Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Procura-se chefe: Corretora chinesa não sabe onde está seu CEO

Yim Fung, que comanda a Guotai Junan International, está desaparecido desde a semana passada; sumiço ocorre em meio a investigações de casos de 'insider trading'

Por Da Redação 24 nov 2015, 10h33

A Guotai Junan International, corretora com sede em Hong Cong e subsidiária de uma das maiores corretoras chinesas, está em busca de um CEO. Mas não um novo, e sim o atual: A empresa simplesmente não sabe onde está seu principal executivo.

Yim Fung, o CEO em questão, está desaparecido desde quarta-feira da semana passada, segundo comunicado distribuído pela Guotai nesta segunda-feira e replicado pela imprensa asiática. Com o anúncio, as ações da corretora na Bolsa de Hong Cong despencaram – a queda na segunda-feira foi de mais de 10%. No pregão de terça, os papéis voltaram a subir, mas sem compensar o tombo do dia anterior (a alta foi de 2,11%) – e sem que Fung tenha sido encontrado.

No comunicado, a Guotai Junan informa que Wong Tung Ching, vice-presidente da corretora, ficará à frente dos negócios até segunda ordem. A empresa informa ainda que suas operações seguem normalmente, a despeito do inusitado desaparecimento de seu principal executivo.

Leia também:

Azul receberá injeção de R$ 1,7 bi de grupo chinês

Continua após a publicidade

Dez nações do Sudeste Asiático estabelecem bloco econômico

A razão do sumiço de Yim Fung permanece um mistério, mas o tombo das ações da corretora dá uma pista sobre a suspeita do mercado. O desaparecimento do executivo ocorre no momento em que muitos executivos do setor financeiro e altos funcionários do governo estão sendo detido pelas autoridades chinesas como desdobramento de investigações de insider trading, a divulgação imprópria de informações sobre empresas com ações negociadas em bolsa feita para manipular as cotações.

Yao Gang, vice-presidente da China Securities Regulatory Commission, o órgão regulador do mercado de capitais chinês, é um dos investigados, informou a imprensa estatal chinesa no início deste mês. Ele atuou como executivo da Guotai Junan entre 1999 e 2002. Há algumas semanas, Zhang Xun, presidente do Banco Agrícola da China, um dos três maiores do mundo, foi detido. Xu Xiang, um conhecido gestor de recursos, também foi preso recentemente e está sendo investigado.

Centenas de pessoas suspeitas foram detidas nos últimos meses, o que tem provocado fortes oscilações do mercado. A lista inclui jornalistas renomados, funcionários da China Securities Regulatory Commission e executivos da Citic Securities, um dos principais banco de investimento da China.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade