Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

União Europeia aprova acordo para mudança de regras fiscais

Acordo flexibiliza prazo para redução da dívida pública e estabelece limites menos rígidos

Por Luana Zanobia
10 fev 2024, 14h44

Após uma jornada de negociações acirradas, a União Europeia finalmente acena com uma mudança crucial: a reforma das suas regras fiscais. Neste sábado, 10, os negociadores da UE finalmente chegaram a um consenso para flexibilizar suas regras fiscais, prolongando o tempo para que os países-membros do bloco reduzam suas dívidas, enquanto oferece incentivos para aumentar os investimentos públicos em áreas críticas, como ação climática, política industrial e segurança.

Os países da UE terão agora sete anos, em vez dos quatro anteriores, para reduzir suas dívidas e déficits, a partir de 2025. A reformulação das regras, vigentes há duas décadas e conhecidas como Pacto de Estabilidade e Crescimento, foi desencadeada pelo aumento recorde da dívida em alguns países do bloco em decorrência dos gastos destinados à recuperação econômica pós-pandemia e, posteriormente, com gastos de defesa em decorrência da guerra no Leste Europeu.

As novas disposições estabelecem metas mínimas para a redução do déficit e da dívida, porém menos ambiciosas do que as anteriores. As novas regras revisadas permitem que os países com dívidas excessivas reduzam sua carga em média 1% ao ano, caso ela exceda 90% do Produto Interno Bruto (PIB). Para dívidas entre 60% e 90% do PIB, a redução média anual será de 0,5%. Além disso, os países com déficits superiores a 3% do PIB deverão reduzir esse déficit pela metade, para 1,5%, durante períodos de crescimento econômico, estabelecendo um amortecedor de segurança para futuras dificuldades. Contudo, um Estado membro com uma dívida excessiva não será obrigado a reduzi-la para menos de 60% até o final deste período, desde que esteja em uma trajetória plausível de queda.

Economistas alertam que as novas regras fiscais terão impacto no crescimento econômico da região. O BNP Paribas calcula que a regra vai reduzir cerca de 0,1 a 0,2 pontos percentuais do PIB na zona do euro nos próximos dois anos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.