Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Refrigerante mais caro? Imposto pode pressionar a inflação

Em 2020, presidente Bolsonaro já refutou a ideia de taxar bebidas açucaradas, que agora é prevista em recente projeto de lei

Por Renan Monteiro Atualizado em 27 Maio 2022, 15h53 - Publicado em 27 Maio 2022, 15h44

A justificativa de conter a obesidade infantil e diabetes tributando bebidas açucaradas tem forte embasamento, do ponto de vista social. E até mesmo econômico. Elas causam aquilo que se chama de externalidade negativa, quando o consumo de um bem ou serviço causa prejuízo a terceiros. No caso, pode aumentar os custos com saúde pública, exigindo mais encargos para a população. Todavia, um eventual tributo, no curto prazo, pode impactar a oferta e aumentar os preços para os consumidores. Especialistas ouvidos pela VEJA concordam que o resultado da taxação de refrigerantes e produtos açucarados, prevista em projeto tramitando no Senado Federal, pressionaria ainda mais a inflação.  

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS), no Senado, aprovou na terça-feira, 24, o Projeto de Lei 2.183/2019. De autoria do Senador Rogério Carvalho (PT-SE), o PL institui a chamada Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide). Na prática, os produtores seriam taxados em 20% com a comercialização de bebidas açucaradas, incluindo os refrigerantes. O resultado previsto é o aumento no custo e desestímulo no consumo interno. Só bebidas alcoólicas e açucaradas exportadas pelo Brasil ficariam de fora da tributação. Se por um lado, a taxação de refrigerantes e bebidas seria positiva, considerando os problemas de saúde pública, por outro lado, o PL tem resultados prático negativos para o consumidor. “Há muitas pessoas que consomem refrigerantes, nós já estamos com uma inflação muito pesada e essa medida pode por ainda mais pressão no nível inflacionário, se aprovada”, diz Wagner Varejão, economista e sócio da Valor Investimentos.

O projeto também iria na contramão do recente movimento do executivo em conter a inflação com a tributação negativa, defende Matheus Peçanha, economista e pesquisador do FGV/IBRE, uma vez que a equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro vem atuando na contínua isenção de tributo para diversos itens e bem produzidos. O exemplo mais recente é a redução de 10% no imposto de importação de alimentos como a arroz, carne e feijão. “Com uma eventual taxa de 20% para as bebidas açucaradas, vamos observar uma inflação desses itens, que possivelmente apresentam uma demanda bem inelástica. As pessoas não deixariam de consumir esses produtos e não seria um aumento de preços relativos, pois todos os refrigerantes teriam aumento e não haveria um substituto imediato”, diz Peçanha.

Embora o governo aposte, no atual momento, na estratégia de isentar tributos, a proposta da taxar bebidas açucaradas já passou pelo radar do Ministro da Economia, Paulo Guedes. Durante o Fórum Econômico Mundial de 2020, em Davos, Guedes falou abertamente dessa possibilidade. Na época, o presidente Bolsonaro refutou a ideia. De todo modo, a medida segue uma linha de raciocínio de longo prazo. Se mais pessoas consomem produtos açucarados em excesso, maiores deverão ser os problemas de saúde e o sufoco no hospitais públicos. Um estudo de 2021, do Instituto de Efectividad Clinica y Sanitária (IECS), apontou para o custo de 2,9 bilhões de reais por ano ao sistema de saúde brasileiro no tratamento de doenças relacionadas ao consumo de bebidas açucaradas.

O PL 2.183/2019 no momento está na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), para decisão final. O relator, na comissão, é o Senador Otto Alencar (PSD-BA). Se efetivado, os valores arrecadados com a tributação de 20% deverão ser aplicados em ações e serviços públicos de saúde, com gerenciamento do Fundo Nacional de Saúde (FNS).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.