Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Plano da Petrobras prevê US$ 24,9 bilhões em refino

Ante o crescimento das importações de gasolina, estatal se esforça para antecipar operações de novas refinarias no país

Por Da Redação 29 ago 2012, 16h14

O Plano de Negócios e Gestão 2012-2016 da Petrobras prevê investimentos de 24,9 bilhões de dólares apenas para projetos de ampliação do parque de refino em implantação, revelou a companhia nesta quarta-feira. Em junho, a estatal já havia informado que a área de Abastecimento investirá 71,6 bilhões de dólares até 2016.

De acordo com diretor de Abastecimento, José Carlos Cosenza, a Petrobras está fazendo esforços para antecipar operações das refinarias Premium 1 e Premium 2, de 2018 para 2017. A de número 1, que será construída no Maranhão, já tem licença de instalação. Já a Premium 2, no Ceará, tem problemas de disponibilidade de terreno.

O executivo afirmou que a Petrobras ainda não tem um cálculo para o custo total das refinarias Premium I e II, no Nordeste, e Comperj, no Rio. Segundo ele, isso acontece por causa da mudança de metodologia da companhia. As Premium I e II e segundo trem do Comperj estão em fase de avaliação, no projeto básico. Portanto, ainda sem custo total.

Já o custo da refinaria Abreu e Lima da Petrobras, que pode ter a estatal venezuelana PDVSA como sócia, deve chegar a 20 bilhões de dólares devido a aditivos de contrato e atrasos de equipamentos, entre outros motivos, disse Cosenza.

Importações – A pressa da estatal em ampliar o parque de refino no país guarda relação com a crescente importação de combustíveis – a qual vem complementar a oferta para o pujante mercado brasileiro, que sofre com a escassez do produto nacional. De acordo com Cosenza, a importação de gasolina entre 2014 e 2016 ficará, em média, em 90 mil barris por dia.

Leia mais:

Brasil pode importar 12 bilhões de litros de gasolina em 2020

A Petrobras apontou ainda um aumento de 44 mil barris por dia na produção de gasolina e de 37 mil barris/dia na de diesel no primeiro semestre, reflexo dos investimentos em refinarias que permitiram o incremento da oferta de derivados.

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade