Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Suspeita de espionagem faz Brasil avaliar mais conteúdo local para 4G

Por Da Redação - 16 jul 2013, 13h33

O governo estuda aumentar a exigência de conteúdo local no leilão de serviço de telefonia móvel de quarta geração (4G) na faixa de 700 MHz. A possibilidade foi levantada por causa das suspeitas de espionagem de cidadãos brasileiros pelo governo dos Estados Unidos, disse uma fonte que participa das discussões sobre o leilão da tecnologia 4G.

As denúncias de espionagem estão sendo investigadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O governo já anunciou que analisa medidas para aumentar a segurança da rede, como exigir que os dados de brasileiros fiquem armazenados em centros de processamento de dados situados em território brasileiro.

Leia também:

Snowden pede asilo temporário à Rússia, diz advogado

Publicidade

Espionagem não é ‘novidade’, diz ministro

TIM oferece rede 4G para 79 bairros da capital paulista

Segundo a fonte, o Ministério das Comunicações, a Anatel e o Ministério da Ciência e Tecnologia vão conversar com a indústria para saber se, para aumentar a segurança da rede no país, é possível aumentar a exigência de conteúdo local na implantação do 4G em 700 MHz, no leilão que está previsto para o início do ano que vem. “Esse episódio reforça a importância de investir em tecnologia local”, disse a fonte, ressaltando que o foco deve ser o de tentar aumentar a exigência de tecnologia nacional.

No leilão de 4G realizado em 2012, na faixa de 2,5 GHz, a exigência final de conteúdo nacional aumentava gradativamente, de 60% em 2014 a 70% entre 2017 e 2022, incluindo tanto produtos fabricados no país como tecnologias brasileiras. “Temos de avaliar ainda com a indústria se é possível atender a um aumento da exigência”, ponderou a fonte.

Publicidade

Leia ainda: PF investigará espionagem dos EUA no Brasil, diz ministro

Governo planeja leilão para faixa de 4G em abril de 2014

4G: a rede rápida, cara e que quase ninguém usa

Leia mais:

Publicidade

Reunião do Mercosul vira palanque contra espionagem

(com agência Reuters)

Publicidade