Blogs e Colunistas
Se em meu ofício, ou arte severa,/ Vou labutando, na quietude/ Da noite, enquanto, à luz cantante/ De encapelada lua jazem/ Tantos amantes que entre os braços/ As próprias dores vão estreitando —/ Não é por pão, nem por ambição,/ Nem para em palcos de marfim/ Pavonear-me, trocando encantos,/ Mas pelo simples salário pago/ Pelo secreto coração deles. (Dylan Thomas — Tradução de Mário Faustino)

24/10/2014

às 22:32

O controle da inflação e os bancos públicos

Aécio pergunta o que Dilma pretende fazer para controlar a inflação. Ela acusa tucanos de terem quebrado a Caixa e o Banco do Brasil. É mentira! Diz que ela manteve a inflação na meta, mas que o governo FHC não. Diz que tucanos aumentaram imposto e deixaram dívida pública maior do que receberam. Falarei a respeito. Aécio ironiza: “A senhora quer dizer que foram vocês que controlaram a inflação, não nós?” Aécio diz que o governo deve R$ 10 bilhões à CEF e R$ 8 bilhões ao BB. Ela insiste que tucanos quebraram os bancos púbicos. É mentira! Diz que tucanos jogaram a crise nas costas do povo.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 22:28

Minha Casa Minha Vida – Aécio leva de novo

Dilma diz que Aécio é critico do Minha Casa Minha Vida. E ela quer saber por quê. Aécio diz que os petistas fazem terrorismo com o programa. Pessoas estão recebendo mensagens afirmando que, se votarem no PSDB, serão retiradas oi cadastro. Ele diz que o programa será melhorado. Aécio diz que vai avançar muito mais. Dilma diz que Aécio não conhece o programa. Dilma diz que os tucanos falam em redefinir o papel de bancos públicos e que agora tentam apoiar o Minha Casa Minha Vida. Dilma diz que prestação do Minha Casa Minha Vida seria de R$ 940, mas é de R$ 80. Aécio diz bancos públicos serão fortalecidos, não aparelhados. Lembra que o Banco do Brasil tem 37 diretorias, um terço ocupada pelo PT.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 22:24

O porto cubano. Dilma se estoura

Aécio pergunta por que Dilma não divulga os gastos com o porto de Cuba. Dilma se enrola e diz que a construção do porto em Cuba gera empregos no Brasil. Dilma diz que governo FHC financiou ações de empresas brasileiras em Cuba e na Venezuela. Acusa o governo FHC de ter causado 11 milhões de pessoas desempregadas. Aécio diz ter recebido um documento informando que o prazo do financiamento para Cuba é de 25 anos, não em 12 anos, como é a regra. Pior: as garantias são dadas em pesos cubanos, não em em dólar ou em euros, como é a lei. Dilma desconversa. Diz que, sempre que se financia uma empresa, a garantia é quem dá a garantia para a empresa brasileira para o BNDES. Dilma está notavelmente atrapalhada. 

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 22:20

Dilma pergunta sobre Armínio e toma um revés

Dilma pergunta como Aécio anuncia um ministro (Armínio) que acha o salário mínimo alto. Isso é falso. Aécio responde que todos os números do governo Dilma são ruins: é ruim na economia, na saúde e na educação. Dilma diz que Aécio está mal informado e ataca FHC. Dilma diz que o PT criou o emprego e que aumentou o salário mínimo em 71% em valores reais. Nós? Quem? Dilma diz que vai fazer um governo muito melhor. Aécio aponta o absurdo: FHC levou a inflação de 916% para 12%. Aécio diz que a história não se reescreve, mas o futuro sim.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 22:17

Aécio fala da denúncia contra VEJA e Dilma ataca revista

Aécio diz que campanha é das mais sórdidas da história. Aécio pergunta se Dilma sabia das denúncias da roubalheira da Petrobras, conforme revelou VEJA. Dilma diz que VEJA fez calúnia e difamação contra ela. E ataca a VEJA. É mentira, claro! VEJA só revelou o que Youssef disse. Ela disse que vai à Justiça contra VEJA. Aécio diz que deu a oportunidade de Dilma se defender. Aécio diz que a delação premiada só traz o benefício ao réu se ele trouxer provas. Lembra que IstoÉ fala da campanha da infâmia e diz que no Rio foram apreendidos jornais apócrifos contra a candidatura dele no comitê dela. Aécio pergunta se ela se orgulha da campanha. Dilma diz que jamais perseguiu jornalistas e diz que ele cita duas revistas que, diz ela, fazem campanha para Aécio.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 22:12

Cobertura em tempo real…

Desculpem-me eventuais erros de digitação. Depois corrijo.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 22:10

Vai começar

É agora.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 20:49

O DEPOIMENTO DE YOUSSEF EM QUE ELE DIZ QUE LULA LOTEOU A PETROBRAS

Abaixo, o depoimento de Alberto Youssef que não estava protegido por sigilo de Justiça, em que ele afirma que Lula loteou a Petrobras entre  os aliados.


Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 20:30

DEBATE NA GLOBO – Acompanharei em tempo real

Alguns leitores me perguntam se acompanharei o debate da Globo. Sim, em tempo real. Na medida do possível, pergunta a pergunta. E depois, como sempre, farei uma análise do conjunto.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 20:18

A resposta oficial de VEJA às agressões da candidata-presidente Dilma

Sobre a fala da presidente no horário eleitoral

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, ocupou parte de seu horário eleitoral para criticar VEJA, em especial a reportagem de capa desta semana. Em respeito aos nossos leitores, VEJA considera essencial fazer as seguintes correções e considerações:

1) Antecipar a publicação da revista às vésperas de eleições presidenciais não é exceção. Em quatro das últimas cinco eleições presidenciais, VEJA circulou antecipadamente, no primeiro turno ou no segundo.

2) Os fatos narrados na reportagem de capa desta semana ocorreram na terça-feira. Nossa apuração sobre eles começou na própria terça-feira, mas só atingiu o grau de certeza e a clareza necessária para publicação na tarde de quinta-feira passada.

3) A presidente centrou suas críticas no mensageiro, quando, na verdade, o cerne do problema foi produzido pelos fatos degradantes ocorridos na Petrobras nesse governo e no de seu antecessor.

4) Os fatos são teimosos e não escolhem a hora de acontecer. Eles seriam os mesmos se VEJA os tivesse publicado antes ou depois das eleições.

5) Parece evidente que o corolário de ver nos fatos narrados por VEJA um efeito eleitoral por terem vindo a público antes das eleições é reconhecer que temeridade mesmo seria tê-los escondido até o fechamento das urnas.

6) VEJA reconhece que a presidente Dilma é, como ela disse, “uma defensora intransigente da liberdade de imprensa” e espera que essa sua qualidade de estadista não seja abalada quando aquela liberdade permite a revelação de fatos que lhe possam ser pessoal ou eleitoralmente prejudiciais.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 20:12

Ah, o ressentimento… Ou quase 190 mil compartilhamentos em menos de 24 horas, 2,3 milhões de visualizações, 10 milhões de alcance

O vídeo de um minuto que gravei para a Jovem Pan sobre a capa da VEJA desta semana já teve, em menos de 24 horas, quase 190 mil compartilhamentos, mais de 2,3 milhões de visualizações e alcance de quase 10 milhões de pessoas.

O rancor é grande; as ameaças se multiplicam. Por quê? Porque eu disse que, se a denúncia de Youssef se confirmar e se Dilma for reeleita, há a possibilidade de ela ser deposta por um processo de impeachmet. É só lógica elementar.

O vídeo está aqui.

 

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 19:59

Rui Falcão quer agora censurar VEJA de outro modo. Ou: A diferença entre notícia e campanha para um petista

Que pitoresco! Nem parece que Rui Falcão já foi jornalista, não é mesmo? Ele anunciou que vai recorrer ao TSE para impedir que a revista VEJA faça a publicidade regular de sua edição. E afirmou este mimo à Folha de S.Paulo: “É uma matéria sem fundamento. Essa capa parece uma peça eleitoral. Enviamos uma representação ao TSE para impedir qualquer publicidade desta reportagem da Veja, em rádio, TV ou outdoor, porque isso pode configurar propaganda negativa”.

O que é “sem fundamento”? Que Alberto Youssef disse à PF e ao Ministério Público que Dilma sabia o que se passava na Petrobras, não há dúvida. Ele disse. Se ela realmente sabia, tem de ser apurado. Uma coisa é certa: a presidente decidiu, por exemplo, tirar João Vaccari Neto do conselho de Itaipu.

Pois é… Eu não vi Rui Falcão considerar “sem fundamento” a acusação feita por Paulo Roberto Costa contra Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB, que já morreu. Ao contrário: Dilma gostou tanto da ideia que, informada por um assessor que a colunista Monica Bergamo acabara de publicar a informação, a levou imediatamente para o debate Jovem Pan-UOL-SBT. Se Aécio citar a reportagem da VEJA, Dilma ao menos teve um tempinho para se preparar.

Eu entendo Rui Falcão: quando uma informação ajuda o seu partido, é jornalismo de alta qualidade; quando prejudica, é campanha eleitoral.

Tenham paciência! No fundo, isso é só ânimo para a censura.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 19:19

É mentira! Advogado de Youssef não desmentiu VEJA

Na VEJA.com:
O advogado Antonio Augusto Figueiredo Basto, coordenador da defesa do doleiro Alberto Youssef, disse nesta sexta-feira que está impedido de se manifestar sobre as declarações de seu cliente. A mais recente edição de VEJA traz uma reportagem revelando que Youssef disse à Polícia Federal e ao Ministério Público que tanto o ex-presidente Lula como a presidente Dilma sabiam do esquema de corrupção na Petrobras. O depoimento foi prestado na última terça-feira na presença de um delegado e de um procurador da República. Basto explicou que, devido ao segredo de Justiça, não pode comentar o processo de delação premiada de Youssef e nem fornecer qualquer detalhe sobre as declarações do doleiro. “Sobre a reportagem, o que eu disse é que não concordo com o vazamento dos depoimentos. Mas isso, num país que tem imprensa livre, cabe às autoridades investigar quem vazou”, disse o criminalista.

O senhor nega que Alberto Youssef tenha dito que o Lula e Dilma sabiam dos desvios na Petrobras?
Eu acho que as minhas declarações estão sendo usadas politicamente. Não posso me manifestar sobre um fato que é sigiloso. Nunca desmenti a reportagem da revista. Eu não posso desmentir um fato sobre o qual não posso me manifestar.

Mas o senhor tem conhecimento do teor do depoimento prestado na terça-feira.
O que estou dizendo é que não posso confirmar o teor dos depoimentos porque eles são sigilosos.

A reportagem de VEJA afirma que as declarações foram prestadas na presença de um procurador e de um delegado.
Sobre a reportagem, o que eu disse é que não concordo com o vazamento dos depoimentos. Mas isso, num país que tem imprensa livre, cabe às autoridades investigar. A imprensa é livre para divulgar o que apura, mas não posso me manifestar sobre um conteúdo que é sigiloso, sobre o qual não tenho autorização para falar. A defesa sabe de tudo que é dito nos depoimentos, mas não se pronuncia nem para desmentir nem para confirmar.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 17:58

Mercado ignora Ibope e Datafolha e aposta que Aécio vai vencer: Ibovespa sobe, e dólar cai

Nunca aconteceu antes, mas aconteceu desta vez. Os mercados decidiram ignorar as pesquisas Datafolha e Ibope, que apontam Dilma Rousseff na liderança, e acreditar nos institutos que dizem que é o tucano Aécio Neves quem lidera — o que coincide com levantamentos informais, não registrados no TSE, feitos por bancos e empresas. Há também a aposta de que as revelações feitas por VEJA interfiram na decisão dos eleitores indecisos. Também se espera que Aécio tenha um desempenho melhor do que Dilma no debate de hoje, da Globo.

O Ibovespa fechou em alta de 2,52%, chegando a 4,65% ao longo do dia, aos 51.940. As ações do kit eleição tiveram alta: Petrobras ON: 5,32%; Petrobras PN: 7,01%; Eletrobras ON: 7,37%; Eletrobras PNB: 6,13%. O dólar caiu bastante: encerrou o dia R$ 2,457, maior recuo em 11 meses: 2,26%.

Querem saber? Nunca vi isso antes. Alguma explicação? Uma só: a aposta é que Aécio vai vencer.

 

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 16:25

Terrorismo contra a imprensa livre é isto aqui. Não me assusta

Partidários da campanha de Dilma espalham esta porcaria país afora. Como sempre, recorrem a centrais telefônicas clandestinas. Vejam:

 terrorismo contra Reinaldo

Vejam a campanha petista e leiam o que escrevo para saber onde está o ódio. De resto, reitero, falei o óbvio. Existe a Lei 1.079, de 10 de abril de 1950. Eu não a inventei. Ela é parte do arcabouço democrático que rege o Brasil e dispõe sobre o impedimento do presidente da República.

O que vai acima é tática de intimidação. Não me assusta.

 

 

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 16:19

Eu e Merval no Facebook do PT. Quanta honra!

Esta imagem foi parar na página do Facebook do Partido dos Trabalhadores. Vejam.

Reinaldo e Merval

Blogs sujos, financiados por estatais — com dinheiro público — estimulam o pega-pra-capar contra mim e contra Merval Pereira, colunista do Globo. Por quê? Porque nos atrevemos a escrever que, caso Dilma seja reeleita e se constate que Alberto Youssef fala a verdade, ela será alvo de um processo de impeachment.

Terrorismo e golpismo uma ova! É só a lei. No próximo post, mostro o que é terrorismo.

 

 

 

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 15:57

Dilma ignora seus próprios critérios, faz ataque absurdo à VEJA, demonstra pouco apreço pela liberdade de imprensa e parece tentada a brincar de Chávez que quase fala português. Ou: Tentando intimidar o Jornal Nacional

A senhora Dilma Rousseff, dublê de presidente e candidata, passou de todos os limites. Ela se esqueceu de que existe uma Constituição no país. No horário eleitoral do PT, acusou a revista VEJA de praticar “terrorismo eleitoral”. Referindo-se à reportagem da revista, segundo a qual o doleiro Alberto Youssef afirmou à Justiça e ao Ministério Público que Dilma e Lula sabiam da roubalheira da Petrobras, afirmou a governanta:
“Não posso me calar frente a esse ato de terrorismo eleitoral articulado pela revista ‘Veja’ e seus parceiros ocultos. Uma atitude que envergonha a imprensa e agride a nossa tradição democrática. Sem apresentar nenhuma prova concreta e mais uma vez baseando-se em supostas declarações de pessoas do submundo do crime a revista tenta envolver diretamente a mim e ao presidente Lula nos episódios da Petrobras, que estão sob investigação da Justiça”.

Então vamos ver todas as falhas em que incorre a senhora presidente, que fala como candidata, e a candidata, que tem a pretensão de falar como presidente:

1. Quem tem parceiros ocultos na subimprensa é o governo federal, que financia veículos de comunicação, especialmente os chamados blogs sujos. O pior é que esse financiamento é feito com dinheiro público, com a publicidade da administração direta e das estatais.

2. No debate da Jovem Pan-UOL-SBT, Dilma levou ao ar a acusação de que Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB, já morto, também teria recebido dinheiro do esquema. A acusação havia acabado, então, de ser publicada por Monica Bergamo na Folha. Atento, um assessor de Dilma lhe contou a história, e ela, claro!, a usou contra Aécio. Nesse caso, garanto que Dilma não viu nada de errado. Certamente acha que a jornalista estava apenas cumprindo a sua função. A propósito: os parceiros ocultos do PT que agora censuram a reportagem de VEJA não reclamaram quando a Folha publicou o texto com a acusação contra o tucano.

3. O que envergonha a imprensa, senhora candidata-presidente e senhora presidente-candidata, é dispor de uma informação e não publicá-la com receio de seu efeito eleitoral. É a senhora que disputa o poder, não a VEJA. A revista não tem a obrigação de servir às suas conveniências.

4. Youssef é do submundo do crime? Pois é. Ocorre que ele operava em parceria com diretores da Petrobras nomeados por Lula e que permaneceram no cargo em parte do seu governo. Diga-me, senhora presidente: como é que pessoas do submundo do crime conseguiram se apoderar da maior estatal do país? Quem as indicou?

Dilma foi adiante e afirmou: “Com das outras vezes, [a revista] vai fracassar no seu intento criminoso. A Justiça livre desse país seguramente vai condená-la por esse crime. Ela e seus cúmplices vão falhar. O povo brasileiro é inteligente para discernir a mentira da verdade”. Disse ainda: “O povo brasileiro dará a resposta à ‘Veja’ e seus cúmplices nas urnas, e eu darei a resposta a eles na Justiça”.

A Justiça é, sim, o lugar para aqueles que se sentem ofendidos, senhora presidente-candidata, senhora candidata-presidente. Tente lá demonstrar o crime cometido por VEJA e tente demonstrar por que a decisão tomada pela revista é diferente daquela tomada pela Folha em relação a Sérgio Guerra — procedimento que a senhora endossou, tanto que citou o texto em debate.

Não falo em nome da VEJA porque escrevo aqui o que quero. Mas não e difícil demonstrar que a senhora e seu partido estão atacando a reputação da revista. Se sou a VEJA, vou, sim, à Justiça contra a presidente e a desafio a provar que é mentira o que foi publicado. E que fique claro: a revista publicou que, no curso da delação premiada, Yousseff disse à Polícia Federal e ao Ministério Público que Dilma sabia do que estava em curso na Petrobras.

Dilma emite um péssimo sinal: se reeleita presidente, parece que ela não está disposta a uma convivência civilizada com a imprensa independente, com aquela imprensa que não tem “parceiros ocultos”, financiados por dinheiro público.

Tudo indica que Dilma quer agora brincar de um Hugo Chávez que quase fala português. Não é um bom caminho. Se ela acha que é, resta o quê? A luta, não é mesmo, moçada?

PS – Toda a gritaria de Dilma tem um único objetivo imediato: intimidar o Jornal Nacional para que ele não noticie o que já se sabe do depoimento de Youssef — que é o fato. VEJA só o noticiou.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 15:57

Oposição vai pedir que PGR investigue Lula e Dilma

Por Gabriel Castro, na VEJA.com:
Os partidos de oposição vão pedir nesta sexta-feira que a Procuradoria-Geral da República investigue se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua sucessora, Dilma Rousseff (PT), sabiam do esquema de corrupção na Petrobras. Como revela reportagem de VEJA, em depoimento prestado na última terça-feira, o doleiro Alberto Youssef, que atuava como banco clandestino do petrolão, implica a presidente e seu antecessor no esquema de corrupção.

DEM, PSDB, PPS e SD vão subscrever o pedido. O objetivo é pedir que a PGR apure a eventual participação de Dilma e Lula no esquema. O presidente da República só pode ser investigado e denunciado pelo procurador-geral. O líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho, diz que as revelações explicam o empenho do governo na tentativa de minar a CPI da Petrobras no Congresso. “O governo está criando obstáculos para a investigação desde o primeiro momento. Uso eleitoral é esconder esses fatos tenebrosos”, diz ele. A representação dos partidos oposicionistas deve ser entregue nesta tarde por advogados das siglas, já que a maior parte dos parlamentares está em seus Estados de origem.

 VEJA mostrou que, em depoimento prestado na última terça-feira, Youssef afirmou que Dilma e Lula sabiam das irregularidades na Petrobras, que era usada de forma sistemática para desviar recursos que abasteciam os caixas do PT e de outros partidos aliados. Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da empresa, também está preso por sua participação nos desvios. Ele e Youssef firmaram um acordo de delação premiada, o que os obriga a comprovar as afirmações que fizerem para ter a pena reduzida.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 15:54

PT vai ao TSE para censurar VEJA; ministro nega

Por Gabriel Castro, na VEJA.com:
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou nesta sexta-feira um pedido da campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) para censurar a reportagem de VEJA desta semana na qual o doleiro Alberto Youssef, pivô do megaesquema de lavagem de dinheiro desmontado pela Polícia Federal, afirma que Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabiam dos desvios na Petrobras. O pedido da coligação de Dilma para retirar a publicação do site de VEJA do ar e do perfil da revista no Facebook foi protocolado pelo PT nesta sexta-feira, sob o argumento de que a publicação desrespeita a legislação eleitoral. Mas o ministro Admar Gonzaga negou o pedido.

A lei citada pelo PT para tentar censurar VEJA é fruto da minirreforma eleitoral, mas não tem efeito sobre as eleições de 2014 porque entrou em vigor menos de um ano antes do pleito. “O dispositivo invocado para a suspensão da veiculação (§ 3º do art. 57-D da Lei nº 9.504/1997), consoante entendimento deste Tribunal Superior (Consulta nº 1000-75), não tem eficácia para o pleito de 2014″, afirmou o ministro.

Por Reinaldo Azevedo

24/10/2014

às 6:29

LEIAM ABAIXO

Por Reinaldo Azevedo
 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados