Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Drauzio Varella: “A visão da sociedade sobre o crack é míope”

Foram abordados, entre outros assuntos, a polêmica envolvendo a Cracolândia e o tratamento de dependentes de crack

O médico Drauzio Varella foi o convidado do Roda Viva desta segunda-feira. Um dos mais respeitados oncologistas do país, ele foi um dos pioneiros no tratamento da AIDS e iniciou, em 1989, um trabalho de pesquisa sobre a prevalência do vírus HIV e da hepatite C na população carcerária da Casa de Detenção do Carandiru. A convivência como voluntário com milhares de detentos é o tema de três dos diversos livros que publicou. Prisioneiras, o mais recente, resume o que viu e ouviu em 11 anos de atendimento voluntário na Penitenciária Feminina da Capital — e completa a trilogia que começou com o best-seller Estação Carandiru e prosseguiu com Carcereiros. Entre esses e outros assuntos, estiveram em pauta a polêmica envolvendo a Cracolândia e o tratamento dispensado aos dependentes de crack. Confira trechos da entrevista:

“A solidão tem um destaque grande no livro Prisioneiras, porque foi o que mais me chamou atenção quando cheguei na Penitenciária Feminina. Fui para ficar apenas alguns meses e hoje são 11 anos. Lá estão cerca de 2.400 detentas e, nos fins de semana, os visitantes não passam de 800. O número de mulheres que não recebe visitas há sete, oito anos, é absurdo. O homem, em compensação, nunca fica sozinho. Você passa na porta dos presídios masculinos e a fila é enorme. Nas penitenciarias femininas não tem fila. O maior sofrimento da mulher presa é a solidão”.

“Atendi uma presa hoje com 30 anos e 7 filhos. A natalidade desigual é um dos grandes problemas da sociedade brasileira. Muitas mulheres, principalmente as que estudam, que fazem faculdade, não têm filhos. Enquanto isso, outras começam a engravidar com 13 anos. São crianças que cuidam de crianças”

“Minha maior frustração nesse trabalho com os presos é ter pouco tempo para fazer os atendimentos e não contar com o apoio de exames laboratoriais e de imagens. Por outro lado, há o desafio de fazer a medicina à moda antiga, com o estetoscópio”.

“Quando comecei a trabalhar no sistema presidenciário o Brasil tinha 90 mil presos. Hoje, tem mais de 600 mil. Apesar de se prender mais, nossas cidades são mais seguras? Pelo contrário”.

“Sempre existiram facções nas penitenciárias brasileiras. O fato novo é que agora existe uma facção que se sobrepõe a todas as outras. E o PCC surgiu com o massacre do Carandiru”.

“A visão da sociedade sobre o crack é míope. Elas veem aquelas pessoas naquele estado de degradação e dizem que aquilo tem que acabar. Mas o problema não é o usuário. Quando ele chega naquele estado, aquilo vem de muito longe. São pouquíssimas as pessoas de classe média que estão na Cracolândia e gigantesca a quantidade daqueles que vêm de classes sociais mais pobres, com uma condição de vulnerabilidade total. Nós temos uma ordem social que facilita a formação desses cânceres no centro das cidades”.

“Não existe solução a curto prazo para o problema do crack. O estado pode fazer muita coisa, mas não a curto prazo. Você não vai resolver o problema da Cracolândia levando todos para serem internados à revelia, mas aqueles que estão muito doentes, num estado altamente debilitado, precisam ser internados, inclusive compulsoriamente”.

“Há alguns anos, perdia cinco, seis doentes por semana por causa da Aids. Considero a evolução do tratamento dessa doença um dos milagres da medicina. Já fui a conferências nas quais os palestrantes defendiam que os remédios para Aids não deveriam ser distribuídos para a população mais pobre, porque eles não conseguiriam tomar o medicamento na hora certa. O Brasil fez uma revolução nessa área, mas desleixamos na prevenção. Os mais jovens acham que a Aids é uma doença sexualmente transmissível como qualquer outra e que você não vai morrer por isso. Tudo bem, você pode não morrer, mas é uma doença crônica, que te obrigará a tomar remédios a vida inteira que têm efeitos colaterais fortíssimos”

“Todos nós conhecemos pelo menos uma mulher que fez aborto. Então o que vivemos é uma hipocrisia. Se você tem dinheiro, paga e faz um aborto seguro. Se não tem, fará o aborto em condições inseguras e precárias. Hoje, a principal causa de morte na gravidez é por abortamento”.

“A sociedade não se convence que o crack é uma doença que veio para ficar. Cada vez mais nossos filhos e netos vão conviver com este problema. O esforço não é para acabar com a droga, porque isso é impossível, mas precisamos ter o mínimo de controle”.

“O movimento antivacinação que existe hoje é a prova de que Deus limitou a inteligência humana, mas a burrice é ilimitada”.

“Se eu pudesse escolher uma briga para vencer na vida seria contra o cigarro, que para mim é o maior crime da história do capitalismo moderno. Eu sei como acaba a vida dos fumantes, é um sofrimento absurdo. Sei como ex-usuário, como alguém que perdeu familiares por causa disso e como médico. A falta de ar dá um desespero horrível. Se um fumante não tiver a sorte de morrer de um ataque cardíaco fulminante, vai morrer sofrendo”.

“A morte é a única certeza que temos na vida, mas a sociedade ocidental tem dificuldade em lidar com ela. Tínhamos que começar com as crianças, mostrando com clareza que a morte é um fato da vida e que temos que lidar com isso com mais naturalidade, sem peso”.

“Aqueles que têm condições financeiras acham hoje que a morte não pode acontecer de jeito nenhum. E nós, médicos, somos formados para lutar contra e muitas vezes passamos do ponto. Continuamos a tratar do paciente mais tempo do que o ideal e acabamos prolongando não a vida, mas o sofrimento”.

“Estou perto de completar 30 anos de trabalho nos presídios, mas não penso em parar. Nossa tendência é conviver com os semelhantes, aqueles da mesma classe social, com um nível intelectual parecido e, se possível, com a mesma ideologia política. É assim que nos sentimos seguros. Para mim é fundamental o contato com o contraditório”.

A bancada de entrevistadores reuniu Ana Cecília Marques (doutora em psiquiatria, professora da Unifesp e coordenadora da Comissão de Drogas da Associação Brasileira de Psiquiatria) e os jornalistas Cláudia Collucci (Folha), Cristiane Segatto (Época), Fabiana Cambricoli (Estadão) e Robinson Borges (Valor). Com desenhos em tempo real do cartunista Paulo Caruso, o programa foi exibido ao vivo pela TV Cultura.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Sonia Fausta Tavares Monteiro

    Parabéns, Augusto, pelo excelente Roda Viva! Dr. Drausio Varela é, sem dúvida. um grande exemplo de médico! Tem como preocupação não apenas o cuidado físico, mas também o cuidado com a mente de seus pacientes. Vela pela sociedade como um guardião da verdade, e sem qualquer tipo de discriminação. É mesmo, além de médico dedicado, um ser humano muitíssimo especial, e que sonha com um país melhor e mais sensível às dores de sua população!

    Curtir

  2. Maros Pontes

    Aborto intencional é crime e sempre será, se temos 600 mil encarcerados, temos no mínimo 2 milhões de vítimas desamparadas, lugar de criminoso é na cadeia, não importa a idade.

    Curtir

  3. Boa noite. Quando ele diz:- que o crack veio para ficar..Soa como deixar ficar como está, acomodação. Não esperança então…E a população que mora nos bairros afetados? E o comércio? Os familiares que querem tirar seus parentes dessa vida? Não gosto…

    Curtir

  4. Denise.nagamine Nagamine

    Adilson Nagamine cg
    A Zica microcefalia é uma doença artificial como a doença da vaca louca fabricada pelos riquinhos malthusianos. Você sabe porque o suicídio está aumentando nas mulheres?
    Depressão pós aborto.
    O melhor meio de não sofrer de depressão pós aborto é não fazer aborto. Deixe para adotar. 700.000.000 milhões de crianças nacituras mortas nas clínicas de aborto determinaram o Supremo Juiz Celestial destruir Nas York com um mega tsunami. Vai publicar? Acho que vai “editar”. Pronto falei

    Curtir

  5. Fábio Luís Inaimo

    Asim como contra corrupção ou contra o Crack , passos tem que sr dados. Então que sejam dados os passos na direção certa, contra o crack , acho que sim, estão. Já , contra a corrupção, não sei não !!!

    Curtir

  6. Jorge Augusto Nunes Guimarães

    A leitura de alguns dos vários comentários aqui confirma uma das várias afirmações do Dr. Drauzio Varela:
    “…Deus limitou a inteligência humana, mas a burrice é ilimitada”.
    Não leem. Quando leem, não entendem. Quando entendem e não coincide com seu bagaço mental, repelem.
    Chamá-los de reacionários, é pouco! E triste de nós por se dar tão poucos ouvidos a gente como o Dr. Drauzio e se esperar soluções dos Olavos, dos Bolsonaros, das Marinas…

    Curtir

  7. Muitas meias verdades para uma pessoa muito inteligente e bem formada. Primeiro, seguir caminhos errados é uma escolha individual, sendo lógico que pessoas com baixo nível de informação tendem a fazer más escolhas por ignorância, portanto na minha visão o Estado ao invés de ser paizão e mãezona, deve prover informação na forma de educação e estimular a presença da família na vida de todos, ao contrário do que é feito hoje quando nossos professores, com a tutela de “intectuais e governantes”, querem por que querem incutir ideologia e não conhecimento além de lutar contra os valores de família e cidadania. Além disto, como profundo conhecedor de epidemias e endemias bem como da evolução das doenças e suas causas, o prof. conhece a necessidade da aplicação de conceitos matemáticos como as pesquisas e o uso de estatística, esta última uma grande arma contra pré-conceitos principalmente os ideológicos que não se sustentam com ela. Um exemplo vai dentro da própria fala do prof. quando ele afirma que a maior parte dos viciados (vejam que ele não faz estatística alguma), são pessoas da classe mais pobre. Ora, eu então pergunto: como é formada nossa sociedade, somente de pessoas da classe média (verdadeira, não classe média da Dilma e do Lulla) e ricas?
    E se a estatística mostrar que percentualmente os mais bem formados representam ali, no meio daquela mais deprimente condição, mais do que na sociedade como um todo? Seria umacomprovação de que o fator “ESCOLHA” é muito mais preponderante do que o fator pobreza! Isto seria o fim para o lenga lenga do coitadismo esquerdista que é lindo, aconchegante, politicamente correto mas que manda a conta para os de sempre: os que fizeram as escolhas corretas, não por acaso as mais difíceis e chatas!!!
    Muito bonita a atitude de voluntariado o que mostra uma pessoa disposta a ajudar a sociedade, mas como dizia meu pai, “de boas intenções o inferno está cheio”, portanto é preciso mudar a maneira de ver o problema, sem as lentes míopes do coitadismo para que as soluções apareçam de maneira mais clara e o achismo sem comprovação empírica desapareça da nossa frente.

    Curtir

  8. Paulo Bandarra

    Só com muita censura para os comentários serem de apoio.

    Curtir

  9. Rodrigo Sixel de Paula

    A cada palavra que leio do dr. Drauzio Varela, cada vez mais me convenco que como médico, ele é ótimo. Mas calado ele é um poeta.

    Curtir