Blog Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

sobre

Reinaldo Azevedo, jornalista, escreve este blog desde 2006. É autor dos livros “Contra o Consenso” (Barracuda), “O País dos Petralhas I e II”, “Máximas de Um País Mínimo — os três pela Editora Record — e “Objeções de um Rottweiler Amoroso” (Três Estrelas).

“E os milhões mortos pela Santa Inquisição?”, perguntam. E eu respondo.

Por: Reinaldo Azevedo

Escrevi em alguns posts que os valores essenciais do cristianismo certamente conduzem um juiz a um bom caminho — isso se o crucifixo estivesse em alguns tribunais por isso. Mas a razão, como já expliquei, é outra. Sempre que se fala do cristianismo, conjugam-se as mais variadas correntes de difamação da religião, especialmente do catolicismo, que se foram formando ao longo da história. A mais recente — historicamente falando — e mais poderosa, claro, é o marxismo. Atrocidades foram cometidas por autoridades eclesiásticas em quase dois mil anos de história? Foram, sim! E a própria Igreja se debruçou sobre isso.

Uma das técnicas da militância política, que deveria causar repúdio aos historiadores, é distorcer os fatos para vender uma ideologia. Infelizmente, no Brasil e em boa parte do mundo, quando o tema é religião, a irracionalidade predomina… em nome da razão! Nos colégios, nos cursinhos, nas universidades, professores se referem aos “milhões de mortos da Inquisição”, por exemplo, para tentar criticar não aquela Igreja do passado, mas a do presente. Parece que não há diferença entre as práticas do século 17 e as do século 21!!! Imaginem se todas as barbaridades que os cientistas já cometeram, na comparação com o que sabemos hoje, fossem usadas para considerar a ciência, então, um discurso brutalizante. “Religião não é ciência”, gritará alguém. De fato, a crença não é um objeto que possa ser dissecado à luz das leis da natureza. Mas existem uma ciência teológica e uma ciência moral que remetem ao conjunto de experiências e conhecimentos acumulados no terreno da fé. Adiante.

Ao longo do tempo, por bons e maus motivos, a Igreja foi uma inimiga poderosa de poderosos. Misturou-se e não se distinguiu da política durante um largo período. E foi, nem poderia ser diferente, alvo de difamações. Uma delas diz respeito justamente aos tais “milhões” de mortos da Inquisição. Uma leitora, Tereza Cristina, manda o comentário que segue. Ao responder a ela, respondo a dezenas, talvez centenas de outros comentários de igual teor. Leiam.

Reinaldo, você pode até discordar da Liga Brasileira de Lésbicas é um direito seu. Mas negar parte da história do Cristianismo no seu discurso é inaceitável. As acusações feitas a Liga hoje por você já foram práticas do Cristianismo. Não vamos esquecer da SANTA INQUISIÇÃO: momento que sabemos muitos morreram, foram torturados, sofreram perseguição religiosa e que a proteção da vida não foi lembrada. Seria bom também, se tivéssemos como voltar no tempo e perguntar aos africanos que vieram para o Brasil sobre PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA.Só para lembrar: A Inquisição foi um espécie de Tribunal religioso criado na Idade Média para condenar TODOS que eram contra os dogmas pregados pela Igreja Católica.Mandou para a fogueira milhares de pessoas como você mesmo falou ” crime simplesmente por não concordar com eles. De que mesmo a Liga está sendo acusada???? Contra fatos não há argumentos.

Comento
Em primeiro lugar, não acusei a “Liga Brasileira de Lésbicas” de coisa nenhuma — só de intolerância. Quanto à Santa Inquisição, republico um texto do site católico
Veritatis Splendor – Memória e Ortodoxia Cristãs, que põe as coisas nos seus devidos lugares, com as necessárias referências bibliográficas.

Quem ainda estiver disposto a aprender alguma coisa vai se surpreender com o texto. Quem já sabe ficará satisfeito com a divulgação dos fatos — ou vai se zangar porque a mentira lhe é útil. E há sempre aquele que não vai querer aprender nada: “Ah, o Reinaldo está dizendo que a Inquisição foi bolinho”. Atenção! A fase do Terror, da Revolução Francesa, matou, em um ano, milhares de pessoas — os números variam de 16 mil a 40 mil. Muitas vezes mais do que a Inquisição em quatro séculos! Fidel Castro fuzilou, sozinho, muito mais do que o Santo Ofício ao longo da história: 17 mil pessoas. Se considerarmos, então, os mais de 80 mil que morreram afogados tentando fugir da ilha… Mao Tse-Tung matou 70 milhões; Stálin, 25 milhões; Hitler, 6 milhões…

Não, senhores! Eu não estou negando que a Igreja tenha praticado brutalidades. Como vocês verão abaixo, no entanto, ela podia ser muito mais branda que os tribunais civis. Mas isso é o de menos. Invariavelmente, os que querem mandar a Igreja, mesmo a de hoje, para o banco dos réus costumam mandar para o trono Robespierre, Fidel, Mao, Stálin…

Leiam o artigo, reflitam, pesquisem.
*
A Inquisição exterminou 30 milhões de pessoas?
Para muitos estes supostos dados de “milhões de mortes” são as provas claras e literais do obscurantismo e corrupção da Igreja católica durante a “Idade das Trevas” podemos então afirmar a veracidade destes números que pressupõem que um verdadeiro “holocausto” foi promovido por parte do clero da Igreja Católica?

É comum vermos na literatura secular, em filmes e documentários, pior nas escolas do ensino fundamental e médio e até em faculdades e universidades, a afirmativa de que a Igreja “torturou e matou milhares”, alguns dizem milhões de pessoas aniquiladas pela Inquisição. Há também diversos ambientes acadêmicos no Brasil em que é nítido tal interpretação, são muitos autores e professores universitários a partilhar dessas objeções.

É inegável a atuação da Inquisição assim como os julgamentos, qualquer contraposição é uma aberração um erro grotesco de história, a crítica veiculada neste texto é dirigida aos números de mortes e incidentes referentes aos cerca de 386 anos de atuação, deste tribunal eclesiástico.

Muitos podem até dizer que números não importam, contudo ela “matou e torturou”, a questão é que nesta situação os números representam o maior pretexto e fonte de contradições a temática, pois tendem a alimentar e propagar a ideia de uma tragédia histórica, sem controle, um crime, um perverso e criminoso ato, vindo da Igreja contra a humanidade. Não levando em conta os fatores, o contexto e as posições religiosas da época estaria correto colaborar com estas argumentações e afirmações? Teria sido uma ferramenta de perseguição e extermínio de quem ousava pensar diferente? ou trata-se de posições subjetivas oriundas do homem contemporâneo?

Vale salientar que estas sociedades eram claramente ligadas ao bem e ‘alegria social’ (Pernoud, 1997) e da religião “em função da fé cristã” (Daniel Rops, Vol. III. p. 43), tinham como ferramentas de prevenção, a condenação de grupo ou individuo, para evitar a contaminação de confusões e divisões que ruíam ‘todo o sistema e ordem social da época’ (Gonzaga, 1994) além de evitar a propagação de heresias e divisões entre os fieis na Cristandade, assim os códigos penais abraçavam e previam comumente a tortura e a morte do réu. E o povo entendia que estes eram os princípios jurídicos e inquisidores (cf. Mt 18,6-7) que evitavam a expansão de cismas e heresias.

Mas seriam verdadeiros estes indicies sobre a Inquisição? Ou é maquinação vinda dos inimigos da religião que tiram proveito não só da Inquisição ou das Cruzadas, centram-se também nos erros e faltas morais de alguns filhos da Igreja para fazê-los de “cavalo de batalha na sua guerra contra a religião e para perpetuamente as estarem lançando em rosto à Igreja.” como disse o historiador e Pe. W. Devivier, S.J.  Fato que “é da natureza da Igreja provocar ira e ataque do mundo” segundo Hilaire Belloc.

A principal finalidade do artigo não é amenizar os efeitos da Instituição ou fazê-la mais branda, mas trazer a tona os fatos e verdadeiros números da referida instituição, cujos estudiosos sérios testemunham para que possamos construir uma justa interpretação do tema, sem nos veicularmos a nenhuma propaganda anticatólica.

Vamos tomar como referência as Atas do grande Simpósio Internacional sobre a Inquisição, em que 30 grandes historiadores participaram vindos de diversas confissões religiosas, para tratar historicamente da Inquisição, proposta motivada pela Igreja. O Papa João Paulo II afirmou certa vez: “Na opinião do publico, a imagem da Inquisição representa praticamente o símbolo do escândalo”. E perguntou “Até que ponto essa imagem é fiel à realidade”.

O encontro realizou-se entre os dias 29 e 31 de Outubro de 1998. Com total abertura dos arquivos da Congregação do Santo Oficio e da Congregação do Índice. As Atas deste Simpósio, foram anos depois reunidas e apresentadas ao público, sob forma de livro contendo 783 paginas, intitulado originalmente de “L’Inquisione” pelo historiador Agostinho Borromeo, professor da Universidade de La Sapienza de Roma. O mesmo historiador lembrou “Para historiadores, porem, os números têm significado” (Folha de S. Paulo, 16 junho 2004).

As atas documentais do Simpósio, já foram utilizadas em vários obras de historiadores, e continuam a ser, tais documentos são resultados de uma profunda pesquisa sobre os dados de processos inquisitoriais: as seguintes afirmações foram declaradas pelo historiador Agostinho Borromeo.

Sobre a “famigerada e terrível” Inquisição Espanhola:
“A Inquisição na Espanha celebrou, entre 1540 e 1700, 44.674 juízos. Os acusados condenados à morte foram apenas 1,8% (804) e, destes, 1,7% (13) foram condenados em “contumácia”, ou seja, pessoas de paradeiro desconhecido ou mortos que em seu lugar se queimavam ou enforcavam bonecos.”

Sobre as famosas “caças às bruxas”.
“Dos 125.000 processos de sua historia [tribunais eclesiásticos], a Inquisição espanhola condenou a morte 59 “bruxas”. Na Itália. 36 e em Portugal 4.”

E a propaganda de que “foram milhões”.

Constatou-se que os tribunais religiosos eram mais brandos do que os tribunais civis, tiveram poucas participações nestes casos, o que não aconteceu com os tribunais civis que mataram milhares de pessoas.

Sentenças de um famoso inquisidor:
“Em 930 sentenças que o Inquisidor Bernardo Guy pronunciou em 15 anos, houve 139 absolvições, 132 penitências canônicas, 152 obrigações de peregrinações, 307 prisões e 42 “entregas ao braço secular” ([citado em] AQUINO, Felipe. Para entender a Inquisição. 1 ed. Cleofas. Lorena. 2009, p. 23).

O Simpósio conclui que as penas de morte e os processos em que se usava-se tortura, representam números pouco expressivos, ao contrario do se imaginava e foi propagado. Os dados são uma verdadeira demolição e extirpação de muitas ideias falsas e fantasiosas sobre a Inquisição.

“Hoje em dia, os historiadores já não utilizam o tema da inquisição como instrumento para defender ou atacar a Igreja. Diferentemente do que antes sucedia, o debate se encaminhou para o ambiente histórico com estatísticas sérias” (Historiador Agostinho Borromeo, presidente do Instituto Italiano de Estudos Ibéricos: AS, 1998).

Bom que tudo isto tem mudado é sinal de esperança, tomara que haja uma nova reconstrução “hermenêutica”, sendo esta necessidade histórica. Que com uma justa crítica acurada, superem-se as ambiguidades historiográficas.

Pena que as correntes históricas penduram-se e os teóricos antigos, dizem eles os “conceituados” continuam a ser as referencias “fidelíssimas”, assim na prática pedagógica e histórica; seja superior (acadêmica) ou (média e fundamental) ensinos públicos, continua à ritualista tradição a-histórica, não transparente sobre os acontecimentos e de tom feiticista e alienado, incluindo dentre destes, muitos estudiosos, professores, e jornalistas brasileiros e do resto do mundo. “Há milhões de pessoas que odeiam o que erroneamente supõe o que seja a Igreja Católica” (Bispo americano, John Fulton Sheen).

Referencias:

AQUINO, Felipe. Para entender a Inquisição. 1º ed. Cleofas. Lorena. 2009.

DEVEVIER, W. A Historia da Inquisição, curso de apologética cristã. Melhoramentos, São Paulo, 1925.

L’INQUISIONI. Atas do Simpósio sobre a Inquisição, 1998.

PERNOUD, Régine. A Idade Média: Que não nos ensinaram. Ed. Agir, SP, 1964.

ROPS. Henri-Daniel. A Igreja das Catedrais e das Cruzadas. Vol. III. Ed. Quadrante, São Paulo. 1993

Voltar para a home
TAGs:

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

233 comentários
  1. Tiago

    Parabéns Reinaldo, até que enfim alguém teve coragenm de publicar algo que vai contra um falso senso comum da maioria. Quem leu e entendeu, percebeu que não se trata de dizer que a morte ou perseguição de uma parcela muito menor que aquela que se imaginava não é ruim ou menos importante. Mas de trazer os fatos para que bem embasados se possa refletir e se posicionar de acordo com a realidade dos acontecimentos, sem exageros, mitos e lendas. Já li alguns autores sérios e posso dizer tranquilamente, assino embaixo ao que foi publicado aqui.

  2. cinho

    Qual é o valor de uma vida humana? É incalculável!Daí vem os santificadores da inquisição e dizem, veja! não foram 1000 pessoas queimadas, foram apenas 100. Se a solução para implantarmos o ideal modo de vida romana for matar todo o diferente, então nós esteremos mortos, realmente estaremos todos mortos, porque todos somos diferentes.

  3. Diogo

    A crítica a respeito do exagero numérico é válida. Afinal, não há formas de se confirmar um número exato de mortes, sem estimativas. Agora vamos fazer um exercício de imaginação.
    Imagine que eu o convide para fazer parte de um grupo. Para participar, deve-se seguir um conjunto de regras. Algumas já fazem parte do senso comum e são aceitáveis, mas nada que uma pessoa com um pouco de empatia e pensamento crítico não consiga pensar. Há, entretanto, uma informação adicional que é importante: no passado, algumas pessoas foram perseguidas e mortas por esse grupo (não importa quantas); no presente, ocasionalmente, há líderes (ou participantes) desse grupo que cometem deslizes contraditórios com os ideais do grupo, mas eles não são maioria.
    De maneira geral, os participantes são pessoas “boas”. Mas esse grupo não é único: existem (pelo menos) centenas deles. Com uma pequena alteração ali, ou outra aqui, mas que se comportam da mesma forma. Muitos deles oferecem a mesma coisa, inclusive.
    E aí, topa? Se sim, por quê? Afinal, há muitas possibilidades de escolha. Não use a desculpa de que foi por tradição (pense a respeito). Devo avisá-lo, porém, que, dependendo da opção, você pode ser perseguido, ou perseguir. E se não fizer opção, o mesmo pode acontecer. Ainda tem interesse em algum?

    Esse exercício de imaginação pode parecer inútil, ou incompleto, mas é suficiente para pensar sobre as escolhas que “tomamos”. Entenda que você e seu grupo não são o centro do Universo. Questionar enriquece o discurso. Qual motivo você tem para ficar de um lado, e não do outro? Por vezes a suspensão do juízo (suspensão não é ausência de debate sobre o assunto) pode ser a melhor opção. Leia a matéria acima com cuidado, procure as fontes citadas. Procure, também, posições antagônicas. Contraponha as duas. Discuta, decida. Até para decidir que não temos opinião, devemos pensar.

    Desculpem pelas divagações! Uma boa tarde!

  4. Guess

    ReinaldoXXXXXXX na cascuda!

  5. luis

    Allan, os dados encontrados nos arquivos do Vaticano são da Idade Média, época em que a Igreja era a base principal da sociedade.Eles não tinham ideia de que no futuro a Igreja sairia de seu posto e seria criticada por causa da inquisição, logo não teria porque mentir.Contudo, Fidel sabia que iria receber críticas de outros países pelas execuções e por isso tem motivos para esconder os números.Na verdade se não fosse a Inquisição teriam matado mais pessoas, pois o povo desejava isso.

  6. Allan

    Reinaldo você confiaria em um relatório das mortes do período da revolução cubana que tem como base os documentos oficiais do governo Castro? A lógica é a mesma aqui, não interessa o quilate dos historiadores, eles emitiram um relatório com base nas informações que receberam e é evidente o conflito de interesses portanto ele é viciado.

  7. Leonardo Leonel Pio

    Deus é amor e quem não tem amor não estar com Ele. Não acredito e nem confio em nenhuma religião que não tenha como fundamento o amor.

  8. Vinicius

    ReinaldoXXXXXXXXX na cascuda!

  9. Alexandre

    Os milhares (ou milhões?) de cristãos mortos pelos romanos?…não, não interessa. Os milhares (ou milhões?) de pessoas brutalmente torturadas e mortas pela inquisição PROTESTANTE de Lutero, Calvino e seus seguidores, feita na Inglaterra, Alemanha, Suiça, Dinamarca, paises do norte da Europa e Estados Unidos nos seus anos primordiais. Não…ninguém fala nada. O objetivo é meramente político de esquerda. O objetivo é apenas atacar a fé católica.

  10. Ricardo

    No futuro aparecerá quem vai dizer que o Lula foi um homem inocente, que não roubou o país e foi condenado pelo povo. Um verdadeiro Jesus Cristo. Por que razão se deveria acreditar nos números publicados pelo próprio catolicismo? Certamente, não devemos acreditar em números sem fonte, mas o testemunho que alguém faz de si mesmo não é válido.

  11. Renato

    É MELHOR LER O LIVRO: GUSTAVO BARROSO HISTÓRIA SECRETA DO BRASIL QUE VCS IRÃO DESCOBRIR PORQUE ESSES ATAQUES A IGREJA NOS LIVROS DO MEC.

  12. Fernando Nascimento

    A BBC demonstrou em documentário, que toda essa farsa que contam sobre o tribunal católico foi forja por um protestante de pseudônimo “Montanus”. O Mito da Inquisição espanhola (dublado)
    http://www.youtube.com/watch?v=aGa1OXZZqBg&feature=related

  13. marcilio bezerra

    excelente e texto esclarecedor, a verdade exposta.

  14. Jorge Lourenço Jr.

    Claro, quem mata 1.000 é mais digno que quem mata 1.000.000 … e não nos esqueçamos do argumento mais primoroso : antes e depois, houve e há quem mate mais ! Perfeito ! Brilhante !

  15. Luis Francisco

    Ótima bibliografia de referência e estudo documental sobre “números de mortos”. A apologética católica está cada vez mais contribuindo para afastar do mundo essas trevas seculares. Ah… quando a Inquisição e seus serenos padres conduziam o mundo como rebanhos pacíficos, imaculados e sabedores.

  16. Michelle monique

    Ótimo, muito esclarecedor.

  17. valerica

    Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta;Mateus 23:38

    Condutores cegos! que coais um mosquito e engulis um camelo.Mateus 23:24

    E disse-lhes também uma parábola: Ninguém deita um pedaço de uma roupa nova para a coser em roupa velha, pois romperá a nova e o remendo não condiz com a velha. Lucas 5:36

    vocês podem dizer o que for e querer se justificar toda vida mais a roupagem de vocês vai ser sempre velha baseada nos costumes de Roma (paganismo) eu imagino se Jesus escolheria logo Roma para levantar um povo chamado seu? O que Jesus tem haver com Roma? se vocês pudessem estariam escravizando o mundo até hoje mais graças a Deus que Jesus se manifestou para desfazer de toda obra do diabo.

  18. Eduardo

    Finalmente, uma um artigo que tem a verdade! Difícil, neste mundo.

  19. Julio Gomes

    ReinaldoXXXXXXX na cascuda!

  20. Rogério

    “O simples fato é que a Inquisição medieval salvou milhares de incontáveis ??inocentes (e até mesmo não tão inocentes) pessoas que de outra forma teria sido torradas por senhores seculares. (…)

    “Durante o século 16, quando a caça às bruxas varreu a Europa, nas regiões onde as inquisições eram melhor desenvolvidas a histeria foi contida. Em Espanha e Itália, inquisidores treinados investigaram as acusações de ‘Sabbath das feiticeiras’ e torrefação de bebês, e concluíram que aquelas eram infundadas. Em outros lugares, especialmente na Alemanha, os tribunais seculares ou religiosos queimaram bruxas aos milhares. Nota: A Alemanha do século XVI era já quase totalmente protestante.” (1)
    Professor Thomas F. Maiden Historiador Americano
    – See more at: http://ocatequista.com.br/archives/6097#sthash.iKWXE8OF.yQNamw7r.dpuf

  21. Rogério

    Como nenhum empreendimento humano é perfeito, houve certamente maus inquisidores, que praticaram abusos e injustiças. Porém, as evidências históricas testemunham a favor da Inquisição, apresentando-a como uma instituição que “salvou milhares de incontáveis inocentes (…), pessoas que de outra forma teria sido torradas por senhores seculares” (Thomas F. Madden – See more at: http://ocatequista.com.br/archives/12870#sthash.07ORKoBY.JOg74TQW.dpuf

    Thomas F. Madden, professor e presidente do departamento de História da Universidade de Saint Louis (Missouri) – See more at: http://ocatequista.com.br/archives/12870#sthash.07ORKoBY.JOg74TQW.dpuf

  22. André

    ReinaldoXXXXXXX na cascuda!

  23. oscar

    A verdadeira e única igreja é aquela que nasceu em Jerusalém na cruz do calvário por obra do Senhor Jesus, a igreja primitiva Cristã nada tem a ver com a igreja nascida em roma que se desviou totalmente da doutrina ensinada pelo Senhor e pelos apóstolos, introduzindo ensinamentos que não encontram respaldo na Bíblia, antes seguindo práticas condenadas por ela.

  24. Marcos Antonio de Melo Viana

    A Verdadeira e Única Igreja, Sim é a Catolica.

    “…A salvação é alcançada, não pela Igreja ou seus sacramentos, mas através de uma relação pessoal com o próprio Cristo. A salvação é dada diretamente por Cristo individualmente, sem a necessidade de outra mediação”(1).

    Contudo, a fé em Jesus Cristo não sujeita o cristão somente a crer e confiar em Sua pessoa, mas em crer e seguir o que Ele ensinou e estabeleceu para continuar Sua obra de salvação no mundo. Que Nosso Senhor Jesus Cristo pretendeu estabelecer uma Igreja, a Sua Igreja, está claro na Sagrada Escritura:

    “… E sobre esta pedra edificarei a minha Igreja…” (Mt 16,18).

    A Igreja pertence a Cristo que a fundou enquanto estava na terra. Sendo seu fundador Ele também é a sua cabeça: “Cristo é a cabeça da Igreja, seu corpo” (Ef 5,23). Os batizados em nome da Trindade (Mt 28,19) são incorporados no corpo de Cristo, isto é, a Igreja. De forma alguma a Igreja é somente uma instituição humana criada séculos mais tarde, trazendo o nome de um fundador que a criou, mas sim uma instituição divina que requer a participação de todos aqueles que se proclamam cristãos.

    Negando a necessidade da Igreja na economia da salvação, o protestantismo também nega a visibilidade da Igreja, insistindo que ela seja apenas uma coleção de crentes ou “salvos”, quem quer que sejam ou onde quer que eles estejam. Entretanto, a visibilidade da Igreja está subentendida em Mt 5,14: “Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha”. Além disso, ao invés de ser apenas uma nebulosa coleção de “verdadeiros crentes”, Cristo estabeleceu Sua Igreja com uma hierarquia autorizada para governá-la (Lc 6,13; Mt 18,17-18), investidos de Sua própria missão (Jo 20,21), com poder de santificar os fiéis (Jo 15,16) e perdoar os pecados (Jo 20,23), assim como poder de ensinar (Mt 28,20) e batizar (Mt 28,19).

    Como chefe desta hierárquica e visível Igreja, Cristo apontou Pedro como Seu vigário, ou representante:

    “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt 16,18).

    Como representante e cabeça da Igreja na terra, Pedro está investido da própria autoridade de Cristo para ensinar e governar:

    “Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus” (Mt 16, 18-19).

    Pedro e os apóstolos, como administradores da Igreja na terra, devem ser obedecidos:

    “Sede submissos e obedecei aos que vos guiam (pois eles velam por vossas almas e delas devem dar conta)” (Hb 13,17).

    Obedecer a Pedro e aos demais apóstolos é obedecer ao próprio Cristo:

    “Em verdade, em verdade vos digo: quem recebe aquele que eu enviei recebe a mim; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou” (Jo 13,20).

    As próprias Escrituras mostram que os apóstolos transmitiam seu ofício através da imposição das mãos para as gerações subseqüentes como seus sucessores (At 13,2; 1 Tm 4,14; Tt 5-10). Para crer que o Novo Testamento substitui a autoridade dos apóstolos após a morte de João é negar a realidade histórica e crer erroneamente que a Igreja fundada por Cristo modificou a sua essência.

    Estes que propõem ignorar a legitimidade dos líderes da Igreja de Cristo pela sua própria desobediência, não mais pertencem a esta unidade.

    “Se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano” (Mt 18,17).

    Ignorar os líderes da Igreja de Cristo é efetivamente ignorar o Cristo:

    “Aqueles que vos ouve a mim ouve, os que vos rejeitam a mim rejeitam” (Lc 10,16).

    É a Igreja quem garante aos fiéis estarem sendo ensinados na verdade, assistidos pelo Espírito Santo:

    “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco” (Jo 14,16).

    “Todavia, se eu tardar, quero que saibas como deves portar-te na casa de Deus, que é a Igreja de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (1 Tm 3,15).

    A afirmação protestante de que os cristãos precisam somente orar e ler a Bíblia na privacidade e conforto de seu lar ou em grupos de amigos somente resultou em uma divergência de mais de 25 mil diferentes igrejas protestantes, todas clamando serem “crentes na Bíblia”, mesmo concordando em pouquíssimo mais que sua tendência anti-católica. Eles cumprem bem as palavras de Pedro, que avisa quanto aos “ignorantes e pouco fortalecidos” que “deturpam” as Escrituras para sua própria ruína? (2 Pd 3,16).

    Apesar da desobediência e dos protestos dos seus inimigos, Cristo protegerá Sua Igreja até o fim dos tempos:

    “Os portões do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16,18).

    “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,10).

    Objeção 2: “Então Cristo fundou uma Igreja. Mas essa Igreja definitivamente não é a Igreja Católica Romana!”.

    Não somente Cristo fundou uma Igreja, mas essa Igreja é identificada de acordo com certas “características”. Estas características devem possuir dois aspectos: 1- Ela deve ser um sinal visível e evidente para todos, incluindo não-cristãos; 2- Ela deve possuir uma característica essencial sem a qual a Igreja não pode ser a Igreja de Cristo.

    De acordo com o pastor presbiteriano Loraine Boettner,

    “As características da verdadeira Igreja são:

    – Que ensine a verdadeira Palavra de Deus.

    – Que administre corretamente os sacramentos e;

    – Possua um fiel exercício da disciplina.” (2).

    Uma dificuldade óbvia com as características de Boettner é que elas não analisam se a igreja em questão foi verdadeiramente fundada por Cristo. Além do mais, seu critério (baseado em Calvino) não visa descobrir “a verdadeira Igreja” mas “uma verdadeira Igreja”. Qualquer igreja humana pode, portanto, reclamar a si ser uma igreja verdadeira quando ela mesma cumprir os três pontos acima. Acabaríamos com uma situação de ter milhares de “verdadeiras igrejas”, cada uma considerando ensinar devidamente a verdadeira Palavra de Deus, os sacramentos e a disciplina, enquanto as mesmas não possuem unidade de doutrina, governo ou disciplina entre elas mesmas.

    As verdadeiras características da verdadeira Igreja, que é visível e essencial, são quatro: Una, Santa, Católica e Apostólica. Estas características não são expressamente encontradas na Escritura, mas são baseadas na razão e podem ser defendidas por ela.

    Una:

    “Edificarei a minha Igreja” (Mt 16,18). A verdadeira Igreja fundada e edificada por Cristo. Ele desejou fundar uma Igreja, não várias. O protestantismo não é um corpo unido em doutrina e disciplina, mas uma série de organizações díspares e antagônicas não somente ao catolicismo, mas entre cada uma.

    “… um só rebanho, um só pastor” (Jo 10,16). A autoridade centrada no Papa tem mantido a Igreja Católica unida na doutrina e na disciplina desde os tempos do Império Romano. O protestantismo continua a fragmentar-se com o advento de cada novo “profeta” que afirma possuir a verdadeira interpretação da Escritura.

    Santa:

    “Santifico-me por eles para que também eles sejam santificados pela verdade” (Jo 17,19).

    A verdadeira Igreja será santa em seu fundador, ensinamentos e adoração. Aqui não há garantia de que todos os seus membros irão praticar o que ela ensina como foi dito por Cristo na parábola do semeador (Mt 13,18-23), a rede dos pescadores (Mt 13,47-52), e sobre a ovelha e os cabritos (Mt 25,31-46). A sobrevivência da Igreja Católica apesar dos exemplos dos ?maus papas? e outros escândalos apenas reforça o fato de que a santidade da Igreja deriva de Cristo, e somente dEle. Em qualquer caso, o protestantismo não está livre dos escândalos, e nenhuma de seus fundadores pode ser comparados a nenhum dos santos católicos, muito menos do próprio Cristo.

    Católica:

    “Ide, pois, e ensinai a todas as nações” (Mt 28,19).

    Permanecendo única e a mesma, a Igreja se adapta a qualquer época, lugar e pessoa. Nenhuma nação ou raça está excluída de sua pregação, nenhuma língua de seu Evangelho. Aqueles que crêem que os verdadeiros adoradores somente são os brancos e anglo-saxões limitam a remissão do sangue precioso de Cristo. Cristo abriu seus braços na cruz para todas as pessoas e nações, por isso a Igreja deve ser universal, não simplesmente uma igreja nacional baseada em raças ou por interesses de um rei particular ou parlamento.

    Apostólica:

    A verdadeira Igreja traça a sua história, sucessão episcopal e doutrina, de volta até os próprios apóstolos: “Estarei com vocês…” (Mt 28,20). Não foi estabelecida em 1517, 1534, 1540 ou no século dezenove. Ela deve existir desde os apóstolos, existir agora, e continuar a existir até o fim do mundo.

    Somente a Igreja Católica pode demonstrar ser Uma, Santa, Católica e Apostólica. (3).

    Os Padres da Igreja:

    São Clemente de Roma, Carta aos Coríntios 42,1 (96-98 d.C)

    “Os apóstolos receberam o Evangelho do Senhor Jesus Cristo; e Jesus Cristo foi enviado por Deus. Cristo, portanto, vem de Deus, e os apóstolos vêm de Cristo. Todos estes arranjos são, então, pela vontade de Deus. Recebendo suas instruções e sendo plenos na confiança na ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, e confirmados na fé pela Palavra de Deus, eles vieram adiante na completa segurança do Espírito Santo, pregando as boas novas de que o Reino de Deus está próximo. Pelos campos e cidades eles pregaram; e nomeavam seus novos convertidos, testando-os pelo Espírito, a serem os bispos e diáconos dos futuros seguidores. Nem isto era novidade: sobre os bispos e diáconos já se haviam escritos há longo tempo. De fato, a Escritura diz: ‘irei instituir bispos na retidão e seus diáconos na fé'”.

    Santo Irineu de Lião, Contra as Heresias 3, 4, 1 (180 d.C).

    “Quando, então, tivermos tais provas, não será necessário buscar em outros a verdade que é facilmente obtida da Igreja. Porque os apóstolos, como um homem rico em um banco, depositaram nela o que de mais copiosamente pertence à verdade; e a qualquer um que desejar beber com ela a bebida da verdade. Porque ela é o portão da vida, enquanto todos os demais são ladrões e assaltantes. É por isto que se torna necessário evita-los, enquanto se estima com o máximo de diligência as coisas pertencentes à Igreja, e se agarrar às tradições da verdade… Na Igreja, Deus colocou os apóstolos, profetas e doutores, e todos os demais de acordo com o Espírito; em todas não houve quem não se conformasse com a Igreja. Do contrário, descobriam a si mesmos pelas suas fracas opiniões e infeliz comportamento. Onde está a Igreja, está o Espírito de Deus; e onde está o Espírito de Deus, está a Igreja e toda a Graça”.

    São Clemente de Alexandria, Miscellanies 7, 17, 107, 3 (202 d.C).

    “Do que foi dito, então, parece-me claro que a verdadeira Igreja, a que realmente é venerável, é uma; e nesta são membros todos aqueles que, de acordo com o plano são justos… Dizemos, portanto, que na substância, no conceito, na origem e na eminência, a venerável Igreja Católica está sozinha, ajuntando como pode na unidade que resulta da aliança familiar”.

    São João Crisóstomo, Sobre a Incompreensível na Natureza de Deus, 3,6 (386-387 d.C).

    “Vós não podeis rezar em casa como na Igreja, onde há uma grande multidão, onde clamores são ditos para Deus como de um mesmo coração, e onde há algo mais: a união das consciências, a concordância das almas, o vínculo da caridade, as orações dos sacerdotes”.

    1 William Webster, The Catholic Church at the Bar of History, Carlisle, Penn.: Banner of Truth Trust, 1995, Ch. 9, p. 133.

    2 Roman Catholicism, Presbyterian and Reformed Publishing Co. (Phillipsburg, NJ), 1962, p. 20.

    3 C.f., The Holy Catholic Church, Pt. I, p. 44.

    Traduzido para o Veritatis Splendor por Rondinelly Rosa Ribeiro.

  25. manoel barros

    Eu sou um leitor da Bíblia, esta diz: ate 2300 e tezentas tardes e manhãs o Santuario será purificado. Entendemos que nesse período os cristão foram mortos e perseguido; devido o evangelho dos apostolos ter sofrido mudanças por parte do Estado e o pder central. Jesus afirmou na cara de Pilatos que o reino dele não é deste mundo… Quem fizer uma igreja com poderes terrenos; acredito que esta igreja só pode ser de homens e não de DEUS. Deus deixou bem claro: um pequeno rebanho pobre e nunca uma igreja poderosa controlando os homens, com poder de inquisição. Tudo que fez está registrado no livro da vida; se fez o certo está lá se fez o errado também está lá. Haverá juizo pra tudo DEUS não é DEUS de confusão; por isso digo: quer façamos o certo ou o errado, tudo está registrado; incluive nossos pensamentos, quando articulamos o mal. Os evangélicos discordam da igreja católica; devido ela se parecer com o trono de DEUS aqui na terra – (digo parecer)querendo mandar nos homens sem ter autorização para isso. veja: A bíblia é dos judeus. E nela estão os mandamentos de DEUS. A igreja católica fez os dela; por isso dizer: parecer com o trono de DEUS na terra. No primeiro mandamento de DEUS diz: Não terá outro deus diante de MIM. A Bíblia afirma que somente DEUS é Santo. Acredito, se Jesus foi tentado, algo semelhante não podia acontecer com DEUS. Hoje temos o Santo padre, etc. Tudo isso é baseado em está separado do pecado. Santo é que está separado do pecado. Se DEUS diz que não ha um justo sequer. E o mais perfeito e omais santo dos homens sã como trapo de imundice. Como alguem que morreu se tornar santo pr um lider catóçico? Não temos esse relato dentro da Bíblia. O segundo mandamente diz DEUS: Não fará para ti imagens de esculturas. Isso já é suficiente para saberque a igreja Católica fez guerra cm DEUS todo poderoso. em São Mateus 5:17 diz: quem tropeças em um desses pequens mandamentos é culpado de todos; isto é quem viola, faz por conta própria. Mas sei que não ha argumentos contra a igreja Católica se ela se sente como a única reprentando DEUS aqui na terra. Os Concílio que os digam começando pelo de Niceia… Eu não quero ter uma demanda com DEUS todo poderoso, quem poderá me defender.

  26. Carla soares.

    Deus que é Jesus cristo diz;os segredos serão escondidos dos sábios e entendido e revelado aos pequeninos,mas mesmo assim tem gente que prefere ir pra uma faculdade estudar a historia manipulada no concílio de Nicéia. Quem busca na faculdade Deus achara o das trevas não acredita em predestinação e em consequência não crê na bíblia.a biblia é tão clara e mundo tropeça nela todos os momento por que Deus disse que assim seria. é só pensar… se essa é a era mais escura do mundo religioso nunca tivemos tantas religiões como hoje temos.um paradoxo total.sendo sim estão na trevas por que são a maioria e Deus esta com a minoria. a voz do povo não é a voz de Deus,lembrando A voz do povo crucificou meu Jesus.Mas não vamos jogar perola aos porcos.Buscai primeiro o reino de Deus e as demais coisa lhe serão acrescentada. mas a FÉ o que nos torna irmão é deixada pra ultimo plano,acreditamos em tudo que o pastor e o padre fala,afinal é mais fácil do que ler a bíblia,orar não precisamos de igreja nem de pastor nem de padre ,só de Amor e fé na bíblia inteiramente não em pedaços ,retalhos que nos convêm.

  27. Sua Mãe

    ReinaldoXXXXXXX na cascuda!

  28. Renato

    A comparação entre as mortes indiretas do marxismo e a contagem das vítimas da peste negra como se fossem mortos pela igreja católica é absurda.

    1. Os comunistas mataram, DE CASO pensado perto de 100.000.000 de pessoas. as mortes indiretas por má gestão econômica acrescem a esse número, e por isso alguns falam de 170.000.000. As mortes causadas DIRETAMENTE pela ICAR ao longo dos séculos (não só inquisição)está ordens de grandeza abaixo das mortes causadas pelos socialistas em poucas décadas.
    .
    2. A Icar não mandou matar gatos, pessoas supersticiosas mataram e não há provas de que isso tenha sido relevante. Certamente a peste bulbônica faria milhões de mortos na Europa, independentemente da quantidade de gatos.
    .
    3. Os hábitos de higiene péssimos pioraram muito a epidemia, mas esses hábitos não ruins não foram criados pela ICAR. Quase todos os povos que deram origem à Europa tinha um histórico de péssimos hábitos de higiene.
    .
    4.A ICAR não foi a causadora dos fatores agravantes de peste, mas mesmo que fosse, não teria conhecimento científico sobre epidemias.
    .
    5. Mesmo considerando apenas as mortes indiretas (não planejadas) dos países socialistas, a culpa dos governos é patente. Economistas previram claramente os resultados desastrosos da aplicação do socialismo, e um simples estudo da história teria mostrado os resultados inevitáveis. MISES escreveu a melhor obra sobre o tema, mostrando exatamente como o socialismo iria falhar, e suas previsões se cumpriram. E até escritores socialistas tinham mostrado que as propostas de Marx seriam desastrosas. Os governos marxistas não apenas implantaram um sistema que se sabia inviável, mas insistiram nisso década após década, mesmo vendo os resultados desastrosos diante de seus olhos. Sua culpa é patente.

    PS: É claro que é injustificável que alguma igreja mate quem quer que seja por causa de doutrina. Mas a comparação de números é essencial. Os coletivistas tentam rebaixar seus próprios números (que, contanto as revoluções e guerras que promoveram, passam muito acima de 200.000.000) e tentam desesperadamente aumentar os números de outras ideologias. As razões porque fazem isso são claras: Querem branquear sua história para poder continuar matando. Marxistas do mundo todo sonham com os próximos genocídios que pretendem fazer.

  29. Miguel

    Adorei seu post
    Fiz um trabalho de religião ÉPICO citando (com devido referencia) partes de seu texto
    Muito obrigado!

  30. david

    Não são por livros feitos pela inspiração de homen que vcs vão conseguir entender alguma, e sim por livros inspirados por Deus, leiama biblia!!!

  31. david

    Querendo ou não vcs que tentam desfarçar a palavra de Deus e encinar doutrinas erradas, e os que não acreditam nesse Deus que lhe fez e fez tudo q existe tudo se encaicha, as profecias biblicas se comprem, e tudo se comprova, por que vcs n exeperimantam ler a biblia e estudar mais para poder sair falando, sera que livro feitos por mãos humanas seria capaz de durar milenios, se n tivesse a ajuda de alguem que é rodo poderoso? Sera que algum bestseller seria capaz de mudar tantas vidas como a biblia ja mudou? Sera ainda que alguem daria a sua propria vida para divulgar alguma historia ou livro de machado de assis Como fizeram alguns homens de Deus na epoca da inquizição a qual essa mesma matou esses homens, como pode chamar de santa uma imundicia dessas?
    Olha o que fala o livro do apocalipse sobre isso.

    Apocalipse 16:1-6 NTLH

    Depois ouvi uma voz forte falando de dentro do templo, dizendo aos sete anjos: — Vão e derramem sobre a terra as sete taças da ira de Deus! O primeiro anjo foi e derramou a sua taça sobre a terra. Feridas abertas, terríveis e dolorosas, apareceram naqueles que tinham o sinal do monstro e que haviam adorado a sua imagem. Aí o segundo anjo derramou a sua taça sobre o mar. A água ficou como o sangue de uma pessoa morta, e morreram todos os seres vivos do mar. Então o terceiro anjo derramou a sua taça sobre os rios e nas fontes de água, e eles viraram sangue. Eu ouvi o anjo que tinha autoridade sobre as águas dizer: — Tu és justo nos teus julgamentos, ó Deus santo, que és e que eras! Os maus derramaram o sangue do povo de Deus e dos profetas, e por isso tu lhes deste sangue para beber. Eles estão recebendo o que merecem.

    Analizem as escrituras sagradas pesquisem mais e vejam como rudo é verdade, arranquem essa venda que cobrem os seus olhos, se vcs querem criticar falar mal ou bem da biblia e da palavra que existe nela e dizer se é mentira ou verdade que Deus existe ou não e se aquela realmente é a sua palavra, se o que fazem os catolicos que dizem que tem biblia e que usam a biblia nos seus cultos e se eles estam certos ou errados, e se aquela palvra aquele livro faz mal ou bem para o ser humano, o minimo que vc tem que fazer e o mais logico é lela e analiza-la não acham?

    P.s.: me desculpem pelos erros ortograficos estou escrevendo pelo smartphone

  32. Everto Gomes

    ReinaldoXXXXXXX na cascuda!

  33. felipe

    o para lembrar, ñ foi aIgreja Catolica quem matou,e sim qm governava na epoca.
    os reis ñ aceitava qualquer ato de heresia cometida pelo povo e os mandavam matar, mtos ate mataram rivais com o intuito de dizerem que eram hereges.
    a igreja criou a Santa Inquisião, justamente para que as pessoas tivessemum julgamento justo e as penas eram sempre excomulgar, so que os reis ñ aceitaram as penas que a igreja passavas.

  34. Saint-Just

    “Sobre as famosas “caças às bruxas”.
    “Dos 125.000 processos de sua historia [tribunais eclesiásticos], a Inquisição espanhola condenou a morte 59 “bruxas”. Na Itália. 36 e em Portugal 4.”

    E a propaganda de que “foram milhões”.

    Constatou-se que os tribunais religiosos eram mais brandos do que os tribunais civis, tiveram poucas participações nestes casos, o que não aconteceu com os tribunais civis que mataram milhares de pessoas.” – Torquemada fica onde?

  35. manuel horacio

    temos que deixar a historia no seu devido lugar, ou seja na história, e temos é que fazer o que Jesus Cristo mandou, ou seja, seguir os ensinos de Cristo:>>>>>Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
    Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver.
    Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?
    E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
    E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
    E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.Mateus 25:35-41, ESTAMOS NOS ACUSANDO MUTUAMENTE POR ALGO FEITO NOS PASSADO???, está no sermão do monte uma oportunidade de mudarmos a historia, pois a possibilidade do amor, da caridade, está em cada esquina, mas os ”religiosos” se perdem em devaneios acusando os cristãos de hoje por atos do passado, não é o ser católico, ou evangélico, que vai nos levar a missão para a qual Jesus nos capacitou, é o exercício deste ministerio, ou seja, SER CRISTÃO!!!, isto sim vai fazer a diferença nesta época, e não a história, se queremos escrever uma nova história, façamos com atos, e não com retórica, pois o capo para a pratica está em cada esquina, que ser cristão??? então imite a Cristo, leia o sermão do monte e cumpra-o. SIMPLES ASSIM!!!!

  36. Gabriel Martins

    É como colocar antolhos no cavalo e dizer pra ele virar a próxima esquerda, sem guiá-lo, resultado: ele vai continuar seguindo em frete. Esses anti-católicos não tão afim de saber de fatos não, eles querem mesmo é atacar a Igreja, pois assim se sobressaem de intelectuais, espertos, sabichões. Afinal, quem fala qualquer asneira contra a Igreja Católica ganha um aperto de mão junto com um belo sorriso, tapinha nas costas e quem sabe até uma nova amizade. Se você fala mal da Igreja, pronto, você entra pro gueto, e isso é o que importa. “Não não não… não interessa os fatos, números, fontes primárias, não interessa a verdade, pois queremos continuar fazendo pirraça contra a Igreja, pois se admitimos que a Igreja Católica está falando a verdade, nosso mundinho de fantasia vai todo pro ralo. Temos que continuar alimentando o teatrinho criado pelo Iluminismo, a séculos atrás, somos vítimas dele e queremos passá-lo adiante. Por favor, não nos mostre números reais, pois não queremos que ninguém destrua nosso castelinho de areia. Passar bem!”

  37. Eurico

    No ano 33 da nossa era os romanos assassinaram Jesus e continuaram assassinando seus adeptos, por séculos. Mais de trezentos anos depois o Estado reconheceu o cristianismo como religião oficial e, usando o nome de Jesus, continuaram assassinando os que pertenciam a outras doutrinas. Jesus, em toda sua obra pregou o amor a Deus e ao próximo, portanto, a igreja católica não tinha, não tem e nem terá o direito de matar em seu nome. As justificativas apresentadas pelo fanático TOHMAS WOODS não resistem à menor crítica. A igreja católica matou em nome de Deus, milhares de pessoas que não acreditavam em seus dogmas (furados). O fanático THOMAS WOODS intencionalmente não faz referência ao papa Clemente XIV, que, tentando acabar com a SANTA INQUISIÇÃO, disse: Sei que estou assinando a minha sentença de morte e morreu envenenado depois.

  38. leandro luiz

    parabens pelo belo esclarecimento dos reais fatos históricos…não livrando o catolicismo da culpa mais colocando os “pingos nos ís” pena que muitos iram preferir continuar na segueira e não acreditar nesses reais numeros documentados…

  39. Gilberto Conde

    Esse texto é muito esclarecedor, obrigado. É pena que o texto Veritatis Splendor – Memória e Ortodoxia Cristãs não dá mais para aceder, gostaria muito de o ler. De qualquer forma vou procurar no google.

  40. marcelo martins

    ReinaldoXXXXXX na cascuda!

  41. marcelo martins

    ReinaldoXXXXXXX na cascuda!

  42. Marcos M

    Tá rolando uma meme de que a inquisição teria matado 40/50 milhões eu eu argumento:
    – estão somando as mortes ocasionadas pela peste negra na conta?
    – que número absurdo, devem ter quase exterminado os europeus na idade média.
    – genocídio por genocídio o comunismo foi muito pior, com quase 100 milhões mortos de 1917 a 1991.

    Aparentemente o neo-ateísmo está usando a mesma tática dos órfãos da revolução socialista: mentindo descaradamente e se apresentando como donos da verdade.

  43. pedro magno de moraes

    a biblia e a regra de fe para todos os que dizem cristao,nela encontramos em corintias 13 na integra a essencia do amor de deus na pessoa de jesus cristo.tambem nas parabolas,encontramos em linguagem figurada o amor de deus para com os homens. ensinamentos de valores geraes na vida dos homnes e seu carater. cristo curou,alimntou milhares,aconselhou,perdoou,deu vida e salvou a todos que a ele se a chequem. a inquisiçao foi nada mais que um ato brutal e irracional dos que diziam ser cristao.cristo em toda escritura so ensinou seus seguidores a fazer o bem da vida e nao tiralas. ato de crueldadee e atrocidade sao de anticristao, abuso de poder. se aproveitar do poder que lhe deram,que tais atos cometeram contra a humanidade. jesus ontem hoje e para sempre amor,amor…. todos comparecerao no tribunal de cristo para dar conta do que tem feito pelo meio do corpo quer seja bom ou mal. 2corintias 5 verciculo 10.

  44. lourival

    tempos dificeis , uma época que tudo éra pela força ou pela dor , o mundo mudou graças aos homens inteligentes , de nossa época.

  45. Luiz Gonzaga Martins

    Parabéns pelo excelente artigo. Costuma-se acusar a Igreja de ter prejudicado a cura da Peste Negra. Tens algum material sobre isso? Estou com dificuldade de encontrar na internet.

  46. Kleber Batista de Barros

    Isso implica dizer que a invasão de 40.000 protestantes em 1.524 matou mais do que a inquisição em 300 anos… Essa é a moral de quem ataca a Santa Igreja. Artigo muito bom!

  47. Rosane

    Está no tempo de serem divulgadas essas correções históricas a respeito da Inquisição, como também das Cruzadas. Essas informações falsas vêm sendo reiteradamente repassadas pelos professores de História, e tem gente que leva uma vida repetindo-as, quando discorda Igreja. Espero que agora os insatisfeitos com a Igreja Católica debatam sobre as discordâncias em si, ou assumam que realmente não querem andar sobre as pegadas de Jesus. Quanto às Cruzadas, se não tivessem acontecido, estaríamos hoje sob o jugo dos mulçumanos, que, como é sabido, têm a pretensão de islamizar o mundo inteiro, nem que seja “à bomba”.

  48. Godofredo

    Obrigado pela bibliografia em que se apoia o texto,que varre falsas verdades e perniciosas definições,sobre a Igreja Católica no decorrer das eras,claramente com o propósito de diminui-la.

  49. kannahoot

    Concordo em Numero grau e genero. Precisamente o modelo de argumento que o pt usa em defesa propria…espero que o RENAN e o SARNEY leiam isso, vao parecer anjos despencando do ceu .A estupidez humana nao encontra limites( e hora de os cegos começarem a vomitar sabedorias) e lamentaval ler isso!!!!!

  50. Hilda

    Falando em inquisição…e MIGUEL SERVET? O importante médico, cientista e teólgo espanhol morto pelo CALVINISMO???
    Condenado e julgado por João Calvino foi conduzido vivo à fogueira na Espanha do século 16. O pior é que histórica igreja Presbiteriana do Brasil (ramo direto da reforma protestante) trata a morte do médico como “incidente”.
    Basta pesquisar na Universidade Makenzie. Tb nunca ouvimos referências a intolerância e o antisemitismo de Martinho Lutero.