Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vai jorrar petróleo: a visão de um CEO norueguês sobre o Brasil

O governo federal lança na semana que vem o primeiro de uma série de leilões com alto potencial de chacoalhar a adormecida indústria de extração

Depois de quatro anos de quase paralisia na venda de blocos de exploração de petróleo (tirando um malsucedido leilão em 2015), o Brasil volta ao tabuleiro global a partir de quarta-feira, dia 27. Serão três rodadas de leilões em um mês, dois de campos do pré-sal. O governo espera arrecadar cerca de 8 bilhões de reais nas concorrências, uma injeção de ânimo no combalido caixa federal e uma boia de salvação para o Rio de Janeiro, onde 30% da economia gira em torno do chamado ouro negro.

Quarenta empresas planejam entrar na briga por um espaço em águas brasileiras, entre elas as gigantes Shell, Total e Statoil, da Noruega, cujo CEO, o economista Eldar Saetre, 61 anos, esteve no Brasil para definir estratégias. À frente de uma operação em 35 países e faturamento na casa de 45 bilhões de dólares por ano, ele falou a VEJA desta semana sobre sua visão do país – ciente dos problemas que abalam Brasília, sua ótica não é idílica, mas otimista em relação à economia em geral e ao mercado de petróleo em particular, menos tutelado agora pelas mãos do estado. Em sua visita, Saetre encontrou-se com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, a quem contou sobre como a Statoil conseguiu desarticular sua própria teia de corrupção (sim, também aconteceu ali).

Leia esta reportagem na íntegra assinando o site de VEJA ou compre a edição desta semana para iOS e Android.

Aproveite também: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Flávio Pereira

    Vende Tudo!

    Curtir

  2. Lauro Ferreira Melo

    Vendam os campos de petróleo e também a petrobrás, só assim acaba a corrupção

    Curtir

  3. Astrolabio Fraga Serejo

    Empresas com capital predominantemente público em todos os níveis da administração pública são focos de: Cabide de empregos, Atraso tecnológico, Peleguismo, Burocracia e a consequente CORRUPÇAO desenfreada. Portanto PRIVATIZAÇÃO.!!!!!!

    Curtir

  4. Isso, privatizar é a solução! Empresário privadas são exemplos de moral e conduta correta, como vemos com a Odebrecht, JBS e afins!

    Curtir

  5. João Souza, há corrupção em empresas privadas, sim. Só que, quando há, quem perde são os acionistas, sócios etc, não é o pagador de impostos. No Brasil, o estado (PT!!!!) se juntou às empresas pra roubar dinheiro público. Aí, sim, o pagador de impostos se ferra. Ou seja, quanto menor o estado, menos risco de o contribuinte dar dinheiro pra corruPTos. Mas você sabe disso, quer só tergiversar.

    Curtir

  6. Wagner Andrade D Alonso

    É só Privatizar que acaba com a corrupção, com os mandos e desmandos de Sindicatos, com os penduricalhos de militantes, enfim, quem vai ganhar é o contribuinte…os Petralhas são os Parasitas de um desgoverno sem compromisso.

    Curtir

  7. Osmar Serrragem

    Chega de estatais loteadas como Capitanias Hereditárias pra os amigos do Rei. Onde o sobrinho arruma emprego para a namorad do enteado com um bilhetinho (agora é email). Privatiza tudo!!!

    Curtir

  8. Só dá pra acabar com a corrupção do petróleo, se PRIVATIZAREM A PTROUBRÁS !!!!!!

    Curtir

  9. Paulo Bertazzi

    Desestatização Já! Estado mínimo é a solução. Estatais são cofres privados de agentes públicos e políticos!!

    Curtir

  10. Junior Padilha

    Os caras conseguem falir um país que tem de tudo …eles conseguem o impossível …

    Curtir