Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Previdência: os cinco pontos da reforma que vão mudar

Os pontos que sofrerão mudanças são a regra de transição, aposentadoria rural, pensões, aposentadorias especiais e benefícios de prestação continuada

Por Da redação
Atualizado em 11 abr 2017, 16h55 - Publicado em 6 abr 2017, 16h46

Após o aval do presidente Michel Temer, o relator da proposta de reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), anunciou nesta quinta-feira que vai alterar cinco pontos da proposta. A autorização do presidente visa a facilitar a aprovação da reforma no Congresso.

Os pontos que devem sofrer alterações são os que envolvem as regras de transição, aposentadoria de trabalhadores rurais, pensões, aposentadorias especiais e benefícios de prestação continuada. Esses eram os itens que mais enfrentavam resistência no Congresso para ser aprovados.

Confira abaixo o que a PEC atual propõe para cada um deles:

Regra de transição

A primeira versão enviada pelo governo prevê  que mulheres acima de 45 anos e homens com mais de 50 anos terão de pagar um “pedágio” de 50% sobre o tempo restante de contribuição. Todos os demais respeitarão a idade mínima de 65 anos e tempo mínimo de contribuição de 25 anos.

Continua após a publicidade

Aposentadoria rural

A proposta prevê que a contribuição do trabalhador rural seja individual e obrigatória. A idade mínima seria de 65 anos para aposentadoria, com 25 anos de contribuição. Na regra atual, a aposentadoria é garantida para os trabalhadores rurais  com idade mínima de 55 anos (mulheres) e 60 anos (homens), tendo ou não contribuído para a Previdência.

Pensões

A proposta impede o acúmulo da pensão com aposentadoria, além de determinar que, nas pensões por morte, o valor pago à viúva ou ao viúvo seja de 50% da aposentadoria do morto com um adicional de 10% para cada dependente – não podendo ultrapassar 100%. 

Aposentadorias especiais

A proposta acaba com o benefício especial de professores e policiais, que hoje podem se aposentar mais cedo que outros trabalhadores.  Hoje, essas categorias têm direito à aposentadoria após trinta anos de contribuição, para homens, e 25 anos de contribuição, para mulheres, sem idade mínima.

Benefício de prestação continuada (BPC)

Hoje, o BPC é um benefício assistencial mensal no valor de um salário mínimo, oferecido a pessoas que tenham renda familiar per capita mensal inferior a ¼ do salário mínimo e que sejam deficientes ou tenham mais de 65 anos de idade. A proposta eleva a idade mínima do beneficiário do BPC de 65 anos para 70 anos de idade. A proposta também desvincula o benefício ao salário mínimo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.