Clique e assine a partir de 9,90/mês

Protecionismo leva marcas de luxo a deixarem Argentina

Grifes famosas como a francesa Louis Vuitton, a joalheria Cartier e a Maison Polo Ralph Lauren estão abandonando a Argentina

Por Da Redação - 25 set 2012, 18h29

Grifes famosas como a francesa Louis Vuitton, a joalheria Cartier e a Maison Polo Ralph Lauren estão abandonando a Argentina por causa das barreiras que o governo de Cristina Kirchner está impondo às importações.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo desta terça-feira informa que representantes da marca Loius Vuitton confirmaram aos clientes que, na próxima sexta-feira, a única loja de Buenos Aires fechará as portas, “até o regresso de um período mais favorável no país”. De acordo com a reportagem, a Louis Vuitton pagou indenização a seus funcionários e planeja abrir uma loja em Punta Del Este, no Uruguai, um dos balneários preferidos dos argentinos para o verão.

Na quinta-feira, a joalheria Cartier também anunciou que permanecerá no país somente até 31 de outubro. Em agosto, a Maison Polo Ralph Lauren, vizinha da Louis Vuitton e da Cartier na famosa Avenida Alvear, espécie de Quinta Avenida portenha, suspendeu as operações das três lojas, mas disse que a medida é temporária e que tem intenção de continuar a operar no país. A Ralph Lauren atribuiu o fechamento às dificuldades para importar seus produtos. Em dezembro, a Yves Saint Laurent, que operava no país havia 30 anos, e a Escada deixaram a Argentina.

Leia mais:

Continua após a publicidade

Prada lucra 59% a mais no primeiro semestre

Dono da LVHM processa jornal por chamada de capa

Para a Hermès, o luxo é acessível à classe média – menos no Brasil

Continua após a publicidade

Como a Hermès luta para não cair nas garras da Louis Vuitton

Hermès vence LVMH na batalha da indústria do luxo

Cenário – O divisor de águas para as empresas foi o secretário de Comércio, Guillermo Moreno, ter assumido o controle das importações argentinas. A partir de fevereiro, quando foi adotado o sistema de Declarações Juramentadas Antecipadas de Importação (DJAI), endurecendo os controles sobre as importações, outras grifes se uniram à lista, encabeçada pela Empório Armani, há três anos.

A Calvin Klein teve de deixar de vender sua linha de roupa íntima e a Chanel tem tido dificuldades para atualizar suas novas coleções a cada temporada. Todas as marcas de luxo estão com estantes vazias ou desatualizadas. Grifes argentinas também foram obrigadas a fechar as portas por falta de insumos, como a Tissage, de roupas femininas, que usa tecidos importados.

Continua após a publicidade

Outras grifes menores também estão fechando as portas com dificuldades de importar tecidos. “Não estava disposta a substituir o material por similar nacional, como exige o governo, pois isso significaria mudar o meu estilo, o caimento das peças que desenho e todo o movimento delas”, justificou uma estilista argentina que não quis se identificar – ela fechou cinco lojas no país.

Publicidade