Blogs e Colunistas

26/04/2012

às 20:11

O desmonte da Delta – Se empresa quebrar, não é problema do governo, diz ministra

Na VEJA Online:
Se a Delta Construções quebrar, “o problema é da empresa, não é do governo”. Foi dessa forma que a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, procurou afastar especulações de que as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) poderão sofrer atrasos ou paralisações por causa da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura a atuação do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

A Delta é a maior executora de projetos do PAC diretamente contratados pelo governo federal, a maior parte deles na área de transportes. De 2007 até agora, ela já recebeu R$ 2,968 bilhões em recursos do orçamento geral da União, segundo levantamento da organização não governamental Contas Abertas.

Nesse período, liderou o ranking das empreiteiras que mais receberam recursos orçamentários em todos os anos, exceto 2008. Considerando também os projetos sob responsabilidade das empresas estatais e todos os demais contratos, o total pago à Delta chega a R$ 4,130 bilhões, segundo informou o Executivo à CPI.

Com dezenas de obras em andamento para o governo federal, a Delta corre o risco de ser declarada inidônea em consequência de investigação que está sendo realizada pela Controladoria Geral da União (CGU). Se isso ocorrer, os contratos em andamento serão analisados caso a caso, podendo ser rescindidos. “Vamos ver o que vai acontecer, e quando isso acontecer nós vamos ver o que poderá ser feito”, desconversou a ministra. Ela afirmou ainda que as novas licitações para obras do PAC continuarão em ritmo normal.

Possíveis atrasos
“Dizer que não vai afetar o PAC é absoluta ilusão”, contestou o coordenador da organização não governamental Contas Abertas, Gil Castelo Branco. Ele observou que, no Ministério dos Transportes, onde uma crise derrubou a cúpula no ano passado e ainda há indefinição quanto ao novo comando, o ritmo de investimentos caiu. A redução foi de R$ 1 bilhão no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o ano passado.

“Se a Delta for considerada inidônea, os contratos vigentes podem ser interrompidos e tem todo um processo burocrático para convidar as empresas que ficaram em segundo e terceiro lugares, e isso leva tempo”, explicou. “Mas antes a descontinuidade do que a continuidade das fraudes.”

Ele não aposta, porém, numa total paralisia do PAC. Isso porque obras importantes não estão só a cargo da Delta, mas de consórcios de empreiteiras. “Ela está saindo do Maracanã, e as outras estão se arrumando”, observou.

Para evitar atrasos nas obras, segundo Castelo Branco, o governo poderá optar por parar apenas as partes que comprovadamente foram alvos de irregularidade. “Faz paralisações setoriais, cobra caução e coloca a CGU para acompanhar de perto”, especulou. “Não duvido que a solução venha por aí.”

Nas próximas semanas, deverá crescer a pressão para salvar os empregos da Delta e impedir a paralisação das obras. Haverá um esforço para separar a imagem da empresa da dos funcionários que cometeram fraudes, que levarão a culpa. “É o roteiro clássico”, antecipou o economista. Segundo Castelo Branco, isso só vai mudar quando for aprovado o projeto de lei 6826/2010, em tramitação na Câmara, que permite responsabilizar administrativa e civilmente as pessoas jurídicas por atos contra a administração pública.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

19 Comentários

  • waldemar

    -

    27/4/2012 às 3:21 pm

    Vamos pedir aos “zamaricanos” invadirem este país e levarem todos políticos para Guantánamo…

  • toninho malvadeza

    -

    27/4/2012 às 2:12 pm

    Se a DELTA quebrar o problema é do SERGINHO !! Aquele…

  • Raissa Pedra

    -

    27/4/2012 às 12:25 pm

    LULA sabe das coisas:”vocês vão se surpreender com o que vai surgir nessa CPI”,referindo-se a que patrocinou para atingir a imprensa(Veja) e oposição,como se esta existisse,esquecendo que tinha uma DELTA ligada ao PAC (PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DA CORRUPÇÃO).
    Aliás,por onde anda mesmo a oposição? Álvaro Dias,Roberto Freire,por favor não sumam…Acredito mais na reação dos bravos internautas,VEJA,Reinaldo Augusto Nunes e poucos outros para impedir que toda lama seja estancada por essa CPI que só quer trabalhar em cima dos grampos da PF que que obviamente visavam a oposição na tentativa de acobertarem o mensalão.
    NÃO VAMOS NOS ESQUECER DO JULGAMENTO DOS RÉUS DO MENSALÃO,
    ENTRE ELES JOSÉ DIRCEU,CLASSIFICADO COMO CHEFE DA QUADRILHA,QUE É O OBJETIVO DOS PETRALHAS.

  • brasileiro

    -

    27/4/2012 às 7:19 am

    DELTA abandona obra do MARACANÃ e da TRANSCARIOCA, no RIO DE JANEIRO, capital:
    Tem que haver uma CPI estadual e outra investigação da assembléia municipal, auditorias do TCU/TCE/TCM, investigação do MPF/MPE, a fim de esclarecer os gastos com a obra levantando os prejuízos financeiros aos contribuintes, punindo políticos responsáveis pelos atos administrativos lesivos aos cofres públicos. Só sair sem prestar contas não deve ser aceito pelos cariocas. Uma auditagem seria pedagógica aos gestores, no sentido de estimular a lisura na contratação, extirpando empresas inidôneas das licitações públicas. Seria muita ingenuidade achar que a DELTA vai sair de alguma obra com dinheiro sobrando e, devendo obras e serviços, os políticos correm e pagam a DELTA!

  • jhunter

    -

    27/4/2012 às 6:37 am

    A que ponto chegamos…
    Sem corrupção obras do país do”conto do PACo” param.
    Conclui-se que
    Na era petralha a corrupção é o oxigenio da “governabilidade”

  • Marcus Meyer

    -

    27/4/2012 às 6:36 am

    Se pararem as obras suspeitas de irregularidade do governo Dilma não vai sobrar nada! Não vai haver ninguém nem para apagar a luz quando Dilmalula for presa como chefe da quadrilha!

  • esther correa

    -

    27/4/2012 às 3:40 am

    Tio
    Se a Delta quebar o problema então é meu ou nosso…

  • FlávioAugusto

    -

    27/4/2012 às 2:27 am

    O governo petista entupiu essa Delta de dinheiro público e agora diz que se a empresa quebrar não tem nada a ver com o angu… Quer dizer, se as obras forem entregues ou não, dane-se, ou melhor, o contribuinte que se dane… O dinheiro que foi passado à empresa é um apenas um detalhe…

  • Gione Oigen

    -

    27/4/2012 às 1:09 am

    Se pudessem enterravam a Delta para não aparecer o que deve comprometer muita gente.
    Muito estranho. Muito estranho.

  • pericles

    -

    27/4/2012 às 12:17 am

    D. Miriam Belchior, se a Delta quebrar, isso não é problema do governo? De um governo do PARTIDO DOS TRABALHADORES? Quantos ficarão desempregados? Desde quando a Sra. é tão insensível? Desde que Celso Daniel foi assassinado?

  • toninho malvadeza

    -

    26/4/2012 às 11:31 pm

    Onde o Zé Dirceu põe a mão,vira caso de policia.NÃO PASSARÃO.

  • Bela

    -

    26/4/2012 às 11:09 pm

    Como assim dona Miriam não é problema do governo? R$ 4,130 bilhões pagos a este empresa pelo governo em contratos, dinheiro publico claro, e se ela quebrar é problema de quem então? dos pedreiros que executam as obras? tenha paciência em heim dona Miriam…vocês querem subestimar a capacidade de todos nós de raciocinar.

  • Marcos F

    -

    26/4/2012 às 11:07 pm

    Não é com ela. É coisa alheia.
    Se marido morre, é problema dele.
    A vida é assim.

  • M

    -

    26/4/2012 às 10:49 pm

    Governo não tem que se meter em empresas, mas quando esta em pauta some os larápios agradecem.
    Há empresas que governos adoram que sumam rapidinho, né?
    Parece a piada do ladrão que foi pego em flagrante com o porco roubado nas costas: – porco? que porco? tira esse bicho daí!!!

  • rafael

    -

    26/4/2012 às 10:02 pm

    Upa nenê! Que belezinha! Precisamos resgatar aqueles casos de empresas quebradas que se tansformavam em “problemas sociais”. Criar o Instituto das Empresas do PAC.

  • Ségolène

    -

    26/4/2012 às 9:59 pm

    Dois detalhes fundamentais na fala da ministra: “… e quando isso acontecer nós vamos ver o que poderá ser feito”. “Ela está saindo do Maracanã, e as outras estão se arrumando”

    Em questão de obras, um pingo é letra.

  • Ana

    -

    26/4/2012 às 9:45 pm

    Há erro no título.

    REINALDO OBSERVA
    Já corrigi, tks!

  • Luiz Otávio

    -

    26/4/2012 às 9:20 pm

    Toda unanimidade é burra. Nelson Rodrigues.

  • fontana

    -

    26/4/2012 às 9:15 pm

    Que legal!Demostenes no PMDB,desmonte da Delta…”Podem continuar a festa, era só um penetra que já foi dominado pelos seguranças”. E viva a corrupção, enquanto os otários babam e catam as migalhas.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados