Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Seis redes de franquias que naufragaram no Brasil

Empresas que já pareceram grandes investimentos ficaram pelo caminho no país; relembre alguns casos

Por Da redação Atualizado em 27 ago 2017, 12h49 - Publicado em 8 nov 2016, 21h54

A segurança em investir em uma marca já famosa, com operações padronizadas e marketing forte, leva muitos empreendedores a optar por alocar seu dinheiro em franquias. Mas, como todos os outros setores da economia, há casos de unidades franqueadas que não deram certo no Brasil e passaram a ser apenas mais um episódio de fracasso na história empresarial do país.

O site de VEJA listou alguns exemplos de franquias que não tiveram tanto sucesso. Confira:

Dunkin’ Donuts
A franquia de rosquinhas e café americana atuou no Brasil por cerca de vinte anos. O resultado, porém, sempre ficou abaixo do esperado pelos franqueados, o que acabou levando a empresa a deixar o país em 2005. Dez anos depois, uma unidade da Dunkin’ Donuts foi aberta em Brasília. Mais ‘abrasileirada’, a franqueadora máster tenta agora reviver os sonhos da companhia americana no país.

Arby’s
Com um cardápio que tinha como carro-chefe o rosbife, a Arby’s abriu algumas lojas em São Paulo em 1992 para tentar repetir o relativo sucesso que a empresa faz nos EUA. Mas a concorrência por esse mercado é cruel, e a companhia americana não conseguiu se estabelecer no país como gostaria. A operação foi encerrada em 1999.

TGI Friday’s
O nome pode ser sugestivo: Thanks God It’s Friday (Obrigado Senhor, é Sexta-feira, em português). Mas o desemprenho da companhia no país ficou mais para a ressaca de sábado de manhã. A partir de 1997, o Friday’s abriu seis unidades no Brasil, mas o mau desempenho fez o único franqueado fechar todos as lojas. Neste mês, contudo, a empresa deverá reabrir uma unidade no país.

Radio Shack
A loja de artigos eletrônicos Radio Shack chegou a ter mais de 4.000 unidades nos EUA. Em 2015, a empresa entrou em concordata, mas continuou funcionando por lá. A empresa tentou abrir uma filial no Brasil, mas não se adaptou ao mercado e preferiu sair da operação.

Paleterias
Elas não têm apenas uma franquia, e são muitos os pontos de vendas. Mas a onda de sorvetes ‘gourmet’ com recheio que invadiu o Brasil no verão de 2015 ruiu com a chegada do inverno, quando as vendas congelaram. Duas das maiores franqueadoras, no entanto, Los Paleteros e Los Hermanos, continuam com dezenas de unidades abertas.

Blockbuster
O grupo Moreira Salles, antigo controlador do Unibanco, foi responsável pela chegada da rede de locadoras ao país. A cultura de aluguel de filmes em VHS, DVD e Bluray morreu com o crescimento da distribuição de vídeos por streaming e, com ela, a rede Blockbuster. O operação foi incorporada pelas Lojas Americanas em 2007. Nos EUA, a última loja fechou as portas em 2013.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)