Clique e assine a partir de 9,90/mês

Vendas no comércio sobem 2,3% em 2018 e têm maior alta em cinco anos

Índice registrou o melhor resultado desde 2013, quando havia subido 4,3%

Por Da redação - Atualizado em 13 fev 2019, 12h08 - Publicado em 13 fev 2019, 10h58

comércio varejista nacional registrou um avanço de 2,3% em 2018, na comparação com o ano anterior. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 13, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse é o melhor resultado do setor desde 2013, quando o comércio havia expandido 4,3%. Foi o segundo resultado positivo consecutivo, ficando ligeiramente acima do desempenho de 2017, quando o índice subiu 2,1%. Mesmo assim, o crescimento acumulado de 4,4% nos últimos dois anos não recuperou a queda de 10,3% acumulada entre 2015 e 2016.

Apesar do crescimento no acumulado no ano, as vendas perderam fôlego no segundo semestre, como explica a gerente da Pesquisa Mensal do Comércio, Isabella Nunes. “Foi um semestre marcado pela alta do dólar, por incertezas diante do período eleitoral e pela recuperação da greve dos caminhoneiros, mas, no geral, com saldo positivo”, resume.

No índice mensal, as vendas de dezembro caíram 2,2% em relação às de novembro, no que foi o pior resultado para o mês desde 2000, porém cresceram 1,8% na comparação com dezembro de 2017. “Como em novembro houve uma disparada nas vendas por causa da Black Friday, já era esperado que dezembro registrasse queda”, explica Isabella.

Continua após a publicidade

Setores

As vendas da atividade que contempla os hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo cresceram 3,8% e registraram a maior influência positiva, seguida pelos setores de outros artigos de uso pessoal e doméstico, com alta de 7,6%, e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, com 5,9%.

Já as atividades com as principais quedas nas vendas foram combustíveis e lubrificantes (-5%), tecidos, vestuário e calçados (-1,6%), móveis e eletrodomésticos (-1,3%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-14,7%).

“Supermercados, artigos pessoais e farmacêuticos englobam produtos que fazem parte do cotidiano das pessoas. Diante de uma economia estável, são setores que naturalmente apresentam crescimento. Já entre as atividades que caíram, destaca-se o setor de combustíveis e lubrificantes, que, em 2018, sofreram com alta nos preços acima da inflação”, diz Isabella.

Comércio Varejista Ampliado

Já no Comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, houve expansão de 5%. Vendas de veículos, motos, partes e peças (15,1%) e de na de material de construção (3,5%) puxaram o resultado.

Continua após a publicidade

Em dezembro, no entanto, houve queda de 1,7% em relação a novembro. O setor de Veículos, motos, partes e peças teve queda de 2% e o de Material de construção de 0,4%.

Publicidade