Clique e assine a partir de 9,90/mês

Vendas de supermercados crescem 1,54% em dezembro

Por Da Redação - 31 jan 2012, 10h49

SÃO PAULO (Reuters) – As vendas reais dos supermercados brasileiros subiram 1,54 por cento em dezembro de 2011 na comparação com o mesmo mês do ano anterior, informou nesta terça-feira a associação que representa o setor no país, Abras. Em relação a novembro, houve alta de 30,01 por cento.

No fechado de 2011, o setor supermercadista apurou vendas 3,71 por cento maiores contra os 12 meses anteriores, abaixo da estimativa da Abras de crescimento anual de 4 por cento.

“O aumento de 30,01 por cento em relação às vendas do mês anterior já era esperado, afinal dezembro conta com as festas de final de ano. O acumulado do ano, de 3,71 por cento, confirma a tendência de acomodação do mercado, com crescimento mais moderado”, disse o presidente da Abras, Sussumu Honda.

Para este ano, a Abras estima alta entre 4 e 4,5 por cento nas vendas em relação a 2011, favorecidas principalmente pelo reajuste no salário mínimo.

Continua após a publicidade

Em termos de volume, o setor apurou crescimento de 1,8 por cento nas vendas do último ano, comparado a expansão de 6,7 por cento em 2010, segundo levantamento da entidade em parceria com a Nielsen.

O volume de vendas em 2011 foi puxado pela cesta de bebidas alcoólicas, com aumento de 5,7 por cento, e de produtos perecíveis, 4 por cento maiores no ano passado.

CESTA

A Abras apresentou também os dados da cesta AbrasMercado, composta por 35 produtos e calculada pela GfK, que em dezembro aumentou 2,23 por cento sobre o mês imediatamente anterior, para 318,64 reais. Na comparação anual, o valor da cesta subiu 3,78 por cento.

Continua após a publicidade

Os produtos com maiores altas de preço em dezembro sobre novembro foram feijão (+7,37 por cento), sabonete (+6,10 por cento) e carne traseiro (+6,02 por cento). As maiores quedas foram cebola (-7,24 por cento), batata (-3,77 por cento) e tomate (-3,38 por cento).

Em 2011, a cesta registrou crescimento de 3,78 por cento nos preços.

(Por Vivian Pereira)

Publicidade