Clique e assine com até 92% de desconto

Saques da poupança superam depósitos em R$ 11,2 bilhões em janeiro

Volume de saques para o mês é o segundo maior da história; Janeiro é mês de despesas como IPVA, IPTU e material escolar

Por Estadão Conteúdo 6 fev 2019, 15h48

Para fazer frente às despesas do início de ano, os brasileiros sacaram 11,232 bilhões de reais da caderneta de poupança em janeiro, informou o Banco Central.

O montante é o segundo maior da história para o mês de janeiro, perdendo apenas para os 12,032 bilhões de reais sacados em janeiro de 2016. A série histórica do BC começou em janeiro de 1995.

  • Os saques líquidos registrados no mês passado refletem, em grande parte, a necessidade de recursos para pagar despesas como IPTU, IPVA, matrículas e materiais escolares. Janeiro já é, tradicionalmente, um mês em que as famílias retiram recursos da caderneta, sendo que muitas vezes a origem do dinheiro é o 13º terceiro salário pago em dezembro.

    A diferença é que os 11,232 bilhões de reais retirados da caderneta em janeiro deste ano é mais que o dobro do montante registrado em janeiro de 2018 (5,201 bilhões de reais). Foram 205,905 bilhões de reais em saques no mês passado, contra 194,673 bilhões de reais em depósitos.

    Recuperação

    Em função da crise econômica, a caderneta registrou saídas líquidas em 2015 e 2016, mas iniciou um processo de recuperação no ano seguinte. Em 2018, em meio à relativa retomada do emprego e da renda, a poupança fechou o ano com captação líquida de 38,260 bilhões de reais.

    Esta procura maior pela poupança no ano passado ocorreu apesar de a rentabilidade ser, atualmente, inferior ao visto em anos anteriores. Hoje a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), que está próxima de zero, mais 70% da Selic (a taxa básica de juros da economia). A Selic, por sua vez, está em 6,50% ao ano desde março de 2018. Na noite desta quarta-feira, o BC anunciará o novo patamar da Selic, mas a tendência é de que a taxa não mude.

    Esta regra de remuneração da poupança vale sempre que a Selic estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança é atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano). Esta remuneração, mais elevada, deixou de valer em setembro de 2017, quando a Selic passou para abaixo do nível de 8,50%.

    Continua após a publicidade
    Publicidade