Clique e assine a partir de 8,90/mês

Putin ordena que crédito concedido ao Chipre seja renegociado

De acordo com porta-voz do presidente russo, país acha possível apoiar os esfoços do Chipre em superar sua crise econômica

Por Da Redação - 25 mar 2013, 12h17

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou nesta segunda-feira a negociação com o Chipre da reestruturação da dívida que a ilha mediterrânea contraiu com Moscou em 2011. O governo do Chipre havia pedido a Moscou uma prorrogação de cinco anos e uma diminuição dos juros sobre o crédito de 2,5 bilhões de euros concedido pela Rússia, com juros de 4,5% por um prazo de quatro anos e meio.

“O presidente Putin considera possível apoiar os esforços do presidente do Chipre e também da Comissão Europeia, que apontam para superar a crise na economia e no sistema bancário-financeiro do Estado insulano”, disse Dmitri Peskov, porta-voz do Kremlin, citado pelas agências locais.

Há uma semana o ministro russo de Finanças, Anton Siluanov, disse que Moscou renegociaria a reestruturação da dívida cipriota após acusar a União Europeia de ignorar o acordo de coordenar suas ações na ilha. Na sexta-feira passada, o ministro cipriota de Finanças, Mijalis Sarris, deixou a capital russa com as mãos vazias, após mais de dois dias de intensas consultas.

Leia mais:

Rússia estudará ajuda ao Chipre só após de acordo entre Nicósia e UE

Após acordo, Chipre confiscará 30% dos depósitos de seu maior banco

Continua após a publicidade

O vice-primeiro-ministro russo, Igor Shuvalov, expressou nesta segunda-feira sua confiança de que os capitais russos não serão afetados pelo novo acordo sobre o Chipre, embora tenha reconhecido possíveis perdas para os investidores. “Consideramos que, seja qual for a decisão, o Banco Comercial Russo (BCR) não terá perdas ou elas serão insignificantes”, disse. Shuvalov descreveu o BCR como um dos bancos mais estáveis da ilha. “A instituição se encontra em uma situação sólida. Nesse banco não existe dinheiro ilegal.”

Contudo, mais cedo, o primeiro-ministro da Rússia, Dmitry Medvedev, havia descrevido o acordo de resgate do Chipre como um “roubo” que poderá ter repercussões para a indústria bancária mundial. Segundo Medvedev, a Rússia precisa estudar cuidadosamente as consequências do plano, que vai causar fortes perdas para correntistas de bancos cipriotas com depósitos superiores a 100 mil euros.

“Na minha opinião, eles continuam a saquear o espólio, então é necessário entender qual será a história toda e quais são as implicações para os sistemas financeiro e monetário internacionais”, disse o premiê, segundo agências russas.

As contas russas respondem por uma boa parte dos depósitos em bancos cipriotas e autoridades em Moscou reagiram com indignação a um plano inicial, rejeitado pelo Parlamento do Chipre na semana passada, que taxava todos os correntistas do país. Depois de avaliar inúmeras alternativas menos dolosas à população cipriota, um acordo preliminar com os credores europeus foi alcançado na madrugada desta segunda-feira.

Após mais de dez horas de negociações, as autoridades cipriotas e os líderes europeus chegaram a uma proposta que envolve uma reestruturação completa do hipertrofiado setor financeiro da ilha mediterrânea. Em troca, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional desembolsarão 10 bilhões de euros para evitar que o país declare falência.

(com Estadão Conteúdo, agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade