Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

PIB dos Estados Unidos no segundo trimestre cresce 6,5% e decepciona

Economistas esperavam alta anualizada de 8,5%; pressão sobre a oferta e escassez de matéria prima é um dos principais freios da recuperação

Por Luisa Purchio Atualizado em 29 jul 2021, 12h32 - Publicado em 29 jul 2021, 10h32

Dados divulgados na manhã desta quinta-feira, 29, pelo Escritório de Análise Econômica (BEA) dos Estados Unidos mostram que o crescimento do PIB americano anualizado no segundo trimestre de 2021 foi de 6,5%, abaixo das expectativas dos economistas da Bloomberg, que esperavam uma expansão de 8,5%.

“O aumento no PIB do segundo trimestre refletiu a contínua recuperação econômica, a reabertura de estabelecimentos e a contínua resposta do governo relacionada à pandemia de COVID-19. No segundo trimestre, os pagamentos de assistência governamental na forma de empréstimos a empresas e subvenções aos governos estaduais e locais aumentaram, enquanto os benefícios sociais para as famílias, como os pagamentos de impacto econômico direto, diminuíram”, disse o departamento em nota.

Os dados vêm ao encontro do discurso de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve Bank, a respeito da recuperação americana. Segundo ele, o crescimento de diversos segmentos da indústria, principalmente automotiva, vem sendo prejudicado pela pressão da alta demanda sobre a oferta, o que gera falta de matéria prima disponível no mercado e atrapalha a criação de empregos.

Já o crescimento do PIB americano no primeiro trimestre foi revisado de 6,4% para 6,3%. O BEA ressaltou no comunicado, ainda, que os dados divulgados estão incompleto e sujeitos à revisão. “Os efeitos econômicos totais da pandemia COVID-19 não podem ser quantificados na estimativa do PIB para o segundo trimestre porque os impactos são geralmente incorporados aos dados de origem e não podem ser identificados separadamente”, disse.

Pedido de seguro desemprego

O número de pessoas sem trabalho que solicitaram auxílio governamental na última semana foi de 400 mil, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira. Ainda que menor que na semana anterior, quando foram 424 mil solicitações, os dados vieram acima da expectativa dos economistas da Bloomberg, que estimaram 380 mil.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade