Blogs e Colunistas

09/12/2010

às 6:35

Não somos homofóbicos

Vamos criar um pouco de confusão?  Ultimamente, só o Caetano Veloso demonstra alguma disposição para o debate, hehe.

Há homofóbicos no Brasil, mas é evidente que este não é um país homofóbico, que repudie gays ou a subcultura gay — o “sub” aqui não quer dizer “inferior”, viu, gente! Refiro-me apenas a um conjunto de valores de um grupo que compõe os valores mais gerais da sociedade. Homossexuais estão na política, na universidade, nas novelas, nas revistas de celebridade, em todo canto. A parada gay brasileira, parece, é a maior do mundo. Clodovil e Dener eram figuras de destaque em plena ditadura militar. Um gay, já lembrei aqui, venceu um dos BBBs e pode chegar agora à Câmara dos Deputados (há um pendenga no TSE aí…). No programa de TV, a chacota de alguns machões lhe foi providencial. Na primeira vez em que foi para o paredão, Pedro Bial lhe perguntou se ele imaginava o motivo: “Acho que é porque eu sou gay”. Selava ali a sua vitória.

Como sabemos, ninguém é contra a discriminação em si — a discriminação negativa faz as vítimas; a positiva, os vitoriosos e, às vezes, até os inimputáveis. Lula é o caso: “Eles me discriminam porque sou operário e não sei falar inglês!” É mentira, mas funciona. A partir daí, ele pode falar em português todas as besteiras que lhe vêm à cachola. Os cretinos preconceituosos mal sabem que são os principais aliados da indústria da reparação e do vitimismo triunfante.

Já chamei aqui o PL 122 de “AI-5 gay”. E é mesmo! Há barbaridades flagrantemente inconstitucionais contidas no projeto. Não repetirei argumentos. Algumas bestas quadradas tentaram qualificar meu texto como homofóbico, especialmente aqueles incapazes de ler o que está escrito. Levariam pau no exame de leitura do PISA, aquele em que o Brasil do Apedeuta voltou a dar vexame. Todo mundo tem lá seus preconceitos, não é mesmo? Se você, leitor, é um conservador, por exemplo, sabe bem o que significa ser alvo do rancor dos progressistas, por exemplo…

Mais de uma vez, já me disseram algo como: “Ah, diga a verdade: você diz que é católico só para escandalizar as pessoas, né? Como um ser racional pode ser católico?”. E eu juro que são abordagens que procuram ser simpáticas, sem nenhuma carga de… preconceito! Naquele texto, defendi a união civil de homossexuais e a adoção de crianças por pares gays — desde que tenham comprovadas condições psicológicas e financeiras para tanto. Muita gente reclamou por isso também. Fazer o quê? Não! Não o fiz para “provar” que não sou homofóbico. Eu não tenho de provar porcaria nenhuma pra ninguém e não me rendo a patrulhas! Escrevo o que acho que tenho de escrever. Não entregarei os meus direitos constitucionais à arbitragem de minorais organizadas que acreditam poder mais do que a lei.

Em julho, viajei com a mulher e as filhas para Nova York. Fomos em busca do aquecimento regional, hehe… Aproveitamos para ver A Gaiola das Loucas na Broadway, no Longacre Theatre, uma sala pequena, que tem uma história interessante. O dono também tinha um time de baseball. Vendeu seu principal jogador para sustentar o teatro… A América, se me permitem, é show de bola! É uma peça gay.  Um grande espetáculo! Mas volto ao ponto. Devo ter alguns preconceitos, mas não esse. Foi uma noite divertidíssima. Também fomos rezar — três de nós ao menos; uma das moças, tudo indica, é agnóstica (“que pai é você, Reinaldo?”) — na St. Patrick’s Cathedral, ou Catedral de São Patrício. Não fui me penitenciar de nada, não! A graça da vida está na diversidade e na pluralidade, desde que não se justifique o mal —  a justificação do mal, esta sim, é o verdadeiro reacionarismo, seja você branco, preto, gay, hétero, gordo, magro, corintiano ou flamenguista.

Pressão do lobby
A pressão do lobby da militância gay, no entanto, para caracterizar o país como homofóbico — assim como o Estatuto da (des)Igualdade Racial procurou torná-lo racista — é gigantesca. Nos dos casos, a imprensa entra como grande aliada da causa. Na Folha de hoje, Laura Capriglione, a minha musa das enchentes (está chegando a hora de ela tirar as galochas do armário) conta o caso do Centro Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

O busílis é o seguinte: duas chapas disputaram a eleição: por 112 votos a 81, venceu uma em que dois dos cinco membros são assumidamente homossexuais — afinal, este é um país que tem homofóbicos, mas que não é homofóbico, certo? Ou como explicar a vitória? Reproduzo agora um trecho da reportagem da minha musa, que trata de alguns e-mails que circularam na universidade:

(…) um estudante comentava a vitória da chapa 2:””AAAAAiiiii! Chapa 2! Agora, teremos clericot, serviço de manicure, serviço de pedicure e muuuuita purpurina.”
Logo, um estudante do 5º ano entrou na conversa. Defendeu o clericot, uma espécie de sangria (vinho, frutas e bastante gelo). “Todo mundo gosta de clericot”, escreveu para pontuar que não se trata de bebida gay.
A conversa, à qual a reportagem da Folha teve acesso, subiu de tom. O coordenador eleito Igor Araujo defendeu o direito básico “de não ser agredido gratuitamente por gente mal resolvida”.
Logo, entrou e-mail de outro aluno do 5º ano, xingando e comentando detalhes anatômicos em termos impublicáveis.
Mas foi à 1h18, madrugada do dia 25 de novembro, que se publicou o e-mail mais raivoso. “Numa falsa busca por igualdade e respeito, esses lambedores de p. alheios tentam em vão nos convencer de que é inevitável o futuro rosa, amparado pelo (…) preconceito às avessas contra aqueles que bravamente se levantam contra a ação gayzista. (…) Está na hora de unirmos forças e, veladamente, fazer o que nos couber para dar fim -pouco a pouco- nesta peste. No momento da consulta [médica oferecida pela faculdade] de uma bicha, ou recuse-se (pelos meios cabíveis em lei), ou trate-os ‘erroneamente’!!!”.

Pois é…
As pessoas têm o direito de não gostar da eleição de gays para o Centro Acadêmico? Tem, sim! Piadas estúpidas são feitas o tempo todo em todo canto do mundo? Sim! A Internet facilita a sua difusão.  Nem por isso se vai agora fazer uma lei especial para proteger cada comunidade que se considere atingida por palavras, especialmente quando as leis em curso no país já dão conta de coibir e punir os crimes. Os menores que agrediram aquele rapaz na Avenida Paulista, por exemplo, estão recolhidos à Fundação Casa. Ninguém precisa de uma PL 122 para coibir a violência.

O que não é possível é tomar a manifestação daquele último brucutu a que se refere a reportagem como evidência de uma “homofobia nacional”, que precisa ser coibida pela tal lei. E o mesmo se diga sobre as agressões que ganharam notoriedade nos últimos dias. As leis que temos são mais do que suficientes para punir os agressores. Ora, se cada mensagem agressiva que circula num ambiente restrito — no caso, trata-se de um grupo, que precisa de senha para ter acesso a ela —virar um símbolo, então será preciso importar tecnologia política chinesa para uma varredura na Internet. Faremos leis para punir a discriminação de gays, mulheres, negros, gordos, magros, míopes, pobres… — e até, se for o caso, de heterossexuais brancos e cristãos, que estão no último degrau dos seres desprezíveis, ainda que não abram a boca. Há quem os considere naturalmente propensos à discriminação, mas não se deve ver nisso um preconceito, claro…

Vivemos a era que um acadêmico já classificou de “Sociedade da Reclamação”. A mesma Folha informa:
“Uma faculdade particular de Teresina (PI) anunciou a demissão de um professor substituto depois que ele aplicou uma prova com artigo ofensivo a homossexuais. Cerca de 30 estudantes de serviço social da Faculdade Adelmar Rosado deixaram a sala por causa do conteúdo do texto, na segunda-feira. O artigo, sem assinatura, é contrário à aprovação de projeto sobre a união civil homoafetiva. Um trecho diz que a relação sexual entre pessoas do mesmo sexo ‘contraria a ordem das coisas’.
(…)
A aluna homossexual Narailka Yasmin Soares e Silva, 20, disse que ficou chocada, principalmente ao ler o último parágrafo – onde se justifica que homossexuais não podem expressar o amor, pois a relação sexual é feita “no mais puro estilo animal”. Alguns alunos pediram a anulação da prova, conforme Liana Santanna, colega de turma de Narailka. Mas Fortes [o professor] mandou a turma se calar, segundo Liana. Narailka disse que começou a tremer, passou mal e saiu da sala. Foi então acompanhada por outros colegas.”

Como se vê, ninguém precisa do PL 122 para garantir a vitória de uma chapa com gays assumidos numa universidade ou para cavar a demissão de um professor. O que se pretende? Botar na cadeia uma pessoa que considera a união homossexual antinatural? Por quê? Como prova de que esses militantes querem uma sociedade… tolerante? Ora… Os dois eventos provam a absoluta desnecessidade da lei. Mas não seria eu se não fizesse aqui uma observação à margem: um professor que apresentasse um texto que advogasse, sei lá, a natural bissexualidade do ser humano ou certa inclinação homossexual reprimida em todo heterossexual não seria demitido, certo? O primeiro heterossexual que protestasse correria o risco de ser acusado de… homofóbico.

Encerro
O lobby pela aprovação do PL 122 está com tudo! As reportagens dando conta de discriminação trazem a fala de um militante favorável à aprovação da lei — que é flagrantemente autoritária à medida que, sob o pretexto de proteger minorias, restringe a liberdade de expressão e de culto religioso, igualando opinião e convicção a agressão física. Cria-se o alarmismo para tentar emplacar o texto. Pinta-se um país muito pior do que é com o objetivo de atender às reivindicações de uma minoria organizada.

Que os militantes reflitam um pouco — escolher a fúria é fácil! Leiam o tal projeto. Relacionar-se com gays passaria a ser uma coisa tão perigosa (já que quem vê gay não vê caráter, certo?) que a lei tenderia a causar mais discriminação. Ora, a contratar um homossexual e correr o risco de ser acusado de homofobia se precisar demiti-lo (a denúncia poder feita até por uma ONG), há uma possibilidade de o empresário fazer uma escolha mais “segura”.

Não chegaremos ao ponto ótimo da educação e da civilidade agredindo direitos fundamentais para garantir… direitos fundamentais!

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

161 Comentários

  • Gabriel Birkhann

    -

    23/5/2014 às 2:36 pm

    exatamente

    Raphael
    -

    31/03/2013 às 18:06

  • Raphael

    -

    31/3/2013 às 6:06 pm

    As opiniões sobre essa situação e deplorável. O que importa o que se faz num relacionamento. É perda de tempo aprovar essa lei criando um “raça intocável”. Jean ex BBB devia ser desprezado e não levado a sério.
    Sou gay e o que essas bibas loucas fazem é um circo como a tal parada gay.

  • Elenice

    -

    4/6/2011 às 2:08 pm

    Homofobia já tem lei, quem agredir qualquer pessoa por opção sexual ou outra discriminação deve ir para a cadeia, cada um é livre para ser o que quiser, mas temos o direito de criticar e é isso que a PL 122 quer nos tirar, o direito da liberdade de expressão.

  • Iguana de la Luna

    -

    20/5/2011 às 9:07 am

    Olá, Reinaldo… Não sei nem se o senhor vai ler meu comentário. Confesso que tenho debatido bastante o assunto com pessoas que tem o mesmo pensamento que o senhor e, desta vez, seu texto quase me convenceu. Preciso realmente ponderar se devo ainda apoiar o PL 122.

    No entanto, negar a discriminação racial e sexual é, sinceramente, um dar-se um atestado de cegueira. Nossa sociedade é extremamente preconceituosa, sim. Por que, então, os negros ainda recebem os menores salários? Os piores empregos? Estudam nas escolas mais detonadas? Por que, então, tantos homossexuauis são agredidos, espancados e mortos?

    Sei que não devemos generalizar, mas negar que exista preconceito é, simplesmente, tampar os olhos para a realidade. Não acho que as cotas sejam uma solução, nem que o PL 122 vá trazer grandes mudanças para o problema da discriminação contra os GLBTT. Foram soluções muito pouco eficientes, mas foram soluções simbólicas. Só para mostrar que essas minorias podem conseguir algum espaço na sociedade.

    O que falta no nosso país é educação de qualidade, que estimule o pensamento crítico, que incentive a cidadania, coisas tão básicas na formação de um ser humano. Todos merecem respeito, todos têm direito de se expressar… Não sou homossexual, mas imagino quão triste seria ter que me esconder dos meus amigos heterossexuais, talvez até dos meus próprios pais, ser recriminada, xingada e excluída por fanáticos… Não sei, não acho justo ter que viver dessa maneira. Sei que não é assim para todos, mas alguns sofrem bastante. Sei tbm q a classe GLBTT não é uma classe de anjos e santos, sei que existe lobby, que tem disputa por poder, mas acho q eles merecem respeito como todo ser humano.

  • Eldo Carlos de A. Lima

    -

    12/12/2010 às 4:27 pm

    A questão é bem mais profunda que isso. A religião está por trás de toda filosofia gayzista atual. O que querem na verdade não é simplesmente serem tratados como “normais”- quem o é, não precisa impor que é -, antes, querem HOMOSSEXUALIZAR TODA SOCIEDADE. Isso já foi declarado por vários ativistas gays mundo afora. E, é claro, trazer de volta para o paganismo – onde as deusas transformavam os homens em fêmeas e vice-versa -, a sociedade ocidental cuja herança é patriarcal,ou seja, querem que o Deus moralista cristão saia de cena e em seu lugar irão adorar a face feminina de Lúcifer – a deusa. Tal tendência mundial é denunciada com muita propriedade por Peter Jones em seus livros “O Deus do Sexo” e “Ameaça Pagã”. Infelizmente, esse é um caminho que não tem volta e que se encontra profetisado por Paulo em sua 1ª epístola a Timóteo 4.1,2
    Não me surpreenderá se o anticristo for um homossexual ou até uma lésbica. De qualquer forma ele será andrógino, porque assim deve ser no paganismo para ter acesso a deusa e ser o intermediário entre o céu – Masculino -, e a terra – feminino. Toda essa INVOLUÇÃO expressa por gayzistas, feministas, etc; é muito triste.

  • ra

    -

    12/12/2010 às 12:11 pm

    No Brasil não suporto mais os gays, os negros, Julio Severo (psicopta total) Olaavo de Carvalçho (tanta teoria) felizmente a históra segue:

  • Renato

    -

    12/12/2010 às 10:48 am

    Reinaldo é fato: está se criando (se já se criou) mais uma casta de intocáveis, os homossexuais.
    Aqui em Florianópolis, por exemplo, o “chefe” do Dia do Orgulho Gay, é, por força disso, sempre alçado a cargos públicos onde não tem a menor capacidade, por puro puxa-saquismo…

  • Izidro Simões

    -

    11/12/2010 às 2:49 am

    Todos os profetas, santos, sábios e filósofos que pensaram profundamente e expressaaram-se sobre o homossexualismo, eram homofóbicos, preconceituosos? Claro que não. As trevas sempre tentaram e ainda tentam encobrir a luz. Não vai ser porque leis resolvam reconhecer “casais homo” que isso vai passará a ser coisa DECENTE, MORAL, ESPIRITUAL, NORMAL.

    Os inaturais ou se quiserem, pecadores, ou ainda viciosos, incluindo pederastas ativos nisso, são criaturas psicologicamente enfermas, mentalmente poluidas e moralmente subalternas. Sabem que tem comportamento milenarmente reprovado e reprovável. Para aliviar isso, pretendem – e talvez consigam – que leis ao menos protejam as suas libidos mal direcionadas.
    Crendo ou não, aceitando ou não, dia virá, que no mundo espiritual para onde todos vamos após a morte física, as suas viciações – deles e delas – estarão desnudadas e sem justificativas. serão o que são: moralidade desviada do rumo certo e PREGUIÇA viciada na luxúria homossexual.

    Nada bom, nem socialmente e nem no particular.

  • bebeto_maya

    -

    11/12/2010 às 1:20 am

    É a espiral do silêncio. Calam quando gays são eleitos e representam a sociedade em diversos segmentos, mas estão sempre prontos a atacar a mesma sociedade que os premia com os melhores cargos e toda a consideração humana, quando isoladamente, atos homofóbicos acontecem. A força da auto-vitimização é espetacular.

    Com relação ao comentário do André Arruda, ele está tão tomado pela incapacidade mental de reflexão da correção política, que quando pede o fim do pensamento moralista em nome da pluralidade, exclui por si só, uma parte do plural!

  • Felipe Eduardo Lázaro Braga

    -

    10/12/2010 às 10:28 pm

    Concordo com o Reinaldo quando diz que o Brasil não é um país homofóbico. Preconceito dirigido a homossexuais? Sim, claro. Todos temos preconceitos contra todos. Felizmente, a população brasileira não costuma expressar seu preconceito, guardando para si sua forma de ver o mundo. Quando alguém vê um motoqueiro e pensa que este não tem responsabilidade no trânsito, estamos sendo preconceituosos. Porém não expressamos. O problema, ao meu ver, é o fato de haver minorias que históricamente sofrem uma carga pesada demais de preconceito. Negros, mulheres, indios e homossexuais são minorias históricamente perseguidas, cujos ataques direcionados à elas não se restringem aos lamentáveis insultos, mas transbordam para a violência e o ódio. Numa sociedade onde exista o KKK, me parece absolutamente legitimo existir uma legislação que dê enfase ao racismo. Em uma sociedade onde SETE ataques violentes foram direcionados a seres humanos que cometerem o único “erro” de serem homossexuais, numa das regiões conhecida por ser progressista, me parece que a enfase ao crime homofóbico é absolutamente legitimo.

  • Alice

    -

    10/12/2010 às 9:53 pm

    Como pode uma minoria vencer a maioria? tornando a minoria maioria. Esse é o jogo! Por isso tanta luta, tanto ibope. E principalmente o maior foco: os jovens!

  • Alice em copas

    -

    10/12/2010 às 9:53 pm

    Vejamos, vejamos…
    Aprovam o ECA, e o que temos? Lobby para a legalização do aborto, a discussão sobre infanticídio que só não progrediu porque não dá para pular etapas.
    Aprovam o Estatuto do Idoso e tem início a discussão sobre eutanásia.
    Sei não…

  • Alice

    -

    10/12/2010 às 9:51 pm

    comparo esses militantes gays aos maus alunos, não estudam nada e no final ficam pressionando o professor para dar nota para eles. Molestam, obrigam, pressionam, fazem chantagem, ameaçam, agridem, ofendem,magoam, desrespeitam. Tudo para ter um diploma para serem reconhecidos socialmente? NÃO!!!!! PARA TER PODER!!!!!!!!! No fundo esses militantes querem é isso: mais poder que os outros.

  • OS POLITICOS BRASILEIROS SÃO MUITO MAUS!!!!!!!!!!!!!!

    -

    10/12/2010 às 9:05 pm

    COMO DISSE VANUCCHI, QUEIRAMOS OU NÃO O pndh3 VAI VINGAR. OU SEJA, A VONTADE DESSA TURMA QUE FAZ PARTE DO PODER ESCONDIDOS NO SUBSOLO DA POLITICA É QUEM MANDA NO BRASIL. FAZEMOS DE CONTA QUE É DEMOCRACIA, MAS NO FUNDO É UM AUTORITARISMO ESCURO. A PROVA? COMO PODE UMA MINORIA TER MAIS PODER QUE A MAIORIA????

  • OS POLITICOS BRASILEIROS SÃO MUITO MAUS!!!!!!!!!!!!!!

    -

    10/12/2010 às 9:00 pm

    Depois de ver o quanto as familias sofrem ao ver seus filhos drogados, roubando para sustentar as drogas e gente que se diz culta querendo liberar as drogas. Digo o mesmo para o homossexualismo. Quanto sofrimento ele traz a todos, ao que é e ao que não é. Hoje cheguei a conclusão: COMO ESSES POLITICOS SÃO MAUS!!!!!!!!!!!!

  • anonimo

    -

    10/12/2010 às 8:58 pm

    Lula e Dilma devem estar ganhando muito bem para defender o homossexualismo e os trafico de drogas. Realmente para ser politico no Brasil não precisa saber nem ler nem escrever, basta abrir a mão, a bolsa e o bolso e saber assinar o nome.

  • Lucia Bianda

    -

    10/12/2010 às 8:53 pm

    fico muito triste em ver que apesar de todo avanço cientifico caminhamos no inverso, retornamos à barbarie, ao animalismo. Liberação de tudo, das drogas, do sexo depravado, da falta de humanidade… o que é o homossexualismo? não é só desejo pelo mesmo sexo, é também o sexo desenfreado, não importa se é casado, se é criança, se é parente ( filhos, irmãos), também não importam o local, no mato, no banheiro, na escola, na academia, no trabalho… isso é nojento!!!!! tomara que os remédios contra a aids parem de funcionar para essas pessoas. Deus castigou o sexo sem amor, o sexo pervertido, mas o homem não aceita sua posição inferior, fica desafiando Deus. Deus precisa ter misericordia do povo e nos livrar desses doentes.

  • Edna

    -

    10/12/2010 às 8:48 pm

    na realidade essas pessoas são muito doentes e não sabem o que fazer com seu sentimentos de inadequabilidade social, acham que igualar a todos (todos homossexuais)aliviariam o peso de seus desejos incontrolados e desfigurados.
    no fundo querem isso: deixar todos gays. Mas o que vão conseguir é ódio de todos.Homossexualismo não faz parte da natureza humana, por natureza nascemos homens e mulheres. O desvio deveria ser tratado e não contaminar. Se ser homossexual fosse bom e fizesse bem por que este povo ficaria insistindo tanto em que as pessoas aceitem seus desejos intimos? obrigando, pressionando, chantageando… que Deus nos proteja!

  • Elias

    -

    10/12/2010 às 7:56 pm

    O que se faz em quadro paredes não deve vir ao interesse de outros, por tanto que essas ações não vão em contra-ponto à lei.
    A diversidade sexual é tão ampla quanto as tonalidades de pele que vemos nas ruas, quem não aproveita o corpo que têm certamente não conhecerá tudo que a natureza o proporciona. Já ouvi relatos de mulheres, em especial, que nunca tiveram um orgasmo, para nós, homens que temos isso quase todo dia isso é algo inimaginável.
    Quanto à lei, acho que ela é necessária sim, os homossexuais devem estar amparados pela elas assim como outras minorias raciais, religiosas entre outras também estão.
    Da mesma forma, penso que o ser humano tem o direito de agir da forma que lhe for conveniente, por tanto que não prejudique seus próximos e o meio ambiente. Igualmente, ele tem o direito de manter relações afetivas e sexuais com quem estiver de acordo com a suas orientações sexuais e sentimentais.
    É simples isso, mas a população mal informada insiste em pensar sob lei e os costumes que há 2000 anos atrás era cabível, os tempos mudam, ainda bem…
    Mais ridículo é pensar na lei NATURAL das coisas, a nossa espécie é uma praga que utiliza de todos os recursos do planeta Terra, hoje não temos mais contato com a verdadeira natureza… ainda me surpreende quem é a favor da reprodução massiva da população

  • André LDC

    -

    10/12/2010 às 5:40 pm

    André Arruda, que escreveu em 10/12/2010 às 16:08:
    sábias palavras.
    Pena que, para cada indivíduo feito você, ainda exista uma legião feito o tal Izidro Simões.
    Parabéns pela lucidez e pela precisão. O mal não está no conservadorismo em si, mas na sua associação ao preconceito.
    É um dos vários acertos do seu comentário.

  • Felipe Flexa

    -

    10/12/2010 às 5:08 pm

    Curiosa é a expressão “mal resolvido”. Para os homossexuais, quem não é gay ou faz qualquer crítica – por menos que seja – a alguma de suas condutas, é “mal resolvido”. Tolerância é isso.

  • André Arruda

    -

    10/12/2010 às 4:08 pm

    Entendo seu ponto de vista, mas não posso concordar. Temos uma herança cultural que faz com que nossa sociedade se torne conservadora e preconceituosa. Os exemplos citados no texto, são reflexo dos rótulos que a sociedade coloca nas pessoas. Não falo quanto a sexualidade, mas quanto a qualquer diferença do “padrão social” aceito. O termo gayzista é pejorativo e homofóbico, sim. Não é o tipo de postura que um jornalista da revista mais importante do país deve ter.
    O Sr. Izidro Simões que fez um comentário absolutamente homofóbico e bossal, deve ter a consciência que suas ideias são baseadas em conceitos moralistas e não cabem mais em uma sociedade plural como a nossa. As diferenças devem ser aceitas e devemos conhecer as realidades antes de especular sobre as possibilidades que estes apresentam somente as nefastas para provocar escândalo e terrorismo frente às pessoas menos esclarecidas. É um absurdo ler blasfêmias como esta em pleno 2010.

  • Renata

    -

    10/12/2010 às 1:24 pm

    Depois do assassinato de um professor do curso de educação física nessa semana, matérias tratando da agressão a professores entraram em voga.
    Ontem escutei a repórter na TV falando que a cada 14 minutos um professor é agredido (não consegui ouvir se a estatística era para Minas Gerais – onde o assassinato ocorreu – ou para o Brasil).
    Imagine agora criar uma lei específica para esta categoria.
    .
    O que adianta é colocar na cadeia essa gente que mata sem razão (a exceção é a legítima defesa).
    .

  • Josy

    -

    10/12/2010 às 1:12 pm

    REINALDO, DÁ UMA OLHADA NISSO:
    O Congresso Nacional está recebendo muitos e-mails sobre a votação do PLC 122/2006 nesta semana. Devido às denúncias das manobras, o projeto anti-“homofobia” não foi avançado no dia 8 e 9.12.2010 na Comissão de Direitos Humanos e Participação Legislativa do Senado.
    No entanto, em 9 de dezembro de 2010 o presidente Lula criou, por meio de decreto presidencial, o Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Veja aqui: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7388.htm
    ELES SEMPRE DÃO UM JEITINHO PRA FAZEREM O QUE QUEREM.

  • David

    -

    10/12/2010 às 12:38 pm

    Caro paulo Duarte,

    Eu fiz apenas uma pergunta, ninguém está lhe censurando. Não precisava se armar todo…
    É que eu tenho um amigo (americano de origem irlandesa, católico não-praticante, professor universitário de mentalidade liberal) que odeia ser confundido com esses estereótipos “tipo gringo” que os associa à obesidade e conservadorismo.
    Ah, e no Brasil existe discriminação sim. De todo tipo… E não somos um país amigável em relação ao homossexualismo. Dê um giro pelo mundo um dia…

  • Izidro Simões

    -

    10/12/2010 às 2:12 am

    Pois é, se querem os direitos deles e delas, também quero o meu. Homossexualismo é doença psíquica, ainda mesmo que os psicólogos só digam isso de meia-boca, para não incorrerem no risco de serem suspensos pelo CRP.
    Por qualquer lado que se veja e pesquise, mesmo entre índios homossexuais, êles são discriminados pelas suas próprias comunidades. Homossexualismo é anti-natural na vida e em TODAS AS ESCRITURAS SAGRADAS MAIS ANTIGAS. Deus criou macho e fêmea somente e mandou que procriassem. O que disso passa é anti-natural digam o que disserem muitos outros.Que terrível impacto psicológico não terá uma criança criada por “casal” gay? Como procederá à partir de sua adolescência? Vai ser gay ou assumir a sua integral personalidade macho ou personalidade fêmea? Meio têrmo não pode existir e nem deve.

  • nihil

    -

    9/12/2010 às 10:01 pm

    A culpa é dos heterossexuais que, por sua opção sexual, geraram alguns homossexuais. Já os homossexuais jamais poderão ser acusados disto. Não gerarão nem mesmo outros homossexuais. Isto sim é que é homofobia,

  • Renato

    -

    9/12/2010 às 9:49 pm

    Sou gay e sou contrário ao PL122 porque o considero a encarnação do politicamente-correto na forma de lei, e por esta lei ser punitiva, e não preventiva.

    Mas lendo alguns comentários aqui expostos, fico me perguntando se realmente eu faço parte da mesma raça humana de algumas pessoas…

  • Victor

    -

    9/12/2010 às 9:03 pm

    Eu sou gay e tenho vários amigos e conhecidos gays. Ninguém que eu conheça e com quem eu tenha falado sobre essa lei acha que precisa de lei nenhuma para ser “protegido”. Concordo com um comentarista abaixo que disse que o artigo da constituição que nos declara iguais perante a lei e proíbe discriminações de qualquer natureza é o suficiente. De resto, é cumprir a lei. Acho que o Brasil ainda é um país que, se não homofóbico no sentido da violência aberta e da hostilidade, lida mal com homossexuais, basta ver o teor dos programas que se pretendem humorísticos para ver o ridículo e a chacota que a brasileiro médio gosta de fazer dos gays. Não precisa gostar, claro, mas ser desrespeitado quase diariamente acaba ficando chato. Mas isso só vai mudar quando a mioria da população tiver acesso a educação, cultura e informação de qualidade.

  • Roberto

    -

    9/12/2010 às 8:36 pm

    Comentei o que tinha para comentar. Cansei deste assunto.

  • Roberto

    -

    9/12/2010 às 8:35 pm

    Prezado Eduardo Fernandes-09/12/2010 às 18:00

    Leia o que disse

    Ademar Souza-09/12/2010 às 7:28

  • Roberto

    -

    9/12/2010 às 8:29 pm

    Concluindo o que disse Eduardo Fernandes -09/12/2010 às 18:00

    . Querem considerar ilegais os 10 Mandamentos!

  • paulo Duarte

    -

    9/12/2010 às 8:28 pm

    Senhor David,
    Gringos de várias cores, opções sexuais e crenças??
    Já vi ! certamente no Brasil não tem discriminação ! Gringo é gringo mesmo ! Não vou mais usar esse adjetivo, prometo ! Mas mantenho tudo o que escrevi, se é que me permitem, ou não ? Talvez? quem sabe ??!!!! vocês me permitem mandar meu comentário ?!!! Desculpe por ter me manifestado…não queria digamos assim, discriminar ninguém, afinal de contas… nem gringo posso ser….

  • Roberto

    -

    9/12/2010 às 8:19 pm

    Prezado Anônimo – 09/12/2010 às 8:23
    Se continuarmos deste jeito brevemente seremos obrigados a não sair de casa sem um advogado, a usar mordaça para, num momento de exaltação ou de descontração, não corrermos o risco de dizer algo que seja considerado crime, praticamente tudo, a sair com duas testemunhas, a usar uma câmera de vídeo filmando nossos passos e preferencialmente que sejamos mudos. Com relação à lei Maria da Penha, porque não uma lei Zé da Penha. São leis feitas para o público, as leis já estão aí, basta cumpri-las. Como você mesmo disse: “Um cidadão exaltado que use um termo inapropriado durante uma discussão, ou briga no trânsito pode ser preso sem direito a fiança já com a legislação atual.”. Creio que neste caso a aplicação não seja correta. Se insistir após a reação inicial, sim.
    Usar para o relacionamentos homossexuais os mesmos termos e cerimônias e atitudes usados para os heterossexuais, como se fosse a mesma coisa, me parece ser o grande equivoco. Quer obrigar que uma situação que não é natural seja aceita como tal. Deveriam se preocupar com a obtenção de leis que permitissem consolidar seu relacionamento. Um simples contrato que estabelecesse as mesmas condições de um casamento civil e que pudesse estabelecer a situação de dependência diante da Receita Federal seria suficiente.
    O fato concreto é que com esta discussões passamos a perder tempo em discuti-las e deixamos de lado o que é mais importante. Isto faz parte de um projeto destes que estão por aí. Querem com isso conseguir o apoio das minorias para perpetuar no poder, como foi fácil ver nestas eleições, estão apenas fazendo um jogo político.

  • Vieira

    -

    9/12/2010 às 7:36 pm

    O Art. 5º da Constituição diz: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.

    O texto acima é claro: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, então, p’ra que criar mais leis? A criação de leis para grupos específicos, aí sim, configura em discriminação.

    Respeitar o direito de quem quer ser homossexual não necessariamente é ter que concordar com a prática do homossexualismo que para os cristãos é pecado que nada mais é que violação à Suprema Lei de D’us.

  • Mariazinha

    -

    9/12/2010 às 7:31 pm

    Acabei de me lembrar de um filme francês chamado O Closet, com o Gerard Depardieu. A história é bem divertida, empregado discreto e sem brilho, acaba sabendo que vai ser demitido do emprego numa fábrica de camisinhas. Aconselhado por um vizinho, finge ser homossexual para evitar a demissão, sabendo que a empresa teme ser exposta por homofobia. Pura Pl 122.

  • vimvivenci

    -

    9/12/2010 às 7:21 pm

    Tio,
    Enfim retornei.
    Não sou homofóbica, não sou racista, não tenho paranóia em relação aos diferentes mas tenho visto os diferentes serem heterofóbicos, racistas etc. Vc já deve ter visto negros usando uma camiseta escrita 100% NEGRO. Porque os brancos não podem usar uma camiseta escrita 100% BRANCO? Quando chegamos a esse ponto percebemos que algo está errado. Existe sim tio um movimento de destruição da família. O fato de vc ser branco, casado, formado, empregado e feliz…FUDEU! Vira alvo sim dos movimentos das minorias que, barulhentas, parecem maioria. Ainda bem que existe, nas minorias, uma maioria de diferentes que coexiste na boa com os heteros, brancos, formados, empregados e felizes, porque eles tb são felizes. Acredito que vivemos sob ataque das minorias das minorias, todos nós, inclusive os gays, negros, desempregados etc. Minoria das minorias que tenta jogar uns contra os outros, a turma do quanto pior melhor.
    Temos que resistir. Ninguém pode agredir ninguém porque é gay nem ninguém pode agredir ninguém porque é hetero. Parece óbvio né?

  • David

    -

    9/12/2010 às 7:19 pm

    Caro paulo Duarte,

    O que você define como um “tipo gringo”? Conheço brasileiros e gringos de várias cores, orientações sexuais e crenças. O fato de você ser conservador, heterossexual e branco te faz um gringo? Essa é novidade pra mim…

  • Roberto Vieira Cavalcanti

    -

    9/12/2010 às 7:18 pm

    Prezado Heitor Bonfim – 09/12/2010 às 7:50

    Se alguém fosse chamado de filho daquela deveria fazer o mesmo? E a pena, a seria mesma? Me parece um exagero.

  • Veridiano

    -

    9/12/2010 às 6:26 pm

    Foi divulgada, pelo Vox Populi, no último final de semana, uma pesquisa dando conta de que 60% dos brasileiros são contra a união civil gay e que outros 61% são contra a adoção por homossexuais. Ou seja, há forte homofobia em nossa sociedade realmente. Não se deve temer a aprovação do PLC 122. Muitos argumentam que haverá denuncismo por parte de gays inescrupulosos, que aproveitarão a oportunidade para tirar vantagem. No entanto, há leis que garantem a não discriminação de mulheres, negros, idosos, etc, e não se veem relatos de que pessoas destes grupos tenham agido de forma desonesta. Ademais, este projeto protege as pessoas da discriminação contra a orientação sexual de modo geral e, por isto, os machos podem ficar sossegados que estarão protegidos também. A título de ilustração: suponhamos que exista uma empresa que tenha predominância e preferência por funcionários gays. Com a aprovação do projeto, ela não poderá rejeitar uma pessoa por ser heterossexual. Acho também que uma lei tem caráter pedagógico, educativo, reflexivo. E, assim, se aceleraria a tolerância com os gays, pois a escola, a televisão, etc, não fazem a sua parte no sentido de disseminar a aceitação do pluralismo. Causa sofrimento ler que os gays querem ser privilegiados sociais. Eles querem apenas direitos iguais – nem mais nem menos. E, parodiando Betinho, quem tem fome tem pressa. Fome de justiça e respeito, e pressa para viver uma vida mais digna, que acaba logo ali na frente. Ronaldo, sou homossexual, vejo que você tem opiniões diferentes das minhas, mas não o vejo como homofóbico. Longe disso. Já o vi no Programa do Jô denunciando os assassinatos dos gays por Ahmadnejad, no Irã. O vejo apenas como alguém que pensa diferente e que muito respeita os gays. Porém, muitos leitores seus demonstram raiva e desprezo pelos gays, ignorando que todos nós, independente da orientação sexual, somos seres humanos e, desta forma, queremos coisas muito parecidas, como paz interior, alegria, bem-estar. E, por isso, quero sugerir um filme que pode ajudar estas pessoas a não mais “demonizarem” os gays. É um filme italiano de 2003, chamado “A janela da frente”.

  • Vieira

    -

    9/12/2010 às 6:20 pm

    Direitos Humanos não alinhados a Suprema Lei do Eterno conduz à degradação dos valores judaico-cristãos consolidados de 97% do povo brasileiro e, ademais, leva a ruína de uma nação.

    Como, por exemplo, a desconstrução da família, célula máter da sociedade, da heteronormatividade, ou seja, do casamento heterossexual como instituído por D’us com a aprovação da PLC 122/2006; cessação da vida de indefesos pelo Estado com a institucionalização do aborto, da eutanásia e da pena de morte (Não matarás. Deut. 5.17), enfim, fim do amor ao próximo (Lc. 10.27), fim da civilização. Pense nisto!

  • Eduardo Fernandes

    -

    9/12/2010 às 6:00 pm

    Já é a segunda fez que faço esse comentário, como não entendo porque não foi aprovado, refaço, já que imagino que a Veja não seja uma mídia que censure, certo? Enfim, continuando: Apenas os comentários contidos nos comentários daqui mostram como a sociedade brasileira é homofobica sim. Termos pesados de forma pejorativas como “viadinho, gazelas, aberrações, anormais, etc”, então acho que vai por água abaixo a parte em que você diz que o Brasil não é um país homofobico.

  • eder barbosa de sousa

    -

    9/12/2010 às 5:52 pm

    O que dizer de uma retórica tão idiota, que tenta até mesmo modificar o sentido das palavras. Aliás, tem um amigo meu, professor universitário e doutor em literatura portuguesa pela a USP, que diz que no Brasil de hoje, as palavras não signicam mais o que significavam. Assim corrupção não significa mais o que significava antigamente, etc. O texto acima é a mais pura declaração homofóbica, de alguém que não consegue entender as palavras contidas no PL 122. Creio que o articulista sequer conhece as pesquisas sobre a violência física contra os gays, sem falar nas agressões verbais. É uma pena que um indivíduo tão idiota como este, tenha um espaço do tamanho que a Veja lhe proporciona. Esse espaço poderia ser usado por gente melhor, tanto na alma, como na escrita e no entendimento do que se lê. Mas fazer o que, reacionários são sempre reacionários, tá no DNA.

  • MARCO ANTONIO

    -

    9/12/2010 às 5:37 pm

    Sempre achei que esses movimentos tentam fazer com que a população acolha na marra a opção sexual ou achar que o negro é coitadinho que ninguém se preocupa. Quando será que o branco terá seu dia de igualdade racial também, isso tudo provoca nas pessoas uma indignação, prova está as ocorrências que estouram no Brasil afora. Sempre houve o bi sexual, porém mais contido, agora que os famosos saíram do armário, somos obrigados com situações vergonhosas. Faço minhas caminhadas diariamente num parque em Caxias do Sul e é uma vergonha tanto mulheres como homens se chafurdando sem nenhum constrangimento, ou melhor, causando-nos constrangimento, pois abrem as blusas os afeminados e as lésbicas massageiam as mulheres sem a menor compustura. É essa a igualdade e o respeito que querem da população, devem portar-se com dignidade. Quanto aos negros, tenho muitos amigos negros e me orgulho disso, só que alguns segmentos da sociedade querem fazer de tudo para que a população fique contra os negros até então convivemos muito bem não precisa que alguém determine o que pode ou não ser liberado para os negros, brancos, amarelos, mestiços, etc… Sabemos conviver como iguais.

  • Rapunzel

    -

    9/12/2010 às 5:06 pm

    Tudo isso tem o único fito de justificar essa aberração, esse atentado à liberdade e à real diversidade numerado PL 122; mais nada. E veremo, ora se veremos, tais casos se multiplicando nos noticiários: exigem rendição total. A necessidade que narcisistas têm de controlar os demais é impressionante. É narcisismo patológico aliado à psicopatia. A qual, diga-se de passagem, pretendem tornar “normal”. Talvez por ser tão cultivada e admirada…
    Essa “Nova Ordem Mundial” não passa de um retorno à ordem anterior, que nos legou uma “bela” História.

  • Michela Rejane Cruz

    -

    9/12/2010 às 4:55 pm

    O Brasil não é homofóbico;
    O Brasil tem uma cultura complacente e tolerante com todo estilo de vida.Somos um país livre e democrático.
    Querer legislar em cima de factóides isolados é casuísmo demagógico.
    Sou contra a PL122 por que considero inócua ao que se propõe e perigosa porque pode suscitar situações que não existem atualmente. Exemplo: conheço homossexuais que tbalham normalmente no serviço público federal e não são descriminados pelos colegas, participando de todas as atividades sociais, até mesmo na organização dos eventos. Agora com tal advento, quem pode assegurar que os colegas não passarão a ter dedos no trato com eles, ou mesmo eles, poderão se achar detentores de privilégios?
    Poderão surgir atritos numa relação pautada até o momento pela amizade e confiança.
    Temo que o governo , para ter prestigio, se deixe seduzir por determinados grupos representativos e acabe criando lei para tudo. Aí teremos lei para homossexuais, lei para o negros, lei para os brancos( que se sentirão preteridoe e sairão em defesa de si), lei para heteros ( o mesmo motivo), de defesa da família, de defesa da escola, e etc…
    Não precisamos de leis especiais, precisamos enfatizar o respeito pelas pessoas e por suas escolhas. Educar nossas crianças e adolescentes a serem cidadãos conscientes do outro com suas diferenças, contudo convivendo em respeito.
    Pois assim como eu respeito, também quero ser respeitado no que não aceito. Eu não ofendo a dignidade de ninguém, e também não sou ofendida em minha dignidade e escolhas.
    O problema é que este governo está abrindo precedentes perigosos e quetrarão futuramente conflitos desnecessários.
    Será que não é isto que qyuere? dividir para governar?
    Governo incompetente.

  • Eduardo Fernandes

    -

    9/12/2010 às 4:51 pm

    Se fosse uma lei que banisse o racismo – que felizmente já há – estava todo mundo calado, porque xingar negro não pode. Mas xingar homossexuais pode? Se uma igreja viesse dizer “Sou contra a existência de negros e eles devem ser tratados e transformados em brancos” então nas suas palavras eles estão exercendo seus direitos constitucionais não estou certo? Afinal, uma minoria não pode ser protegida contra palavras. Ai que esta, palavras incitam a violência, por isso que o direito de xingar e dizer que negro, homossexual ou mulher são inferiores deve ser coibido, a violência contra homossexuais vem dessas palavras, e como cidadãos tem o direito de ser protegidos. Assim como os negros tiveram a decadas atrás. A democracia é linda, mas a liberdade de um, acaba na liberdade do outro. Entendo que você pessoalmente não seja homofobico, nunca iria incitar ou ser violento contra um homossexual, mas MUITOS devido as palavras vindas de outros são violentos. Acho estranho um jornalista não ver a força que palavras tem. Concordo em vários pontos com seu texto, discordo de vários outros. Concordo que a PLC possui graves problemas e precisa ser refeita, mas discordo que seja um direito de outros profetizarem que gays irão para o inferno e devem ser tratados como escória da humanidade, uma lei contra a homofobia é necessária.

  • brutus

    -

    9/12/2010 às 4:44 pm

    vou lembrá-los que eleger “tiriricas” para o CN serve apenas para endossar ideias abomináveis como esta de criminalizar a tal homofobia.
    Teria sido melhor votar noutro animal para isso, como fizeram os paulistas na decada de 1950 quando elegeram cacareco, um rinoceronte, como o vereador mais votado da cidade na época com 100.000 votos.
    ehehehe
    so pra descontrair…

  • HeHe

    -

    9/12/2010 às 4:38 pm

    LUSITANO MANQUITOLA
    -09/12/2010 às 8:25

    “É NORMAL OU ANORMAL Á NATUREZA HUMANA UM HOMEM COLOCAR O PÊNIS NO ÂNUS DE OUTRO HOMEM ?
    É NORMAL OU ANORMAL Á NATUREZA HUMANA UM HOMEM COLOCAR O PÊNIS NA VAGINA DE UMA MULHER ?
    SIMPLES ASSIM !
    NÃO HA COMO TERGIVERSAR COM O CORPO QUE DEUS FEZ…O HOMERM PARA MULHER E MULHER PARA O HOMEM !!”

    É normal ou anormal à natureza humana um homem colocar o pênis no ânus de uma mulher ?

    Hehe…eu “gostio”

  • José Carlos Colodette

    -

    9/12/2010 às 4:24 pm

    O PL 122 pretende combater a intolerância com… intolerância. É, eles não querem tolerar quem não tem tolerância com os gays. Ah!, quer dizer que há uma intelerância que deve ser mais tolerada do outra – chiiiiiii, pirei. Deixa pra lá!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados