Blogs e Colunistas

23/08/2011

às 5:45

MST repete invasão de fazenda da Cutrale; faz sentido, né? Ficaram impunes antes, sabem que ficarão impunes agora!

Por José Maria Tomazela, no Estadão:
Cerca de 400 integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) voltaram a invadir ontem a Fazenda Santo Henrique, da empresa Cutrale, no município de Borebi, a 290 km de São Paulo, na região de Bauru. Apanhadores de laranja foram impedidos de entrar para a colheita. Advogados da Cutrale registraram a invasão na delegacia de polícia e pretendiam entrar ainda ontem com pedido de reintegração de posse no Fórum de Lençóis Paulista.

A ocupação faz parte da jornada nacional de lutas do movimento e reivindica a utilização da área de 2,6 mil hectares para assentamento. A fazenda é a mesma ocupada pelo MST em outubro de 2009. Na época, imagens gravadas pela Polícia Militar flagraram os sem-terra destruindo 12 mil pés de laranja com o uso de tratores.

Para a nova invasão, ontem, o movimento reforçou o contingente de acampados da região com pessoal recrutado no Pontal do Paranapanema, extremo oeste do Estado.

Um comboio de carros e ônibus parou na frente do portão de entrada da fazenda às 6 horas. Vigias e funcionários da portaria não conseguiram impedir que os sem-terra forçassem a abertura do portão para a passagem dos veículos.

Bandeiras do MST foram hasteadas no pátio transformado em acampamento.

Desta vez, os militantes não ocuparam as casas dos funcionários internos, que trabalharam normalmente. Os trabalhadores que chegaram para fazer a colheita da laranja, no entanto, foram barrados. Viaturas da Polícia Militar foram até o local, mas os policiais se mantiveram ao lado da portaria, aguardando uma possível decisão da Justiça. O MST alega que as terras são públicas. Um processo movido pela União visando à retomada da gleba tramita desde 2006 na Justiça Federal de Ourinhos.

Sem punição. Em 2009, as imagens de integrantes do MST derrubando o laranjal causaram a revolta de políticos e ruralistas, levando à abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso.

Além do pomar, os invasores depredaram máquinas, tratores e casas da fazenda. O prejuízo passou de R$ 1 milhão.

Uma operação da Polícia Civil prendeu nove integrantes acusados de liderar a invasão. Entre os presos estavam o ex-prefeito de Iaras, Edilson Granjeiro Xavier (PT), a vereadora Rosimeire Pan D”Arco de Almeida Serpa (PT) e o marido dela, Miguel da Luz Serpa, coordenador do MST na região. Além de mandar soltar os acusados, a Justiça anulou todo o inquérito que apurava os danos na propriedade. Até hoje ninguém foi punido.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

31 Comentários

  1. Anónimo

    -

    07/06/2013 às 12:48

    pra min o mst não vale nada são um bando de delinquentes que so faz acabar com as fazendas. pois onde eles passam o rasto da destruição é total.esse povo com certeza é um povo amaldiçoado. punição pra esses vagabundos

  2. sabe...

    -

    18/05/2013 às 15:12

    É incrível como palavras podem mudar completamente o sentido de um ato, e como a burguesia é trada hoje em dia…

  3. Anhangüera®

    -

    23/08/2011 às 19:24

    Quer saber?
    Prá mim, isso é uma tentativa de estopim para uma guerra civil.
    Se a Constituição permite que haja propriedade e que a defesa da propriedade seja um direito, os proprietários podem (e devem) defendê-la.
    Se v. tivesse arma e bandidos invadissem tua casa e colocassem tua família em risco, alguém podereia questionar teu direito de atirar?
    Mas se morrerem invasores, os vermelhinos vão aparecer cheios de dedos, falando em direitos humanos…

    Quem não respeita direitos, perde o direito a que seus direitos sejam respeitados. (Opa, essa frase até que soou bonitinha…)

  4. vinicius

    -

    23/08/2011 às 18:16

    Aqui na região de sapucaia PA, hoje mesmo, eles voltaram a fechar a rodovia e queimaram uma parte da fazenda Rio Vermelho onde estão acampados e invadiram outras 3 que ja tinha reintegração de posse dada pelo governo.
    Ja passo da hora de dar um basta no mst.

  5. Jocézio Brito de Souza

    -

    23/08/2011 às 16:28

    Ao GamoR1
    -23/08/2011
    Fui informado pelo Incra em MT, que os representantes dos acampamentos entregam a lista dos beneficiários da cêsta básica à Autarquia, que depois a envia para Brasília. Afinal, para todo o destino de recursos públicos tem que haver a ciência do seu beneficiário. Quando me referí à responsabilização pela cumplicidade dos “ENTES”, visava entre outros o próprio Incra e não o Banco do Brasil.

  6. Fernando

    -

    23/08/2011 às 16:00

    Não entendo a insistência em chamar a nossa de Justiça….

  7. Se-Gyn

    -

    23/08/2011 às 15:00

    UM RAPPER NA INVASÃO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA…

    Tá ficando difícil – muito difícil: parece que o MST errou de porta e invadiu o Ministério da Fazenda, em vez do Ministério da Agricultura ou algo assim.

    Ou talvez o caso não seja de engano e o negócio deles sejam verdinhas e, não sementes, não é?

    Só não entendi o que um Rapper está fazendo no meio daquela gente que gosta de plantar e colher…

    Aqui:

    http://noticias.uol.com.br/album/110823MSTminFaz_album.jhtm?abrefoto=3#fotoNav=4

    E agora, hein, presidente? Resolveram testar sua autoridade.

    E agora?

    Uma sugestão: persecução penal, com pena alternativa aplicada: condenar todos os presentes a fazer o que dizem que querem fazer: arrotear terra, arar, plantar, cultivar e… SE SUSTENTAR DISSO – rapper incluído!

  8. GamoR1

    -

    23/08/2011 às 12:52

    Ao “Jocézio Brito de Souza
    - 23/08/2011 às 10:38″
    O problema caro Jocézio é que infelizmente não é o Incra que dá cestas diretamente aos acampados, e muito menos o Banco do Brasil referente a verbas dirigidas a entidade. Quem recebe são dois ou três representantes que repassam conforme seus interesses.Então em cada acampamento tem esses representantes e ninguém sabe quem esta de fato acampado por lá. É incrível a movimentação desse pessoal.
    Penso que perdemos essa batalha! Quem viu sabe disso, as Guerrilhas do Ribeira e do Pará, são “café pequeno” perto da organização do MST, tanto em logística como estratégia.

  9. GamoR1

    -

    23/08/2011 às 12:43

    Trabalhar na colheita da laranja ninguém quer? Essa turma faz GUERRILHA! Esse pessoal vive de invasão. O dia que o Brasil acordar vai descobrir o tamanho desse buraco! Há inumeros acampamentos do MST espalhados pelo Brasil afora em pontos estratégicos esperando a ordem para invasão de propriedades.
    Somente em minha cidade tem três desses acampamentos. Quando passamos pelos locais, o que de certa forma é até perigoso, pela quantidade de crianças espalhadas, valetas e lombadas improvisadas. E alguns barbudos que ficam zanzando por alí, quando não jogando truco.
    A que ponto chegamos?

  10. gaúcha indignada

    -

    23/08/2011 às 12:25

    Enquanto permanecer a impunidade dos MARGINAIS do MST, a “coisa” vai funcionar assim. Até quando a sociedade civil suportará??????????

  11. Cagliostro

    -

    23/08/2011 às 11:43

    O direito de propriedade está claramente definido na Constituição. Os juizes não necessitam nem pensar para tomar decisões, por vezes tardias, o que resulta em prejuizo às vítimas. Trata-se de um bando de agitadores, dirigidos por uma quadrilha, acompanhados por espertalhões e uma minoria de infelizes. Situação que há décadas desafia a justiça tímida e intimidada. E só visam aquilo que já está trabalhado, produzindo, para se valer do trabalho alheio. 90% nunca manejou uma enxada.

  12. BRASILEIRO DE LUTO

    -

    23/08/2011 às 11:36

    Recorro ao velhor Rui, comos empre.
    -
    -
    “Medo, venalidade, paixão partidária, respeito pessoal, subserviência, espírito conservador, interpretação restritiva, razão de estado, interesse supremo, como quer te chames, prevaricação judiciária, não escaparás ao ferrete de Pilatos! O bom ladrão salvou-se. Mas não há salvação para o juiz covarde.” Rui Barbosa
    -
    -
    O QUE FAZ A TURMA DA JUSTIÇA EM RELAÇÃO A ESSE BANDO?????????
    -
    -
    OPA!!!!! Creio que a Dilma perdeu uma grande oprotunidade de ficar bem com os agricultores: NOMEAR O STABLE MINISTRO, só naços ei se ele aceitaria, mas tem o Rainha, e outros…
    -

    NO QUED EU A INVASÃO DO ANO PASSADO, quem apgou o prejuízo, quem foi e está preso????

    -
    A VERGON AH ESTÁ AN INCOMPETÊNCIA DA JSUTIÇA, e alegar que não há lei, piora a desculpa, pois que proponham…se preciso, que se alteree a constituição, se bem, que nem seria necessário, quando querem não a respeitam.
    -
    -
    NAS GREVBES, PASSEATAS, INVCAÕES, EM QUALQUER BADERNA, AHVENDO PREJUÍZO, LESO A INTEGRIDADE DE ALGUM CIDADÃO, CADEIA NOS DIRIGENTES DO ÓRGÃO ORGANIZADOR, OU NOSM AMNDNATES, NOS ROGANIZADORES, NOs CASOS SEM UM ÓRGÃO LEGALEMNTE OU NãoO CONsTITUIDO.
    -
    -
    -
    NÃO ACABAM PORQUE NAÕ QUEREM…

  13. REBELDE

    -

    23/08/2011 às 11:32

    O MST já merece um acréscimo à sua infame sigla: deveria se chamar agora MSTSV (Movimento dos Sem Terra e Sem Vergonha)!!!

  14. Marcos Ficarelli

    -

    23/08/2011 às 10:48

    MST! Avante, que Justiça garante!
    Comecem pelas coberturas em SBC.

  15. capitão

    -

    23/08/2011 às 10:45

    O MST NÃO EXISTE!!!!!

    Um bando de arruaceiros invadiu a fazenda da Cutrale. Eles decidiram que a fazenda não é propriedade da empresa e que pertence à União. E como pertence à União é casa da Mãe Joana. Quem chegar primeiro leva. Ora, mas a Cutrale já não teria levado?
    Ademais, à União compete discutir a posse ou propriedade, e não um bando de desocupados.

  16. Jocézio Brito de Souza

    -

    23/08/2011 às 10:38

    Reinaldo, como todos os acampamentos recebem CÊSTAS BÁSICAS do INCRA, é só os proprietários vêrem a origem dos invasores e pedirem a esta autarquia a identificaçâo dos componentes dêstes acampamentos (direito assegurado pela Constituição Federal de 88, artigo quinto, inciso trinta e três), pois estando todos os componentes lá presentes na invasão ou não, serão todos criminalizados como co-responsáveis, respondendo solidariamente por se tratar de uma assossiação de fato. Tirando assim de circulação imediatamente toda essa corja que solampam nosso Tesouro fingindo-se de “coitadinhos”, e abrindo espaço para que as verdadeiras vítimas possam mover ações na Justiça buscando IDENIZAÇÕES dos ENTES que foram cúmplices do crime.

  17. Se-Gyn

    -

    23/08/2011 às 10:10

    O pessoal da Cutrale já sabe o que vai suceder à sua unidade produtiva: invasões e depredação generalizada por anos a fio, até que ela não sirva mais para produzir e, por cassaço, eles resolvam entregá-la para fins de “reforma agrária”.

    Muitos dos produtores rurais que passaram por tal experiência deixaram o campo e a atividade pecuária, traumatizados com a agressividade e selvageria dessa gente…

    Invadem a terra, destroem a casa, a estrutura de produção e o maquinário agrícola, espantam o gado para o mato (para simular “terra improdutiva”), destroem as plantações feitas com sementes e tecnologias de última geração e simulam o plantio (e o atavismo correspondente) do plantio de feijão e mandioca e, aí, vão matando uma rês por dia, para garantir a farra do “forró consciente”…

  18. Zirongo

    -

    23/08/2011 às 9:56

    Cambada! Isso é de revoltar qualquer pessoa minimamente decente. É o triunfo do mal em todas as instâncias. E o estarrecedor é que não adianta chamar a polícia em invasões desse tipo. O sistema beneficia os bandidos. É bandidagem por todo lado e cada vez mais.

  19. esther correa

    -

    23/08/2011 às 9:49

    Tio
    Trata-se de uma cambada de arruaceiros, terroristas, assassinos, sustentados pelo Estado.

  20. Paulo

    -

    23/08/2011 às 9:49

    O que falta para fazendeiros contratarem segurança armada afim de impedir tais atos? Se na minha casa ninguém entra sem autorização, na minha fazenda também não!!

  21. SHIRU

    -

    23/08/2011 às 9:46

    Acorda, Brasil!!… não adianta, este país tem um sono muito pesado…

  22. Jotaga

    -

    23/08/2011 às 9:30

    Na minha terra isto antigamente dava cadeia. Invadir propriedade privada e produtiva, é cadeia mesmo. Agora, na terra dos petr$lhas, é farra com direito a churrasco e festa. Continuamos no paiz da impunidade.

  23. Rods

    -

    23/08/2011 às 9:30

    REI.
    UMA VERGONHA COONESTADA PELO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO.
    LOGO, LÁ TAMBÉM HOUVE APARELHAMENTO PELA ESQUERDA DE GRAVATA.
    Rods

  24. Antonio Manoel Firmina Cassaca

    -

    23/08/2011 às 9:28

    Pelo o que andei lendo chego a conclusão que esta causa está perdida! Ao vasculharem o passado destas terras o Incra está conseguindo respaldo para tirar esta propriedade da Cutrale. Façam uma analise do tanto que Estas terras produzem hoje e o tanto de empregos e riquezas que geram e se o Incra ganhar a causa o que se produzirá nestas terras. Será a nossa Raposa Serra do Sol, com certeza a maior parte dos que conseguirem as terras as venderão mesmo sendo ilegal tal prática. O Brasil é um dos poucos países onde gerar desenvolvimento social e riquezas é crime, temos de mudar esta realidade!

  25. Bene

    -

    23/08/2011 às 9:22

    É isto ai Reinaldo, impune uma vez, outra vez impune! Isto tudo com a conivência do atual governo e do ex-presidente passado. Deveriam prender estes marginais da militância, que não são nem de longes agricultores, são na verdade invasores. A rima é boa, mas os atos destas pessoas são degradantes. A presidente conversou outro dia com as mulheres trabalhadoras do campo ou do MST disfarçado. O cidadão do campo é gente trabalhadora e respeitadora do meio ambiente e dos patrimônios dos outros. Os que invadem são deturpadores, são criminosos especialistas em destruírem entupirem esgotos e em fundirem tratores, abrindo a tampa do óleo do motor e jogando areia dentro e ligando o trator até fundir. Fora a destruição dos pés de laranja que demoram 5 anos para começar a produzir.
    Sou formado na agricultura, conheço bem está situação. Eles são na verdade uma quadrilha organizada, pronta para entrarem em ação, acobertada pela impunidade!
    Depois de a posição dar apoio a ditador e a terrorista, lógico que eles vão apoiar invasão!…

  26. di Carvalho - Minas/ Sul

    -

    23/08/2011 às 9:11

    EXISTEM ALGEMAS, NO BOM SENTIDO, PARA ESSE BADERNEIROS, REINALDO?
    HAJA CLIC`S PARA FOTOS?

  27. MINEIRIN INVOCADIN

    -

    23/08/2011 às 8:47

    Reinaldo,passou da hora de vermos um “juiz” parcial,quiçá venal, como o tipinho que liberou os facínoras do mst na cadeia junto com os pilantras!

  28. neo-liberal otimista

    -

    23/08/2011 às 8:29

    A Justiça Estadual de São Paulo anulou o inquérito porque os promotores de justiça (Minsitério Público Estadual) estranhamente fizeram um monte de, desculpem-me o termo, cagadas processuais, que geraram as nulidades ! O Conselho Nacional do Ministério Público deveria investigar a atuação desses promotores, e o porquê da prática de atos eivados de nulidade, que garantiram a IMPUNIDADE desses DELINQUENTES, travestidos de “sem-terra” !

  29. Robmac

    -

    23/08/2011 às 8:03

    Não é por outra razão que me deliciei com a cara de tacho do Fuchs ao lado do João Paulo Cunha.
    Que delícia…
    Vá trabalhar seu juiz. Limpe a sua pauta e meta esses crápulas na cadeia…

  30. P Faustini

    -

    23/08/2011 às 7:46

    A verdadeira tragedia que assola o Brasil é a justiça.

  31. Marcondes

    -

    23/08/2011 às 6:16

    Mais uma a mando do PT e Lula para desviar o foco das maracutaias no governo federal.
    Assim como foi feito a Mafia dos Sanguessugas para desviar o foco do Mensalão.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados