Blogs e Colunistas

06/03/2012

às 6:07

Os cineastas, a Comissão da Verdade, a entrevista de um general e uma lista de mortos que alguns querem esquecer

Ai, ai…

Já escrevi algumas vezes que o cinema brasileiro tinha um futuro promissor. Refiro-me às chanchadas, lá em meados do século passado. O setor se perdeu quando foi tomado pelos dublês de cineastas e intelectuais. Em vez de fazer filmes, eles resolveram se dedicar a explicar o Brasil para os brasileiros, como se pertencessem a outro país ou tivessem se apoderado da razão crítica para iluminar a bugrada. Aí ele se tornou chato, discursivo, metafórico, cheio de literatices, poesia ruim, condoreirismo barato, nativismo bocó, marxismo chulé. O Cinema Novo, com raras exceções, tinha a velha pretensão das elites ilustradas: civilizar o país. A cada filme, lá estava um dos nossos bravos rapazes, eventualmente moças, mostrando o Brasil do começo ao fim. Boa parte dos cineastas estava mais preocupada em nos salvar do que em nos divertir. Isso ficava para o reacionário cinema americano…

Muito bem! João Batista de Andrade, um dos expoentes daquela geração, resolveu redigir um manifesto em favor da Comissão da Verdade. Ele teve uma idéia:
“Nós, cineastas, mobilizamos a favor de tantas causas. Até mesmo dos cineastas iranianos. E quando o assunto diz respeito à democracia brasileira, não vamos dizer nada?”

Informa o Estadão Online:
“O texto elaborado pelo diretor foi encaminhado nesta segunda-feira, 5, aos ministros Celso Amorim (Defesa), Maria do Rosário (Direitos Humanos) e Ana de Hollanda (Cultura): “Nós, cineastas brasileiros, expressamos a nossa preocupação com as frequentes manifestações de militares confrontando as instituições democráticas e o próprio Estado de direito. Todos os cidadãos brasileiros têm o direito de conhecer o que foram os 21 anos de ditadura militar instaurada com o golpe de 1964. É preciso que a Comissão da Verdade, instituída para esclarecer fatos obscuros daquele período, em que foram cometidas graves violências institucionais, perseguições, torturas e assassinatos, tenha plenas condições e apoio da sociedade brasileira para realizar essa tarefa histórica. Repudiamos os ataques desses setores minoritários das Forças Armadas brasileiras, que de forma alguma irão obstruir as investigações que devem ser iniciadas o quanto antes. Estaremos atentos para que tal comissão seja composta por pessoas comprometidas com a democracia e com a verdade”.

Justiça seja feita, João Batista tem pelo menos a virtude de não ser hipócrita. Conta uma mentira torpe quando afirma que há “frequentes manifestações de militares confrontando as instituições democráticas e o próprio Estado de direito”. Não há nenhuma! Mas diz a verdade quando afirma que a tal comissão, ao contrário do que reza o texto aprovado, quer mesmo é se fixar nos 21 anos do regime militar. Ele certamente não leu o que foi aprovado: o que se pretende é apurar crimes cometidos entre 1946 e 1988. Andrade inverteu os algarismos e leu “1964″. E é claro que é mesmo essa a intenção nada secreta.

Os destinatários do manifesto não poderiam ser mais certos. Uma fala estúpida e ilegalista de Maria do Rosário motivou o primeiro manifesto de militares da reserva. A censura determinada por Celso Amorim gerou o segundo texto; a decisão do ministro de punir os signatários, uma ação ilegal, elevou a coisa à condição de crise. A mais hábil do grupo é a irmã do Chico Jabuti… Pai, afasta de mim esse cálice, paaaiiii!

Informa ainda o Estadão:
“O estopim para a elaboração do manifesto foi a entrevista do general da reserva Luiz Eduardo Rocha Paiva, ex-secretário-geral do Exército, à jornalista Miriam Leitão, publicada no jornal O Globo na sexta-feira, 2. A entrevista também foi ao ar na Globo News, no especial Uma História Inacabada, na qual Rocha Paiva questiona a abertura dos arquivos da ditadura e a criação da Comissão da Verdade.
“Isso é um trabalho para historiadores e pesquisadores”, declarou ele, que também levantou dúvida sobre o fato de que Dilma Rousseff ter sido torturada na prisão. “O estopim foi, sim, a entrevista do general. Mas não queríamos ficar só como resposta a ele, e sim dizer que estamos cansados de ver isso se repetir: a reação absurda desses setores minoritários que fazem isso para impedir o real andamento das investigações. Não quisemos colocar pedido de punição, Isso é problema do governo. Queremos que o governo, punindo ou não, faça a comissão andar, que não recue”, declarou João Batista.”

Comento
Cineastas, jornalistas e açougueiros têm o direito de ter opiniões e de ser desinformados. A diferença é que a opinião dos açougueiros desinformados não vai parar nos jornais. Batista está errado. “Punir ou não” não é problema do governo coisa nenhuma! Existem uma Lei da Anistia e uma decisão do Supremo.

Quanto ao general, dizer o quê? Talvez tenha sido ingênuo ao ter concedido a entrevista. Que grande absurdo ele disse? Em essência, lembrou que é falsa como nota de R$ 3 a tese de que todos os que cometeram atos terroristas durante o regime militar foram punidos. Muitos mandantes não foram. Se uma Comissão da Verdade quer estabelecer a cadeia de responsabilidades de um lado, que se faça o mesmo do outro.

Só pode achar isso errado quem insiste na tese de que um lado daquela contenda queria ditadura, e o outro, democracia. É mentira! Brutalidades foram cometidas. Sim! Também pelos supostos libertários. ORA, HÁ NOTÓRIOS ASSASSINOS QUE RECEBERAM INDENIZAÇÃO DO ESTADO, PAGA COM O DINHEIRO DE TODOS OS BRASILEIROS. Não adianta me xingar! Provem que estou mentindo.

O que eu quero?

Como sempre, quero que se cumpra a lei, inclusive a da Anistia. Sempre lembrando que “anistia” não quer dizer “absolvição”, mas “perdão” e “esquecimento”. O processo político brasileiro perdoou Dilma Rousseff, por exemplo, independentemente do resultado do IPM, por ela ter aderido a grupos terroristas que mataram pessoas. Ainda que não tenha puxado gatilho nenhum, participou da decisão dos que puxavam e da organização dos crimes. Outras figuras do governo estão nessa situação.

Ora, caso não tivesse havido “perdão” e “esquecimento”, independentemente de ela ter cumprido uma pena, teríamos de ficar lembrando: “Lá vai a mulher que pertenceu àqueles grupos que mataram Edward Ernest Tito Otto Maximilian Von Westernhagen, Wenceslau Ramalho Leite, José Antunes Ferreira, José do Amaral, David A. Cuthberg, Cidelino Palmeiras do Nascimento, Aparecido dos Santos Oliveira, Kurt Kriegel, para lembrar algumas das pessoas assassinadas pelo Colina e pela VAR-Palmares”. Batista conhece alguma resposta dada às famílias dessas pessoas? Os membros daquelas organizações que hoje estão fazendo política institucional tiveram ao menos a delicadeza de se desculpar com suas respectivas famílias?

Essa questão, como ficou evidente, não esteve presente nas considerações que Miriam Leitão fez na entrevista com o general. Vamos conhecer o passado? Vamos! Uma comissão que começa definindo os mortos que serão esquecidos e os que serão lembrados e os culpados que serão nominados e os que serão ignorados não é da verdade, mas da mentira.

Sei bem como são as coisas. Os bobalhões de sempre vão reclamar ao ver listados nomes de pessoas assassinadas pelos grupos a que Dilma pertenceu: “Como Reinaldo Azevedo é agressivo! Vejam como ele é reaça!” Ora… Um país que quer instalar uma “Comissão da Verdade”, para definir uma história oficial, não suporta os fatos?

Volto aos cineastas. Todos os signatários, eu sei, são pessoas honestíssimas. Falarei em tese. É preciso tomar cuidado com o binômio “cinema-verdade”. Vai que alguém decida algum dia investigar quanto o estado brasileiro já repassou a nossos cineastas para que pudessem nos premiar com suas obras-primas — inclusive e muito especialmente, durante a ditadura. Chegaríamos à conclusão de que foi o setor que mais concentrou renda na história do país. Os filmes podiam ser uma porcaria, mas os apartamentos na orla de Ipanema e Copacabana sempre foram uma beleza!

Viva a verdade!

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

255 Comentários

  • Dennys Ramos Andrade

    -

    2/3/2014 às 12:58 pm

    Cinema-Verdade é quenem Cinema Novo, só mostra o que o Poder quer!!!

  • Antonio Ribeiro Guimarães

    -

    8/11/2013 às 12:03 pm

    A comissão da verdade,imposta pelos desordeiros comunista
    na política é um sofisma porque não têm acusação e defesa
    atuando dos dois lados porque houve,antes,duas revoluções,
    a revolução legislativa do congresso nacionao brasileiro,
    em aprovar,31/03/1964,o partido comunista,como partido do
    Brasil,as Forças Armadas reagiram e derrubaram o comunismo reabilitando o povo ordeiro brasileiro,das a marras do par
    tido comunista brasileiro.As Forças Armadas não fizeram a
    revolução,mas a contra revolução, para derrubar o partido
    comunista ditatorial do poder político contra os eleitores.

  • Janette

    -

    16/3/2012 às 1:02 pm

    Eu acho engraçado que alguns jornalistas (com raras exceções) se achem mais autorizados ou informados sobre a realidade que intelectuais sérios como os que assinaram o manifesto. O cinema que ele critica é uma visão da realidade, não são obras didáticas, como ele insinua. Nada contra a chanchada nacional, gênero que repete velhas fórmulas surradas e que também tentava, à sua maneira, interpretar o Brasil. Gosto não se discute e nem os preconceitos estéticos de cada um. No entanto, apoiar a apuração da verdade sobre as graves violações de direitos humanos havidas durante o regime militar é, a meu ver, atitude mais que acertada. Não se enterra o passado e nem se apaga a realidade. Ataques à democracia têm acontecido com frequência no seio das forças armadas (ou FFAA, como eles costumam dizer). Um deles: colocação de uma faixa negra com mensagem contra as reparações às famílias dos perseguidos pela ditadura, no saguão do Clube Militar do Rio de Janeiro. Outro: realização de ato de desagravo ao ex-chefe do DOI-CODI paulista, coronel Brilhante Ustra, no auditório desse mesmo clube – tal ato foi uma espécie de homenagem corporativa ao militar que comandou um órgão de repressão, mais um tapa na cara das vítimas que ali ou em outros órgãos sofreram tortura e sevícias. Só a direita torturou e só ela fez desaparecer, em nome da ordem pública e da segurança nacional, usando o aparato estatal para isso.

  • Samuel Ferraz

    -

    13/3/2012 às 8:26 am

    O julgamento da história já foi feito, os presos políticos, “terroristas”, “comunistas”, “detratores da pátria” estão aí, no meio da sociedade, contando suas versões para quem quiser ouvir. Tem orgulho de seu passado de lutas e contam aos seus filhos e netos as torturas a que foram submetidos. Os “salvadores da pátria”, “defensores da sociedade”, dos “bons costumes” e etc… fecham-se no silêncio sepulcral, escondendem-se nos seus cantos, duvido muito que contem a outros o que fiseram, temem que seus filhos e netos saibam do que fiseram. Esperam tão somente o julgamento divino, que sabem será imparcial.

  • Dilson Araújo

    -

    13/3/2012 às 8:24 am

    A Comissão da Verdade é um instituto necessário ao fortalecimento da democracia, sem dúvida. Mas como ‘no Brasil existem muitas verdades’, é preciso que esse critério seja estendido às outras verdades.
    Um exemplo disso é aquela verdade que trata da INTRODUÇÃO DA VASSOURA-DE-BRUXA NAS PLANTAÇÕES DE CACAU DO SUL DA BAHIA, cujo crime foi comprovado pela Polícia Federal (inquérito 2-169/2006) e que nunca foi devidamente esclarecido ao povo do Brasil. O assunto é tema do documentário ‘O NÓ – ATO HUMANO DELIBERADO’, que será lançado durante o Festival de Cinema Baiano (de 02 a 07/04/2012), em Ilhéus/BA. O filme aborda o fato principalmente a partir dos argumentos científicos contidos nos depoimentos e no conteúdo de documentos oficiais.
    A introdução da doença desempregou 250.000 trabalhadores, forçou o êxodo rural de quase 800.000 pessoas que moravam nas fazendas, fez inchar as periferias das cidades, aumentou a criminalidade e a prostituição infantojuvenil e ainda promoveu a derrubada da Mata Atlântica. 97,5% dos produtores de cacau eram pequenos e minis e 92% das propriedades tinham menos de 100ha.

  • Nana

    -

    7/3/2012 às 9:18 pm

    Nilton – 06/03/2012 às 18:28

    Acho que João Batista de Andrade deve ser mais um que acredita que o descobrimento do Brasil foi em 2003.

    Veio o Espetáculo do Crescimento, depois vieram os “PAC”, Programas de Aceleração do Crescimento, mas tem cara de Programas de Aceleração da Corrupção. Agora só falta a BOLHA…

    O Brasil na era Medici “apenas” passou da 46ª economia do mundo, para o 8º lugar. Os militares nunca lesgislaram em causa própria nem ficarm ricos. E o Legado Militar, bem, esse fala por sí:

    A Embratel, a Eletrobrás, a Telebrás, Usina de Angra I, Usina de Angra II, INPS, LBA, Funabem, Mobral, Funrural, Usina Hidrelétrica de Tucuruí, Usina Hidrelétrica de Itaipu, Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira, Programa Nacional do Álcool, Zona Franca de Manaus, Ponte Rio-Niterói, Nuclebrás, Banco Central do Brasil, Polícia Federal e o Conselho Monetário Nacional.

    E ainda:

    -A Petrobrás aumenta a produção de 75 mil para 750 mil barris/dia de petróleo;

    -PIB de 14% ao ano;

    -Construção de 4 portos e recuperação de outros 20;

    -Exportações crescem de 1,5 bilhões de dólares para 37 bilhões;

    -Rede rodoviária asfaltada de 3 mil km para 45 mil km;

    -Redução da inflação de 100% para 12%;

    -Fomento e financiamento de pesquisa: CNPq, FINEP e CAPES;

    -Programa de merenda escolar e alimentação do trabalhador;

    -Criação do FGTS, do PIS e do PASEP;

    -Criação da EMBRAPA;

    -Duplicação da rodovia Rio-Juiz de Fora e da Rodovia
    Presidente Dutra;

    -Criação da EBTU;

    -Implementação do Metrô em São Paulo, Rio de Janeiro,
    Belo Horizonte, Recife e Fortaleza;

    -Criação da INFRAERO, proporcionando a criação e modernização dos aeroportos brasileiros (Galeão, Guarulhos, Brasília, Confins, Campinas, Viracopos, Salvador e Manaus;

    -Implementação dos pólos petroquímicos em São Paulo (Cubatão) e na Bahia (Camaçari);

    -Prospecção de Petróleo em grandes profundidades na bacia de Campos;

    -Criação da Polícia Federal;

    -Código Tributário Nacional;

    -Código de Mineração;

    -IBDF – Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal;

    -BNH – Banco Nacional da Habitação;

    -Construção de 4 milhões de moradias;

    -Regulamentação do 13o salário;

    -Banco da Amazônia;

    -SUDAM;

    -Reforma Administrativa pelo decreto-lei 200;

    -Projeto Rondon
    .
    Fonte: Wikipédia

    Ninguém pode contestar, em 64 as FFAA não só nos livraram de um banho de sangue(Ditadura do Proletariado, mas colocaram a economia nos trilhos.

    Matéria suficiente para um belo documentário.

  • aldo soares

    -

    7/3/2012 às 9:56 am

    Quem tiver interesse e for patriota que procure pela verdadeira história de sua pátria: Os arquivos , revistas antigas,jornais,etc… estão onde devem; e tirem suas conclusões, hoje; porque “ontem” não era possível. E, não deixe que sensacionalistas as façam por ti. Tem muitas mentiras na história universal (Guerras, troia, deuses,e por aí vai) as do nosso Brasil de vez em quando aparece uma, entre tantas. (Deodoro estava onde,em 15/11/1889 ? ) Quem assiste a uma cena,uma briga, um tumulto e depois vai descrevê-lo, a alguém sempre o faz à sua maneira; às vezes, sem as minúcias que fazem a diferença e, o outro que ouviu seu relato, pode melhorá-la ou piorá-la e por aí vai; a história…. e é por isso que quem conta um conto aumenta sempre um…..

  • Cil

    -

    7/3/2012 às 12:46 am

    Eu quero saber se o tal manifesto dos cineastas e jornalistas também contempla a investigação do envolvimento de “certa pessoa” na morte de um certo soldado, que foi explodido por bombas, com sua punião, como quer a COmissão de Caça as Bruxas????

  • Tuca

    -

    7/3/2012 às 12:20 am

    Era fã da Miriam Leitão.Que decepção! Não é possível que uma jornalista não sabe a verdade dos fatos.A maioria dos brasileiros não queriam comunismo no Brasil e sim, democracia. A maioria dos brasileiros eram contra os atos terroristas. Houve erros dos dois lados como Wlademir Herzog e Mario Kozel.

  • CENTURIÃO DA LEGIÃO

    -

    6/3/2012 às 11:41 pm

    06/03 – Retirada de nomes do manifesto

    Retiradas de nomes e não aceitação de adesões – Nota da coordenação do “Alerta Brasil”
    Para que não hajam possíveis situações desagradáveis, pois, a força do nosso “Alerta à Nação”, fundamenta-se rigorosamente na lei, apesar de agradecidos pela solidariedade e união demonstradas, não registraremos na listagem de apoiadores os nomes de oficiais e praças da Ativa. Da mesma forma, não registraremos os de praças da Reserva e reformados, evitando margem a explorações negativas, pois trata-se de questão surgida de ingerência descabida no Clube Militar o qual congrega, unicamente, oficiais.
    Ressaltamos, entretanto, que todos, focados na missão comum, são importantes em todos os momentos cruciais. Solicitamos, pois, a compreensão de cada um para que não deixe a razão sucumbir diante de sentimentos que não servem a conquista de objetivos maiores, incluso o respeito a todos os militares, inclusive a VOCÊ !

  • Refer

    -

    6/3/2012 às 10:03 pm

    O blog de João P. de Andrade chega a provocar náuseas, tamanha a parcialidade e o puxa-saquismo sem pudor; JPA é aquele tipo sem entranhas que lambe as botas do governo e se orgulha disso. Quem não tem estômago forte é bom passar bem longe dele. Li a lista de nomes dos que assinaram o tal ‘manifesto’. Identifiquei entre eles alguns sábios e valentes que indicaram, por unanimidade, aquele filme de Fábio Barreto para epresentar o País no Oscar 2011.

  • Pedro César Cortese

    -

    6/3/2012 às 9:58 pm

    Mais infeliz do que escutar declarações infelizes da ministra Maria do Rosário que desencadeou essa celeuma com o clube militar , é ver a jornalista Miriam Leitão entrevistar com total parcialidade o Gen Rocha Paiva e a ministra Maria do Rosáiro. Deveria ter sido direta e dura nas perguntas também com a ministra, sobre os inocentes que morreram nas ações dos grupos terroristas.

  • René

    -

    6/3/2012 às 9:41 pm

    Sugiro que o cineasta veja os vídeos abaixo e leia o texto de Reinaldo Azevedo está tudo pronto para um filme de não-ficção.

    O título poderia ser:

    REGIME COMUNISTA, MINHA LUTA MINHA VIDA.

    http://www.youtube.com/watch?v=ewY_k-jFlvk&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=yKUxU4qcXPs&feature=related

    Texto do mestre Reinaldo:

    Os Mortos Pela Esquerda.

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/tag/mortos-pela-esquerda/

  • João

    -

    6/3/2012 às 9:38 pm

    Quanto aos cineastas, além de majoritariamente esquerdistas, vivem de dinheiro público, via renúncia fiscal, para seus filmes que ninguém assiste. Lúcia Murat, por exemplo, militante comunista, fez Doces Poderes, em que as cores do candidato a governador canalha eram… azul e amarelo. Isso em 1996. E ainda negou que tivesse a intenção de mirar no PSDB. O herói, adversário dele e injustiçado claro, era sindicalista e usava cor vermelha. Osvaldo Caldeira já me deu “aula”.
    É um débil mental e incompetente, que faz um filme como Tiradentes, tão mal produzido que tem fala do Humberto Martins saindo no som em total falta de sincronia com o ator, que, no momento, está de boca fechada. E isso foi pago com o nosso dinheiro, é natural que os puxadores de saco queiram retribuir e, ao mesmo tempo, dar uma de bonzinhos. Tenho pena de quem é miserável a ponto de defender que o estado imponha uma verdade oficial.

  • João

    -

    6/3/2012 às 9:33 pm

    Discordo, Laurie. Acho que ele se saiu muito bem.
    E me pareceu bstante sincero.

    “Não tive estômago para assistir essa Miriam Leitão chatérrima voar feito uma caçadora amadora para tentar pregar uma armadilha no general que, ingenuamente, não soube se defender como poderia.”

  • João

    -

    6/3/2012 às 9:32 pm

    Vi a entrevista. Miriam Leitão – de quem os autoproclamados “progressistas” ainda reclamam – tentou o tempo colocar na parede o general, que sempre respondeu muito bem a tudo que foi colocado – inclusive, em nenhum momento tentou justificar torturas. Ao entrevistar a ministra, porém, não fez nenhuma intervenção ás respostas delas, tomando-as como verdades, bovinamente, Se depender de coleguinhas como Miriam e Evandro Éboli, vai ficar fácil o governo instalar seu Ministério da Verdade.

  • GRAZINA

    -

    6/3/2012 às 8:55 pm

    Reinaldo, texto perfeito, esclarecedor. Cada vez mais você fala com sabedoria,conhecimento de causa, tirando de quem escreve sem conhecimento do assunto, a possibilidade de responder. Por falar no ridículo filme o filho do Brasíl, que tinha como objetivo maior engrandecer o Sr. Luiz Inácio, quiseram tanto almentar o sofrimento do personagem, que o carro( o pau de arara), que conduziu a família do homenageado de Pernambuco para São Paulo, era tão ridículo, pequeno, velho, que na realidade jamais chegaria ao destino. Tadim do metalúrgico sofredor.

  • Julio Cesar

    -

    6/3/2012 às 8:51 pm

    Valeu a postagem do Nilton de 18:28
    Vejam só, a censura “imposta” pelos militares, segundo eles, era sufocante, cerceadora e vejam os filmes que a Marinha indiretamente ajudou a produzir.
    Haja Embrafilme, haja Lei Rouanet, haja cabide, haja etc,etc,etc…
    A idéia é:¿Cuál es el gobierno? Estoy a favor.
    Quanto as representações de queixas, choros e beicinhos dessa cambada repetindo o jargão ditadura,ditadura,ditadura, não se acha ninguém nessa turma que tenha credibilidade depois de tudo que vimos acontecer antes e durante esses nove anos de governo.Quantos desses desaparecidos, foram desaparecidos por eles próprios por justiciamento, ou para criar um ícone de propaganda.Quem os justiciou.Com respaldo de que assassinaram essas pessoas.Queremos os nomes.
    Uma mentira repetida mil vezes torna-se uma verdade, do mentor deles, Joseph Goebbels

  • Aero Willys

    -

    6/3/2012 às 8:35 pm

    No manhã do dia 12 de outubro de 1969 (Dia dae Nossa Senhora Aparecida)o Cap. Chandler foi brutalmente assassinado por tiros de revólveres e de metralhadora, em frente da família: a esposa e os filhos crianças. O tal “Diógenes do PT” foi um dos executores e um dos mandantes, um “preboste do tribunal revolucionário”, Quartim Kfouri, atual professor da UNICAMP e fundador do Núcleo de Estudos Marxistas. O Cap. Chandler era bolsista da FAAP e fora acusado pelo ILEGALÍSSIMO TRIBUNAL de representar “o imperialismo yankee”. Segundo decidiu o tribunal, o Cap. Chandler deveria ter assassinado em 08 de outubro de 1969, em função do aniversário da morte do democrata Ernesto “Che” Guevara.
    Estes bravos agiam na legalidade? Estes bravos serão julgados pela Comissão da Verdade? Ou para eles vale a Lei da Anistia (ampla, geral e irrestrita: como dizia o slogan da época)?

  • Osmar Bsb

    -

    6/3/2012 às 8:22 pm

    Fantástico seu texto, Reinaldo! Preciso, exato, cirúrgico!

  • Raissa Pedra

    -

    6/3/2012 às 8:19 pm

    Reinaldo,boa noite.
    Como você se supera a cada texto!
    Esta reescrevendo a Historia abrangendo os governos militares,FHC e petistas,com a apresentação dos aspectos legais que são inquestionáveis.
    O seu Blog trará mais esclarecimentos ao Pais do que a Comissão da Verdade e o livro a Verdade Sufocada,pois cada lado enfoca seu ponto de vista,e você traz à tona a realidade.
    Só para reflexão dos que se posicionam de um lado ou do outro:
    QUAL O MOTIVO QUE LEVOU OS MILITARES A ASSUMIREM O PODER GOVERNAMENTAL?
    Esse cineasta ou outro qualquer,que tenha os filmes daquele tempo,prestará um grande serviço mostrando-ós para que se conheça a intranquilidade em que vivia a população pelas agitações promovidas pelos que hoje estão no poder.
    Embora fosse jovem naquela época,me lembro que as pessoas não tinham socessego nem para trabalhar, era baderna para todo lado.
    O OBJETIVO PRIMORDIAL DELES ERA IMPLANTAR NO BRASIL O REGIME DE FIDEL CASTRO E NÃO FOI SEM MOTIVO QUE TREINARAM GUERRILHA EM CUBA.
    Será que o ceneasta esta querendo reviver aqueles tempos?
    É bom lembrar que são 44% os que não votaram em Dilma e se o fizeram, é porque não estão satisfeitos com o rumo que esta turma esta dando ao Pais.
    Se é para trazer a verdade,que se começe pelo motivo gerador da intervenção dos Militares,os fatos registrados mostrarão porque assim agiram.

  • Bruno Braga

    -

    6/3/2012 às 8:06 pm

    Caro Reinaldo,

    A sua consideração sobre a instrumentalização do cinema, de forma a torná-lo um mecanismo para a “educação” do brasileiro é valiosa. Escrevi sobre o assunto, especificamente sobre dois filmes que, sob o pretexto de contarem a “verdade” de um fato histórico, idealizam o movimento revolucionário: “Batismo de Sangue”, de Helvécio Ratton; e “35, Assalto ao Poder”, de Eduardo Escorel (um dos assinantes do manifesto dos cineastas). Os meus textos são, respectivamente, “A autovitimização de um frade dominicano” [http://dershatten.blogspot.com/2011/01/autovitimizacao-de-um-frade-dominicano.html] e “A Intentona de Escorel” [http://dershatten.blogspot.com/2011/07/intentona-de-escorel.html]. Se estes artigos puderem contribuir para o seu trabalho, sinta-se à vontade para utilizá-los.

    Cordialmente,
    Bruno Braga.

    Belo Horizonte, 06 de Março de 2012.

  • nivaldo alves da silva

    -

    6/3/2012 às 7:44 pm

    Excelente texto, Reinaldo.Fui pras ruas nas campanhas pela Anistia, Diretas Já! e redemocratização.Achei que com a Anistia, militares nos quartéis, o país estava pacificado. Claro, foi pacificado. Mas há um grupo expressivo, assim entendo, principalmente quem pegou em armas, quem não fez auto-crítica. O grupo pegou em armas para implantar uma ditadura comunista semelhante a de Cuba, onde recebia treinamento. E Cuba taí, até hoje com os irmãos Castro há cinquenta anos no poder, com um regime infame, onde os cidadãos da Ilha são prisioneiros desse governo totalitário. Por isso sou contra essa campanha da Comissão da Verdade de humilhar militares. Esses esquerdopatas não têm moral para isso.

  • Idevam

    -

    6/3/2012 às 7:37 pm

    Esses “cineastas” dependen do governo para ter sustento pois os filmes que produzem com dinheiro público são umas porcarias um exemplo e o tau filho do brasil que nem com entrada franca conseguiram encheram uma sala de cinema um fiasco

  • Ivany Bento Rodrigues

    -

    6/3/2012 às 7:28 pm

    Reinaldo… vcé òtimooooo!!!!!!!! kkkkkkkkkkk perfeito! o que mais posso dizer sobre esse texto? IMPECÁVEL!!!!!!
    Gostaria de tê-lo escrito….

  • Laurie

    -

    6/3/2012 às 7:16 pm

    Não tive estômago para assistir essa Miriam Leitão chatérrima voar feito uma caçadora amadora para tentar pregar uma armadilha no general que, ingenuamente, não soube se defender como poderia.

  • Rere

    -

    6/3/2012 às 7:11 pm

    Examinar os fatos e interpretá-los segundo fontes dignas e variadas é trabalho de um Historiador. Não de uma “Comissão da Verdade” a maior estupidez que está sendo inventada para torcer os fatos e interpretá-los segundo uma ótica ideológica e falsa. Para começo de qualquer conversa o conceito VERDADE já supõe dezenas de vertentes , todas elas aparentemente Verdadeiras. O que esses criadores dessa Comissão estão querendo desenterrar é um jeitinho muito safado de tentar punir os militares. E justiciá-los segundo a ótica de dona Maria do Rosário, Marco Aurélio Garcia, José Dirceu etcetc. Esses cineastas são a massa de manobra certeira e, como eles, tantos outros bobocas que cairam nessa conversa.

  • Rudnei

    -

    6/3/2012 às 7:09 pm

    Mirian Leitao vai ganhar uma boquinha de ministra. Pouca vergonha o que fez.
    Nao assisto filme brasileiro, nao vou ao teatro, nao ouço musica brasileira, nem vejo mais televisao aberta depois que o PT tomou o poder. E NAO ESTOU PERDENDO NADA!

  • Paulo Cesar Pavan

    -

    6/3/2012 às 7:08 pm

    Respondendo a quem pediu: a adesão ao manifesto pode ser feita no site “A Verdade Sufocada”

  • Leopoldo Dogher

    -

    6/3/2012 às 6:54 pm

    Os caras continuam achando que falam em nome do povo.
    Continuam fazendo filmes pra ninguém.
    Continuam pendurados no saco sem fundo das estatais.
    Nada mudou.

  • José F. L. Portugal

    -

    6/3/2012 às 6:36 pm

    Como sempre, texto claro, preciso e conciso; pena que pocos tem a coragem de escrever estas verdades que a esquerda (em geral) tenta esconder e modificar, posando, hoje, de grandes idealistas que lutavam pela democracia.

  • Nilton

    -

    6/3/2012 às 6:28 pm

    “O setor se perdeu quando foi tomado pelos dublês de cineastas e intelectuais. Em vez de fazer filmes, eles resolveram se dedicar a explicar o Brasil para os brasileiros, como se pertencessem a outro país ou tivessem se apoderado da razão crítica para iluminar a bugrada. Aí ele se tornou chato, discursivo, metafórico, cheio de literatices, poesia ruim, condoreirismo barato, nativismo bocó, marxismo chulé.”

    Reinaldo, não sabia que você era “crítico de cinema”. Meus parabéns! O trecho acima resume à perfeição a história do nosso cinema após 1960.

    Agora, será que o Sr. João B. de Andrade sabe nos dizer quem criou a Embrafilme? Sim, a empresa que bancou quase toda a produção cinematográfica nacional de 1969 a 1990.

    Para avivar a memória dele:

    “Decreto-lei nº 862, de 12 de setembro de 1969
    OS MINISTROS DA MARINHA DE GUERRA DO EXÉRCITO E DA AERONÁUTICA MILITAR, usando das atribuições que lhes confere o art. 1º do Ato Institucional nº 12, de 31 de agôsto de 1969, combinado com o parágrafo 1º do artigo 2º do Ato Institucional nº 5, de 13 de dezembro de 1968, e, tendo em vista o disposto no art. 5º, item III, do Decreto-lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967,
    DECRETAM:
    Art 1º Fica autorizada a criação da Sociedade de Economia Mista denominada Emprêsa Brasileira de Filmes S A. – EMBRAFILME, com personalidade jurídica de direito privado e vinculada ao Ministério da Educação e Cultura. (…)”

    Pois vejam só, leitores deste imprescindível blog, quem produziu e/ou distribuiu a obra do glorioso cineasta em sua fase áurea (se é que assim se pode dizer…):

    DORAMUNDO (1978)
    Produção:
    Embrafilme
    Raíz Produções Cinematográficas
    Distribuição:
    Embrafilme

    O HOMEM QUE VIROU SUCO (1981)
    Produção:
    Embrafilme
    Raíz Produções Cinematográficas
    Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo
    Distribuição:
    Dinafilme
    Embrafilme

    A PRÓXIMA VÍTIMA (1983)
    Produção:
    Beca Produtores de Filmes
    Embrafilme
    Raíz Produções Cinematográficas
    Taba Filmes
    Álamo
    Distribuição:
    Embrafilme

    O PAÍS DOS TENENTES (1987)
    Produção:
    Ciclo Filmes
    Raíz Produções Cinematográficas
    Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo
    Sky Light Cinema
    Distribuição:
    Embrafilme

    CÉU ABERTO (documentário) (1987)
    Produção:
    Raíz Produções Cinematográficas
    Distribuição:
    Cinema Guild, The (1987) (USA) (theatrical) (subtitled)
    Embrafilme

    Os dados acima podem ser confirmados no maior banco de dados sobre cinema do mundo, o site IMDb.

    Parodiando Nelson Rodrigues (aliás, triste vítima do cinema tupiniquim): a hipocrisia é como a grama, cresce até nos interstícios do asfalto.

  • Josafá

    -

    6/3/2012 às 6:27 pm

    Houve uma guerra e essa gente levou uma surra monumental, mas agora quer vingança contra os mesmos que aceitaram a anistia para virar a página. Se houver punição, como eles gostariam, para militares acusados de torturadores (alguns foram e a maioria não) tem que haver punição para os crimes dessa gente toda.
    O regime de tutela militar foi ruim porque pôs para dormir a democracia brasileira por muitos anos. Esses falsos defensores da democracia teriam-na aniquilado; em vez de “milagre” brasileiro, teriam nos jogado na sucata de uma imensa Cuba, se pudessem. Felizmente não puderam e não podem.

  • CENTURIÃO DA LEGIÃO

    -

    6/3/2012 às 6:04 pm

    06/03 – ALERTA À NACÃO

    2ª atualização do dia 05/03 – ás 15:00 h
    Total 1072 adesões , sendo:
    81 generais ( 20 Gen Ex – 21 Gen Div – 40 Gen Bda ), 1 desembargador TJ/RJ, 384 coronéis , 92 ten coronéis, 22 majores, 44 capitães, 56 tenentes e 392 Civis
    “ELES QUE VENHAM. POR AQUI NÃO PASSARÃO!”

  • cuidado com a patrulha

    -

    6/3/2012 às 5:33 pm

    Segundo Olavo de Carvalho, o problema é que os militares
    eram ruins de marketing.

  • Wellington

    -

    6/3/2012 às 5:33 pm

    Excelente!! Reinaldo, você surpreendendo e superando-se
    cada vez mais.. Obrigado.

    “ELES QUE VENHAM. POR AQUI NÃO PASSARÃO!”

  • JPS

    -

    6/3/2012 às 5:33 pm

    Reinaldo,
    Você não vai comentar o possível propósito eleitoral (estimulado e controlado por petistas, claro) da greve de caminhoneiros distribuidores de combustíveis na grande SP?
    Veja o link:
    http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2012/03/06/pm-monta-gabinete-de-crise-para-evitar-desabastecimento-de-combustivel-em-sao-paulo.htm

    Abraços!

  • AF

    -

    6/3/2012 às 5:16 pm

    Aliás, alguém sabe quem foi o diretor do filme Betti-Lamarca? É tão ruim que deveria ser exemplo de como não fazer filme. Sugestão para a ECA. Eca!

  • Rodolfo

    -

    6/3/2012 às 5:13 pm

    A Miriam Leitão segue firme e forte no seu propósito de conseguir uma boquinha na EBC!
    Só isso justifica a “isenção” da moça!

  • AF

    -

    6/3/2012 às 5:12 pm

    Tudo bem. Já sabemos que os nossos “cineastas” são excelentes para manifestos, “abaixo-assinados” e para promover assaltos aos cofres públicos, via finada Embrafilme e autal Lei Ruanet. Agora queremos que os nossos Orson Wells, nossos Hitchcoks, Spielbergs, Scorceses, entre tantos outros, façam filmes e agradem ao público. Ou será que alguém aí assiste a qualquer coisa de Glauber Rocha? Ninguém tem saco para agüentar Paulo Betti mostrando como Lamarca era um herói. Ou tem? Tudo lixo. E lixo não reciclável. E como fede…

  • Alexandre

    -

    6/3/2012 às 5:10 pm

    Ou melhor – Nouvelle Vague à Maracanã e Sambalelê

  • Alexandre

    -

    6/3/2012 às 5:08 pm

    “Os filmes podiam ser uma porcaria, mas os apartamentos na orla de Ipanema e Copacabana sempre foram uma beleza!” A melhor crítica que alguém poderia fazer ao Cinema Novo Tupiniquim.

  • Esperança

    -

    6/3/2012 às 4:51 pm

    Pane seca – A decisão da prefeitura de São Paulo de restringir a circulação de caminhões em determinados horários na Marginal Tietê e em 25 ruas e avenidas da Zona Norte paulistana pode levar a maior cidade brasileira ao desabastecimento de combustível. Os transportadores de combustíveis resolveram parar em protesto à regra que impede a circulação de caminhões na Marginal Tietê em dois períodos: das 5 horas às 9 horas e das 17 às 22 horas, de segunda a sexta-feira, e das 10 horas às 14 horas aos sábados.

    Com a paralisação dos chamados “tanqueiros”, muitos postos da cidade de São Paulo já registram falta de gasolina e etanol. Em outros, a ganância pelo lucro fácil levou os donos dos estabelecimentos a subirem os preços dos produtos nas primeiras horas desta terça-feira (6).

    O prefeito Gilberto Kassab acenou com a possibilidade de negociação com os transportadores, mas até agora nenhum encontro foi agendado. O problema da nova regra está no curto período que os transportadores passaram a ter para realizar as entregas. Com um trânsito quase sempre caótico, a capital paulista não permite arriscar em termos de horário. Um caminhão de combustível, por exemplo, que sai para uma entrega dentro do horário permitido da manhã pode não conseguir completar a operação antes da restrição vespertina.

    Com isso a cidade passa a viver com a expectativa do fim dos combustíveis, sendo que alguns setores importantes, como hospitais, não podem interromper as atividades. A ideia da prefeitura de retirar da Marginal Tietê parte dos caminhões em dois períodos do dia não soluciona o problema do trânsito. O gargalo do trânsito paulistano está no excessivo número de carros que circulam por ruas e avenidas da cidade, contingente que cresceu de maneira assustadora após a decisão do então presidente Lula de reduzir impostos temporariamente para o setor automobilístico.

    Manter a economia aquecida é a missão de qualquer governante que se preze, mas o efeito pode ser negativo a curto se prazo se a ação não for responsável. Não foi por falta de alerta que o palácio do Planalto deixou de destinar recursos às grandes cidades do País para investimentos na melhoria do sistema viário e do transporte público. O pedido de Lula para que o consumo fosse mantido em níveis elevados deu esse resultado. Um mar de carros novos e uma enxurrada de carnês vencidos.

    É importante salientar que a paralisação dos transportadores, em sua maioria autônomos, pode estar vinculada a uma estratégia sindicalista para prejudicar o prefeito Gilberto Kassab, que abandonou o candidato petista Fernando Haddad para apoiar o tucano José Serra. Como na política o jogo é sujo e conhecido, tudo é possível.

  • DEMOCRATA

    -

    6/3/2012 às 4:49 pm

    Boa tarde a todos os brasileiros

    Eu vivenciei este período turbulento do nosso país e o que me lembro, era que as pessoas que apoiavam os militares não eram poucas não, era a maioria da nossa população. Ouvíamos preocupados as notícias dos assassinatos, roubos a banco, sequestros etc… praticados por grupos “armados comunistas”. A maioria dos que apoiavam a luta dos comunistas eram estudantes, professores universitários, alguns ditos intelectuais tais como artistas, cineastas etc… Na minha opinião, pessoas iludidas com o comunismo sovietico e cubano que na época era ovacionado, pois enfrentavam os americanos odiados pelos “antiimperialistas” de então. Somente quando começamos a tomar conhecimento do genocídio soviético praticados logo no início por Stalin, barbaridades e atos de extrema violência ocorridos no Gulags soviéticos através das obras de Alexander Soljenitzen ( se é assim que se escreve), relatos dos fuzilamentos indiscriminados em Cuba é que o apoio aos nossos comunistas se aplacou. E eles começaram a dizer que lutavam pela democracia e contra a ditadura militar. Boa desculpa, para justificar os atos de barbárie que praticaram contra outros brasileiros. Muitos destes brasileiros que morreram sem saber porque, vitimas desavisadas de disparos e bombas atiradas pelos comunistas.
    Estas vítimas de alguns que hoje recebem indenização como perseguidos políticos, nunca foram reconhecidas e sim tremendamente injustiçadas. Os seus descendentes que o digam. Infelizmente a classe política brasileira com excessões á parte é conivente com estas injustiças e sem o devido moral e caráter para reconhecer e reparar o mau causado a estes também brasileiros. Pelos discursos ouvidos até agora, quando falam em “Comissão da Verdade”, vejo que na verdade caminha para ser lamentavelmente somente a “Comissão da Vingança”.

  • Maria Cecília de Morais

    -

    6/3/2012 às 4:33 pm

    Pois é Reinaldo, como disse o Brasileiro Orgulhoso 12h40, a direita sempre demoniza a esquerda armada, mas nunca cita aqueles que jamais pegaram em arma e foram mortos da mesma forma pelos militares. Por que você não comenta sobre Rubens Paiva, Vladimir Herzog, Zuzu Angel e outros que foram mortos pelo regime ?

  • Darazoom

    -

    6/3/2012 às 4:22 pm

    Eu vivi toda essa “transformação” do cinema brasileiro, tão bem descrita pelo Reinaldo. Até gostava de ir ao cinema. Parei de assistir filmes brasileiros (ditos “nacionais”) desde quando nossos cineastas pararam de fazer cinema. O que eles fazem? Não posso dizer aqui.

  • SidneyCWB

    -

    6/3/2012 às 4:21 pm

    viuvinha de FHC – 06/03/2012 às 12:45
    Tá na cara que só um lado está com medo da verdade.
    Olha a barata aí entrando sem ser convidada…

  • Spitfire

    -

    6/3/2012 às 4:16 pm

    Reinaldo,

    Talvez seja até bom que eles continuem esticando a corda até ela romper! Descumpriram a Constituição —> Impeachment – e assim nos veremos livres desse aborto canceroso que foi parido pelo lulla!
    Quando penso que, no início do 1º mandato de lulla a
    economia mundial e dos RICs estava crescendo a taxas chinezas e o Brasil ia na rabeira pela incompetência petista e desde então assistimos a este festival de roubalheiras, corrupção, revanchismo ideológico inútil, centenas de tentativas de controlar a midia e a liberdade de expressão, baixarias que não acabam mais e vejo o quanto nosso país poderia ter evoluído, fico triste e sem esperança de que tudo isso que aí está venha a mudar brevemente.

  • José do Norte

    -

    6/3/2012 às 4:13 pm

    Desses cineastas para mim os mais intrigantes são os Moreira Sales. Contam com duplo patrocínio? Dinheiro do pápi e depois alívio fiscal para as empresas do pápi por terem ‘incentivado’ a cultura? Nós brasileiros pagamos corvéia aos hiperplutocratas?

  • cuidado com a patrulha

    -

    6/3/2012 às 4:10 pm

    JOÃO BATISTA DE ANDRADE – 10:36
    É o “própio”???

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados