Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ponto Frio e Casas Bahia eliminam 3 mil vagas

Com desaceleração das vendas e pressão das despesas operacionais, Via Varejo, dona das redes, teria ajustado sua operação ao atual cenário do mercado, diz jornal

A Via Varejo, maior grupo de varejo eletroeletrônico do país, e dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio, eliminou 3 mil vagas nas últimas semanas, cerca de 4,5% do quadro de pessoal do grupo, segundo informações publicadas pelo jornal Valor Econômico, nesta terça-feira. O maior acionista da Via Varejo é o Grupo Pão de Açúcar, controlado pelo grupo francês Casino.

De acordo com o Valor, a desaceleração das vendas neste ano, com pressão maior das despesas operacionais sobre os resultados, teria levado o grupo a tentar ajustar a operação ao atual cenário do mercado, e uma das medidas foi fechar as vagas de empregados que pediram desligamento. Parte desse ajuste envolve também a demissão de funcionários em áreas ligadas ao setor administrativo, aos centros de distribuição e ao corpo de vendas em lojas.

Procurada, a Via Varejo informou, em nota, que, num quadro em torno de 65 mil colaboradores, “existe uma movimentação natural ao longo do ano”. “Paralelamente a Via Varejo mantém vivo um plano de eficiência operacional, para racionalização de custos, processo e captação de sinergias. Desta forma são mantidos os planos de crescimento”, acrescentou.

Leia também:

Abilio Diniz aumenta participação no Carrefour Brasil

Vendas no varejo caem 0,4% em abril, diz IBGE

Comércio – O exemplo da Via Varejo não é isolado. Nos últimos meses, grandes varejistas têm reduzido seu quadro de pessoal. Sem informar números, a C&A confirmou cortes também para adequar seu quadro de funcionários ao cenário atual. Entre janeiro e maio, a Lojas Marisa demitiu cerca de 400 funcionários, segundo o sindicato dos comerciários de São Paulo.

Com base nos números de vendas do comércio do IBGE, o varejo de móveis e eletroeletrônicos teve queda de 2% no volume vendido até abril, na série com ajuste sazonal. Até março, o volume foi o pior para o setor nos últimos 15 anos, segundo cálculos do Valor, com base na série histórica do instituto.

(Da redação)