Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

TAM registra prejuízo de R$ 619,7 mi no 3º trimestre

Por Da Redação 10 nov 2011, 09h11

Por Beth Moreira

São Paulo – A TAM Linhas Aéreas informou hoje que obteve prejuízo líquido de R$ 619,7 milhões no terceiro trimestre de 2011, ante resultado positivo de R$ 733,5 milhões apurado em igual período de 2010.

O Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações), por sua vez, somou R$ 739 milhões, com queda de 13,8% sobre o terceiro trimestre de 2010. A margem Ebitda ficou em 22,3%, com recuo de 6,9 pontos porcentuais sobre o ano anterior.

O Ebitdar (equivalente ao Ebitda antes das despesas com arrendamento de aeronaves) caiu 12,6% entre julho e setembro deste ano, para R$ 852,4 milhões. A margem Ebitdar caiu 7,5 pontos porcentuais, para 25,7% na mesma comparação.

A receita líquida atingiu R$ 3,319 bilhões, avanço de 13% frente a igual intervalo do ano passado. O resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 1,3 bilhão no terceiro trimestre, ante resultado positivo de R$ 444,8 milhões registrado no mesmo período do ano passado.

Continua após a publicidade

Plano de frota

A TAM também informou que revisou seu plano de frota a partir de 2012, com o objetivo de aumentar a rentabilidade e otimizar as operações da empresa. “Para alcançar esse objetivo, intensificaremos nossas ações de controle de custos e aumento de receitas”, informa a companhia no relatório do balanço do terceiro trimestre.

Entre as medidas adotadas, a frota “narrow body” (fuselagem estreita) não será aumentada em quatro unidades no próximo ano, como originalmente previsto. Em 2012, a empresa receberá 13 novos aviões da família Airbus A320 e devolverá 13 aeronaves que estão atualmente em operação.

A empresa explica ainda que para a frota “wide body” (fuselagem larga), na rota São Paulo-Milão, substituirá as aeronaves Airbus A340 por Airbus A330, em função da sua maior eficiência energética dessas aeronaves, que voam com dois motores.

“Mesmo sem aumento líquido da frota doméstica, graças aos ganhos de eficiência conseguidos pela maior utilização das aeronaves, a oferta de assentos domésticos (ASK) crescerá 4% em 2012 na comparação com 2011”, informa.

Continua após a publicidade
Publicidade