Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Redução na conta de luz será de 16,7% – aquém do esperado pelo governo

Márcio Zimmermann, secretário do MME, responsabilizou as companhias estaduais Cesp, Copel e Cemig pela queda menor no valor da energia

Por Da Redação 4 dez 2012, 16h17

O secretário executivo do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Zimmermann, disse nesta terça-feira que a redução média da conta de luz a partir do início de 2013 será de 16,7%. De acordo com o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner, esse desconto virá nas contas de março, pois o recolhimento de alguns desses encargos deixará de ser feito a partir daquele mês.

Da redução de 16,7%, sete pontos percentuais virão da diminuição dos encargos setoriais; 4,5 pontos decorrerão da queda das receitas em transmissão; e 5,1 pontos virão da redução das tarifas de geração.

A queda será menor que os 20,2% inicialmente planejados pelo governo. Segundo o governo, se todas as companhias tivessem aderido ao pacote, a contribuição na geração seria de 8,5 pontos. “Essa diferença se deve às decisões da Cesp, Copel e Cemig”, afirmou Zimmermann.

As três empresas que impuseram derrota ao governo federal – as estatais elétricas de São Paulo, Paraná e Minas Gerais, respectivamente – alegaram a redução expressiva do faturamento, estimado em torno de 70%, e o oferecimento de indenizações aquém do que consideram adequadas para tomar a decisão.

Crítica – Zimmermann criticou que a opção de Cesp, Cemig e Copel de não renovar as concessões de hidrelétricas. Na avaliação dele, a decisão penaliza também a população desses estados. Ele acrescentou que as companhias, em sua opinião, olharam apenas o curto prazo.

Mais cedo, o secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, negou que exista guerra do governo paulista com o federal, afirmando que a Cesp tomou uma decisão empresarial. “A Cesp não vai participar desse processo. Não podemos aceitar essa defasagem de 5 bilhões de reais”, disse. Ele se referia à diferença entre a indenização proposta pela União para os ativos não amortizados das usinas de Ilha Solteira, Jupiá e Três Irmãos, de 1,8 bilhão de reais. A contabilidade da própria Cesp apontava cerca de 7,2 bilhões de reais a receber.

A Cemig disse em comunicado ter recusado renovar suas concessões das usinas de geração porque não poderia garantir a operação sustentável dos ativos, caso aderisse às condições contratuais de prorrogação estabelecidas pelo governo federal. “Os contratos impõem às empresas toda a responsabilidade em função de problemas de operação, danos ambientais e outros”, disse o presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais. “Isso significa que, mesmo tendo realizado um grande esforço no sentido de reduzir os custos operacionais, não temos como assumir o compromisso contratual de garantir uma operação de forma sustentável”, acrescentou.

De fato, analistas ouvidos pelo site de VEJA alertaram para o risco de as tarifas condicionadas às renovações antecipadas, bem como as indenizações, serem incompatíveis com o perfil de uma companhia do setor elétrico. Na avaliação deles, é preciso que a rentabilidade seja minimamente assegurada para que essas empresas realizem investimentos de longo prazo, não só em manutenção, como em ampliação dos sistemas. Sem uma remuneração adequada, dizem os especialistas, o Brasil poderia caminhar rumo a um modelo parecido com o da Argentina, onde a baixa rentabilidade levou a um sucateamento das companhais e apagões frequentes.

Leia mais:

Brasil pode virar uma Argentina no setor elétrico, dizem especialistas

Aneel – O diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) Romeu Rufino já havia afirmado que a não adesão da Cesp à renovação das concessões do setor elétrico, aliada à recusa de três usinas da Cemig, poderia fazer com que a redução da conta de luz não fosse a idealizada pelo governo. “Os 20% previam adesão total à renovação”, disse Rufino a jornalistas ao chegar à reunião semanal da Aneel, nesta terça-feira.

Reportagem publicada pelo site de VEJA em outubro adiantou que a redução seria mais demorada e menor do que o previsto. Segundo especialistas, a burocracia, a insegurança jurídica decorrente da renovação das concessões e outros inúmeros aspectos legais impediriam que a redução chegasse ao bolso do consumidor já em 2013.

Continua após a publicidade

Quem renovou – Zimmermann disse ainda que 60% das concessões de geração de energia tiveram seus contratos prorrogados nesta terça-feira. Do total de 25 452 megawatts que o conjunto dessas usinas representava, 15 301 megawatts foram renovados nas condições que o governo apresentou.

Na área de transmissão, 100% das concessões foram renovadas. Todas as nove empresas que possuíam concessões de transmissão que venciam entre 2015 e 2017 assinaram os contratos: Celg, Cemig, Eletronorte, Cteep, CEEE, Chesf, Copel, Eletrosul e Furnas.

Celesc – A assessoria de comunicação do Ministério de Minas e Energia explicou que a conta da redução esperada para a conta de luz em 2013 leva em consideração apenas as empresas que assinaram com o governo os aditivos da renovação antecipada das concessões. Logo, além daquelas companhias que tomaram a decisão de ficar com seus ativos só até o vencimento do prazo, a conta também exclui a Celesc, de Santa Catarina. É que, na tarde desta terça-feira, a empresa conseguiu liminar na Justiça que lhe dá o direito de não decidir por enquanto pela renovação ou não dos ativos.

Leia mais:

Celesc suspende na Justiça assinatura de contratos da MP 579

De qualquer maneira, os acionistas da empresa caterinense haviam sinalizado, em 30 de novembro, pela não renovação antecipada dos contratos das usinas de Bracinho, Garcia, Cedros, Selto, Ivo Silveira, Palmeiras e Pery. Caso eles mudem de ideia, a redução da conta de energia elétrica no ano que vem poderá vir ainda maior que os 16,7% anunciados nesta terça. Se a decisão for por realmente ficar com os ativos até o vencimento, nada muda no cálculo.

Compromisso – Nelson Hubner explicou que as empresas que não renovaram os contratos de concessão são obrigadas a administrarem os ativos até que o governo faça um novo leilão. A usina de Três Irmãos, controlada pela Cesp, deverá passar por uma relicitação já no primeiro semestre de 2013. Já a de Jaguara, da Cemig, deve passar pelo processo na segunda metade do próximo ano. “A empresa tem de administrar até o fim ou avisar ao governo que irá sair. Também podemos antecipar esse processo e assumirmos as usinas imediatamente”, afirmou Hubner.

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, afirmou que as companhias podem até procurar a Justiça para tentar manter esses ativos, mas o governo está seguro. “As empresas que não renovaram têm o direito a entrar na Justiça, mas as usinas são bens públicos. Estamos tranquilos em relação a isso, pois está na Constituição”, completou.

Tomalsquim disse ainda que a disputa por esses ativos em um novo leilão poderá até reduzir ainda mais as tarifas de geração. “A decisão dessas empresas é ruim para o país, mas pode ser ruim até mesmo do ponto de vista empresarial”, afirmou o presidente da EPE, prevendo grande disputa por esses ativos.

Isso porque o próprio Hubner cravou que a Eletrobras participará dos próximos leilões. Segundo o diretor da Aneel, como essas usinas serão bastante atrativas, um novo de nicho de mercado poderá ser criado, atraindo novas companhias para o setor. “Não é preciso estar nem capitalizado, pois há financiamento disponível para a operação. E como não é preciso construir as usinas, é só chegar, administrar e receber”, completou.

O secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, esclareceu que os novos leilões seguirão a mesma divisão de cotas de energia proposta no pacote de renovação das concessões.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade