Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Teto de juros no rotativo do cartão de crédito começa a valer nesta quarta

Conforme regras definidas em dezembro, dívida total não poderá superar o dobro do valor principal; atualmente, taxas ultrapassam os 400% ao ano

Por Larissa Quintino Atualizado em 7 Maio 2024, 16h41 - Publicado em 2 jan 2024, 10h28

Começam a valer nesta quarta-feira, 3, as novas regras que limitam os juros cobrados nas dívidas no cartão de crédito. A mudança foi estabelecida em dezembro, em decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN), e com ela o juro no rotativo do cartão não poderá ultrapassar 100% do valor principal da dívida.

O rotativo do cartão é uma modalidade de crédito oferecida ao consumidor quando ele não paga o total da fatura do cartão de crédito até a data do vencimento mensal. Com a mudança, a dívida total de quem atrasa a fatura do cartão de crédito não poderá superar o dobro do débito original. Atualmente, os juros do rotativo estão na casa de 430% ao ano, sendo a linha de crédito mais cara do mercado para pessoa física.

O cartão de crédito é uma importante ferramenta de financiamento no país. Por ano, os cartões movimentam cerca de 2 trilhões de reais por ano, o que equivale a 21% do produto interno bruto. Esse meio de pagamento responde por 40% do consumo das famílias brasileiras. O uso do rotativo, com juros, representa 3% do crédito das pessoas físicas. Em média, os clientes ficam 18 dias em média pagando o rotativo, segundo dados da Febraban.

Mudança

A lei que criou o Desenrola, programa de renegociação de dívidas, sancionada em outubro, deu 90 dias para que os agentes financeiros apresentassem e o CMN aprovasse uma alternativa para as taxas de juros. Se não houvesse um acordo entre governos e bancos, passaria a valer o que foi aprovado pelo Congresso: o limite de 100% nos juros. Como não houve consenso no setor financeiro sobre regras alternativas, o CMN oficializou o que previa a lei.

De acordo com o Serasa, 20,8 milhões (ou 28,9% dos 71,8 milhões de inadimplentes) possuem pendências com bancos e cartões — o segmento que mais concentra dívidas atrasadas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.