Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PMDB faz enquete sobre Previdência e recebe resposta inesperada

Partido cogita fechar questão para estimular união da bancada governista em torno da defesa das mudanças nas regras da Previdência Social

Se depender dos frequentadores do site do PMDB, a legenda pode ser mal avaliada se decidir fechar questão a favor da reforma da Previdência. Na página, o partido disponibilizou uma enquete para que os cidadãos opinassem sobre as mudanças nas regras para a aposentadoria. Até a manhã desta segunda-feira, dos 37 mil participantes do levantamento, quase 36 mil ou 96% já haviam se posicionado contra a medida. Os outros 4% se dividem entre os que estão a favor (601 / 2%), os que não tem conhecimento (560 / 2%) e os que preferiram não opinar (142 / 0%).

Há um ano no governo, o presidente Michel Temer (PMDB) tem tratado a proposta como uma das causas centrais de seu período no Palácio do Planalto até agora. A VEJA Temer já disse querer ser lembrado como “o reformista”, com o patrocínio desta e de outras três grandes mudanças, a trabalhista, a tributária e a política.

Aprovada na comissão especial, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que modifica a Previdência Social ainda não foi a plenário porque o governo espera antes ter certeza que vai obter o número necessário de apoiadores – 308 dos 513 parlamentares. Uma das medidas discutidas para estimular a unidade da base aliada é justamente o fechamento de questão, que proíbe deputados do partido de voltarem contra a reforma.

Depois de aprovada na Câmara dos Deputados, a reforma da Previdência precisa ainda ser aprovada pelo Senado e seguir para sanção de Temer. Desde que chegou ao Congresso, a emenda sofreu diversas modificações e foi abrandada em pontos sensíveis, como o próprio tempo mínimo de contribuição, que caiu de 49 para 40 anos. A enquete do site do PMDB está exposta abaixo de um anúncio “Quando o Brasil quer, o Brasil muda”. Aparentemente, talvez o Brasil – ou ao menos a pequena parcela que acessa a página do partido – não queira mudar.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. maria cecilia

    Para aprovar a reforma da Previdência, Michel Temer perdoou os juros da dívida da contribuição social do empregador rural.

    Curtir

  2. Jurandir marques

    Doa a quem doer, a reforma trabalhista e previdenciária são necessárias ao Brasil!

    Curtir

  3. Enquanto o brasileiro acreditar que dinheiro dá em árvore e o Estado tem que ser papaizão o país não imbica no rumo do desenvolvimento.

    Curtir

  4. Joao B. Garcez

    O governo poderia apresentar de maneira clara a situacao fiscal da previdencia social com numeros e simulacoes do que podera acontecer caso nao se facam as correcoes propostas. Enquanto nao faz isso os “marajas da aposentadoria integral” vao continuar financiando esses blogs de aluguel a inundarem as redes com essa versao que no fundo pretnde manter privilegios.

    Curtir

  5. Zemazinho Relogio

    Guilherme Venaglia, emenda constitucional não necessita de sanção da presidência.

    Curtir

  6. Zemazinho Relogio

    No setor público, a existência ou não de dinheiro depende da prioridade que se dá ao gasto. Se for prioritário, haverá dinheiro. Não se enganem, muitos elegem como prioritárias ações de governo com apelo midiático visando dividendos eleitorais no futuro.

    Curtir

  7. maria cecilia

    que tal estes facínoras começarem as reformas, pelas reforma políticas e fiscais ? depois conversaremos….

    Curtir