Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Receita quer evitar parcelamentos a maus pagadores

Órgão quer evitar que condições especiais sejam usadas como mecanismo de rolagem da dívida e proteção de pagamento

Este ano, até 20 de setembro, as receitas extras com o Refis da Crise foram de 14,3 bilhões de reais

A Receita Federal está montando uma estratégia para evitar que maus pagadores se beneficiem dos parcelamentos de débitos oferecidos pelo Fisco. O subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil, Carlos Roberto Occaso, informou nesta quarta-feira que, em breve, serão anunciados novos critérios de negociação para contribuintes com dívida tributária. O número de parcelas será de acordo com a capacidade financeira das empresas.

O parcelamento ordinário, oferecido atualmente pela Receita, permite que os contribuintes paguem os débitos em até 60 meses. Esse prazo passará a ser o limite de parcelas. “Muitos contribuintes usam o parcelamento ordinário para postergar o pagamento de tributos. Estamos montando um sistema para análise de condições de pagamento. Não vamos conceder parcelamento em 60 meses de forma indiscriminada. Vamos dar no tamanho exato da necessidade da empresa”, explicou Occaso.

Segundo ele, o parcelamento de débitos desestimula o pagamento voluntário de tributos e gera uma concorrência desleal com as empresas que pagam regularmente seus tributos. O problema é agravado pelos programas especiais de parcelamento de débitos aprovados pelo Congresso Nacional, em que muitos pagam a primeira parcela para receberem Certidão Negativa de Débito (CND) e depois os abandonam. Com a CND, as empresas podem participar de licitações públicas e contratar financiamentos em bancos oficiais. Occaso revelou que, dos 577,9 mil contribuintes que aderiram ao Refis da Crise, somente 212,4 mil continuam no programa. O débito parcelado é de 174 bilhões de reais, mas o valor seria superior a 1 trilhão de reais se não houvesse desistências.

Origem – O programa foi criado pelo Congresso em 2009, no auge da crise financeira internacional, para ajudar empresas com dificuldades de capital de giro. No entanto, como a Receita demorou um ano para concluir a adequação dos sistemas, somente em meados deste ano que o contribuinte foi chamado para calcular o valor real das parcelas. Eles estavam recolhendo um valor irrisório para se manterem no programa. “O balanço indica uma intenção dos contribuintes em obter os benefícios, como a CND, mas se conclui que eles não tinham interesse em concretizar suas dívidas.”, afirmou Occaso. Os dados da Receita mostram que é elevado o porcentual de empresas que abandonam os programas depois do pagamento da primeira parcela, exigida para a regularização da situação tributária do contribuinte. Também há uma migração grande de um programa para outro criado posteriormente.

A cada três anos, desde 2000, o Congresso aprovou um novo programa de parcelamento. No primeiro Refis, há onze anos, 129 mil empresas aderiram, renegociando um débito de 94,5 bilhões de reais. No entanto, somente 12,6% desse valor continuam sendo pagos. Mais de 80% das empresas foram excluídas do programa por falta de pagamento ou por migração para os programas seguintes. No Paes, aprovado em 2003, 282 mil empresas e 92 mil pessoas físicas parcelaram 69,1 bilhões de reais. Apenas 12,4% do débito continuam sendo pagos. No Paex, de 2006, o índice é ainda menor. Apenas 6,7% da dívida consolidada, de 37,8 bilhões de reais, estão em dia. O último programa foi o Refis da Crise.

“Isso indica claramente que os parcelamentos especiais, na verdade, estão sendo utilizados como rolagem de dívida e protelação de pagamento. A cada parcelamento há um número maior de devedores. Por isso, do ponto de vista técnico, os parcelamentos especiais se mostram absolutamente inadequados como instrumento de solução de passivo tributário”, avaliou Occaso. Apesar do vício dos parcelamentos, eles têm ajudado a reforçar a arrecadação federal. Este ano, até 20 de setembro, as receitas extras com o Refis da Crise foram de 14,3 bilhões de reais. A expectativa da Receita é que mais 1,2 bilhão de reais entre por mês nos cofres públicos com o pagamento das parcelas do Refis da Crise.

(com Agência Estado)