Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Suspensão de vendas da TIM, Oi e Claro começa nesta segunda-feira

Operadora italiana é a mais atingida, com proibição de vender linhas em 19 estados brasileiros; Vivo, CTBC e Sercomtel ficam de fora da punição

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende, anunciou oficialmente que as operadoras TIM, Oi e Claro serão temporariamente proibidas de vender novos pacotes de telefonia celular em alguns estados. A decisão foi comunicada em entrevista coletiva nesta quarta-feira em Brasília. A proibição, que afetará uma operadora por unidade da federação, passa a valer já a partir desta segunda-feira.

Punições – A TIM, principal atingida pela decisão, ficará impedida de vender linhas de celular em 19 unidades da federação: Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia e Tocantins.

A Oi foi punida nos estados do Amazonas, Amapá, Mato Grosso do Sul, Roraima e no Rio Grande do Sul.

No caso da Claro, a medida afeta os estados de Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

Vivo, CTBC e Sercomtel não receberam qualquer tipo de sanção.

Critérios – Apenas uma empresa foi punida em cada estado. A Anatel decidiu aplicar as sanções com base em análises da atuação das operadoras em todo o país, explica Rezende. O cálculo levou em conta a média de reclamações recebidas pelo órgão regulador em cada unidade da federação, bem como índices de capacidade de rede e números de interrupções nas ligações ou fornecimento de dados. Os indicadores foram colhidos entre janeiro de 2011 e junho deste ano e as empresas que mais se destacaram pela baixa qualidade foram punidas. “O objetivo é permitir que o cliente tenha pelo menos três opções de operadoras em cada estado”, explicou Bruno Ramos, superintendente de Serviços Privados da Anatel.

Plano de investimento – “Estamos exigindo que as empresas apresentem um plano de investimento em até 30 dias”, explicou Rezende. A agência analisará as condições das propostas apresentadas. Serão exigidas soluções para a baixa qualidade da rede, interrupção de chamadas, o alto número de ligações não-completadas e insucesso no atendimento de call center. Se as condições forem consideradas satisfatórias, a Anatel poderá autorizar a retomada da venda de novas linhas.

Em caso de descumprimento da proibição, as empresas receberão multa de 200.000 reais por dia. “Embora se trate de uma medida extrema, ela é importante para se fazer uma arrumação no setor”, afirmou Rezende.

Vivo, CTBC e Sercomtel, apesar de terem fica de fora da punição, também terão de apresentar plano de investimento dentro de 30 dias. Se não o fizerem, podem ter o mesmo destino de TIM, Claro e Oi.

Acompanhamento – Ramos destacou, na coletiva de imprensa, que o órgão regulador fará uma análise prévia das propostas de investimento. Na hipótese de serem aceitas, a Anatel fará acompanhamento mensal da execução dos planos junto as operadoras. Segundo o superintendente, a expectativa é que ocorra melhoria imediata da qualidade nas áreas de atendimento e call center. Na infraestrutura de rede, entretanto, os aperfeiçoamentos devem ser sentidos pela população dentro de seis meses. No tocante à tarifas, ele não vê efeito sobre os pacotes em vigor. Contudo, novos planos tarifários a serem lançados pelas companhias terão de incorporar este novo cenário.

Planos ilimitados – A agência reguladora não comentou diretamente os planos de chamadas ilimitadas adotados por algumas operadoras, destacadamente a TIM, e que, segundo analistas, explicam parte dos problemas do segmento por causarem sobrecarga de tráfego. Para a Anatel, o mercado ganha com a competição. “Essa é uma questão de marketing das empresas. A Anatel acha bom o crescimento da oferta de serviços desde que as operadoras tenham como sustentar isso”, explica Ramos. O superintendente lembra que não só os pacotes ilimitados colaboraram para este quadro. Também foi decisiva a rápida popularização dos smartphones e tablets.

Pressão crescente – Na quinta-feira da semana passada, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, ameaçou impedir a italiana TIM – ainda que a ação caiba, de fato, à Anatel – de comercializar novos pacotes de telefonia móvel no país caso a operadora não acelerasse os investimentos em suas redes para melhorar a qualidade do serviço em algumas regiões do país. Nesta segunda, o Procon de Porto Alegre (RS) proibiu as empresas Claro, Oi, Tim e Vivo de vender novas linhas e internet 3G por problemas na prestação dos serviços e até que as questões sejam solucionadas. Na capital gaúcha, alegam as companhias, a má qualidade deve-se a proibição local para levantar novas antenas de telefone celular. Ainda no estado, o Procon do Rio Grande do Sul notificou nesta quarta as operadoras para que prestem informações sobre os serviços prestados. Se entender que a qualidade da telefonia móvel e internet 3G não é satisfatória e que as empresas não entregam aos consumidores os serviços contratados, poderá suspender a venda de novas linhas, a exemplo do que ocorreu em Porto Alegre.

Leia mais:

Governo propõe a teles que compartilhem rede

Suspensão da venda de celulares pode atingir todo RS

Operadoras são proibidas de vender linhas de celular em Porto Alegre

Anatel pode suspender planos da TIM

Queixas – TIM, Oi e Claro são as empresas que mais recebem queixas dos consumidores, de acordo com dados do Procon-SP. A Claro é a terceira companhia mais reclamada de janeiro a 17 de julho, com 2.320 queixas. A TIM aparece em sexto lugar, com 1.682 reclamações, e a Oi, em 11º, com 1.164 queixas.

As ações das empresas de telefonia operaram em queda na bolsa de valores durante a tarde desta quarta. As ações preferenciais (PN) da Oi lideraram as perdas do Ibovespa, com recuo de 4,47%, seguidas pelas ordinárias (ON) da TIM Participações, que cederam 2,77%. As ON da Oi recuaram 2,24%, na quarta maior queda do índice de referência da bolsa paulista.

Procuradas pela reportagem, as assessorias de imprensa da Oi e da TIM afirmaram que divulgarão comunicados após a coletiva de imprensa da Anatel em Brasília. A Claro afirmou que ainda está apurando a informação.