Tanto que caiu.

    Algo, aliás, que não surpreende, porque já tem precedentes de maracutaias em Ribeirão Preto, quando administrou o município, e no escândalo da quebra de sigilo do caseiro Francenildo.

    Sua entrevista na televisão global foi um desastre. Não explicou absolutamente nada, não deu pistas sobre seus clientes, os valores da operação nem o tipo de serviço prestado pela sua empresa de consultoria.

    As versões fantasiosas do ministro para justificar o exercício do surrupiamento do dinheiro alheio são um acinte a nossa inteligência e ao nosso bom senso, excluindo-se deste universo, infelizmente, a figura de um procurador-geral da República. Que com a degola de Palocci no dia seguinte ficou com a biografia chamuscada.

  • Jackson

    -

    8/6/2011 às 1:28 pm

    Chico Alencar, do PSOL do Rio, é mesmo um cabeça oca. Comentando a trajetória de Palloci, na Globo News, ontem, disse que Palloci mudou muito, de líder estudantil de esquerda, totskista, para um sujeito “capitalista”. Que coisa! Ele toma um exemplo típico de disfunção do sistema capitalista como se fosse o próprio sistema, da mesma maneira como se emprega o termo burocracia no sentido de disfunção do sistema, em vez de um sistema baseado na racionalidade.
    Chico também disse que Palloci misturou DEMAIS o público e o privado. Ah, bom! Então, está claro que para ele o problema só está na dose, certo?

  • Suplente Avisando

    -

    8/6/2011 às 1:24 pm

    Não é da turma do Requião.
    É da do Pessutti.
    Portanto, agora que já sabem, acertem com ele as audiências, os encaminhamentos dos assuntos, as queixas…

  • Madrugão

    -

    8/6/2011 às 1:22 pm

    Língua do P:
    Porquinho Palocci, péssimo político petista, procurado pela polícia, pervertido pelo pútrido poder parido pelo palaciano Planalto, porém prontamente perdoado pelo PT.
    Passado: peitou pobre porteiro, pesquisando puerilmente proventos percebidos pelo pobre porteiro. Patifaria percebida, provada, publicada, pediu penico, prontamente posto pelo passado presidente pinguço. Passou Palocci?
    Patavinas!
    Presente: pediu propina para pilantras penhorados prometendo poderes políticos palacianos, previamente prometidos pela presidenta pós-presidente pinguço. Porém, patifaria percebida, provada, publicada, pediu penico, prontamente posto pela permissiva presidenta pós-presidente pinguço.
    Portanto, perdidos poder, prestígio, prendas, passará Palocci pela porta prisional? Pegará pena por pegar propinas pilantras prometendo poderes políticos palacianos? Pagará Palocci pelos pecados passados? Pagará Palocci pela pilantragem presente?
    Pudera!

  • Noah

    -

    8/6/2011 às 1:21 pm

    E tem mais, a urgencia da tomada de decisão aconteceu depois que pesquisas mostraram uma queda na popularidade de 15% desse governo.
    .
    E parabéns para oposição que continua tentando convocar o ex-ministro e fazer uma CPI. Os governistas é que não querem isso.

  • Fernando

    -

    8/6/2011 às 1:20 pm

    Espera um pouco, deixa ver se eu entendi… O Palocci caiu porque pesam contra ele suspeitas de ter enriquecido de forma ilícita, imoral ou no mínimo anti-ética, fazendo a ponte entre interesses privados e públicos enquanto era deputado federal. Mas se, apenas por hipótese, essa ponte de fato existiu, quem estava do lado de lá, na margem pública desse rio de lama? Do lado de cá, empresas privadas com interesse em beneficiar-se das mais variadas formas de informação, relacionamento ou mesmo decisões públicas. O então deputado, agora ex-ministro, supostamente fazendo a ponte. E do lado de lá? Quem seria o interlocutor do deputado-consultor no governo que poderia abrir as portas para os mais variados interesses das empresas contratantes? Para que a ponte tivesse sido concreta e justificasse os valores pagos, teria que ser alguém muito poderoso dentro do executivo, alguém no primeiro escalão e com papel central na coordenação de todas as áreas de atuação do governo. Alguém que pudesse mobilizar (ou desmobilizar) a Receita Federal em desterminado processo, ou acionar os fundos de pensão para direcionarem investimentos para este ou aquele setor, ou ainda alguém que pudesse influenciar as diversas instâncias do sistema brasileiro de defesa da concorrência (CADE, SDE, etc.) para decidir desta ou daquela forma. Não sei quem seria esta pessoa, mas só consigo imaginar duas pessoas no governo anterior que estivessem em posição de fechar essa ponte.

  • Paulo César da Rosa Romão

    -

    8/6/2011 às 1:10 pm

    À propósito: nestes governos petistas notamos que existem dois tipos de pessoas; as boquirrotas bagaceiras e as sérias compenetradas. Em comum? São todos vigaristas.

  • Pedro Henrique

    -

    8/6/2011 às 1:07 pm

    Reinaldo, gosto demais de teus textos. São sintéticos, fáceis de ler, bem escritos e essencialmente lógicos. Mas neste “Palloci já era!” tu te superaste! Parabéns! A própósito, se o Francenildo – que não era pessoa pública -
    teve que revelar de quem ganhou os R$ 25 mil e o porquê,
    por mais razão o Palocci – que ocupava um cargo público -
    deveria revelar de quem ganhou os R$ 20 milhões
    e o que fez para tal.

  • maria cristina

    -

    8/6/2011 às 1:02 pm

    Dilma se reconheceu no estilo pitbull da companheira,valorizou, e ao mesmo tempo livrou os senadores do PT de uma companheira que só iria criar problemas.

  • Paulista indignado

    -

    8/6/2011 às 1:00 pm

    PresidentA incompetentA nomeia mais uma gerentA impacientA e incompetemtA.

  • Luiz Paulo

    -

    8/6/2011 às 12:56 pm

    Como vai ser o relacionamento com o maridão , se tiver áreas de interesse diversos entre os dois ministerios.

  • Victor Dias

    -

    8/6/2011 às 12:52 pm

    Proponho uma alteração no nome do partido.
    Após José Dirceu, Erenice Guerra e Palocci, o Partido dos Trabalhadores deveria passar a ser chamado de Partido dos Consultores (PC).

  • SERGIO OLIVEIRA

    -

    8/6/2011 às 12:49 pm

    A respeito de ir ou não para prisão: algum petista, em todos os escândalos que já ocorreram, foi preso? No entanto, quando o escândalo envolve pessoas não petistas, muitos já foram presos.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados