Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Teto para gasto e pagamento antecipado do BNDES vão gerar economias, diz Meirelles

Medidas fazem parte do pacote anunciado nesta terça-feira pelo presidente interino Michel Temer e a equipe econômica

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 01h43 - Publicado em 24 Maio 2016, 13h15

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, estimou que, em três anos, as despesas do governo em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) podem cair entre 1,5 e 2 pontos porcentuais com a adoção de um instrumento para limitar o gasto. O governo anunciou nesta terça uma série de medidas que tentarão reequilibrar as contas públicas, entre elas a criação de um teto para os gastos primários, que terá a inflação do ano anterior como referência.

Segundo Meirelles, essa será a primeira vez que a queda ocorrerá desde a promulgação da Constituição, em 1988. O ministro informou também que a criação do teto, que impede o crescimento real da despesa, vai demandar medidas complementares.

Meirelles disse que o teto terá o “efeito da maior seriedade”, caso seja aprovado pelo Congresso. O ministro ressaltou que despesas tiveram um crescimento real de 180% entre 1997 e 2015. “Isso faz necessidade de cortes importantes”, afirmou.

Ele enfatizou ainda que o crescimento nominal zero das despesas, com a implementação do teto, representará um fato de grande importância e que sinaliza, junto com o corte de subsídios, um programa de controle de despesas que terá efeito continuado.

O governo também deve economizar com a antecipação de 100 bilhões de reais de pagamentos de débitos do BNDES ao Tesouro Nacional. A economia prevista com a antecipação é de 7 bilhões de reais ao ano.

Continua após a publicidade

Meirelles disse que a devolução dos recursos não tem impacto nas receitas primárias, mas tem impacto na diminuição do endividamento público, uma vez que, com os recursos do BNDES, o Tesouro vai reduzir a emissão de títulos para o pagamento da dívida. “Estamos tendo como missão hoje a redução da dívida pública”, afirmou.

O ministro da Fazenda disse que a antecipação dos recursos do BNDES ao Tesouro levou em conta toda a programação de investimentos e crédito do banco de fomento para os próximos dois anos e o que foi feito nos anos anteriores. “Esses recursos, de fato, estavam ociosos, e estariam ociosos, causando um custo desnecessário ao Tesouro Nacional, que está se financiando no mercado”, afirmou. “Estamos fazendo uma boa gestão das contas públicas”.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.