Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Venda de veículos novos tem queda de 13,4% na primeira quinzena

Incluindo caminhões e ônibus, foram comercializadas 141,3 mil unidades até sexta-feira

Por Da Redação 16 jul 2013, 13h22

As vendas de veículos novos na primeira metade do mês caíram 13,4% em relação ao mesmo período de junho e 2,66% na comparação com a primeira quinzena de julho de 2012. Incluindo caminhões e ônibus, foram comercializadas 141,3 mil unidades até sexta-feira, 12.

Só em automóveis e comerciais leves foram 133,7 mil unidades, queda de 13,9% ante o mesmo período do mês passado e de 4,4% em relação aos números de um ano atrás, segundo dados parciais do mercado.

No acumulado do ano, as vendas totais somam 1,94 milhão de unidades, 3,2% a mais que em igual intervalo do ano passado. Apesar da queda nos primeiros 15 dias, a indústria prevê para o mês vendas de 355 mil veículos, ante 318 mil em junho e 364,2 mil em julho de 2012.

Leia também:

Número de casas com carros dobrou nos últimos 20 anos

Continua após a publicidade

Produção e licenciamento de carros batem recorde no 1º semestre

O setor automobilístico iniciou julho com estoques de 415,3 mil veículos, o equivalente a 39 dias de vendas. No mês anterior, fábricas e revendas contabilizavam 385,3 mil carros nos pátios, suficientes para 36 dias de vendas.

Férias coletivas – Pelo menos uma montadora, a General Motors, dará férias coletivas aos 750 funcionários da linha de produção do modelo Classic, em São José dos Campos (SP), “com o objetivo de ajustar sua produção à demanda do mercado”, segundo informou a empresa. Eles ficarão em casa de 22 a 4 de agosto.

A Volkswagen também iniciou na segunda-feira um período de dez dias de férias coletivas para 1,7 mil funcionários da fábrica de São Bernardo do Campo (SP), mas, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC o motivo é um ajuste na linha de produção da picape Saveiro. A empresa confirma a parada, mas apenas diz tratar-se de “ajustes técnicos em parte da linha de montagem na unidade Anchieta”.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Betim (MG) a Fiat chegou a cogitar uma paralisação de dez dias neste mês, mas depois optou por paralisações pontuais.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade